23 de maio de 2015

Anticomunismo de esquerda

Michael Parenti

The Greanville Post

Tradução / Nos Estados Unidos, por centenas de anos, os interesses predominantemente incansáveis propagaram o anticomunismo entre a população, até se tornar algo como uma ortodoxia religiosa, em vez de uma análise política. Durante a Guerra Fria, a moldura ideológica anticomunista podia transformar quaisquer dados sobre sociedades comunistas existentes em evidências hostis. Se os soviéticos se recusassem a negociar um ponto, eles eram intransigentes e beligerantes; se eles pareciam fazer concessões, isso era um artifício para baixarmos a guarda. Se se opunham à limitação das armas, eles estariam demonstrando seu intuito agressivo; mas quando de fato apoiavam mais tratados sobre armamentos, então é por que eram espertos e manipuladores. Se as igrejas na URSS estavam vazias, isso demonstrava que a religião era suprimida; mas se as igrejas estavam cheias, isso quer dizer que o povo estava rejeitando a ideologia ateia do regime. Se os trabalhadores entravam em greve(como ocorria em ocasiões não frequentes), isso era evidência de sua alienação do sistema coletivista; se eles não faziam greve, isso é por que eles eram intimidados e não tinham liberdade. A escassez de bens de consumo demonstrava uma falha no sistema econômico; uma melhora nos suprimentos de consumo significava que os líderes estavam tentando acalmar uma população inquieta e assim manter firme controle sobre ela.

Se os comunistas nos Estados Unidos desempenhavam papel importante lutando pelos direitos dos trabalhadores, dos pobres, afroamericanos, mulheres e outros, isso era apenas uma forma útil de ganhar apoio entre grupos não representados e ganhar poder para eles mesmos. Como alguém ganhava poder lutando por direitos de grupos sem poder nunca foi explicado. O que estamos abordando é uma ortodoxia não-disfarçada, tão assiduamente distribuída pelos interesses dominantes que afetou o povo ao longo do total espectro político.

Genuflexão à ortodoxia

Muitos na esquerda dos EUA apresentaram ataques contra os soviéticos e contra os vermelhos comparável à hostilidade e crueza da direita. Ouça Noam Chomsky pregando sobre os "intelectuais de esquerda" que tentam "erguer o poder nas costas dos movimentos populares de massa" e "então tornam o povo submisso... Você começa basicamente como um leninista que será parte da burocracia vermelha. Você vê depois que o poder não segue aquele caminho, e você rapidamente torna-se um ideólogo da direita... Nós vemos isso agora na (antiga) União Soviética. Os mesmos caras que eram capangas comunistas dois anos atrás estão agora dirigindo bancos e (são) entusiastas do livre mercado que louvam os americanos" (Z Magazine, 10/95).

O imaginário de Chomsky é altamente devido à mesma cultura política corporativa que ele critica tão frequentemente em outras questões. Em sua mente, a revolução foi traída por uma camarilha de "capangas comunistas" que meramente tem fome de poder em vez de querer o poder para acabar com a fome. De fato, os comunistas não mudaram "rapidamente" para a direita, mas lutaram em face a um momento de investida para manter o socialismo soviético vivo por mais de setenta anos. Precisamente, nos últimos dias da União Soviética alguns, como Boris Yeltsin, cruzaram as fileiras capitalistas, mas outros continuaram a resistir às incursões do mercado livre a um grande custo para eles mesmos, muitos conhecendo a morte durante a violenta repressão de Yeltsin contra o parlamento russo em 1993.

Alguns de esquerda e outros caem no velho estereótipo de vermelhos sedentos de poder que tomam o poder pelo poder sem qualquer preocupação com verdadeiras metas sociais. Se é verdade, alguém se impressionaria com o fato de que, em país após país, esses vermelhos colocam-se ao lado dos pobres e impotentes, frequentemente sob o grande risco de sacrificar a si próprios, em vez de buscar recompensas que vem a servir os de boa posição.

Por décadas, muitos autores de esquerda e porta-vozes nos Estados Unidos sentiram-se obrigados a estabelecer sua credibilidade com indulgências à genuflexão anticomunista e antissoviética, parecendo ser incapazes de fazer um discurso ou escrever um artigo ou livro revendo qualquer tema político sem injetar alguma dose antivermelha. O intento era e ainda é, distanciar-se eles mesmos da esquerda marxista-leninista.

Adam Hochshild, um escritor liberal e editor, alertou aqueles indiferentes à condenação das sociedades comunistas existentes, dizendo que eles "enfraquecem sua credibilidade" (Guardian, 23/5/84). Em outras palavras, para ser oponentes da guerra fria de credibilidade, tínhamos que primeiro juntar-se à Guerra Fria na condenação de sociedades comunistas. Ronald Radosh alertou que o movimento pela paz expurga a si mesmo de comunistas, então eles não podem ser acusados de serem comunistas (Guardian, 16/03/83). Se eu entendo Radosh: para salvar a nós mesmos da caça às bruxas anticomunistas, nós mesmos devemos nos tornar caçadores de bruxas.

Expurgar a esquerda de comunistas tornou-se uma prática de longa data, tendo efeitos injuriosos em várias causas progressivas. For exemplo, em 1949, umas dúzias de sindicatos foram retirados do CIO (Congresso das Organizações Industriais) por que tinham vermelhos em sua liderança. O expurgo reduziu o número de membros da CIO em cerca de 1.7 milhões e seriamente enfraqueceu seus mecanismos de recrutamento e foco político. Em meados dos anos 40, para evitar ficar "queimados" como vermelhos, os Americanos pela Ação Democrática (ADA), grupo supostamente progressista, tornou-se uma das mais vocais organizações anticomunistas.

A estratégia não funcionou. A ADA e outros à esquerda ainda foram atacados por serem comunistas ou brandos com o comunismo por aqueles à direita. Então e agora, muitos à esquerda falharam em perceber que aqueles que lutam por mudanças sociais em prol dos elementos menos privilegiados da sociedade serão atacados pelas elites conservadoras como vermelhos, sejam eles comunistas ou não. Para os interesses dominantes, há pouca diferença se sua riqueza e poder é desafiada por "subversivos comunistas" ou "leais liberais americanos". Todos são compilados como mais ou menos repugnantes.

Um prototípico espanca-vermelhos que pretendia estar na esquerda foi George Orwell. Em meio à II Guerra Mundial, enquanto a União Soviética lutava por sua vida contra os invasores nazistas em Stalingrado, Orwell anunciou que uma "uma vontade de criticar a Rússia e Stalin são testes de honestidade intelectual. São as únicas coisas que do ponto de vista de um intelectual literário são realmente perigosas" Monthly Review, 5/83). Seguramente abrigado dentro de uma sociedade virulentamente anticomunista, Orwell (com seu pensamento dúbio orweliano) caracterizou a condenação do comunismo como um ato de desafio solitário. Hoje, sua progenitura ideológica ainda persiste, oferecendo uma crítica intrépida de esquerda da esquerda, promovendo uma valente luta contra imaginárias hordas marxistas-leninistas-stalinistas.

Está em falta na esquerda dos EUA uma avaliação racional da União Soviética, uma nação que enfrentou uma dura guerra civil e uma invasão estrangeira multinacional nos seus primeiros anos de existência, e duas décadas depois expulsou e destruiu as bestas nazistas com um enorme custo para ela mesma. Três décadas após a revolução bolchevique, os soviéticos conseguiram avanços industriais como aqueles que no capitalismo levaram um século para alcançar – enquanto alimentava e dava escolas às suas crianças em vez de fazê-las trabalhar quatorze horas por dia como fizeram os industrialistas capitalistas e ainda fazem em várias partes do mundo. E na União Soviética, bem como na Bulgária, República Democrática Alemã e Cuba foi oferecida assistência vital aos movimentos de libertação nacional nos países ao redor do mundo, incluindo o Congresso Nacional Africano de Nelson Mandela, na África do Sul.

Os anticomunistas de esquerda não ficaram nenhum pouco impressionados pelos dramáticos ganhos das massas populares, previamente empobrecidas, sob o comunismo. Alguns mesmo menosprezaram tais realizações. Eu me recordo como em Burlington Vermont, em 1971, o notável anticomunista anarquista, Murray Bookchin, derrogativamente se referia às minhas preocupações pelas "pobres crianças que eram alimentadas sob o comunismo" (palavras dele).

Pregando as etiquetas

Aqueles que se recusaram a se juntar aos ataques contra os soviéticos eram taxados pelos anticomunistas de esquerda como "apologistas de soviéticos" e "stalinistas", mesmo que desaprovássemos Stalin e seu sistema autocrático de governo e acreditássemos que havia coisas seriamente erradas dentro da sociedade soviética existente. Nosso verdadeiro pecado é que diferentemente de muitos na esquerda, nós nos recusávamos a engolir de forma acrítica a propaganda da mídia dos EUA sobre as sociedades comunistas. Em vez disso, nós sustentávamos que, à parte algumas deficiências e injustiças bem conhecidas, havia características positivas no sistema comunista dignas de preservação, que melhoraram as vidas de centenas de milhões de pessoas de modo significativo e humanitário. Este clamor tinha um efeito desconsertante para os anticomunistas de esquerda, que não podiam dizer uma só palavra positiva sobre qualquer sociedade comunista (exceto Cuba, possivelmente) e não podiam ter ouvidos tolerantes ou mesmo corteses para qualquer um que o fizesse.

Saturados pela ortodoxia anticomunista, a maioria dos esquerdistas dos EUA tem praticado um mccarthismo de esquerda contra pessoas que tinham algo de positivo para dizer sobre o comunismo existente, excluindo-os da participação em conferências, conselhos consultivos, endossos políticos e publicações de esquerda. Tal como os conservadores, os anticomunistas de esquerda toleram apenas uma condenação vazia da União Soviética como uma monstruosidade stalinista e como uma aberração moral leninista.

O fato de muitos esquerdistas dos EUA terem pouca familiaridade com os escritos de Lenin e seu trabalho político não os impede de serem taxados de "leninistas". Noam Chomsky, que é um apreciador incansável de caricaturas anticomunistas, oferece este comentários sobre o leninismo: "os intelectuais ocidentais e do Terceiro Mundo eram atraídos pela contrarrevolução bolchevique(sic) por que o leninismo é, depois de tudo, uma doutrina que diz que a intelligentsia radical tem o direito de tomar o poder do Estado para dirigir os países pela força e isso torna essa ideia atraente para os intelectuais". Aqui Chomsky reproduz a imagem de intelectuais sedentos de poder junto com a sua caricatura de leninistas sedentos de poder, vilões buscando não meios revolucionários de combater a injustiça, mas poder pela sede de poder. Quando se trata de espancar os vermelhos, alguns dos melhores e mais brilhantes na esquerda não soam melhor do que os piores na direita.

Quando em 1996 houve um atentado a bomba na cidade Oklahoma, eu ouvi um comentarista de rádio anunciar: "Lenin disse que o propósito do terror é aterrorizar". Os comentaristas da mídia dos EUA repetidamente citaram Lenin de forma errônea. De fato, sua declaração desaprovava o terrorismo. Ele polemizou contra atos isolados de terrorismo que nada fazem senão criar o terror entre a população, convidar a repressão e isolar o movimento revolucionário das massas. Longe de ser um conspirador totalitário, conspirador de curtos círculos, Lenin urgia pela construção de largas coalizões e organizações de massa, congregando pessoas de diferentes níveis de desenvolvimento político. Ele advogou diversos meios necessários para avançar a luta de classes, incluindo a participação nas eleições parlamentares e nos sindicatos existentes. Para ser exato, a classe trabalhadora, como qualquer grupo de massa, necessitava de organização e liderança para levar adiante a luta revolucionária, que era o partido de vanguarda, mas isso não significava que a revolução proletária podia ser promovida e vencida por golpistas ou terroristas.

Lenin constantemente lidava com o problema de evitar dois extremos, o oportunismo burguês liberal e o aventureirismo de ultraesquerda. Ainda, ele próprio era identificado como um golpista de ultraesquerda pelos jornalistas do mainstream e por alguns da esquerda. Se a postura de Lenin quanto à revolução é desejável ou mesmo relevante hoje é uma questão que exige uma análise crítica. Mas uma avaliação útil não pode vir de pessoas que distorcem a sua teoria e prática.

Os anticomunistas de esquerda encontram qualquer associação com organizações comunistas como moralmente inaceitável por causa dos "crimes do comunismo". Ainda, muitos deles encontram-se associados com o Partido Democrático em seu país, seja como eleitores ou membros, parecendo ser indiferentes aos crimes políticos inaceitáveis cometido pelos líderes daquela organização. Sob uma ou outra administração democrata, 120 mil nipo-americanos foram retirados de suas casas e habitações e lançados em campos de detenção; bombas atômicas foram lançadas em Hiroshima e Nagasaki com uma enorme perda de vidas inocentes; ao FBI foi dada a autoridade para se infiltrar em grupos políticos; o Ato Smith foi usado para prender líderes do Partido Socialista dos Trabalhadores trotskista e depois os do Partido Comunista por suas crenças políticas; campos de detenção foram estabelecidos para receber dissidentes políticos em evento de "emergência nacional"; durante os anos 40 e 50, oito mil trabalhadores federais foram expurgados do governo por causa de suas associações políticas e visões, com centenas dele tendo carreiras arruinadas com a caça às bruxas; o Ato de Neutralidade foi usado para impor um embargo à República Espanhola, agindo em favor das legiões fascistas de Franco; programas de contra-insurgência homicida foram iniciados em vários países do Terceiro Mundo; e a guerra do Vietnã foi intensificada e continuada. E para a melhor parte do século, a Liderança Congressional do Partido Democrata protegeu a segregação racial e vetaram todas as emendas contra o linchamento e de pleno emprego. Mesmo assim, todos esses crimes, trazendo a ruína e morte de muitos, não tem comovido os liberais, os sociais-democratas, e os "socialistas democráticos" anticomunistas para insistir repetidamente que se trata de condenações vagas do Partido Democrata ou do sistema político que o produziu, certamente não com o fervor intolerante que tem sido dirigido contra o comunismo existente.

Socialismo puro vs. Socialismo de cerco
Os eventos na Europa Oriental não constituem uma derrota para o socialismo por que o socialismo nunca existiu naqueles países, de acordo com alguns esquerdistas dos EUA. Eles dizem que os Estados comunistas ofereceram nada mais do que um sistema burocrático, "capitalismo de Estado" unipartidário e algo do tipo. Chamarmos os antigos países comunistas de "socialistas" é uma questão de definição. Suficiente para dizer, eles constituíram algo diferente do que existiu no sistema capitalista movido pelo lucro que os capitalistas não tardaram a reconhecer.

Primeiro, nos países comunistas, havia menos desigualdade econômica do que sob o capitalismo. Os benefícios desfrutados pelas elites do partido e do governo eram modestas em comparação com os padrões de um diretor executivo de uma grande empresa no ocidente (mesmo quando comparados com as compensações grotescas para as elites financeiras e executivas – edição), bem como para com sua renda pessoal e estilo de vida. Líderes soviéticos como Yuri Andropov e Leonid Brejnyev não viviam em mansões reservadas como na Casa Branca, mas em apartamentos relativamente largos em projetos habitacionais próximos ao Kremlin, designado para líderes governamentais. Eles tinham limusines à sua disposição(como a maioria dos chefes de Estado) e acesso a largas dachas onde eles recebiam visitantes dignatários. Mas eles não tinham essa imensa riqueza pessoal que a maioria dos líderes dos EUA possuem.

A "vida luxuosa" desfrutada pelos líderes partidários da Alemanha Oriental, como bem publicado na imprensa dos EUA, incluía um subsídio de 725 dólares em divisas, e direito a um assentamento exclusivo nos arredores de Berlim que incluíam uma sauna, uma piscina coberta e um centro de fitness compartilhado por outros residentes. Eles também podiam comprar em lojas abastecidas com bens ocidentais como bananas, jeans e eletrônicos japoneses. A imprensa dos EUA nunca apontou que os cidadãos alemães orientais comuns tinham acesso a piscinas públicas e ginásios e mesmo podiam comprar jeans e eletrônicos(embora não a variedade importada). Nem era o "luxuoso" consumo desfrutado pelos líderes alemães contrastados como o verdadeiramente opulento estilo de vida da plutocracia ocidental.

Segundo, nos países comunistas, as forças produtivas não eram organizados para ganho de capital e enriquecimento privado; a propriedade pública dos meios de produção suplantaram a propriedade privada. Indivíduos não podiam contratar outras pessoas e acumular grandes riquezas pessoais de seu trabalho. Novamente, comparado com os padrões ocidentais, a diferença nos ganhos e economias entre a população eram geralmente modestos. A renda entre os maiores e menores assalariados na União Soviética era de cinco para uma. Nos Estados Unidos, a renda média entre os maiores multibilionários e os pobres trabalhadores é de 10.000 para 1.

Terceiro, a prioridade era colocada sobre os serviços humanos. Embora a vida sob o comunismo deixou muito a desejar e os serviços eram raramente os melhores, os países comunistas garantiram aos seus cidadãos o mínimo padrão de sobrevivência e seguridade econômica, incluindo educação garantida, emprego, habitação e assistência médica.

Quarto, os países comunistas não visavam a penetração do capital de outros países. Carecendo de uma motivação de lucro como sua força motor e assim não tendo a constante necessidade de encontrar novas oportunidades de investimentos, eles não expropriaram as terras, o trabalho, os mercados e recursos naturais de nações mais fracas, isto é, não praticaram o imperialismo econômico. A União Soviética conduziu o comércio e relações de ajuda em termos geralmente favoráveis às nações do Leste Europeu e Mongólia, Cuba e Índia.

Tudo acima fez parte dos princípios organizacionais de cada sistema comunista num ou outro degrau. Nenhum deles se aplica a países de livre mercado como Honduras, Guatemala, Tailândia, Coréia do Sul, Chile, Indonésia, Zaire, Alemanha ou Estados Unidos.

Mas um verdadeiro socialismo, argumenta-se, seria controlado pelos próprios operários através de participação direta, em vez de ser dirigido por leninistas, estalinistas, castristas, ou outros patologicamente sedentos de poder, burocráticos, homens cabalmente maus que traem revoluções. Infelizmente, esse "socialismo puro" é uma figura não-histórica e não-falsificada; ela não pode ser posta a prova contra as atualidades da história. Ela compara um ideal com uma realidade imperfeita, e a realidade vem num mísero segundo. Ela imagina o que o socialismo poderia ter sido num mundo bem melhor do que este, onde não há fortes estruturas de Estado ou força de segurança é requerida, onde nenhum dos valores produzidos pelos trabalhadores precisa ser expropriado para reconstruir a sociedade e defendê-la da invasão externa e sabotagem interna.

As antecipações ideológicas dos socialistas puros tão intangíveis na prática. Elas não explicam como desdobramentos de uma sociedade revolucionária seriam organizadas, como ataques externos e sabotagem interna seria combatida, como a burocracia seria evitada, recursos escassos alocados, diferenças políticas abordadas, prioridades estabelecidas, e produção e distribuição conduzidas. Em vez disso, eles oferecem vagas declarações sobre como os trabalhadores iriam diretamente possuir e controlar os meios de produção e chegariam em suas próprias soluções através de uma luta criativa. Não é nenhuma surpresa que os socialistas puros apoiam cada revolução, exceto as que tiveram sucesso.

Os socialistas puros tem uma visão de uma nova sociedade que criaria e seria criada por novas pessoas, uma sociedade tão transformada em seus fundamentos que deixaria pouco espaço para erros, corrupção e abusos criminosos do poder do Estado. Não haveria burocracia ou oportunistas interesseiros, nenhum conflito rude ou decisões dolorosas. Quando a realidade prova ser diferente e mais difícil, alguns na esquerda procedem em sua condenação do real e anunciam que "sentem-se traídos" por esta ou aquela revolução.

