23 de julho de 2014

Como o ataque de Israel a Gaza se intensifica, não é anti-semita dizer: não em meu nome

No fim das contas, trata-se de sangue.

Laurie Penny

New Statesmen

Tradução / Em uma laje do necrotério em Shejaiya, na Faixa de Gaza, há alguns dias, estavam duas crianças anônimas, um menino e uma menina. Seus corpos não puderam ser identificados porque seus pais, de acordo com Sharif Abdel Kouddous, um jornalista da revista Nation, já estavam mortos. O ataque de Israel a Gaza reivindicou centenas de vidas palestinas e criou 81 mil refugiados. Eu deveria apoiá-lo, de acordo com muitos sionistas, porque sou judia por parte de mãe. Dizem-me que as crianças tiveram que morrer para que os meus futuros filhos pudessem estar seguros. No final, dizem eles, somos do mesmo sangue.

Será que importa o que os judeus, ou as pessoas de origem judaica, dizem sobre Gaza? Sim, quando as crianças estão sendo assassinadas em nosso nome e em nome de membros da família com quem rezamos o Kaddish. Judeus estão em melhor posição do que qualquer outra pessoa para articular um forte apelo por um cessar-fogo que não volte a cair no tipo de antissemitismo preguiçoso que ajuda os militares israelenses a provar seu ponto.

Pessoas de ascendência judaica têm todos os motivos para ser hiper-vigilantes sobre a linguagem antissemita e é estúpido fingir que não há nada disso no movimento global pela liberdade palestina. É estúpido fingir que ninguém nunca confunde judeus e sionistas, ou chama o povo judeu de sanguinário e bárbaro. E dói como o diabo ouvir ​​velhas palavras de ódio escorrendo através de um movimento que é sobre a justiça, sobre liberdade, sobre como proteger algumas das pessoas mais perseguidas do mundo. Dói tanto quanto ouvir da direita israelense que a violência é para nós, para os nossos antepassados, para os nossos filhos.

Não é antissemita sugerir que Israel não receba licença para matar quem quiser para se sentir “seguro”. Não é antissemita salientar que, se Israel precisa do povo palestino em uma prisão aberta sob ocupação militar para se sentir “seguro”, a definição de segurança do estado precisa ser revista. E não é antissemita dizer que essa chamada guerra é aquela em que apenas um dos lados, na verdade, tem um exército.

Não é discurso de ódio reiterar a disparidade selvagem de vítimas. Mais de 600 palestinos foram mortos na semana passada, a maioria deles civis. Menos de 30 israelenses morreram, e a maioria deles eram soldados. Falar da proporcionalidade não é invocar, como escreveu um colunista, mais “judeus mortos”.

Pode-se lamentar a perda de vidas de ambos os lados sem apologia por mais derramamento de sangue. As famílias dos jovens soldados israelenses mortos na linha de frente de um conflito que não criaram estão sofrendo também. Isso não muda o fato de que as vítimas são desproporcionais.

Comparações com o Holocausto são grosseiras – exceto quando partem dos políticos israelenses, como o ministro da Economia Naftali Bennett fez na CNN, acusando o Hamas de “auto-genocídio em massa”. Em seguida, as comparações tornam-se obscenas. Os ministros de Binyamin Netanyahu dizem ao mundo que as famílias em Gaza que permanecem em suas casas não têm ninguém mas a si mesmas para culpar quando são massacradas. Ayelet Shaked, da extrema-direita judaica, foi mais longe, postando em sua página no Facebook que as mães de homens palestinos devem “seguir com os seus filhos [para o inferno]... Nada seria mais justo. Eles devem ir, assim como as casas em que criaram as cobras. Caso contrário, mais pequenas cobras serão criadas lá.”

Este tipo de discurso de ódio não é apenas preocupante – é perturbador. Precisamos de uma leitura compassiva da história judaica e israelense para entender de onde esse distúrbio vem. Em mais de 20 séculos de fé e de sobrevivência, o povo judeu foi perseguido, forçado ao exílio, torturado, traumatizado, ridicularizado, perseguido e finalmente assassinado aos milhões, e que importa – isso ainda importa para os filhos e netos e bisnetos dos que sobreviveram, inclusive eu.

Mas o abusado às vezes passa a abusar dos outros. Países formados em resposta ao genocídio expandem suas fronteiras com a intolerância assassina. Pessoas cujas comunidades foram bombardeadas mandam foguetes de volta. Ciclos de violência são compreensíveis. Isso não significa que eles são aceitáveis. Isso não significa que eles não podem parar.

Na semana passada, centenas de milhares de homens, mulheres e crianças em todo o mundo marcharam para expressar seu desgosto com o ataque de Israel à Faixa de Gaza, e entre eles estavam judeus e israelenses. Esta é uma das poucas situações em que faz diferença se levantar e dizer: não em nosso nome. Nem agora, nem nunca mais. Ser judeu, ou ter raízes judaicas, não faz de você responsável pelo que está acontecendo em Gaza, mas isso não significa que sua dissidência carrega muito mais peso. Não mais peso do que os parentes em luto das famílias massacradas em Shejaiya, mas o tipo de peso que paira pesado sobre o coração, e que vem com o risco pequeno, mas palpável de perturbar sua família.

Então, aqui está. Eu acho que os meus antepassados ​​que foram perseguidos, atormentados e exilados ao longo dos séculos por serem judeus ficariam horrorizados de ver o que está sendo feito em seu nome hoje. Talvez seja grosseiro colocar palavras na boca dos seus parentes mortos, mas falcões da direita têm colocado as suas opiniões na boca dos meus parentes mortos por semanas, então eu acho que tenho direito a dizer umas palavras, também.

Porque, no final, trata-se de sangue. Não sangue como metonímia ou metáfora, mas real, espirrado nos rostos das crianças gritando em Gaza. Trata-se do sangue derramado para que Israel finalmente se sinta “seguro” e por quanto tempo a comunidade internacional vai ficar parada. A base moral para a perseguição do povo palestino de Israel está erodindo rapidamente. Não é antissemita dizer “não em meu nome”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário