20 de novembro de 2014

Guerra total na Ucrânia: "Ofensiva final" da OTAN

James Petras


Há sinais claros de que uma grande guerra está prestes a estalar na Ucrânia. Uma guerra promovida ativamente pelos regimes OTAN e apoiada pelos seus aliados e clientes na Ásia (Japão) e no Oriente Média (Arábia Saudita).

A guerra na Ucrânia basicamente será executada no sentido de uma ofensiva militar em plena escala contra a região Sudeste do Donbas, tomando como alvo os russos étnicos da Ucrânia nas Repúblicas de Donetsk e Lugansk, com a intenção de depor os governos eleitos democraticamente, desarmar as milícias populares, matar os partisans da guerrilha de resistência e sua base de massa, desmantelar as organizações representativas populares e ocupar-se com a limpeza étnica de milhões de cidadãos bilíngues ucranianos-russos. O ataque militar da OTAN que está para vir na região do Donbas é uma continuação e extensão do seu violento golpe original em Kiev, o qual derrubou um governo ucraniano eleito em fevereiro de 2014.

A junta de Kiev e seus governantes-clientes recém eleitos, bem como os seus patrocinadores da OTAN, têm a intenção de efetuar um grande expurgo a fim de consolidar o domínio ditatorial do fantoche Poroshenko. As recentes eleições patrocinadas pela OTAN excluíram vários grandes partidos políticos que tradicionalmente eram apoiados pelas grandes minorias étnicas do país, além de terem sido boicotadas na região do Donbas. Esta impostura eleitoral em Kiev marcou o tom para o movimento seguinte da OTAN destinado a converter a Ucrânia numa gigantesca base militar multi-propósito dos EUA, abastecer Berlim com cereais e matérias-primas e ao mesmo tempo servir como um mercado cativo para bens manufaturados alemães.

Uma intensificação da febre da guerra está a varrer o ocidente; as consequências desta loucura parecem mais graves a cada hora que passa.

Sinais de guerra: A campanha de propaganda e sanções, a cúpula do G-20 e a acumulação de equipamento militar 

Os tambores da guerra oficiais a rufarem em prol de uma expansão do conflito na Ucrânia, encabeçados pela junta de Kiev e suas milícias fascistas, refletem-se em todos os mass media ocidentais, todos os dias. Importantes meios de propaganda de massa e "porta-vozes" públicos governamentais publicam ou anunciam novos relatos inventados do crescimento de ameaças militares russas aos seus vizinhos e invasões transfronteiriças da Ucrânia. Novas incursões russas são "informadas" desde as fronteiras nórdicas e dos estados bálticos até o Cáucaso. O regime sueco atingiu um novo nível de histeria quanto um misterioso submarino "russo" ao largo da costa de Estocolmo, o qual nunca foi identificado ou localizado – e muito menos confirmado o "avistamento". A Estônia e a Letônia afirmam que aviões de guerra russos violaram seu espaço aéreo, sem confirmação. A Polônia expulsa "espiões" russos sem prova ou testemunhos. Exercícios militares conjuntos em plena escala de estados clientes da OTAN estão a ter lugar ao longo das fronteiras da Rússia nos Estados Bálticos, na Polônia, na Romênia e na Ucrânia.

A OTAN está a enviar vastos carregamentos de armas para a junta de Kiev, juntamente com conselheiros de "Forças Especiais" e peritos em contra-insurgência em antecipação a um ataque em plena escala contra os rebeldes no Donbas.

O regime de Kiev nunca cumpriu o cessar-fogo de Minsk. Segundo o gabinete de Direitos Humanos da ONU, uma média de 13 pessoas – principalmente civis – tem sido morta a cada dia desde o cessar-fogo de Setembro. Em oito semanas, a ONU informa que 957 pessoas foram mortas – esmagadoramente por parte das forças armadas de Kiev.

O regime de Kiev, por sua vez, cortou todos os serviços sociais e públicos básicos para as Repúblicas Populares, incluindo eletricidade, combustível, salários de serviços civis, pensões, abastecimentos médicos, salários de professores e trabalhadores médicos, salários de trabalhadores municipais; as finanças e os transportes foram bloqueados.

A estratégia é estrangular a economia, destruir a infraestrutura, forçar um ainda maior êxodo de refugiados desamparados das cidades densamente povoadas através da fronteira para dentro da Rússia e então lançar assaltos maciços pelo ar, com mísseis, com artilharia e no terreno a centros urbanos bem como a bases rebeldes.

A junta de Kiev lançou uma mobilização militar total nas regiões ocidentais, acompanhada por raivosas campanhas de doutrinação anti-russas e anti-ortodoxos do Leste destinadas a atrair os mais violentos brutamontes da extrema direita chauvinista e incorporá-los às brigadas militares estilo nazista para atuarem como tropas de choque na linha de fronteira. A utilização cínica de milícias fascistas irregulares "libertará" a OTAN e a Alemanha de qualquer responsabilidade pelo terror e atrocidades inevitáveis na sua campanha. Este sistema de "negação plausível" reflete as táticas dos nazistas alemães cujas hordas de fascistas ucranianos e ustachi croatas foram notórias na sua época de limpeza étnica.

G20 + OTAN: Apoio ao blitz de Kiev

Para isolar e enfraquecer a resistência no Donbas e garantir a vitória do blitz iminente de Kiev, a UE e os EUA estão a intensificar sua pressão econômica, militar e diplomática sobre a Rússia para abandonar as nascentes democracias populares na região Sudeste da Ucrânia, seu principal aliado.

