2 de março de 2017

Marx na tela de projeção

O Jovem Karl Marx é um retrato divertido e surpreendentemente engraçado do Velho.

Bruno Leipold

Jacobin

Marx e Engels em O Jovem Karl Marx.

Um pequeno grupo de camponeses recolhe madeira na floresta. A pobreza e o desespero são claros em seus rostos. Uma narração alerta-nos que a lei transformou este simples ato de sobrevivência em um ato ilegal de roubo de madeira. Os camponeses, sentindo uma perturbação, olham ao redor nervosamente. Cavaleiros ameaçadoramente aparecem a distância.

A narração, citando Montesquieu, nos diz que existem dois tipos de corrupção: uma em que as pessoas não seguem a lei e a outra onde a lei corrompe as pessoas. Os cavaleiros atacam os camponeses e os golpeiam brutalmente.

Poderíamos esperar que um filme sobre Karl Marx abrisse com trabalhadores de fábricas explorados trabalhando na miséria industrial do século XIX. Que o novo longa-metragem de Raoul Peck, O Jovem Karl Marx, em vez disso, tenha decidido começar com uma cena mais bucólica é um toque biográfico apropriado. Uma das primeiras incursões de Marx no jornalismo (a partir da qual a narração é tirada) foi uma investigação sobre o roubo de madeira na Renânia, uma experiência que colocou a filosofia na posição "embaraçosa" - recordou mais tarde - "de ter que discutir o que é conhecido como interesses materiais".

Essa atenção aos detalhes históricos caracteriza o filme como um todo, e atesta a quantidade de pesquisa claramente dedicada que foi necessário para realizá-lo. O resultado é um retrato divertido e surpreendentemente engraçado do jovem Marx. Um amigo, que tinha lido Marx, mas sabia pouco de sua vida e caráter, descreveu a exibição do filme como uma experiência semelhante a ver sua banda favorita tocar ao vivo pela primeira vez.

O filme - que estreia hoje em cinemas em toda a Alemanha, mas cujas datas de lançamento nos EUA e Reino Unido permanecem no ar - representa a vida de Marx de 1843 a 1848, como um jovem de meados do final dos anos vinte. Depois que os censores prussianos fecharam seu jornal de Colônia, Marx abraça ansiosamente a oportunidade de se mudar para Paris para iniciar um novo empreendimento jornalístico. Lá, com sua nova esposa Jenny von Westphalen, ele se joga no meio socialista da cidade.

Ele logo encontra Friedrich Engels, e em uma das seqüências mais fortes do filme, vemos como os dois homens superaram sua hostilidade inicial e partiram para as ruas de Paris para comemorar sua nova camaradagem. O filme então segue sua luta conjunta contra vários outros líderes socialistas contemporâneos, culminando em sua colaboração no Manifesto Comunista.

O Jovem Karl Marx é uma das poucas adaptações para a tela sobre Marx (em oposição à vasta e crescente oferta de documentários e biografias escritas sobre o Velho). Isso é surpreendente porque, em comparação com alguns grandes pensadores históricos, Marx realmente viveu uma vida bastante interessante. Ele participou de uma revolução, três de seus jornais encerraram, e foi forçado a sea exilar quatro vezes. Sua relação com Jenny, apesar da morte prematura de quatro de seus sete filhos e da (possível) infidelidade de Marx, também foi uma verdadeira história de amor. Qualquer roteirista parece ter bastante material.

No entanto, existem, a meu conhecimento, apenas três adaptações cinematográficas de longa-metragem da vida de Marx.

A dupla de diretores soviética Grigori Kozintsev e Leonid Trauberg fizeram a primeira tentativa, no início dos anos 40, apenas para que a produção fosse cancelada abruptamente por não ter retratado Marx e Engels com "suficiente respeito".

Não foi até 1965 quando apareceu a primeira biografia de Marx. O duplo God kak zhizn (Um ano é como uma vida) retratou a vida de Marx no ano revolucionário de 1848 a 1849. O filme reuniu uma equipe dos sonhos, com um dos atores mais queridos da Rússia, Andrei Mironov, na papel de Engels, o conhecido Igor Kvasha como Marx e música de Dmitri Shostakovich. No entanto, apesar da linha de estrelas, não conseguiu ter um impacto duradouro e ficou como uma das pontuações menos memoráveis de Shostakovich.

O próximo esforço foi o drama de costumes preto e branco da Alemanha Oriental de 1968, Mohr und Die Raben von London (Mouro e os Corvos de Londres), baseado no popular livro para crianças com o mesmo nome. Um filme surpreendentemente doce, conta a história fortemente ficcional de Marx que faz amizade com duas crianças trabalhadoras de Londres, Becky e Joe, e que vem em sua ajuda contra um cruel proprietário da fábrica. Marx (referido pelo apelido de sua família "Mouro", dado a ele por causa de sua pele escura) é aqui retratado como uma figura sábia e gentil, que, embora empobrecida, não hesita em ajudar os filhos de Londres.

Um crítico recente descreveu o filme como tendo uma "grandeza inesperada, solenidade e beleza". O filme e o livro (que fazia parte do currículo escolar da República Democrática Alemã) parecem ter desempenhado um papel importante na formação da percepção dos jovens alemães sobre Marx .

