6 de outubro de 2013

Bernanke, crises bancárias e recessões

Por Michael Roberts [*]

[The Next Recession] No ano de 2002, o atual presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, pronunciou um discurso em homenagem ao economista monetarista Milton Friedman, com motivo de seu 90º aniversário. Bernanke elogiou o trabalho de Friedman e sua colega Anna Schwartz. Em seu trabalho seminal (Uma História Monetária dos Estados Unidos, 1867-1960) sustentou que a Grande Depressão de 1929 a 1933 foi causada pelas decisões equivocadas do Federal Reserve. O Fed havia deixado crescer uma bolha creditícia ao permitir que a oferta monetária superasse o crescimento do PIB, e restringiu o fornecimento de dinheiro, subiu a taxa de juros muito cedo, provocou uma crise bancária e uma profunda depressão. Bernanke terminou seu discurso com estas palavras: "O que guardo de seu trabalho é a ideia de que as forças monetárias, sobretudo se desatam em uma direção desestabilizadora, podem ser muito poderosas. O melhor que podem fazer os bancos centrais pelo mundo é evitar este tipo de crise, proporcionando à economia, em palavras de Milton Friedman, um 'cenário monetário estável', que se reflita, por exemplo, em uma inflação baixa e estável. Permitam-me terminar minha intervenção, abusando um pouco de minha condição de representante oficial do Federal Reserve. Eu gostaria de dizer a Milton e Anna: Pelo que se refere à Grande Depressão, tens razão, nos equivocamos. Sentimos muito. Mas graças a vocês, não voltaremos a fazer isso." (http://www.federalreserve.gov/boarddocs/speeches/2002/20021108/default.htm).

Como todo o mundo sabe, Bernanke defendeu, em 1983, que as quebras bancárias foram a causa da Grande Depressão e isso explica por que apelou a um financiamento suficiente para os resgates bancários, a flexibilização quantitativa (QE) e outras medidas monetárias "não convencionais" para evitar outra depressão como consequência da Grande Recessão. A pergunta é: é correto afirmar que a gestão da oferta de dinheiro do Fed é crucial para causar ou evitar as depressões, como Friedman afirmou, e que, portanto, crédito ou dinheiro em quantidades abundantes podem evitar os colapsos bancários que geram depressões na economia?

Em um novo documento (“Bank failures and output during the Great Depression”, http://www.nber.org/papers/w19418), Jeffrey Miron e Natalia Rigol não concordam. Encontraram "poucos indícios de que a quebra de bancos exercesse um impacto substancial ou sustentado na produção durante este período". Chegam à conclusão de que "a grandes rasgos, não se depreende dos gráficos que a quebra de bancos tenha um impacto na produção. A produção industrial flutuou significativamente durante parte do período de entre guerras que experimentou poucas quebras bancárias. Em particular, a produção industrial se reduziu 28,8% em um período de quinze meses, do máximo do cíclico em julho de 1929 à primeira onda de quebras bancárias em novembro de 1930. Esse importante descenso - quase a metade da queda global - faz que seja provável que as quebras de bancos fossem em parte uma resposta às condições econômicas adversas, contribuíram ou não as quebras às perdas de produção”. Em outras palavras, a Grande Depressão iniciou com uma queda da produção industrial, que depois levou à quebra de bancos que exacerbaram a crise, mas não o contrário.

O que isso sugere é que o resgate dos bancos tampouco faria nada para por fim a uma crise capitalista, mas que simplesmente preserva os interesses do setor financeiro. E também que injetar dinheiro nos bancos através de medidas como o QE teria pouco efeito na restauração do investimento e na produção industrial. Depois de tudo, a estratégia demonstrou ser bastante incapaz de fazer outra coisa senão flexibilizar as medidas mais restritivas do fornecimento de dinheiro ou, para o caso, fortalecer os bancos e os mercados de ativos. Isso se deve a que os créditos bancários respondem à demanda e que, quando não há demanda de investimento, não há demanda de crédito bancário. Na verdade, não é um problema de oferta (ver http://www.clevelandfed.org/research/commentary/2013/2013-10.cfm). Isso significa que as quebras bancárias são mais um sintoma que uma causa da crise.

A comparação da recuperação das principais economias capitalistas depois da Grande Recessão sugere o mesmo. No gráfico seguinte (produzido pelo Banco de Inglaterra), podemos ver que a recuperação da recessão, em média, se consegue em quatro trimestres (linha vermelha). Ao produzir-se também uma crise bancária, demora até 12 trimestres (linha verde). Mas a Grande Recessão foi muito pior e só os EUA se aproximaram da recuperação média (linha roxa), enquanto a zona euro e o Reino Unido, em particular, continuam muito atrás.

Tony Northfield, em seu excelente blog (http://economicsofimperialism.blogspot.co.uk/), e em um trabalho recente (Tony Norfield on derivatives and the crisis) explica também por que as crises bancárias e, em particular, a crise financeira mundial, fizeram que a Grande Recessão fosse pior que suas antecessoras, mas não a causa principal da crise. "O papel dos derivados da última crise é ajudar a estender o boom especulativo. Nesse sentido, fizeram que a crise fosse pior do que poderia ter sido, sobretudo porque sua venda se estendeu muito além dos EUA, superando muitas barreiras locais. Entretanto, os derivados não causaram a crise, simplesmente lhe deram uma peculiar intensidade e uma forma financeira. O baixo crescimento e baixa rentabilidade foram as razões para o auge dos derivados e a 'inovação' financeira. Junto a outros aspectos do sistema de crédito, os derivados podem ajudar a promover a acumulação de capital das empresas ao poupar custos de transação, ao criar a ilusão de que os riscos são menores que na realidade, dando a impressão de representar riqueza que pode ser utilizado como garantia para os créditos e gerando lucros registrados em base aos preços impulsionados pela especulação. Um furo no sistema, um empréstimo que não consegue ser pago como se esperava podem desencadear um colapso financeiro, uma vez que põe em questão os supostos sobre os quais se assentam uma miríada de outras operações. Isto é o que realmente significa uma 'falta de confiança' nos mercados financeiros: o temor de que os valores esperados sejam ilusórios. Os colapsos financeiros impactam sobre a economia 'real', o crédito se retira e se congelam os fundos emprestados pelos bancos, inclusive a empresas que até esse momento eram viáveis. O resultado final é que a crise seja pior quando finalmente se produz".

Uma crise bancária pode fazer que a recessão seja pior, mas também que a recuperação seja mais fraca. Há uma grande quantidade de evidências de que a raiz da medíocre situação do Japão depois da crise do crédito e da crise bancária de 1989, foi a incapacidade para "limpar" os bancos da dívida acumulada. O problema da morosidade foi finalmente abordado por duas agências governamentais que se criaram para gerir e terminar com os créditos ruins e reestruturar as empresas devedoras com problemas, mas não foi até finais de 1990.

Em uma nota anterior (http://www.sinpermiso.info/articulos/ficheros/Jap.pdf ), mostrei como se elevou a taxa de benefício do Japão durante a década de 1980 graças a uma onda creditícia enorme e ao boom imobiliário. Mas não podia durar. Depois que a grande bolha de crédito estourasse em 1989, a taxa média de benefício na economia japonesa caiu quase 20% durante a década de 1990. Entretanto, desde 1998 até 2007, se elevou quase 30%. Durante a década de 1990, o setor empresarial se expandiu 15%, sentando as bases para recuperar sua rentabilidade. Finalmente se restabeleceu o crescimento médio do PIB real (relativamente) graças a que as corporações japonesas haviam cancelado suficiente capital velho e os bancos japoneses puderam voltar a emprestar; evidentemente, só depois de uma década perdida de ingressos e postos de trabalho para sua população na década de 1990, que culminou na duríssima depressão deflacionária de 1998.

A recuperação da economia capitalista só tem lugar se o capital (tanto tangível como fictício) se reduz e a rentabilidade volte a ser suficiente. O bombeamento de mais dinheiro ao estilo Bernanke simplesmente atrasa o processo e, portanto, produz uma débil e lenta recuperação, no melhor dos casos. Mas Bernanke persiste com o fim de tratar de evitar uma depressão deflacionária como na década de 1930.

[*] Michael Roberts é um reconhecido economista marxista britânico, que trabalhou 30 anos na City londrinense como analista econômico e publica o blog The Next Recession.

Nenhum comentário:

Postar um comentário