31 de maio de 2014

A agenda real da Fundação Bill e Melinda Gates

Jacob Levich

Aspects of Indian's Economy

"Está a tentar encontrar lugares onde o dinheiro terá a máxima alavancagem, como se pode salvar o máximo de vida por dólar, por assim dizer", observou Pelley. "Certo. E transformar as sociedades", respondeu Gates. [1]

Em 2009 o auto-designado "Good Club" – uma reunião das pessoas mais ricas do mundo cujo valor líquido coletivo totalizava então uns US$125 bilhões – encontrou-se a portas fechadas em Nova York para discutir uma resposta coordenada a ameaça apresentada pela crise financeira global. Liderado por Bill Gates, Warren Buffett e David Rockfeller, o grupo resolveu descobrir novos meios de tratar as fontes de descontentamento no mundo em desenvolvimento, em particular a "superpopulação" e as doenças infeccionas. [2] Os bilionários presentes comprometeram-se com despesas maciças em áreas do seu próprio interesse, sem levar em consideração as prioridades de governos nacionais e de organizações de ajuda existentes. [3]

Pormenores da cúpula secreta escaparam para a imprensa e foram saudados como um ponto de virada para a Grande Filantropia. Foi dito que fundações burocráticas tradicionais como a Ford, Rockefeller e Carnegie render-se-iam ao "filantrocapitalismo", uma nova abordagem muscular para a caridade na qual as presumidas qualificações empresariais de bilionários seriam aplicadas diretamente aos mais prementes desafios do mundo.

Os filantrocapitalistas de hoje vêem um mundo cheio de problemas que eles, e talvez apenas eles, podem e devem endireitar. ... A sua filantropia é "estratégica", "consciente do mercado", "orientada pelo impacto", "baseada no conhecimento", muitas vezes de "alto compromisso" e sempre conduzida pelo objetivo de maximizar a "alavancagem" do doador do dinheiro. ... Os filantrocapitalistas tentam cada vez mais encontrar meios de aproveitar a motivação do lucro para alcançar o bem social. [4]
Exercendo "enorme poder que podia remodelar nações de acordo com a sua vontade", [5] os doadores bilionários agora abraçariam abertamente não só a teoria baseada no mercado como também as práticas e normas organizacionais do capitalismo corporativo. Contudo, o impulso geral das suas caridosas intervenções permaneceria coerente com as antigas tradições da Grande Filantropia, como discutido abaixo:

I. A maior fundação privada do mundo
“Uma nova forma de organização multilateral”
The most prominent of the philanthrocapitalists is Bill Gates, co-founder of Microsoft Corp. and as of this writing the richest man in the world. (Despite the carefully cultivated impression that Gates is “giving away” his fortune to charity, his estimated net worth has increased every year since 2009 and now amounts to $72 billion. [6]) Gates owes his fortune not to making technological contributions but to acquiring and enforcing a fabulously lucrative monopoly in computer operating systems:

Microsoft’s greatest strength has always been its monopoly position in the PC chain. Its exclusionary licensing agreement with PC manufacturers mandated a payment for an MS-DOS license whether or not a Microsoft operating system was used. ... By the time the company settled with the Justice Department in 1994 over this illegal arrangement, Microsoft had garnered a dominant market share of all operating systems sold. [7]

Microsoft employs the standard repertoire of business strategies in defense of its monopoly power – preferential pricing, lawsuits, acquisitions of competitors, lobbying for patent protection – but relies ultimately, like other US-based monopolies, on the dominant position of the US worldwide. As former US Secretary of Defense William Cohen observed in 1999, “the prosperity that companies like Microsoft now enjoy could not occur without having the strong military that we have.”8

Gates remains chairman of Microsoft but now devotes the bulk of his time to running The Bill and Melinda Gates Foundation (BMGF), the largest private foundation in the world and easily the most powerful. With an endowment of $38 billion, BMGF dwarfs once-dominant players such as Ford ($10 billion), Rockefeller ($3 billion), and Carnegie ($2.7 billion).9 These elite charitable funds are attractive to the super-rich not only as alternative channels of influencing policy, but also as a legal means of tax avoidance. Under US law, investments in charitable foundations are tax-free; moreover, investors are not required to sell their stock positions and may continue to vote their shares without restriction.10 By sheltering foundations, the US Treasury effectively co-finances the activities of BMGF and its investors, supplying a substantial part of the “leverage” lauded above.

