8 de maio de 2018

Crise global da dívida à frente?

Michael Roberts


A Argentina está buscando ajuda do Fundo Monetário Internacional (FMI) depois que uma série de drásticos aumentos nas taxas de juros não conseguiu impedir a queda do peso, empurrando o país para uma crise financeira. Mauricio Macri, presidente de direita e defensor das grandes empresas, anunciou a busca do FMI em um discurso televisionado nacionalmente, dizendo que a assistência internacional permitiria ao governo "evitar uma crise como as que enfrentamos antes em nossa história". Pedir empréstimo ao FMI significa mais austeridade fiscal e um impacto nos padrões de vida. Um investidor estrangeiro disse que "a maneira mais eficaz seria restringir aumentos salariais".

Nas últimas semanas, o governo de direita na Argentina foi forçado a aumentar drasticamente sua taxa de juros (que estabelece a base para todas as taxas de juros) de um já alto índice de 27% em abril para 40% na semana passada. Em janeiro, o banco central argentino estava experimentando reduzir sua taxa de juros, mas isso acabou rapidamente. Por quê? Por três razões.

Primeiro, os investidores estrangeiros (que são fundamentais para o sucesso das políticas de austeridade e pró-negócios adotadas pelo governo Macri) estavam preocupados com o fato de a inflação não estar sob controle e começaram a retirar seu capital. Até mesmo o governo admitiu que a inflação estava caminhando para 15% este ano. O peso argentino começou a cair em relação ao dólar.


Em segundo lugar, o dólar começou a subir no último mês por causa dos temores de uma guerra comercial internacional, que sempre leva os investidores à corrida para o "porto seguro" do dólar e porque o Federal Reserve continua pressionando sua taxa de juros, tornando assim o investimento nas moedas de outros países menos atraente para os especuladores.

E terceiro, houve um aumento acentuado no preço do petróleo bruto, impulsionado por ações do cartel da OPEP no Oriente Médio e crescentes tensões políticas entre os EUA e o Irã. Isso significa custos extras de importação de energia para muitas economias, como Argentina, Turquia e África do Sul.

Aquelas economias com grandes déficits comerciais, inflação alta e aparentemente pouco controle sobre seus gastos públicos e, acima de tudo, altos níveis de endividamento, são as mais vulneráveis a investidores estrangeiros que retiram seu dinheiro. E isso aponta para a Argentina, Turquia, África do Sul, entre outros.

O peso argentino caiu para um recorde de baixa (alimentando ainda mais a inflação) e os preços dos títulos do governo despencaram. Apenas no ano passado, o governo Macri emitiu um bônus de 100 anos, confiante de que o entusiasmo pelo fim do governo Kirchner, reformista de esquerda, após 12 anos, levaria a uma enxurrada de demanda externa. O valor do título caiu agora para 83 centavos de cada dólar. Com o governo oferecendo agora mais de 6% de juros sobre esse título, em comparação com pouco menos de 3% para os bônus do governo dos EUA, o governo espera conter a saída de capital. O banco central de Buenos Aires torrou US $ 5 bilhões em reservas cambiais em uma semana e promulgou três aumentos nas taxas de juros, numa tentativa de deter a queda do valor do peso.

Mas o aumento das taxas de juros nos EUA ameaça colocar muitas economias emergentes, tanto o setor privado quanto governamental, em novas dificuldades. Muitos emprestaram dólares para cobrir seus déficits, para investir ou para especular, e agora o custo dessa dívida vai aumentar. A Turquia está agora seriamente em apuros. A lira turca afundou, apesar da intervenção do banco central. Os rendimentos dos títulos públicos denominados em dólar saltaram para novos picos pós-crise e o mercado acionário estendeu sua queda este ano para 22% - o pior desempenho de qualquer bolsa do mundo fora da Venezuela. Se o banco central aumentar a taxa básica de juros, como fez a Argentina, isto provocará sérios danos à economia local.

Em postagens anteriores, levantei o risco de que a elevação das taxas de juros pelo Fed pudesse provocar uma crise da dívida, particularmente nas chamadas economias emergentes, porque os níveis de endividamento atingiram recordes nessas economias. Também a dívida global está em um nível recorde, porque os governos e as corporações fizeram empréstimos pesados a taxas baratas para estabilizar o sistema bancário e impulsionar os mercados de ações e os gastos.

O Institute for International Finance (IIF), com sede em Washington, argumenta que, além da Argentina e Turquia, a Ucrânia e a África do Sul são relativamente vulneráveis a uma mudança acentuada no "apetite ao risco" por parte de investidores estrangeiros - veja o gráfico abaixo.


O IIF agora acredita que a dívida global subiu outros US $ 21 trilhões em 2017, elevando o total para US $ 237 trilhões. Com certeza, muito dessa dívida extra foi feita pela China, mas essa economia é muito mais capaz de administrar essa dívida. A maior parte é em moeda local, não em dólares, e a China tem enormes reservas em moeda em dólares (US $ 3 trilhões), que fornecem um amortecedor para qualquer colapso da dívida.

Mas outras economias "emergentes" não estão tão bem posicionadas. A dívida em dólar e euro agora supera US $ 8 trilhões nesses países ou 15%, em média, de toda a dívida. A dívida da Argentina tem mais de 60% em propriedade de estrangeiros, enquanto a Turquia tem visto um dos maiores aumentos na dívida cambial desde o final da Grande Recessão em 2009.


À medida que as taxas de juros sobem com essa dívida, fazer frente ao serviço da dívida ficou mais difícil. De acordo com o IIF, as empresas "estressadas" agora respondem por mais de 20% dos ativos corporativos no Brasil, na Índia e na Turquia, e as empresas cujos lucros são maiores do que os custos dos juros estão encolhendo rapidamente. "Mesmo com baixas taxas globais, muitas empresas não financeiras estão enfrentando problemas com o serviço da dívida", acrescentou o IIF. Na Argentina, as taxas de juros para empresas de menor porte passaram de 15%. "As empresas queimaram seu capital de giro desde então, já que não conseguem financiamento racional", disse ele. “Grandes empresas com acesso a financiamento internacional estão em melhor posição, mas médias e pequenas empresas estão com problemas”, disse um analista. A crise virá quando os lucros das empresas em muitas economias começarem a cair à medida que os custos do serviço da dívida aumentam. Minha última estimativa de lucros corporativos globais (com base na média ponderada dos lucros nos EUA, Alemanha, Reino Unido, Japão e China, mostrou uma queda no último trimestre de 2017 para o primeiro desde meados de 2016. Resta ver como os números se comportaram no primeiro trimestre de 2018.

Nenhum comentário:

Postar um comentário