Os socialistas puros veem o socialismo como um ideal que foi manchado pela venalidade, duplicidade e sede de poder dos comunistas. Os socialistas puros opõem-se ao modelo soviético, mas oferecem poucas evidências para demonstrar que outros caminhos poderiam ter sido adotados, que outros modelos de socialismo – não o criado pela imaginação de alguém, mas desenvolvido sob a experiência histórica – poderia ter se firmado e funcionado melhor. Era possível um socialismo aberto, plural e democrático possível sob esta conjuntura histórica? A evidência histórica sugere que não. Como sustentou o filósofo político Carl Shames:

Como (os críticos de esquerda) sabem que o problema fundamental era a "natureza" dos partidos(revolucionários) governantes em vez de dizer que a concentração global do capital está destruindo todas as economias independentes e colocam um fim à soberania nacional em todo lugar? E nesse plano, de onde veio essa "natureza"? Essa "natureza" estava desconcertada, desconectada da própria sociedade em si, das relações sociais impactantes? (...) Centenas de exemplos nos quais a centralização do poder foi uma escolha necessária podem ser encontrados para proteger e assegurar as relações socialistas. Em minha observação(das sociedades comunistas existentes), o lado positivo do "socialismo" e a negação da "burocracia, autoritarismo e tirania" faziam parte de cada esfera da vida. (Carl Shames, correspondência a mim, 15/01/92)

Os socialistas puros regularmente acusam a própria esquerda da derrota que sofrem. Os seus achismos são infindáveis. Então ouvimos dizer que lutas revolucionárias falham por que seus líderes esperam demais para agir ou agem cedo demais, são tímidos demais ou impulsivos demais, muito teimosos ou facilmente influenciáveis. Ouvimos dizer que líderes revolucionários são comprometedores ou aventureiros, burocráticos ou oportunistas, rigidamente organizados ou insuficientemente organizados, não democráticos ou falham para oferecer forte liderança. Mas sempre os líderes falham por que eles não aceleram as "ações diretas" dos trabalhadores, que aparentemente iriam contornar e resolver cada adversidade se lhes fosse dado algum tipo de liderança disponível nos grupelhos dos críticos de esquerda. Infelizmente, os críticos parecem inaptos para aplicar seu próprio gênio de liderança para produzir um movimento revolucionário de sucesso em seu próprio país.

Tony Febbo questiona essa síndrome de "culpar a liderança" dos socialistas puros:

Parece-me que quando pessoas tão inteligentes, diferentes, dedicadas e heroicas como Lenin, Mao, Fidel castro, Daniel Ortega, Ho Chi Minh e Robert Mugabe – e milhões de pessoas heroicas que os seguiram e com eles lutaram – tudo termina mais ou menos no mesmo lugar, então algo maior está funcionando do que quem toma as decisões ou em qual encontro. Ou mesmo do que o tamanho das casas para as quais eles vão após o encontro... 
Esses líderes não estavam no vácuo. Eles estavam em um tornado. E tal sucção, a força, o poder que girava em torno deles deixou esse mundo mutilado por mais de 900 anos. E culpar esta ou aquela teoria, ou este ou aquele líder é um substituto simplista para o tipo de análise que os marxistas (deveriam fazer)." (Guardian, 13/11/91)

Para ser exato, os socialistas puros não são inteiramente diferentes sem agendas específicas para construir a revolução. Depois que os sandinistas derrubaram a ditadura de Somoza na Nicarágua, um grupo de ultra-esquerda no país clamava por uma propriedade das fábricas feita diretamente pelos trabalhadores. Os operários armados tomariam o controle da produção sem benefício de diretores, planejadores estatais, burocratas ou forças armadas formais. Enquanto inegavelmente atraente, esse sindicalismo operário nega as necessidades de um poder estatal. Sob tal organização, a revolução nicaraguense não teria durado sequer dois meses ante a contrarrevolução patrocinada pelos EUA que devastou o país. Ela estaria inapta para mobilizar recursos necessários para manter um exército, tomar medidas de segurança, ou construir e coordenar programas econômicos e serviços humanos em escala nacional.