Toda a escalada de sanções econômicas contra a Rússia destina-se a enfraquecer a capacidade dos combatentes da resistência no Donbas para defenderem seus lares e cidades. Todo despacho russo de abastecimento médico e alimentar essencial para as populações sitiadas incita a um novo acesso ainda mais histérico – porque contraria a estratégia Kiev-OTAN de esfaimar os partisans e sua base de massa ou provocar a sua fuga para a segurança através da fronteira russa.

Depois de sofrer uma série de derrotas, o regime de Kiev e seus estrategas da OTAN decidiram assinar um "protocolo de paz", o chamado acordo de Minsk, para interromper o avanço da resistência do Donbas à regiões do Sul e proteger seus soldados de Kiev e milícias encravadas em bolsões isolados no Leste. O acordo de Minsk destinava-se a permitir à junta de Kiev reagrupar seus militares, reorganizar seu comando e incorporar as diferentes milícias nazistas dentro das suas forças militares na preparação para uma "ofensiva final". A acumulação militar de Kiev no plano interno e a escalada de sanções da OTAN contra a Rússia no plano externo seriam os dois lados da mesma estratégia: o êxito de um ataque frontal à resistência democrática da bacia do Donbas depende de minimizar o apoio militar russo através de sanções internacionais.

A virulenta hostilidade da OTAN ao presidente russo, Putin, foi plenamente exibida na reunião do G-20 na Austrália: presidentes ligados à OTAN e primeiros-ministros, especialmente Merkel, Obama, Cameron, Abbott e as ameaças políticas de Harper e insultos pessoais abertos correram em paralelo com o crescente bloqueio de Kiev para esfaimar rebeldes e centros populacionais no Sudeste. Tanto as ameaças econômicas do G-20 contra a Rússia como o isolamento diplomático de Putin e o bloqueio econômico de Kiev são prelúdios à Solução Final da OTAN – o aniquilamento físico de todos os vestígios de resistência no Donbas, de democracia popular e de laços culturais-econômicos com a Rússia.

Kiev depende dos seus mentores da OTAN para impor uma nova rodada de sanções severas contra a Rússia, especialmente se a sua planejada invasão deparar-se com uma resistência bem armada e robusta reforçada pelo apoio russo. A OTAN está a contar com a restaurada e reabastecida capacidade militar de Kiev para efetivamente destruir os centros da resistência no Sudeste.

A OTAN decidiu uma "campanha tudo-ou-nada": tomar toda a Ucrânia ou, se isto fracassar, destruir o Sudeste incontrolável, destruir sua população e capacidade produtiva e empenhar-se numa guerra econômica total (e, possivelmente, rematando) com a Rússia. A chanceler Angela Merkel embarcou neste plano apesar das queixas de industriais alemães sobre suas enormes perdas de exportações para a Rússia. O presidente Hollande, da França, descartou as queixas de sindicalistas sobre a perda de milhares de empregos franceses nos estaleiros navais. O primeiro-ministro David Cameron está ansioso por uma guerra econômica contra Moscou, sugerindo aos banqueiros da City de Londres que encontrem novos canais para lavar os ganhos ilícitos de oligarcas russos.

A resposta russa

Os diplomatas russos estão desesperados para encontrar um compromisso, o qual permitiria à população de etnia russa no Sudeste da Ucrânia reter alguma autonomia sob um plano federativo e recuperar influência dentro da "nova" Ucrânia pós-golpe. Estrategas militares russos têm proporcionado ajuda logística e militar à resistência a fim de evitar uma repetição do massacre de Odessa, no qual russos étnicos foram massacrados pelos fascistas ucranianos. Acima de tudo, a Rússia não pode permitir-se ter bases militares OTAN-Nazistas-Kiev ao longo do seu Sul "vulnerável", impondo um bloqueio da Crimeia e forçando um êxodo em massa dos russos étnicos do Donbas. Sob Putin, o governo russo tem tentado propor compromissos permitindo a supremacia econômica do Ocidente sobre a Ucrânia mas sem expansão militar da OTAN e a absorção por Kiev.

Essa política conciliatória fracassou repetidamente.

O "regime de compromisso" democraticamente eleito em Kiev foi derrubado em fevereiro de 2014 num golpe violento, o qual instalou uma junta pró OTAN.

Kiev violou o acordo de Minsk com impunidade e o encorajamento das potências da OTAN e da Alemanha.

A recente reunião do G20 na Austrália exibiu um coro demagógico contra o presidente Putin. A crucial reunião privada de quatro horas entre Putin e Merkel foi um fracasso quando a Alemanha imitou o coro da OTAN.

Putin finalmente respondeu ao expandir a preparação das tropas russas de ar e terra ao longo das suas fronteiras enquanto acelerava o eixo econômico de Moscou na Ásia.

O mais importante: o presidente Putin anunciou que a Rússia não pode permanecer passiva e permitir o massacre de todo um povo na região do Donbas.

Será que a próxima blitz de Poroshenko contra o povo do Sudeste da Ucrânia se destina a provocar uma resposta russa – à crise humanitária? Será que a Rússia confrontará a ofensiva de Kiev dirigida pela OTAN e se arriscará a uma ruptura total com o Ocidente?

Nenhum comentário:

Postar um comentário