29 de novembro de 2014

Um espectro ronda o mundo

Resenha do livro de Domenico Losurdo, A esquerda ausente

Paolo Ercolani

Il Manifesto

Tradução / Um espectro ronda o mundo: é à esquerda. Mas, num sentido diametralmente oposto ao das celebres palavras do Manifesto de Marx e Engels.

Ao mesmo tempo, para interpretar os resultados dramáticos que vieram das grandes parábolas revolucionárias, ela iria apelar para o famoso ditado do frances Girondin Vergniaud (mais tarde retomado por Hannah Arendt, entre outros): "A revolução é como Saturno devorando seus filhos'. Hoje em dia, no entanto, para entender a situação da esquerda, no mundo, se deveria usar a metáfora da “autofagia”.

Incapaz de digerir as derrotas promulgadas por esse implacável tribunal que se chama história, de fato, a esquerda teria "devorado a si mesma" (e seus valores fundamentais) e, em seguida retornaria ao cenário mundial, sob a forma de um espectro indistinto e indistinguível, substancialmente incapaz de reconstruir sua renovação: "a reunião dos movimentos reais de protesto e de luta pela emancipação com a teoria comprometida a analisar criticamente a ordem existente."

Um monopartidarismo competitivo

Isto é o que pode ser visto a partir da leitura do novo livro de Domenico Losurdo, A esquerda ausente: crise, sociedade do espetáculo, e guerra (Carocci, pp 303., € 23), imagem impiedosa do mundo contemporâneo em que o triunfo do pensamento único neoliberal e neo-colonialista pode também ser conseguido através da dissolução da esquerda, em todo o 'interior de uma filosofia política em que as diferenças e os conflitos são evaporados para dar lugar ao que o autor chama de "um partido competitivo."
O discurso de Losurdo se baseia em pressupostos tipicamente marxistas, começando com uma análise da configuração atual que tomou a estrutura econômica.

Em poucas palavras, o nosso tempo é caracterizado por dois grandes processos de redistribuição de renda. Nos países capitalistas avançados, com o desmantelamento do estado de bem-estar, as demissões, a insegurança no emprego, salários mais baixos etc., há um aumento da polarização social: uma elite cada vez mais estreita se apropria de uma massa crescente de riqueza social, em detrimento das classes mais baixas (uma comparação interessante com a análise do autor de Thomas Piketty). Já a nível global está em vigor, uma redistribuição de renda pelo contrário: os países que se libertaram do jugo colonial ou semi-colonial e agora são "emergentes" (especialmente a China) rapidamente reduzir o fosso em relação aos países capitalistas e colocam em discussão uma grande divergência (título do livro de Kenneth Pomeranz, traduzida em italiano por Mulino), que durante séculos marcou e selou o desfecho colonial ou semi-colonial do Ocidente sobre o resto do mundo. A burguesia monopolista que é a protagonista e beneficiária do primeiro processo de redistribuição de renda tenta de todas as maneiras contrariarem o segundo: as duas guerras do Golfo, a destruição da Líbia, uma tentativa de desestabilização da Síria, as ameaças ao Irã, a marginalização progressiva e espoliação do povo palestino são aspectos diferentes de uma única política que pretende cancelar ou pôr em causa os resultados da revolução anti-colonialista no Oriente Médio e em todo o mundo.

No Ocidente, uma esquerda digna do nome seria chamada a entrar em conflito com a burguesia monopolista em ambas as frentes: para combater o processo de redistribuição de renda em favor das classes privilegiadas que ocorrem nos países capitalistas avançados; para saudar e apoiar o processo de redistribuição de renda em vigor em todo o mundo em favor dos países que têm por trás a revolução anti-colonial; para tanto, deveria lutar contra a política neo-colonialista do rearmamento e da guerra implementado pelo Ocidente e especialmente os EUA.

O problema, segundo o autor, é que a esquerda ocidental demonstrou deficiências graves no primeiro ponto e especialmente no segundo. Como isso aconteceu? A seu tempo Marx observou que a burguesia exerceu seu domínio graças ao monopólio que detém os meios de produção e difusão de idéias. Neste monopólio, Losurdo ainda adiciona outro ainda mais formidável: o monopólio da produção e difusão de emoções. Antes de iniciar uma guerra, aproveitando-se de sua superioridade esmagadora sobre os meios de comunicação, o poder de fogo, a West Island, manipula ou inventa um particularismo de terror no comportamento do inimigo a ser morto (precursor deste método era Bismarck, uma vez que, se desejado justificar o expansionismo colonial pelo Segunda Reich, pediu a seus homens: "não seria possível encontrar detalhes de incidentes terríveis de crueldade?").

O Keynesianismo de Beijing

Investido pelo "terrorismo da indignação", esse inimigo pode ser bombardeado com o consentimento de uma opinião pública mais ou menos ampla. É assim que eles são planejados, executados, bem como as guerras, até mesmo as "revoluções coloridas" que Losurdo chama atenção para os verdadeiros golpes reais (o último exemplo é a atual Ucrânia).

O final do livro se vê crescendo um impressionante tribunal de acusações pelo autor em relação às grandes figuras culturais da esquerda moderada e radical: Habermas e Bobbio, definidos como "belas almas", para Žižek e Latuoche, que, na sequência Foucault (e Hayek!) muito cedo e de forma inadequada os enviam para o sótão da "luta de classes" e do "estado-providência", até o marxista David Harvey, que na condenação da China coloca-a entre os países que aderiram ao neoliberalismo, seria para Losurdo terminar com o protagonista da maior revolução anti-colonial do mundo na história, assim como o último bastião das políticas keynesianas.

A tese de Losurdo está em negrito e em debate. Mas de uma coisa não há dúvida: este é o lugar onde se tem que começar a dar carne e substância ao fantasma invisível que chamamos de esquerda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário