28 de agosto de 2015

Bernie Sanders foi chamado de mentiroso por dizer que Hitler ganhou uma eleição. Mas ele estava certo

Dylan Matthews

Vox

Recentemente, um meme com citações de Bernie Sanders sobre a ascensão do partido nazista ao poder tonou-se viral.

O colunista verificador de fatos do Washington Post, Glenn Kessler, concedeu a esta declaração seus temidos "quatro Pinóquios". Gosto muito de Kessler e gostei de trabalhar com ele quando estive no Post. Mas desta vez ele não poderia estar mais errado.

O argumento de Kessler basicamente se resume ao fato de que concorreu pessoalmente à presidência do Reich em 1932, perdeu para o então presidente Paul von Hindenburg . Mas evidentemente Sanders não se referia a esse evento. Ele estava se referindo ao fato de que o Partido Nazista, com Hitler como seu líder, tornou-se o partido da maioria no Reichstag, câmara baixa do Parlamento alemão, em julho de 1932. E, apesar de o partido ter perdido assentos em novembro, mesmo assim manteve a posição de maior partido.

Isto é comumente referido como "ganhar uma eleição." Por exemplo:

  • Em 2008, Stephen Harper venceu a eleição no Canadá, não porque tenha obtido o lugar do sudoeste de Cargary no Parlamento do Canadá, mas porque o Partido Conservador obteve vários lugares e formou um governo da minoria, com Harper como primeiro-ministro.
  • Em 2015, David Cameron venceu a eleição britânica, não porque tenha derrotado o eleitorado de Witney na Casa dos Comuns, mas porque o Partido Conservador obteve a maioria dos assentos e continuou a controlar o governo.
  • Em 2013, Angela Merkel venceu eleições alemãs, não porque tenha obtido os votos do eleitorado de Vorpommern-Rügen - Vorpommern-Greifswald 1º -, mas porque seu Partido da Democracia Cristã obteve votos suficientes para liderar a coalizão que então se constituiu.

É verdade que ganhar uma pluralidade de assentos não garante que o seu partido vai levar o governo. Mas, de modo geral, o partido que ganha mais assentos do que qualquer outro partido é o partido que ganhou a eleição, e seu líder é o líder que ganhou.

Como funciona o governo parlamentar

Tudo isso interessa, porque a Alemanha da era de Weimar não era um sistema presidencial puro como os EUA. A meta era ser um sistema predominantemente parlamentar, com o líder do Reichstag - o chanceler - na função de chefe de governo. O presidente supervisionava o processo de formação do governo no Reichstag, e servia como chefe de Estado, mas o poder, em última instância devia caber ao chanceler. Na prática, o caos do período de Weimar levou o presidente a assumir poderes consideráveis. De 1930 a 1932, a Alemanha foi governada pelo que veio a ser conhecido como "governo presidencial", no qual o chanceler, Heinrich Brüning, implementou quase todas as suas políticas, não porque tenha conseguido aprová-las no Parlamento, mas porque Hindenburg as impôs como decretos de emergência.

Mas mesmo assim o chanceler era quem propunha as políticas que visavam a arrancar a Alemanha, da recessão. Foi seu governo que representou a Alemanha nas negociações sobre reparações da Primeira Guerra Mundial. Brüning era o líder alemão, exatamente como Angela Merkel, não o presidente da Alemanha, Joachim Gauck, é hoje a líder alemã. O presidente de Weimar tinha consideravelmente mais poderes que o atual presidente, mas seu poder não chegava nem perto do poder, digamos, do presidente dos EUA.

O registro histórico

Assim, como Hitler tornou-se chanceler e, assim, líder da Alemanha? Bem, porque ele venceu as eleições. É absolutamente verdade que o Partido Nazista usou violência e intimidação para garantir votos em ambas as eleições de 1932. Para isso serviam os camisas-marrons do Sturmabteilung, SA [Divisão de Assalto] do Partido Nazista. And they weren't the only party using violence, either; the Communist Party of Germany was engaged in street-level battles as a form of electioneering as wel. Mas a questão aqui não é que os nazistas eram antidemocráticos. Por sorte, parece que todos concordamos nesse ponto. Bernie Sanders não disse "Hitler chegou ao poder em eleições livres e limpas, caracterizadas pela total ausência de violência, e portanto mereceu tornar-se chanceler." Ele disse que Hitler foi eleito. E ele foi.

Além disso, Hitler não teria chegado ao poder se os nazistas não tivessem obtido muitos assentos em 1932. Hindenburg resistiu a entregar a chancelaria a Hitler; foi por se recusou a aceitar governo liderado pelo Partido Nazista, que forçou eleições em novembro, depois da eleição de julho. Mas mesmo então, Hindenburg ainda resistiu durante meses. Somente quando ficou claro que qualquer governo de direita liderado por outro que não Hitler era insustentável, dada a formação do Parlamento, é que Hindenburg afinal deixou que Hitler assumisse a chancelaria, em janeiro de 1933.

O que realmente importa hoje é que esses eventos históricos bizarros sobrepuseram-se e nos afastaram do que Sanders realmente disse; de fato, algo banal: que quem vence as eleições importa, e isso é evidenciado pelo fato de que, sim, os nazistas ascenderam ao poder em grande parte, porque obtiveram os votos necessários para pôr representantes seus no Reichstag. Podemos debater o dia inteiro sobre o poder relativo do presidente do Reich versus o poder do chanceler do Reich, mas ninguém em sã consciência deixará de reconhecer que Hitler não teria chegado ao poder se os nazistas não tivessem vencido as eleições parlamentares de 1932.

Nenhum comentário:

Postar um comentário