28 de novembro de 2014

"Ser sem abrigo é melhor do que trabalhar na Amazon"

Nichole Gracely tem um mestrado e foi uma das melhores preparadoras de encomendas da Amazon. Agora, depois de protestar contra a empresa, é sem abrigo.

Nichole Gracely

The Guardian

Tradução / Estou sem abrigo. Os meus piores dias agora são melhores do que os meus melhores dias quando trabalhava para a Amazon.

De acordo com as contas da Amazon, eu era uma das suas “apanhadoras” mais produtivas – eu era uma máquina, e o meu ritmo ia acelerando ao longo do turno. O que eles não sabiam é que eu acelerava porque se abrandasse por um minuto que fosse colapsava de tédio e exaustão.

Na estação mais movimentada treinava trabalhadores temporários com regularidade. Quando isso acabava eu era de novo uma apanhadora normal, a cirandar num canto remoto do armazém, sozinha por 10 horas, com todos os meus movimentos a serem seguidos pela administração numa tela de computador.

A minha performance soberba não garantia segurança laboral. A ISS é a agência de trabalho temporário que recruta trabalhadores para os armazéns da Amazon e eles estão no centro do caso SCOTUS: Integrity Staffing Solutions vs. Busk. O ISS pode simplesmente desativar o crachá de um trabalhador e de um momento para o outro essa pessoa fica sem emprego. Eles tratam-nos como se fossemos pedintes porque nós precisamos daquele trabalho. E, ainda pior, mais de dois anos depois desse caso ter ido a tribunal, tudo o que eu vejo em todo o lado é que o Jeff Bezos "está a contratar".

Nunca me senti tão sozinha como quando trabalhava lá. Trabalhava em isolamento e vivia sob vigilância constante. A Amazon podia obrigar-me a fazer horas extra e eu tinha de aceitar todas as mudanças de horário que eles queriam e, se não houvesse trabalho para fazer, mandavam-nos para casa mais cedo sem pagamento. De um momento para o outro, comecei a não conseguir pagar as minha contas.

A certa altura perdi o medo. Eu já estava a viver um inferno. Protestei com a Amazon. A mordaça foi levantada e eu tinha liberdade para falar. Passei os meus últimos dias num apartamento a construir argumentos nos fóruns de discussão, a escrever artigos de jornal e a falar com repórteres. Isso foi em 2012 e as práticas laborais da Amazon estavam a começar a ser criticadas. Eu saí do armazém da Amazon e não tinha nenhum outro trabalho alinhavado para sobreviver.

Tive de usar os cartões de crédito para pagar a renda e comprar comida, porque o primeiro cheque de subsídio de desemprego só veio passado seis meses.

Eu recebi cerca de 200 dólares por semana e durante seis meses não tive mais nenhuma fonte regular de rendimento. Vendi tudo do meu apartamento e saí da Pensilvânia tão depressa como pude. Na altura nem sabia que tinha direito a ir buscar comida ao Banco Alimentar.

Continuei o meu protesto contra a Amazon em Seatle, apesar de sem abrigo. Quando o caso Hachette apareceu eu escrevi um cartaz dizendo: "Eu era uma apanhadora de encomendas na Amazon. Fiz um curso superior. Já escrevi livros. Agora estou sem abrigo. Toda a ajuda conta".

Fiz mais dinheiro por palavra nesse cartaz do que alguma vez farei com as palavras dos meus livros, e fiz mais dinheiro por hora com esse cartaz do que a trabalhar. As pessoas davam-me dinheiro, desejavam-me sorte e iam-se embora com fé na humanidade.

Levei o meu cartaz até à porta da Whole Foods (supermercado) onde os funcionários dos escritórios da Amazon iam almoçar e eles ficavam de boca aberta a olhar para mim. Nos locais onde normalmente levantava o cartaz fazia mais dinheiro do que quando trabalhava para a empresa. E isso era em Seattle. Uma mulher perguntou-me “o que estás a escrever?” e eu contei-lhe a minha experiência sobre como de trabalhadora pobre passei a sem abrigo e da desigualdade de rendimentos que tinha sofrido. Ela falou-me do livro do Thomas Piketty e depois de termos falado um pouco sobre as minhas ideias deu-me 10 dólares e disse-me que comprava um livro sobre a minha história.

Se o Supremo Tribunal dos Estados Unidos decidir contra os trabalhadores da Amazon e determinar que eles não devem ser pagos enquanto estão nas filas para a entrega dos artigos, então vou continuar o protesto.

Já me candidatei a muitos empregos, mas todos os meus potenciais empregadores que façam uma pesquisa no google encontram a minha má relação com o meu último empregador.

Não podia aceitar empobrecer a trabalhar e agora sou uma sem abrigo crónica. Mas não é um mistério porque estou sem abrigo. Não tenho dinheiro para uma casa e pedir ajuda à minha família constantemente não é opção. Já conheci outras pessoas que são inteligentes e trabalhadoras e que também não têm casa. Muitas trabalharam muito até terem ficado com problemas de saúde e depois foram chutadas sem qualquer dinheiro. Eles contam que sejamos estúpidos. Nós não escolhemos ser sem abrigo.

Não sei em que pensam os americanos quando imaginam um sem abrigo, mas acho que não me incluiriam no grupo. Acabei a faculdade. Publicava no jornal da minha universidade e num site sobre justiça social. Fiz um mestrado em Estudos Americanos. Não avancei para o doutoramento porque achei que aquilo não era uma opção de carreira: não achava que era um “privilégio” fazer trabalho voluntário e trabalhar por menos do que o salário mínimo como doutorando para depois se tivesse sorte, ficar como professora adjunta. Não demorei muito tempo a perceber que nunca uma estudante de humanidades ia ter a hipótese te ser tolerada e paga decentemente nesse mundo totalmente empresarial que são hoje as universidades modernas. Nunca tive meios para trabalhar gratuitamente através de estágios para poder um dia ter uma carreira na universidade. Tive de aceitar trabalhos que pagavam dinheiro, como a Amazon, enquanto estudava na faculdade e tive mesmo de pedir um crédito para estudar.

Mas eu não definhei quando perdi todos os meus recursos e já não podia pagar as contas. Em vez disso, manifestou-se em mim um instinto de sobrevivência que eu nem sabia que tinha. Aprendi a viver sem dinheiro e sem casa. Trabalhei da REI (loja de artigos desportivos) em Eugene no Estado de Oregon em 2002 e por isso aprendi a viver ao ar livre. Recuso-me a viver dentro de paredes que me oprimem. Deixei de me preocupar com os números da desgraça. Na verdade, eles já não são reais para mim.

Acampei e protestei pelo direito de construir bairros de lata dos tempos modernos. Dormi em caixas de cartão no março mais chuvoso que Seattle já viu. Acampei ao lado de autoestradas.

A minha carteira não tem uma única nota. Preciso de óculos. Preciso de roupas de inverno. Preciso de dinheiro e de uma oportunidade. Qualquer coisa! Já me candidatei a empregos tanto de escritório, como de trabalho físico. Tirei o meu mestrado do curriculo para não parecer sobrequalificada. Tentei tudo. Se calhar é porque protestei contra a Amazon; se calhar é porque o meu crédito no banco está mau. Se calhar é porque eu uso a morada dos abrigos para sem abrigos como morada. Se calhar é porque não há empregos.

Os sem abrigo e as pessoas sem dinheiro são simplesmente mantidas vivas enquanto nada acontece. Neste momento, as medidas de austeridade sentem-se nas vidas concretas e os serviços sociais essenciais estão a tornar-se inadequados. Hoje acordo na rua e muitas vezes ando milhas com a mochila às costas antes de tomar qualquer pequeno almoço.

Já trabalhei em sítios no Oregon para me darem um teto, na maioria das vezes a cozinhar e a alimentar famílias. É como se fosse um programa de re-educação Maoista – demasiado parecido com escravatura para o meu gosto. Tornei-me uma capitalista. Levantei um cartaz para escapar a condições péssimas em Oregon e cheguei a Seattle sem nada. Quando cheguei vi verde. Criei uns cartazes de cartão e, de um momento para o outro, estava a fazer dinheiro outra vez. Cem dólares à hora era a normalidade, não a excepção. Aprendi que o capitalismo é giro quando se está a ganhar. Precisei de um computador portátil para usar como ferramenta profissional. Os serviços sociais não ajudaram. Mas consegui comprar um por abanar um cartaz em Seattle. É uma grande ferramenta.

Eu e o meu companheiro tentamos ativamente arranjar emprego, um sítio a que pudéssemos chamar casa. nós gostávamos desses maravilhosos dias na inteligente e civilizada Seattle, mas viemos embora porque aprendemos que o melhor é continuarmos a andar. Não é fácil começar de novo a partir do nada.

O meu coração expandiu e aprendi que o povo Americano é muito melhor do que o nosso sistema econômico e político. Fui a receptora e a dadora de atos de bondade que nunca antes me pareceram possíveis.

Todos os que se queixam dos americanos fracos, deviam por os olhos nos esforçados sem abrigo. É preciso uma força incrível ao longo do dia. Estou mais forte, mais saudável e mais feliz do que nunca. Há mais respeito por uma mulher sem abrigo nas ruas do que a Amazon tem pelos seus trabalhadores nos armazéns.

Nenhum comentário:

Postar um comentário