25 de fevereiro de 2016

O estupro do Timor Leste: "Parece divertido"

John Pilger


Tradução / Documentos secretos encontrados nos Arquivos Nacionais Australianos fornecem um relance sobre como foi executado e encoberto um dos maiores crimes do séc. XX. Ajuda-nos também a compreender como e a favor de quem o mundo funciona.

Os documentos referem-se a Timor oriental, agora conhecido como Timor Leste, e foram escritos por diplomatas da embaixada da Austrália em Jacarta. A data é novembro de 1976, menos de um ano após o ditador indonésio general Suharto tomar a então colônia portuguesa na ilha de Timor.

O terror que se seguiu tem poucos paralelos: nem mesmo Pol Pot conseguiu matar proporcionalmente tantos cambojanos como Suharto e os seus amigos generais mataram em Timor oriental. De uma população de quase um milhão, um terço desapareceu.

Foi o segundo holocausto do qual Suharto foi responsável. Uma década antes, em 1965, Suharto tomou o poder na Indonésia com um banho de sangue que eliminou mais de um milhão de vidas. A CIA referiu: "Em termos de número de mortos, os massacres estão entre os piores assassinatos em massa do século XX."

Este acontecimento foi saudado na imprensa ocidental como “um raio de luz na Ásia” (Time). O correspondente da BBC no Sudeste Asiático, Roland Challis, descreveu mais tarde o encobrimento dos massacres como um triunfo da cumplicidade e silêncio da mídia, A “linha oficial” era que Suharto tinha “salvo” a Indonésia de um assalto comunista.

"Evidentemente que as minhas fontes britânicas sabiam qual o plano americano”, disse-me. “Havia corpos retirados dos relvados do consulado britânico em Surabaya e navios de guerra britânicos escoltaram um barco cheio de tropas indonésias para tomarem parte neste holocausto terrível. Só muito mais tarde soubemos que a embaixada americana estava fornecendo nomes [a Suharto] e a abatê-los na lista à medida que eram eliminados. Houve um acordo. Do estabelecimento do regime de Suharto fazia parte o envolvimento do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial [dominados pelos EUA]. Foi esse o acordo."

Entrevistei muitos dos sobreviventes de 1965, incluindo o aclamado escritor indonésio Pramoedya Ananta Toer, que testemunhou um sofrimento épico "esquecido" no ocidente só porque Suharto era "o nosso homem". Era quase inevitável um segundo holocausto em Timor oriental, rico em recursos e colônia indefesa.

Em 1994, filmei clandestinamente em Timor oriental. Encontrei uma terra de cruzes e inesquecível sofrimento. No meu filme, "Morte de um Povo", há uma sequência filmada a bordo de um avião australiano voando sobre o mar de Timor. Decorre uma reunião. Dois homens de fato fazem saúdes com champanhe. "É um momento verdadeiramente histórico", balbucia um deles, "verdadeira e unicamente histórico."

É o ministro das Relações Exterior da Austrália, Gareth Evans. O outro é Ali Alatas, o principal porta-voz de Suharto. Estamos em 1989 e estão fazendo um voo simbólico para celebrar um acordo de pirataria a que chamam "tratado". Foi isto que permitiu à Austrália, à ditadura de Suharto e às companhias petrolíferas internacionais dividirem os despojos dos recursos em petróleo e gás de Timor Leste.

Graças a Evans, ao então primeiro-ministro da Austrália, Paul Keating – que encarava Suharto como uma figura paternal – e a uma quadrilha que conduzia a política externa da Austrália, este país distinguiu-se como o único país ocidental a reconhecer formalmente a conquista genocida de Suharto. O preço, disse Evans, foram "montanhas" de dólares.

Membros desta quadrilha voltaram a aparecer há dias em documentos encontrados nos Arquivos Nacionais por dois investigadores da Universidade de Monash em Melbourne, Sara Niner e Kim McGrath. Funcionários superiores do Departamento das relações Exteriores relatam pela sua própria mão violações, tortura e execuções de timorenses de leste por tropas indonésias. Em anotações rabiscadas num apontamento que refere atrocidades num campo de concentração, um diplomata escreveu: "parece divertido". Outro escreveu: "a população parece extasiada."

Relativamente a um relatório da resistência indonésia Fretilin que descreve a Indonésia como um invasor "impotente", outro diplomata zombava: "Se o inimigo era 'impotente', conforme lá está dito, como é que conseguem violar todos os dias a população capturada? Ou será que se deve a isto?"

Os documentos, diz Sarah Niner, são "prova evidente da falta de empatia e de preocupação pelos abusos de direitos humanos no Timor Leste" no Departamento de Relações Exteriores. "Os arquivos mostram que esta cultura de encobrimento está intimamente ligada à necessidade de o DNE reconhecer a soberania indonésia, para iniciar as negociações sobre o petróleo no mar do Timo Leste."

Tratou-se de uma conspiração para roubar o petróleo e o gás do Timor-Leste. Em telegramas diplomáticos divulgados de agosto de 1975, o embaixador australiano em Jacarta, Richard Woolcott, escreveu para Camberra: "Parece-me que o Departamento [de Minerais e Energia] poderia ter interesse em resolver a atual diferença na fronteira marítima acordada e isso poderia ser muito melhor negociado com a Indonésia... do que com Portugal ou com o Timor português independente." Wolcott revelou que tinha sido informado sobre os planos secretos da Indonésia para uma invasão. Telegrafou para Camberra que o governo devia “ajudar à aceitação pública na Austrália” e contrariar "o criticismo contra a Indonésia".