Even in a field dominated by the world’s richest, the Gates Foundation has acquired a reputation for exceptional high-handedness. It is “driven by the interests and passions of the Gates family,” evasive about its financials, and accountable to no one except its founder, who “shapes and approves foundation strategies, advocates for the foundation’s issues, and sets the organization’s overall direction.”11

Gates’ approach to charity is presumably rooted in his attitude toward democracy:

The closer you get to [Government] and see how the sausage is made, the more you go, oh my God! These guys don’t even actually know the budget. … The idea that all these people are going to vote and have an opinion about subjects that are increasingly complex – where what seems, you might think … the easy answer [is] not the real answer. It’s a very interesting problem. Do democracies faced with these current problems do these things well?12

The Gates charitable empire is vast and growing. Within the US, BMGF focuses primarily on “education reform,” providing support for efforts to privatize public schools and subordinate teachers’ unions. Its much larger international divisions target the developing world and are geared toward infectious diseases, agricultural policy, reproductive health, and population control. In 2009 alone, BMGF spent more than $1.8 billion on global health projects.13

The Gates Foundation exercises power not only via its own spending, but more broadly through an elaborate network of “partner organizations” including non-profits, government agencies, and private corporations. As the third largest donor to the UN's World Health Organization (WHO), it is a dominant player in the formation of global health policy.14 It orchestrates vast elaborate public-private partnerships – charitable salmagundis that tend to blur distinctions between states, which are at least theoretically accountable to citizens, and profit-seeking businesses that are accountable only to their shareholders. For example, a 2012 initiative aimed at combatting neglected tropical diseases listed among its affiliates USAID, the World Bank, the governments of Brazil, Bangladesh, UAE et al., and a consortium of 13 drug firms comprising the most notorious powers in Big Pharma, including Merck, GlaxoSmithKline, and Pfizer.15

BMGF is the prime mover behind prominent “multi-stakeholder initiatives” such as the Global Fund to Fight AIDS, Tuberculosis and Malaria, and the GAVI Alliance (a “public-private partnership” between the World Health Organization and the vaccine industry). Such arrangements allow BMGF to leverage its stake in allied enterprises, much as private businesses enhance power and profits through strategic investment schemes. The Foundation also intervenes directly in the agendas and activities of national governments, ranging from its financing of the development of municipal infrastructure in Uganda,16 to its recently announced collaboration with the Indian Ministry of Science to “Reinvent the Toilet.”17 At the same time the Foundation supports NGOs that lobby governments to increase spending on the initiatives it sponsors.18

The Gates operation resembles nothing so much as a massive, vertically integrated multinational corporation (MNC), controlling every step in a supply chain that reaches from its Seattle-based boardroom, through various stages of procurement, production, and distribution, to millions of nameless, impoverished “end-users” in the villages of Africa and South Asia. Emulating his own strategies for cornering the software market, Gates has created a virtual monopoly in the field of public health. In the words of one NGO official, “[y]ou can’t cough, scratch your head or sneeze in health without coming to the Gates Foundation.”19 The Foundation's global influence is now so great that former CEO Jeff Raikes was obliged to declare: “We are not replacing the UN. But some people would say we’re a new form of multilateral organization.”20

II. Fundações e imperialismo
Quando aqueles que têm agressivamente estabelecido e mantido monopólios a fim de acumular vastos capitais viram-se para atividades caridosas, não precisamos assumir que os seus motivos são humanitários. [21] Na verdade, em certas ocasiões estes "filantropos" definem seus objetivos mais diretamente como fazer o mundo mais seguro para a sua espécie. Numa carta publicada no sítio web da sua Fundação, Bill Gates invoca "o auto-interesse esclarecido dos ricos do mundo" e adverte que "se as sociedades não puderem proporcionar saúde básica para as pessoas, se não puderem alimentá-las e educá-las, então suas populações e problemas crescerão e o mundo será um lugar menos estável". [22]

O padrão de tais atividades "filantrópicas" foi estabelecido nos EUA cerca de um século atrás, quando barões industriais tais como Rockefeller e Carnegie estabeleceram as fundações que portam os seus nomes, seguidas em 1936 pela Ford. Como argumentou Joan Roelofs, [23] durante o século passado a filantropia privada em grande escala desempenhou um papel crítico à escala mundial para assegurar a hegemonia de instituições neoliberais enquanto reforçava a ideologia da classe dominante ocidental. Redes entrelaçadas de fundações, ONG patrocinadas por fundações e instituições do governo dos EUA como a National Endowment for Democracy (NED) – notória como um "passador" para fundos da CIA – trabalham de mãos dadas com o imperialismo, subvertendo estados e movimentos sociais amigos do povo através da cooptação de instituições consideradas úteis à estratégia global dos EUA. Em casos extremos mas não pouco frequentes, fundações colaboraram ativamente em operações de mudança de regime administradas pela inteligência dos EUA. [24]

O papel da Grande Filantropia, entretanto, é mais vasto. Mesmo esforços aparentemente benignos de fundações, tais como o combate contra doenças infecciosas, podem ser melhor entendidos quando colocados nos seus contextos históricos e sociais específicos. Recordar que escolas de medicina tropical foram estabelecidas nos EUA no fim do século XIX com o objetivo explícito de aumentar a produtividade de trabalhadores colonizados e ao mesmo tempo garantir a segurança dos seus supervisores brancos. Como escreveu um jornalista em 1907:

A doença ainda dizima populações nativas e remete para casa homens dos trópicos prematuramente velhos e desgastados. Até que o homem branco tenha a chave para o problema, esta mancha deve permanecer. Por grandes porções do globo debaixo do domínio do homem branco tem um toque grandiloquente; mas a menos que tenhamos os meios de melhorar as condições dos habitantes, isto é pouco mais do que uma jactância vazia. [25]

Precisamente este raciocínio fundamentou a formação da Fundação Rockfeller, a qual foi incorporada em 1913 com o objetivo inicial de erradicar a tênia (hookworm), a malária e a febre amarela. [26] No mundo colonizado as medidas de saúde pública encorajadas pela Comissão Internacional de Saúde da Rockfeller proporcionava aumentos na extração do lucro, pois agora podia ser pago menos por unidade de trabalho a cada trabalhador, "mas com força acrescida era capaz de trabalhar mais arduamente e mais tempo e recebia mais dinheiro no seu envelope de pagamento". [27] Além da eficiência aumentada do trabalhador – a qual não era necessariamente um desafio crítico para o capital em regiões onde vastas reservas de trabalhadores sub-empregados estavam disponíveis para exploração – os programas de pesquisa de Rockfeller prometiam maior alcance para futuras aventuras militares dos EUA no Sul Global, onde exércitos de ocupação muitas vezes haviam sido incapacitados por doenças tropicais. [28]

Como Rockfeller expandiu seus programas internacionais de saúde em coordenação com agências dos EUA e outras organizações, foram obtidas vantagens adicionais para o núcleo imperial. A medicina moderna publicitava os benefícios do capitalismo para povos "retrógrados", minando sua resistência à dominação por potências imperialistas e criando ao mesmo tempo uma classe profissional nativa cada vez mais receptiva ao neocolonialismo e dependente da generosidade estrangeira. O presidente da Rockfeller observou em 1916: "Para os objetivos de apaziguar povos primitivos e suspeitosos, a medicina têm algumas vantagens sobre metralhadoras". [29]

Após a II Guerra Mundial, a filantropia da saúde pública tornou-se estreitamente alinhada à política externa dos EUA pois o neocolonialismo abraçou a retórica, se não o conteúdo, do "desenvolvimento". Fundações colaboraram com a Agency for International Development (USAID) no apoio a intervenções destinadas a aumentar a produção de matérias-primas ao mesmo tempo que criavam novos mercados para bens manufaturados ocidentais. Uma seção da classe dominante dos EUA, representada mais destacadamente pelo secretário de Estado George Marshall, argumentou que "aumentos na produtividade do trabalho tropical exigiriam investimentos em infraestrutura social e econômica incluindo maiores investimentos em saúde pública". [30]

Enquanto isso, o seminal Relatório Gaither, encomendado em 1949 pela Fundação Ford, encarregou a Grande Filantropia de avançar com o "bem estar humano" a fim de resistir à "maré do comunismo ... na Ásia e na Europa". [31] Em 1956, um relatório do International Development Administration Board para o presidente dos EUA enquadrou abertamente a assistência à saúde pública como uma tática de ajuda à agressão militar ocidental na Indochina:

Áreas que à noite eram inacessíveis devido à atividade do Viet Minh, durante o dia recebiam bem as equipes de pulverização de DDT que combatiam a malária. ... Nas Filipinas, programas semelhantes tornam possível a colonização de muitas áreas anteriormente não habitadas e contribuem grandemente para a conversão de terroristas Huk em pacíficos proprietários de terra. [32]

Durante algum tempo, portanto, a filantropia ocidental atuou para modelar sistemas de saúde pública em países pobres, por vezes condescendendo em ceder o controle da infraestrutura e do pessoal treinado a ministérios da saúde nacionais. [33] Embora o investimento real em cuidados de saúde do Terceiro Mundo fosse escasso em comparação com as promessas extravagantes da retórica da Guerra Fria, alguma resposta a crises de saúde em países pobres foi considerada necessária no contexto da luta do pós-guerra por "corações e mentes".

A queda da União Soviética abriu solenemente a presente fase da filantropia em saúde pública, caracterizada pela exigência ocidental de "governação da saúde pública" – alegadamente como uma resposta à difusão de doenças comunicáveis acelerada pela globalização. A saúde foi redefinida como uma preocupação de segurança; o desenvolvimento do mundo é retratado como uma fervilhante placa de Petri de SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave), AIDS e infecções tropicais, difundindo "doença e morte" por todo o globo [34] e exigindo que potências ocidentais estabeleçam sistemas de saúde centralizados destinados a "ultrapassar os constrangimentos da soberania estatal". [35] Intervenções imperiais no campo da saúde são justificadas nos mesmos termos das recentes intervenções militares "humanitárias": "Interesses nacionais agora obrigam a que países se empenhem internacionalmente na responsabilidade de proteger contra ameaças à saúde importadas ou de ajudar a estabilizar conflitos externos de modo a que não possam perturbar a segurança global ou comércio ". [36]

Proporcionar apoio a operações para cuidados de saúde nacionais já não está na agenda; ao contrário – em conformidade com programas de ajustamento estrutural que exigiram ruinosos desinvestimentos em saúde pública por todo o mundo em desenvolvimento [37] – ministérios da saúde são rotineiramente ultrapassados ou comprometidos através de "parcerias público-privadas" e esquemas semelhantes. Quando sistemas nacionais de saúde são esvaziados, as despesas de saúdo de países doadores e fundações privadas ascenderam dramaticamente. [38] Na verdade, o Council on Foreign Relations, com sede nos EUA, prevê um definhamento do serviços de saúde patrocinados pelo estado, a serem substituídos por um regime supranacional de "novas estruturas legais, parcerias público-privadas, programas nacionais, mecanismos de financiamento inovadores e maior empenhamento por parte de organizações não governamentais, fundações filantrópicas e corporações multinacionais". [39]
O caso exemplar de filantropia na era da governação global da saúde é a Fundação gates. Amplamente dotada, basicamente livre de responsabilidades, não tolhida pelo respeito para com a democracia ou a soberania nacional, a flutuar livremente entre as esferas pública e privada, está posicionada do modo ideal para intervir com ligeireza e decisivamente em prol dos interesses que ela representa. Como observou Bill Gates: "Não vou ser posto fora do governo em eleições". [40] Relacionamentos de trabalho estreitos com a ONU, os EUA e instituições da UE, bem como poderosas corporações multinacionais, dão à BMGF (Bill & Melinda Gates Foundation) uma capacidade extraordinárias para harmonizar complexas agendas que se sobrepõem, assegurando que as ambições de corporações e dos EUA sejam avançadas em simultâneo. Para melhor entendimento de como opera a BMGF e no interesse de quem, vale a pena examinar os programas de vacinas global da Fundação, onde até recentemente o grosso do seu dinheiro e do seu músculo foi exercido.

[...]

Notas

1. "The Gates Foundation: Giving Away a Fortune," CBS 60 Minutes , Sept. 30, 2010, www.cbsnews.com/news/the-gates-foundation-giving-away-a-fortune/3/ .

2. Paul Harris, "They're Called The Good Club – And They Want to Save the World," Guardian , May 30, 2009, /www.theguardian.com/world/2009/may/31/new-york-billionaire-philanthropists .

3. Andrew Clark, "US Billionaires Club Together," Guardian , Aug. 4, 2010, www.theguardian.com/technology/2010/aug/04/us-billionaires-half-fortune-gates .

4. Matthew Bishop and Michael Green, Philanthrocapitalism: How Giving Can Save the World (2008), pp. 3, 6.

5. Harris, op cit.

6. “Bill Gates,” Forbes.com, Sept. 2013, http://www.forbes.com/profile/bill-gates/. (back)

7. Barry Ritholtz, “What's Behind Microsoft’s Fall from Dominance,” Washington Post, Sept. 26, 2013, http://www.washingtonpost.com/business/whats-behind-microsofts-fall-from-dominance/2013/09/05/b0e5e91e-157b-11e3-804b-d3a1a3a18f2c_story_1.html. (back)

8. Quoted in Michael Perelman, “The Political Economy of Intellectual Property,” Monthly Review, vol. 54, no. 8, January, 2003, http://monthlyreview.org/2003/01/01/the-political-economy-of-intellectual-property. (back)

9. The Foundation Center, Top Funders, http://foundationcenter.org/findfunders/topfunders/top100assets.html. (back)

10. Sheldon Drobny, “The Gates and Buffett Foundation Shell Game,” CommonDreams.org, April 26, 2006, http://www.commondreams.org/views06/0823-26.htm. (back)

11. BMGF website, http://www.gatesfoundation.org/Who-We-Are/General-Information/Leadership/Management-Committee. (back)

12. Richard Waters, “An exclusive interview with Bill Gates,” Financial Times, Nov. 1, 2013, http://www.ft.com/intl/cms/s/2/dacd1f84-41bf-11e3-b064-00144feabdc0.html#axzz2q0sgejl. (back)

13. Noel Salazar, “Top 10 philanthropic foundations: A primer,” Devex, Aug. 1, 2011, https://www.devex.com/en/news/top-10-philanthropic-foundations-what-you-need-to/75508. (back)

14. Global Health Watch, Global Health Watch 2: An Alternative World Health Report, 2008, p. 250, http://www.ghwatch.org/sites/www.ghwatch.org/files/ghw2.pdf. In a 2008 memo leaked to the press, Arata Kochi, chief of the malaria program at the World Health Organization, charged that “the growing dominance of malaria research by the Bill and Melinda Gates Foundation risks stifling a diversity of views among scientists and wiping out the health agency’s policy-making function.” Donald G. McNeil Jr., “WHO official complains about Gates Foundation's dominance in malaria fight,” NY Times, Nov. 7, 2008, http://www.nytimes.com/2008/02/17/world/americas/17iht-gates.4.10120087.html. (back)

15. “Private and Public Partners Unite to Combat 10 Neglected Tropical Diseases by 2020,” BMGF press release, Jan. 2012, http://www.gatesfoundation.org/media-center/press-releases/2012/01/private-and-public-partners-unite-to-combat-10-neglected-tropical-diseases-by-2020. (back)

16. Grant to Ministry of Lands, Housing and Urban Development; Government of Uganda, July, 2012, http://www.gatesfoundation.org/How-We-Work/Quick-Links/Grants-Database/Grants/2012/07/OPP1053920 . (back)

17. “The Next Grand Challenge in India: Reinvent the Toilet,” BMGF press release, Oct. 2013, http://www.gatesfoundation.org/Media-Center/Press-Releases/2013/10/The-Next-Grand-Challenge-in-India. The Foundation also feels free to “sit down with the Pakistan government” to demand security measures in support of its operations. See Neil Tweedie, “Bill Gates Interview: I Have No Use for Money. This is God’s Work,” The Telegraph, Jan. 18, 2013, http://www.telegraph.co.uk/technology/bill-gates/9812672/Bill-Gates-interview-I-have-no-use-for-money.-This-is-Gods-work.html. (back)

18. Global Health Watch, op. cit., p. 251. (back)

19. Ibid. (back)

20. Gabrielle Pickard, “Will Gates Foundation Replace the UN?” UN Post, 2010, http://www.unpost.org/will-gates-foundation-replace-the-un/#ixzz2pjv08DJr.

21. As pretensões ocasionais a Fundação gates à caridade desinteressada são desmentidas pelas políticas do seu consórcio (trust), o qual investe fortemente em "companhias que contribuem para o sofrimento em saúde, habitação e bem-estar social que a fundação esta a tentar aliviar". Andy Beckett, "Inside the Bill and Melinda Gates Foundation," Guardian , July 12, 2010, www.theguardian.com/world/2010/jul/12/bill-and-melinda-gates-foundation .

22. Bill Gates, Annual Letter 2011, www.gatesfoundation.org/... .

23. Foundations and Public Policy: The Mask of Pluralism (SUNY Series in Radical Social and Political Theory 2003); ver também "New Study on the Role of US Foundations," Aspects of India's Economy No. 38, Dec., 2004, rupe-india.org/38/foundations.html .

24. Ex.: "Na Indonésia as redes de conhecimento patrocinadas pela Fundação Ford trabalharam para minar o governo neutralista de Sukarno que desafiou a hegemonia dos EUA. Ao mesmo tempo, a Ford treinava economistas (tanto na Universidade da Indonésia como em universidades estado-unidenses) para um futuro regime apoiante do imperialismo capitalista". Roelofs, "Foundations and American Power ," Counterpunch , April 20-22, 2012, www.counterpunch.org/2012/04/20/foundations-and-american-power/ .

25. Citado em E. Richard Brown, "Public Health in Imperialism: Early Rockefeller Programs at Home and Abroad", Am J Public Health , 1976 September; 66(9): 897–903, 897.

26. Desde os seus dias mais primitivos a filantropia de Rockfeller ocultava também uma agenda interna. A Fundação foi forçada a retratar-se do patrocínio de investigação no campo das relações trabalhistas depois de o Relatório da Walsh Commission de 1916 descobriu que estava "a corromer fontes de informação pública" num esforço para encobrir práticas de negócios predatórias e violência industrial. Jeffrey Brison,Rockefeller, Carnegie, and Canada , Montreal: McGill-Queen's University Press, 2005, p. 35.

27. E. Richard Brown, op. cit. , p. 900.

28. David Killingray, "Colonial Warfare in West Africa 1870-1914," reprinted in J. A. de Moor & H.L. Wesseling, eds., Imperialism and War , Leiden : E.J. Brill : Universitaire pers Leiden, 1989, pp. 150-151.

29. E. Richard Brown, op. cit. , p. 900.

30. Randall Packard, "Visions of Postwar Health and Development and Their Impact on Public Health Interventions in the Developing World," reprinted in Frederick Cooper & Randall Packard, International Development and the Social Sciences , Berkeley: Univ. of California Press, 1997, p. 97. Num discurso em 1948 ao Quarto Congresso Internacional de Doenças Tropicais e Malária, Marshal, um dos principais arquitectos da política dos EUA durante os primeiros anos da Guerra Fria, esboçou uma visão grandiosa de cuidados de saúde sob o capitalismo "esclarecido": "É preciso pouca imaginação para visualizar o grande aumento na produção de alimentos e matérias-primas, o estímulo ao comércio mundial e, acima de tudo, a melhoria nas condições de vida, com as consequente vantagens culturais e sociais, que resultaria da conquista das doenças tropicais". Ibid ., p. 97.

31. Report of the Study for the Ford Foundation on Policy and Program , Detroit: Ford Foundation, November, 1949, p. 26, www.fordfoundation.org/pdfs/about/Gaither-Report.pdf .

32. Citado em Packard, op. cit ., p. 99.

33. Wilbur G. Downs, M.D., "The Rockefeller Foundation Virus Program 1951-1971 with Update to 1981", Ann. Rev. Med. 1982 33:1-29, 8.

34. Andrew F. Cooper and John J. Kirton, eds., Innovation in Global Health Governance: Critical Cases , Aldershot: Ashgate Publishing, 2009, ch. 1.

35. Michael A. Stevenson & Andrew F. Cooper, "Overcoming Constraints of State Sovereignty: Global Health Governance in Asia", Third World Quarterly , vol. 30, no. 7, 3009, pp. 1379-1394.

36. Thomas E Novotny et al., "Global health diplomacy– a bridge to innovative collaborative action," Global Forum Update on Research for Health, vol. 5, 2008, p. 41. (Emphasis added.)

37. Ver Ann-Louise Colgan, Hazardous to Health: The World Bank and IMF in Africa , Africa Action position paper, April 18, 2002, h www.africafocus.org/docs02/sap0204b.php .

38. Global Health Watch, pp. 210-11.

39. David P. Fidler, The Challenges of Global Health Governance , CFR Working Paper, May, 2010, http://www.cfr.org/global-governance/challenges-global-health-governance/p22202.

40. Entrevista com Bill Gates, NOW with Bill Moyers , May 9, 2003, transcript of television interview, http://www.pbs.org/now/transcript/transcript_gates.html.

Nenhum comentário:

Postar um comentário