17 de janeiro de 2014

Um novo “Acordo de Oslo” para a Palestina? Proposta de Kerry é prelúdio de projeto para “O Estado Judeu”

Marie Nassif-Debs*

An Nidaa

Graves acontecimentos estão ocorrendo na Palestina ocupada sem que muitos se deem conta de que as declarações e decisões tomadas pelo governo israelense terão impacto sobre a causa palestina.

Os líderes sionistas, apoiados e defendidos pelo governo dos Estados Unidos, estão tentando aproveitar o máximo de acontecimentos políticos e militares da região – desde a guerra em curso na Síria e seu impacto sobre o Líbano e as preocupações do povo egípcio – para criarem as condições necessárias para obter o projeto chamado “Israel, Estado judeu no mundo”. Este é o projeto que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apresentou no início do seu segundo mandato para cumprir a promessa que ele havia feito o lobby sionista.

O projeto chamado “O acordo-quadro”

Para fazer isso, um novo projeto foi iniciado, “o acordo-quadro” do Ministro das Relações Exteriores, John Kerry, lançado em novembro passado em sua décima visita à região.

O projeto – que foi elogiado pela Arábia Saudita e Jordânia, antes mesmo de conhecerem o conteúdo e terem visto a versão completa – acabou por ser muito perigoso, porque impõe ao povo palestino novas concessões relativas à questões de soberania, território e o direito de retorno. Tudo isso num momento em que Israel intensifica medidas de “judaização” de Jerusalém, mas também a colonização de novos territórios palestinos. Mais recentemente, Netanyahu assinou a construção de 1.400 novas casas, metade dos quais em torno de Jerusalém e a outra metade em áreas estratégicas da Cisjordânia. Mas, não se esqueça de adicionar atentados, assassinatos e milhares de prisioneiros palestinos em prisões israelenses.

Quais são as linhas gerais do projeto?

O projeto do ministro John Kerry parte da criação de “dois países independentes” na Palestina, mas ele dá muito rapidamente a essa “independência” – como ele diz – o direito de Israel de proteger a segurança de seu território através da implantação, por um período de 10 a 15 anos, de uma força militar na fronteira entre os dois estados.

O projeto prevê não só essas medidas “protetoras”, como vai ainda mais longe, uma vez que afirma que Israel também será responsável pela segurança das fronteiras que separam a Cisjordânia da Jordânia e, especificamente, ao longo do Jordão através de sistemas de monitoramento sofisticados e permanentes.

Isso, em uma base global. Quanto às outras questões contidas na Resolução 194 da ONU e sobre o destino de Jerusalém e o direito de retorno dos refugiados palestinos nos territórios, de 1948 e outros, e um plano de ambiguidade, porque “O Acordo-quadro” ao falar sobre “Jerusalém – capital de dois estados”, e também de “direito de retorno” não especifica o que vai acontecer com os assentamentos israelenses em Jerusalém e em nenhum momento seus subúrbios orientais de aplicar o princípio do retorno.

Por que tal ambiguidade? Porque se o governo Obama não quer de qualquer forma embaraçar o governo de Israel, especialmente o ministro Avigdor Lieberman que insistiu em um comunicado recente sobre o fato de que Israel “não pode aceitar um acordo de paz que leve em conta a questão da troca de terra”. Essa troca que, segundo Liebermann, deve começar com a “transferência de pessoas (palestinos) para fora do triângulo e o vale AaRa para fortalecer o judaísmo de Israel" e não acabar, nós acreditamos que depois de ter conduzido os palestinos que vivem nos territórios de 1948, estes territórios são o ponto do que é chamado o Grande Israel.

“O Vale do Jordão é e continuará a ser Israel”?

E, a fim de extrair novas concessões dos palestinos e árabes em geral, mas para constranger o governo Obama, que tinha prometido aos jurados sobre o Estado palestino, o governo liderado por Netanyahu tomou decisões irrevogáveis​​, não só em termos de colonização, mas também em duas direções principais: primeiro, sobre a proposta feita por uma comissão ministerial israelense para assumir o Vale do Jordão, antes de assinar um acordo de paz com os palestinos, e a segunda – o que está a definir a implementação da proposta acima – sobre a criação de uma banda extremista (conduzida pelo ministro do Interior israelense, Gideon Saar) de uma colônia no vale sob o lema: o Jordão é israelense, e vai continuar assim.

Tudo isto acompanhado por uma campanha (80 por cento dos israelenses) dizendo que o projeto de John Kerry foi incapaz de alcançar a paz. Esta nova campanha contra a política internacional dos EUA é, sem dúvida, para extrair mais benefícios de funcionários norte-americanos, especialmente como resultado do acordo com o Irã, o que permitiu ao país acorrer para o clube Nuclear, por um lado, todos colocando em manter o plano israelense para bombardear reatores iranianos. Porque, para as autoridades israelenses, não é suficiente que as autoridades dos EUA afirmem e reafirmam que a segurança de Israel é uma das prioridades da política de Washington. Eles também precisam de provas tangíveis e algum apoio, como em termos econômicos e militares.

A Autoridade Palestina e a política de retirada

Mas se nós não estamos surpresos com a atitude do governo de Israel, que sempre soube como aproveitar o apoio do lobby sionista dos EUA, a AIPAC em particular, para liquidar a questão palestina e rescindir o direito de retorno, só podemos estar muito preocupados com a linha política seguida pela Autoridade Palestina. Uma linha que vai na direção das exigências dos EUA, que aceita sem qualquer resistência a mesa de negociações bilaterais fora da ONU e ignora os projetos de assentamento do governo israelense. Uma linha que John Kerry chamou de “sacrifício”, porque, de acordo com fontes bem informadas, a Autoridade Palestina aceitaria a remoção da cláusula sobre o direito ao retorno e teria aceito uma parte das negociações feita em total sigilo, lembrando, assim, outras vezes, aqueles que precedeu a assinatura do acordo de Oslo e tudo o que se seguiu como tragédia para o povo palestino.

É por isso que se teme maus dias pela frente, mais uma vez, para o povo palestino, tanto na Cisjordânia e em Gaza, porque o novo projeto dos EUA vai dar a vitória para os israelenses, o que lhes permite ir mais longe em seu projeto para eliminar qualquer possibilidade de um renascido estado palestino.

John Kerry tinha introduzido o “acordo-parte” como um quebra-cabeças cujas peças se encaixam de forma gradual e depois de cuidadosa consideração. Até agora, este “jogo” conseguiu os israelenses, porque o negociador palestino resta a fazer. Será que vai continuar nessa direção? E se a esquerda palestina se opuser ao novo projeto dos EUA e retomar o controle da situação? Essa é a questão.

* Marie Nassif-Debs é Secretária de Relações Internações do Comitê Central do Partido Comunista Libanês (PCL).

Nenhum comentário:

Postar um comentário