A terceira e última adaptação foi a mini-série de 1980 Karl Marks: Molodye gody / Karl Marx: Die jungen Jahre (Karl Marx: Os primeiros anos), coproduzido pela União Soviética e pela República Democrática Alemã. Em sete episódios de uma hora, retrata um velho Marx olhando para trás sobre si mesmo mais novo nos anos de 1835 a 1848.

Nenhuma dessas adaptações teve muito, se teve algum, impacto no público no mundo capitalista avançado, e as versões em inglês são, pelo que posso dizer, inexistentes. O cinema no que costumava ser chamado de Primeiro Mundo também parece ter evitado completamente o assunto.

O Jovem Karl Marx é claramente um passo acima dessas adaptações anteriores. Raoul Peck é um diretor realizado com vários filmes de esquerda pendentes sob o cinto, incluindo Lumumba (que segue os últimos meses do herói anticolonial congolês) e, mais recentemente, I Am Not Your Negro (um documentário sobre James Baldwin que recebeu um nomeação para melhor documentário no Oscar deste ano). Peck também tem o raro conhecimento linguístico (ele nasceu no Haiti, cresceu no Congo, na França e na América e estudou na Alemanha) para fazer a justiça material, já que o filme muda rapidamente entre alemão, francês e inglês (refletindo as cartas trilíngues que Marx e Engels trocavam entre si).

Sob sua direção, Marx (interpretado por August Diehl) é trazido à vida e humanizado de uma maneira que as adaptações anteriores não poderiam ter ousado fazer. Longe do ativista intelectual e político das produções soviéticas e da RDA, Marx é mostrado a fumar, beber, vomitar e ter relações sexuais. Diehl (talvez mais conhecido pelo público não-alemão por seu papel em Inglourious Basterds de Quentin Tarantino) consegue simultaneamente capturar a imensa inteligência, energia e paixão de Marx, bem como suas freqüentes rajadas de raiva e arrogância.

Diehl é acompanhado por interpretações admiráveis das duas relações pessoais fundamentais de Marx, com Vicky Krieps como Jenny e Stefan Konarske como Engels. Krieps convincente e comovente transmite a natureza amorosa de seu casamento e o papel que ela desempenhou em suas atividades políticas, e as representações intensas e divertidas de Diehl e Konarske sobre uma das grandes colaborações da história quase inevitavelmente convidam comparações com o gênero bromance. Konarske ressalta as contradições do contexto burguês de Engels (embora alguns dos aspectos mais brincalhões, e mesmo playboy, de seu personagem estejam faltando). As audiências também são propensas a apreciar o retrato feisty de sua parceira irlandesa, Mary Burns (Hannah Steele).

Um dos elementos mais surpreendentes de O Jovem Karl Marx é a medida em que mergulha no complicado mundo da política comunista inicial. As batalhas de Marx e Engels com Pierre-Joseph Proudhon, Wilhelm Weitling e Karl Grün recebem tempo de tela amplo.

Na minha primeira exibição do filme, o foco nessas disputas parecia esotérico, e os personagens retratavam um pouco de desenho animado. Mas essa impressão suavizou a segunda vez que assisti o filme, já que ambos os públicos pareciam ter seguido os desentendimentos políticos sem muita confusão e apreciado as interações humorísticas.

Cinematicamente, o filme é muito bem realizado, embora a sua narrativa seja bastante convencional. Poderíamos, por exemplo, ter visto Marx quebrar a quarta parede para explicar o materialismo histórico (um dispositivo usado para grande efeito em The Big Short). Ou fazer uma viagem a uma reunião estridente do clube dos trabalhadores, recriando a energia intelectual e política da década de 1840 em Paris.

O final do filme também conclui estranhamente quando a Revolução de 1848 estoura, omitindo assim o tempo de Marx como um importante editor de jornal radical e os dias de Engels lutando nas barricadas. Os anos subseqüentes de Marx, no exílio, em Londres, também estariam aptos para serem explorados, com a pobreza duradoura da família, morte e traição conjugal. Talvez Peck esteja esperando que uma execução bem sucedida do filme possa levar às sequências O meio-idade Marx e e Velho Marx.

O Jovem Karl Marx é susceptível de entreter espectadores de esquerda em todo o mundo. Foi recebido com entusiasmo pela audiência em sua estréia no mês passado no Festival Internacional de Cinema de Berlim (que incluiu a maioria da liderança do Die Linke, o Partido da Esquerda Alemã). O público menos politizado provavelmente ficará impressionado com o humor de Marx, o que poderia ajudar a dissipar a imagem de um velho severo com barba. O filme também, imagino, desempenhará um papel educativo útil no futuro como um acompanhamento animado para os cursos sobre Marx.

Em suma, os socialistas comprometidos e os cinéfilos médios têm motivos para aguardar o lançamento mundial do filme. Peck claramente queria trazer a história de Marx para uma audiência mais ampla, e com O Jovem Karl Marx, ele conseguiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Boulos merece um voto de confiança

Ser prefeito de uma cidade dividida exige muito mais que capacidade de gestão Nelson Barbosa Folha de S.Paulo Todo governante tem que pratic...