Descentralização vs. Sobrevivência

Para uma revolução popular sobreviver, ela deve conquistar o poder de Estado e usá-lo para quebrar o domínio exercito pela classe dominante sobre as instituições e recursos da sociedade, e resistir ao contra-ataque reacionário que certamente virá. Os perigos internos e externos que uma revolução enfrenta necessitam de um poder centralizado que não satisfaz aos gostos de muitos, nem na Rússia Soviética de 1917, nem na Nicarágua sandinista de 1980.

Engels oferece uma avaliação pertinente de uma revolta na Espanha em 1872-73 na qual os anarquistas alcançaram o poder ao longo do país. Primeiramente, a situação prometia. O rei abdicou e o governo burguês mal contava com algumas centenas de tropas mal treinadas. Todavia, essa força triunfou por ter enfrentado uma rebelião paroquiada. "Cada cidade proclamou-se com um cantão soberano e estabeleceu um comitê revolucionário(junta)", Engels escreve. "Cada cidade agiu por conta própria, declarando que o importante seria não a cooperação com outras cidades, mas a separação delas, assim precluindo qualquer possibilidade de um ataque combinado(contra as forças burguesas)". Foi a fragmentação e isolamento das forças revolucionárias que possibilitaram as tropas do governo esmagar uma revolta após a outra".

A autonomia paroquiada descentralizada é o cemitério da insurgência – o que pode ser a razão pela qual jamais houve uma rebelião anarco-sindicalista de sucesso. Idealmente, seria bom ter apenas uma participação local, autogestionada, dos trabalhadores, com a mínima burocracia, polícia e forças armadas. Esse seria provavelmente o desenvolvimento do socialismo, se fosse permitido a ele se desenvolver sem problemas com a contrarrevolução subversiva e ataques. Alguns talvez se lembrem como em 1918-20, quatorze países capitalistas, incluindo os Estados Unidos, invadiram a Rússia Soviética em uma sangrenta, mas afracassada tentativa de derrubar o governo revolucionário bolchevique. Os anos da invasão estrangeira e guerra civil contribuíram para reforçar a psicologia de cerco bolchevique em seu compromisso com a sincronia de unidade do partido e um aparato de segurança repressivo. Assim, em maio de 1921, o mesmo Lenin que encorajou a prática de democracia partidária interna e lutou contra Trotsky para garantir aos sindicatos maior autonomia, agora clamava pelo fim da Oposição Operária e outros grupos dentro do partido. "A hora chegou", ele disse entusiasticamente no X Congresso do Partido, "de por um fim à oposição, de fazê-la cessar: nós temos oposição demais". Disputas abertas e tendências conflitantes dentro e fora do partido, os comunistas concluíram, criaram uma aparência de divisão e fraqueza que convidava o ataque de formidáveis inimigos.

Um mês antes, em abril de 1921, Lenin clamara por mais representação operária no Comitê Central do partido. Em poucas palavras, ele não se tornara anti-operário, mas anti-oposição. Havia aqui uma revolução social – como qualquer outra – que não teve a permissão de desenvolver sua vida política e material sem óbices.

Durante os anos 20, os soviéticos enfrentaram a escolha de se mover numa direção centralizada com uma economia dirigida e coletivização agrária forçada e uma industrialização a toda velocidade sob um partido dirigente e autocrático, a estrada adotada por Stalin, ou mover-se numa direção liberalizada, permitindo mais diversidade política, mais autonomia para os sindicatos e outras organizações, mais debate aberto e críticas, maior autonomia entre as várias repúblicas soviéticas, um setor de pequenos negócios privados, desenvolvimento agrícola independente pelo campesinato, grande ênfase nos bens de consumo e menos esforços na acumulação de capital necessário para construir uma forte base militar-industrial.

O último tipo, acredito, teria produzido uma sociedade mais confortável, mais humana e com melhores serviços. O socialismo de cerco teria dado lugar ao caminho para o socialismo de consumo operário. O problema é que o país teria arriscado ser incapaz de resistir à ofensiva nazista. Em vez disso, a União Soviética embarcou numa rigorosa e forçada industrialização. Esta política tem sido frequentemente mencionada como um dos erros perpetrados por Stalin sobre seu povo. Consistia mais em construir, dentro de uma década, uma base industrial inteiramente nova no Leste, nos Urais, em meio às estepes agrestes, o maior complexo de aço da Europa, em antecipação à invasão do Ocidente. "O dinheiro foi gasto como água, homens congelaram, tiveram fome e sofreram, mas a construção se deu com o desrespeito por indivíduos e um heroísmo de massas sem paralelo na história".

