16 de março de 2016

Varsóvia está se preparando para a cúpula da OTAN

Польский политолог Матеуш Пискорски — о том, как нагнетаются страсти в преддверии встречи альянса в Польше

Mateusz Piskorski


Tradução / Nos dias 8 e 9 de julho, Varsóvia vai hospedar a nova cúpula da OTAN, reunião dos chefes dos estados-membros do tratado e da direção da OTAN no formato do Conselho do Atlântico Norte. Esta cúpula será a 25ª de sua história, e nela os acordos firmados na anterior, em Newport, 2014, serão desenvolvidos. Estaremos lidando, em particular, com a criação de uma força de reação rápida em território de países da Europa Ocidental que sejam capazes de conduzir operações de combate no chamado flanco leste do tratado. O Ministro dos Assuntos Externos da Polônia, Witold Waszczykowski, enfatizou que o estabelecimento de bases militares da OTAN e em particular dos Estados Unidos no território da Polônia será anunciado durante a cúpula.

São esperados 2,5 mil participantes e 1,5 mil jornalistas estrangeiros. O moderno Estádio Nacional no centro de Varsóvia foi alugado para o evento. As medidas de segurança foram intensificadas por conta de possíveis ameaças terroristas e protestos de associações civis que já declararam a intenção de realizar uma espécie de anticimeira na capital polonesa.

Em linha com os preparativos, uma intensa campanha de informação vem sendo conduzida com o objetivo principal de espantar os temores quanto as alegadas ações e planos supostamente agressivos da Rússia. A guerra contra a memória histórica é parte desta campanha de longo prazo. Neste aspecto, é preciso reconhecer que a reavaliação dos fatos históricos e a negação do papel da União Soviética na Grande Vitória de 1945 encontram um certo terreno histórico e político nos Estados bálticos e na Romênia, onde os autores da história oficial da OTAN costumam evocar diretamente os movimentos colaboracionistas locais, cujas atividades apresentam como exemplos da “luta pela independência” em relação à União Soviética.

A situação é vista por outro viés na Polônia, onde é muito difícil encontrar adeptos da tese de que não foi a libertação que salvou o povo polonês do genocídio de Hitler. A reformatação da história moderna tem sido coordenada pelas agências nacionais, tais como o Instituto da Memória Nacional polonês. Toda essa atividade almeja evitar a dissonância cognitiva e assim impedir que a população euro-oriental, ao contemplar monumentos, lembre-se de que o Exército Vermelho libertou-a da Alemanha nazista, algo que a faria duvidar se a Rússia seria mesmo o inimigo e agressor histórico e eterno.

Reformatar as percepções dos fatos históricos é parte deste tão complexo projeto de longo prazo, impossível de ser realizado ao longo dos dois meses que faltam para a cimeira cúpula. Mas outras providências podem ser tomadas.

No contexto da guerra de informação, os meios de comunicação do Leste Europeu publicam regularmente matérias sobre a instalação de ogivas nucleares na região de Caliningrado. A própria existência dessa região como súdita da Federação Russa é exibida como ameaça à existência dos países vizinhos. No flanco sul, esse papel no processo de aumento da sensação de perigo cabe à Transnístria. Assim, Caliningrad amedronta os povos bálticos e os poloneses, enquanto a Transnístria é utilizada para atemorizar os romenos e, em menor escala, os búlgaros.

A guerra de informação vem sendo conduzida sistemática e profissionalmente, e começou vinculada à necessidade de preparar a opinião pública para o posicionamento bélico dos sistemas de mísseis defensivos no Leste Europeu.

Quanto ao processo de normalizar as relações entre o Ocidente e o Irã, os encarregados das relações públicas da OTAN tiveram que admitir: os sistemas de mísseis visam exclusivamente à imaginária ameaça russa.

A Polônia vem tentando desempenhar o papel de líder nas zonas setentrionais e bálticas da corrida armamentista no Leste Europeu. A Romênia, por sua vez, tenta tomar a iniciativa na região do Mar Negro. Tarefa bem mais difícil, porém, porque ali a Turquia vem atuando como líder da coalizão antirrussa há mais de ano e meio. Esta mesma Turquia que tem demonstrado certas ambições geopolíticas.

Contudo, Bucareste vem tentando usar a falta de confiança absoluta de Washington em Erdogan para fornecer serviços alternativos ao Pentágono. A iniciativa de criar uma esquadra conjunta da OTAN no Mar Negro com a participação de países ainda não membros da aliança, Ucrânia e Geórgia, como propôs o Ministro da Defesa romeno Mihnea Motoc, é um exemplo de tal abordagem.

A preparação da cúpula vem sendo observada com todo cuidado pelo Departamento de Estado estadunidense. Como representante de John Kerry, Anthony Blinken visitou há pouco alguns países do Leste Europeu. Suas conversas com os colegas europeus orientais encontraram um ponto de encontro: os antigos membros do bloco leste deveriam apoiar sem reservas a posição de Washington durante a cúpula, em especial no tocante ao fortalecimento militar no chamado flanco oriental, e arcar com as despesas de defesa nos respectivos orçamentos nacionais.

Blinken destacou que a Rússia tem intenção de provocar as forças da OTAN antes da cúpula, e citou como prova as patrulhas da Força Aérea Russa sobre o Mar Báltico. Mas esqueceu de dizer que a causa daquela preocupação russa era a presença ali de navios de guerra dos Estados Unidos. Que, para os oficiais estadunidenses, porém, era coisa pouca que não valeria levar em conta na atual situação da guerra de informação.

Blinken assegurou-se de que o presidente dos Estados Unidos vai sentir-se à vontade na capital polonesa. Para manter a boa ordem durante o encontro, o governo de Varsóvia, em atenção à ameaça terrorista, promulgou lei proibindo quaisquer comícios ou exibições durante o transcurso daquele evento internacional tão importante, a cúpula.

Tudo por conta da preocupação com o bem estar do chefe da nova Europa pró-Estados Unidos, Barack Obama. As despesas oficiais do ministério da defesa polonês para a reunião dos chefes da aliança são de 40 milhões de dólares, informação que pode por si só gerar incompreensão e levar os cidadãos da capital polonesa a realizar, em dias de pleno verão, piquetes durante a cúpula da OTAN.

Nenhum comentário:

Postar um comentário