Em 1993, entrevistei C. Philip Liechty, um antigo funcionário de operações senior da CIA na embaixada de Jacarta durante a invasão do Timor Leste. Disse-me ele: "Foi dada luz verde a Suharto [pelos EUA] para fazer o que fez. Fornecemos-lhe tudo o que precisava [desde] espingardas M16 [até] apoio logístico militar dos EUA... talvez 200 mil pessoas morreram, a maior parte não-combatentes. Quando as atrocidades começaram a surgir nos relatórios da CIA, a maneira que arranjaram de tratar do assunto foi encobri-las o máximo de tempo possível e quando já não podiam mais ser encobertas foram apresentadas de forma atenuada e em termos gerais, de modo que as nossas próprias fontes foram sabotadas."

Perguntei a Liechty o que teria acontecido se alguém tivesse denunciado. "A sua carreira teria terminado", respondeu. Disse-me que esta entrevista comigo era uma forma de reparação pelo "mal que senti".

A quadrilha da embaixada australiana em Jacarta parece não sentir tal angústia. Um dos escribas dos documentos, Cavan Hogue, declarou ao Sydney Morning Herald: "Parece a minha caligrafia. Se fiz tal comentário, sendo eu o cínico filho-da-mãe que sou, teria certamente sido com espírito de ironia e sarcasmo. Isso referia-se ao comunicado de imprensa [da Fretilin] e não aos timorenses." Hogue declarou que houve "atrocidades de todos os lados".

Como pessoa que relatou e filmou as provas do genocídio, acho esta última observação especialmente profana. A "propaganda" da Fretilin que ele ridiculariza era rigorosa. O relatório subsequente das Nações Unidas sobre Timor Leste descreve milhares de casos de execução sumária e violência contra mulheres pelas forças especiais Kopassus de Suharto, muitas delas treinadas na Austrália. "Violação, escravatura sexual e violência sexual foram instrumentos usados como parte da campanha programada para infligir uma profunda experiência de terror, impotência e desespero nos apoiadores pró-independência", diz a ONU.

Cavan Hogue, o brincalhão e "cínico filho-da-mãe" foi promovido a embaixador sênior e mais tarde reformado com generosa pensão. Richard Woolcott foi promovido a chefe do Departamento das Relações Exteriores em Camberra e, na reforma, ensinou como um "respeitado intelectual diplomata."

Foram despejados jornalistas na embaixada australiana em Jacarta, especialmente empregados de Rupert Murdoch, que controla quase 70% da imprensa da capital. O correspondente de Murdoch na Indonésia era Patrick Walters, que noticiou como «impressionantes» os «êxitos econômicos» de Jacarta no Timor Leste e «generoso» o desenvolvimento daquele território empapado de sangue. Quanto à resistência timorense oriental, estava «sem líder» e derrotada. De qualquer modo, «ninguém é agora preso sem os procedimentos legais apropriados».

Em dezembro de 1993, um dos empregados mais antigos de Murdoch, Paul Kelly, na altura editor-chefe do The Australian, foi nomeado pelo ministro do Exterior Evans para o Instituto Austrália-Indonésia, uma instituição fundada pelo governo australiano para a promoção dos "interesses comuns" de Camberra e da ditadura de Suharto. Kelly levou um grupo de editores de imprensa a Jacarta para uma audiência com o assassino de massas. Há uma fotografia de um deles que se está curvando.

Timor Leste conquistou a independência em 1999 com o sangue e a coragem da sua gente vulgar. A pequena e frágil democracia foi imediatamente sujeita a uma implacável campanha de assédio pelo governo australiano, que procurou manobrar para lhe retirar o direito legal de propriedade sobre a exploração das reservas submarinas de petróleo e gás. Para o atingir, a Austrália recusou reconhecer a jurisdição do Tribunal Internacional de Justiça e a Lei do Mar e alterou unilateralmente a fronteira marítima a seu favor.

Em 2006, foi finalmente assinado um acordo do tipo mafioso, em grande parte segundo os termos da Austrália. Pouco depois, o primeiro-ministro Mari Alkitiri, um nacionalista que tinha feito frente a Camberra, foi efetivamente deposto naquilo que ele chamou uma «tentativa de golpe» por «estrangeiros». Os militares australianos, que tinham tropas de «manutenção de paz» no Timor Leste, tinham treinado os oposicionistas.

Nos 17 anos desde que o Timor Leste conquistou a independência, o governo australiano apropriou-se de cerca de 5 bilhões de dólares em petróleo e gás, dinheiro que pertence ao seu pobre vizinho.

A Austrália tem sido chamada o "vice-xerife" da América no Pacífico Sul. Um dos homens com crachá é Gareth Evans, o ministro do Exterior filmado a erguer a taça de champanhe para saudar o roubo dos recursos naturais de Timor-Leste. Hoje, Evans é um frequentador de púlpitos fanático que promove uma marca belicista conhecida por "RTP" ou "Responsabilidade para Proteger". Como co-presidente de um tal "Global Centre" sediado em Nova Iorque, dirige um grupo de influência apoiado pelos EUA que pressiona a "comunidade internacional" para atacar países onde "o Conselho de Segurança rejeita ou não aceita propostas de solução em tempo razoável". O homem indicado, conforme os timorenses podem confirmar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário