17 de agosto de 2015

Goldman Sachs – OTAN S/A

Manlio Dinucci

Il Manifesto

Tradução / Depois de ser secretário geral da OTAN de 2009 a 2014 (sob comando estadunidense), Anders Fogh Rasmussen assumiu o posto de consultor internacional da Goldman Sachs, o mais poderoso banco de investimentos estadunidense.

O currículo de Rasmussen é prestigioso. Como primeiro-ministro dinamarquês (2001-2009), empenhou-se pela “ampliação da União Europeia e da OTAN contribuindo para a paz e a prosperidade na Europa”. Como secretário geral, representou a OTAN no seu “pico operativo com seis operações em três continentes”, entre as quais a guerra no Afeganistão e na Líbia, e, “em resposta à agressão russa à Ucrânia, reforçou a defesa coletiva a um nível sem precedentes desde o fim da guerra fria”.

Além disso, Rasmussen apoiou a “parceria transatlântica sobre comércio e investimentos (TTIP)” entre os Estados Unidos e a União Europeia, base econômica de “uma comunidade transatlântica integrada”.

Competências preciosas para a Goldman Sachs, cuja estratégia é ao mesmo tempo financeira, política e militar. Seus dirigentes e consultores, depois de anos de trabalho no grande banco, foram levados a postos chave nos governos dos Estados Unidos e outros países: entre estes Mário Draghi (governador do Banco da Itália, depois presidente do Banco Central Europeu) e Mário Monti , (nomeado chefe de governo pelo presidente Napolitano em 2011).

Portanto, não é de espantar que o Goldman Sachs tenha a mão na massa nas guerras conduzidas pela OTAN. Por exemplo, na guerra contra a Líbia: primeiramente, apropriou-se (causando perdas de 98%) de fundos estatais de 1,3 bilhão e dólares, que Trípoli lhe tinha confiado em 2008; assim, participou em 2011 na grande rapina dos fundos soberanos líbios (estimados em cerca de 150 bilhões de dólares) que os Estados Unidos e a União Europeia “congelaram” no momento da guerra. E, para gerenciar através do controle do “Banco Central da Líbia” os novos fundos recebidos das exportações de petróleo, o Goldman Sachs se apresta a desembarcar na Líbia com a projetada operação EUA/OTAN sob a bandeira da União Europeia e “condução italiana”.

Com base em uma lúcida “teoria do caos”, se desfruta a caótica situação provocada pela guerra contra a Líbia e a Síria, instrumentalizando e canalizando para a Itália e a Grécia (entre os países mais débeis da União Europeia) o trágico êxodo dos imigrantes decorrente de tais guerras. Isso serve como arma de guerra psicológica e pressão econômica para demonstrar a necessidade de uma “operação humanitária de paz”, visando na realidade à ocupação militar da zona estrategicamente e economicamente mais importantes da Líbia. Como a OTAN, o Goldman Sachs é funcional à estratégia de Washington que quer uma Europa submetida aos Estados Unidos.

Depois de ter contribuído com o embuste das hipotecas subprime provocando a crise financeira, que dos Estados Unidos chegou à Europa, o Goldman Sachs especulou sobre a crise europeia, aconselhando “os investidores a tirar vantagem da crise financeira na Europa” (conforme o relatório reservado divulgado pelo Wall Street Journal em 2011). E, segundo documentada pesquisa efetuada em 2010-2012 pelos veículos de mídia Der Spiegel, New York Times, BBC e Bloomberg News, o Goldman Sachs camuflou com complexas operações financeiras (“empréstimos ocultos” em condições leoninas e venda de “títulos tóxicos” estadunidenses), o verdadeiro crescimento da dívida grega. Nesse negócio, o Goldman Sachs manobrou mais habilmente do que a Alemanha, o Banco Central Europeu e o FMI, cuja faca no pescoço da Grécia é evidente.

Recrutando Rasmussen, com a rede internacional de relações políticas e militares por ele tecida durante os cinco anos em que esteve à frente da OTAN, o Goldman Sachs fortalece a sua capacidade de influência e penetração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário