16 de setembro de 2014

Estado Islâmico: Assad atrai presidente Obama para sua rede

The Syrian regime, which the US has sworn to overthrow, has asked America to co-operate in the fight against Isis militants. It is likely to exact a high price for any collaboration.

Robert Fisk

The Independent

Tradução / A Síria pediu para Washington participar em colaboração militar e de inteligência para derrotar o inimigo de ambos, o ISIL. Também convidou congressistas e senadores dos EUA a visitarem Damasco para discutir ação conjunta contra os jihadistas que ameaçam os dois, os EUA e o regime do presidente Bashar al-Assad.

É convite que o presidente Barack Obama será obrigado a recusar – mas não sem algum embaraço. Depois de decidir bombardear as forças do ISIL, autodenominadas Estado Islâmico, na Síria e no Iraque, o Sr. Obama teve de ouvir o aviso de Vladimir Putin, de que qualquer ação unilateral desse tipo na Síria seria “ato de agressão”.

Agora, o presidente dos EUA terá de explicar outra vez por que não pode cooperar, contra os inimigos “apocalípticos” dos EUA, com um regime sírio que ele também jurou derrubar – apesar de esse regime estar combatendo exatamente contra os mesmos inimigos.

A carta enviada aos Deputados da Câmara convida explicitamente os membros do Congresso e Senado dos EUA – que no ano passado condenaram o governo sírio por ataques químicos nos subúrbios de Damasco – a colaborar para “salvar vidas sírias e americanas de um provável ataque de bombas terroristas” pelo ISIL, a Frente al-Nusra e outros grupos.

A oferta síria, apresentada ontem em uma carta assinada por Mohamed Jihad al-Laham, presidente do parlamento sírio – dirigida, dentre outros, a John Boehner, presidente da Câmara de Representantes, e a Nancy Pelosi, Líder da Minoria na Câmara – diz também que a oposição síria “moderada”, que os EUA prometem ajudar e treinar, é idêntica aos grupos jihadistas que apoiam o ISIL (fórmula que os sírios preferem, das várias siglas que designam o mesmo grupo).

A oposição dita “moderada”, escreve o presidente da Câmara de Deputados sírios, “vendeu ao ISIL o inocente jornalista americano que o ISIL degolou. Nada impede que esses grupos vendam armas americanas ao ISIL (...) como se sabe que já fazem como prática habitual”. Armar “indivíduos islâmicos jihadistas não estatais” prossegue a carta, “é uma clara violação da Resolução nº. 2.170 do Conselho de Segurança da ONU (...), que ordena que qualquer cooperação para combater contra terroristas tem de ser construída entre estados membros”.

A Resolução n. 2.170, aprovada no mês passado, diz que os estados membros “devem suspender o fluxo de combatentes estrangeiros, o financiamento e outros tipos de apoio a grupos extremistas islâmicos no Iraque e Síria” – identificados no documento da ONU como o ISIL e a Frente al-Nusra ligada à al-Qaeda – e “impedir que milicianos viajem de seus países natais para se unirem àqueles grupos”.

A Síria, claro, insiste que não há qualquer oposição “moderada” hoje no país, declaração que leva a marca da verdade; e que todos os opositores do governo do presidente Assad sempre foram, desde o início, jihadistas sunitas de orientação wahhabista. A carta do Sr. Laham – que não poderia ter sido enviada sem aprovação do governo – acusa a Arábia Saudita, que financia os inimigos do presidente Assad, de manter escolas que “ensinam a ideologia do ódio, takfiri [quando um muçulmano acusa outro muçulmano de apostasia] e a jihad como deveres religiosos”.

Enfatizando as próprias críticas contra o regime saudita, a carta dos sírios diz que todos os “terroristas” são produtos “dessa ideologia salafista, wahhabista e jihadista – do 11/9 às bombas de Boston e à degola de dois jornalistas americanos, degola que é prática governamental legal comum na Arábia Saudita”. Obama não deve constituir qualquer coalizão ao arrepio da Resolução nº. 2.170 da ONU, “especialmente com estados que com os quais há conflito de interesse, devido à ideologia que praticam”.

A carta pode ter sido influenciada por Khaled Mahjoub, cidadão americano e empresário sírio que também é amigo pessoal e confidente do presidente Bashar al-Assad, e repete a observação frequentemente citada do Sr. Mahjoub, de que só a reeducação de famílias e comunidades “terroristas” mediante o “sufismo do amor” pode reabilitar seres humanos habituados ao uso da violência. O sufismo, com sua poesia mística e o desejo de encontrar o amor divino, é visto por muitos sírios como perfeito antídoto para o “jihadismo”; missionários sufistas disseminam o Islã pela África e Ásia Central e também pela Índia.

Obama lays out IS strategy

Barack Obama has said US will lead a coalition to "destroy Islamic State" as he authorised air strikes against the militant group in Syria.

Entra na minha teia, diz a aranha à mosca. Porque a teia do governo sírio se comprovou muito mais resistente do que EUA e Europa imaginaram – e a principal mosca demonstou todas as características de fraqueza, medo e indecisão, como a aranha síria entende. Há apenas pouco mais de um ano, os EUA tinham planos para esmagar o governo sírio com bombas e mísseis. Agora, só falam de esmagar o ISIL com bombas e mísseis. A Síria vai exigir um preço por qualquer ajuda de que Washington precisar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário