26 de março de 2014

Ética e moral no Fim da História

Pete Dolack


Tradução / Estranho, não é?, que sistemas que supostamente representam o ápice do desenvolvimento humano – até mesmo o fim da história – não tenham espaço para ética e moralidade.

Talvez isso se torne inevitável quando uma ideologia se desenvolve a um ponto em que a economia é considerada algo separado do meio ambiente. A partir desse ponto de vista dúbio – para ser bastante singelo – a trajetória que leva a ver o meio ambiente — e as riquezas naturais e a vida que fazem parte dele — como nada mais do que uma vaca a ser ordenhada à vontade, não é muito longa. Uma floresta não conta nada a não ser que possa ser transformada em dinheiro, o que em geral significa derrubá-la. Água limpa? Ar limpo? Artigos de luxo para aqueles que podem pagar por eles e, em consequência, lucro para os que podem engarrafá-los e criar um mercado para esses produtos.

Um artigo muito bem pensado, publicado na edição de maio de 2009 do Monthly Review me fez pensar mais sobre isso. Os autores do artigo intitulado Capitalismo no País das Maravilhas, escrito por Richard York, Brett Clark e John Bellamy Foster, discute modelos usados por economistas consagrados, que variam apenas na medida do quanto descontam a vida no futuro. Sim, é de um sangue frio exatamente como soa.

Economistas neoclássicos baseiam suas conclusões cada vez mais insanas no fato de que o aquecimento global não é um grande problema, no pior dos casos vai provocar pequenos estragos econômicos, na versão conveniente e para o benefício de poucos, de que gerações futuras serão mais ricas e portanto será mais barato para nossos descendentes limpar nossa sujeira do que seria para nós.

Os autores escrevem:

“A diferença entre eles não diz respeito à ciência por trás da mudança climática mas nas suas suposições a respeito da correção de transferir o ônus para gerações futuras. Isso deixa clara a ideologia inserida no pensamento neoclássico ortodoxo, uma área que em geral se apresenta como se usasse métodos objetivos, até mesmo naturalistas, para desenhar modelos econômicos. Entretanto, para além de todas as equações e do jargão técnico, o paradigma econômico dominante é construído sobre um sistema de valores que premia a acumulação de capital no curto prazo, enquanto desvaloriza tudo mais relativo ao presente e ao futuro”.

A partir daí, economistas ortodoxos descem uma ladeira escorregadia na qual alguns humanos têm valor e outros, não. Um exemplo desta mentalidade é o memorando de Lawrence Summers, escrito quando ele era economista chefe do Banco Mundial, no qual ele afirmou:

“Eu acho que a lógica econômica por trás de jogar lixo tóxico em países de salários baixos é impecável e nós devemos encará-la. [...] Os custos da poluição provavelmente são não-lineares, os incrementos iniciais da poluição têm, provavelmente, um custo inicial bem baixo. Eu sempre achei que países pouco populosos da África são amplamente subpoluídos”.

A atitude de Summers, apesar de não se expressar de forma tão direta, não está fora de compasso com a profissão dele. Os autores de Capitalismo no País das Maravilhas deixam bem claras as ramificações deste tipo de pensamento:

“De fato, a vida humana só vale o quanto cada pessoa contribui para a economia, o que é medido em termos monetários. Então, se o aquecimento global aumenta a mortalidade em Bangladesh, o que parece ser o caso, isso só se reflete em termos de modelo econômico na medida em que as mortes em Bangladesh afetam a economia (global). Já que Bangladesh é muito pobre, os modelos econômicos [...] estimarão que não vale à pena evitar mortes lá, já que essas perdas se mostrarão minúsculas nas medidas. [...] Essa ideologia econômica, claro, se estende para além da vida humana, já que todas as milhões de espécies da terra são avaliadas de acordo apenas com o que contribuem para o Produto Interno Bruto. Então, preocupações éticas a respeito do valor intrínseco da vida humana e da vida de outras criaturas são completamente invisíveis nos modelos econômicos-padrão. Aumentar mortalidade humana e acelerar a velocidade de extinção, para muitos economistas, são problemas apenas se afetam o ‘resultado final’. Em outros aspectos, eles são invisíveis: como no mundo natural como um todo”.

Essa é a irracionalidade e a imoralidade subjacente que impelem industriais e financistas a permitir que o “mercado” tome todas as decisões sociais. Mercados não são nada mais do que interesses agregados dos maiores e mais poderosos industriais e financistas. Através de seu controle da economia mundial, eles são capazes de exercer poder decisivo sobre os governos, que não são entidades sem corpo flutuando acima da sociedade e sim reflexo do poder e das fraquezas relativas das forças sociais.

A corporação moderna tem uma obrigação legal de prover o máximo de lucro possível a seus acionistas. Em outras palavras, é esperado que atue de forma a aumentar seus lucros sem se preocupar com mais nada. A corporação é considerada uma pessoa, de acordo com a legislação norte-americana – uma pessoa que não tem limites biológicos, nem barreiras para seu crescimento. Joel Bakan, na introdução de seu livro Corporação: a Busca Patológica de Lucro e Poder resumiu desta forma a instituição dominante do capitalismo:

“O mandato da corporação, definido por lei, é buscar, incessantemente e sem exceção, o seu interesse próprio, sem se preocupar com as consequências muitas vezes negativas que pode provocar aos outros. Como resultado, eu argumento, a corporação é uma instituição patológica, detentora de um poder perigoso sobre as pessoas e as sociedades”.

Mesmo sem considerar a "corporação humanizada", entretanto, a competição incessante do capitalismo levaria a esse comportamento e os vencedores desta competição são aqueles mais dispostos a destruir todos os obstáculos, humanos e do meio ambiente, enquanto repassam os custos aos outros.

Relamente, não podemos fazer algo melhor que isso?

Nenhum comentário:

Postar um comentário