A profecia de Stalin de que a União Soviética tinha apenas dez anos para fazer o que os britânicos fizeram em um século provou-se correta. Quando os nazistas invadiram em 1941, a mesma base industrial, seguramente distanciada em milhas do fronte, produziram as armas da guerra que eventualmente mudaram o rumo da maré. O custo dessa sobrevivência incluiu 22 milhões de soviéticos que pereceram na guerra e incomensurável devastação e sofrimento, os efeitos distorceriam a sociedade soviética por décadas depois.

Tudo isso não quer dizer que tudo que Stalin fez foi uma necessidade histórica. As exigências da sobrevivência revolucionária não "tornam inevitáveis" a execução sem coração de centenas de velhos líderes bolcheviques, o culto da personalidade de um líder supremo que clamava cada ganho revolucionário como sua própria conquista, a supressão da vida política do partido através do terror, o eventual silenciamento do debate referente ao ritmo da industrialização e coletivização, a regulação ideológica de toda a vida intelectual e cultural, as deportações em massa de nacionalidades "suspeitas".

Os efeitos transformadores do ataque contrarrevolucionário tem sido sentido em outros países. Uma oficial sandinista que eu conheci em Viena, em 1986, notou que os nicaraguenses não eram um "povo guerreiro", mas eles tiveram que aprender a lutar por que estavam face a uma guerra destrutiva, mercenária, patrocinada pelos EUA. Ela enfatizou o fato de que a guerra e o embargo forçaram seu país a protelar sua agenda socioeconômica. Tal como com a Nicarágua, tal como Moçambique, Angola e numerosos outros países nos quais forças mercenárias dos EUA destruíram fazendas, vilas, centros de saúde e estações de energia, ao passo que matavam ou traziam a fome para centenas de milhões – o bebê revolucionário foi estrangulado em seu berço ou impiedosamente sangrado antes de seu reconhecimento. Essa realidade deve ganhar tanto reconhecimento quanto a supressão de dissidentes nesta ou naquela sociedade revolucionária.

A derrubada dos governos comunistas soviético e do Leste Europeu foi aplaudida por muitos intelectuais de esquerda. Agora a democracia teria seu dia. O povo estaria livre do julgo do comunismo e a esquerda dos EUA estaria livre do albatroz de tal comunismo existente, como Richard Lichtman colocou, "liberada do íncubo da União Soviética e da súcubo da China comunista".

Na verdade, a restauração capitalista na Europa Oriental enfraqueceu seriamente as numerosas lutas de libertação do Terceiro Mundo que recebiam ajuda da União Soviética e trouxe uma nova onda de governos de direita, os que agora funcionam lado a lado com as contrarrevoluções globais dos EUA ao longo do globo.

Em adição, a derrubada do comunismo deu luz verde para os impulsos exploratórios descontrolados dos interesses corporativos ocidentais. Não há mais a necessidade de convencer aos trabalhadores que eles vivem melhor que seus colegas na Rússia, não estão num sistema concorrente, a classe corporativa está retirando as principais conquistas que o povo trabalhador conseguiu ao longo dos anos. "Capitalismo com face humana" está sendo substituído por "capitalismo na sua face". Como Richar Levisn coloca, "então na nova agressividade exuberante do capitalismo mundial nós vemos do que haviam se distanciado os comunistas e seus aliados" (Monthly review, 9/96).

Tendo jamais entendido o papel dos poderes comunistas existentes desempenhado no temperamento dos piores impulsos do capitalismo ocidental, e tendo percebido o comunismo como nada além de um mal não mitigado, os anticomunistas de esquerda não fizeram nada para antecipar as perdas que estavam por vir. Alguns deles ainda não entendem isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário