24 de dezembro de 2016

Quando o Estado é avarento

Uma conversa com Paul Laverty, roteirista de Eu, Daniel Blake sobre as indignidades do sistema de bem-estar em uma era de austeridade.

Liam O'Hare

Jacobin

Não é sempre que um filme tem o impacto de Eu, Daniel Blake.

Um autêntico e cortante conto de indignação social sobre o sistema de bem-estar em uma era de austeridade, que tem sido repetidamente mencionado no parlamento britânico, descrito como um "grito de guerra para os despossuídos" e até teve seu título apropriado como um slogan por ativistas.

Dirigido por Ken Loach, ele conta a história de um carpinteiro - Daniel Blake - que sofreu um ataque cardíaco grave e é informado pelo seu médico que ele é incapaz de trabalhar. Ele se candidata ao Subsídio de Apoio ao Emprego, mas é considerado "apto para o trabalho", em grande parte devido ao fato de que ele ainda pode levantar ambos os braços acima de sua cabeça.

Para muitos, é uma situação bem conhecida: milhares de pessoas em situação semelhante morreram pouco depois de serem dadas como “aptas para o trabalho” em testes como esse, aplicados pelo Department for Work and Pensions (DWP) [Departamento de Trabalho e Pensões].

Para muitos, isso soou um acorde: milhares de pessoas em situações semelhantes morreram depois de serem consideradas aptas para o trabalho em testes semelhantes pelo DWP.

Blake faz amizade com uma jovem mãe que também caiu em tempos difíceis, encontrando escasso apoio de um sistema desumano e burocrático em que estar atrasado para uma nomeação pode levar a seus benefícios ser retirados. Sem amortecer sua raiva, Eu, Daniel Blake consegue contar esta história com um toque leve, cheio de humor e humanidade.

Para o roteirista Paul Laverty não há nada inevitável ou acidental sobre as dificuldades em exposição. Em vez disso, quando nos encontramos no Glasgow Film Theatre, ele me diz que é uma conseqüência direta das políticas do governo conservador que levaram as pessoas à beira da existência.

"É uma crueldade consciente", diz ele, com sua voz cheia de raiva. "Há um regime de sanções absolutamente vicioso que tem sido responsável por suicídios, desabrigados, miséria, fome; em todos os tipos de formas. Eu não estou dizendo isso retoricamente. Tenho andado de um lado a outro do país ouvindo sobre isso em primeira mão das pessoas."

Laverty é um colaborador de longo prazo de Ken Loach, tendo trabalhado com ele em uma série de filmes por mais de trinta anos. O relacionamento provou ser imensamente frutífero e Eu, Daniel Blake torna-se o segundo filme deles cobiçado para ganhar o Palme D'or no Festival de Cinema de Cannes.

No entanto, foi o impacto social do filme que mais agradou Laverty. "Nós somos todos Daniel Blake" foi apropriada como uma referência para os ativistas no Reino Unido e além. O filme deu novo impeto às campanhas de longa data contra a austeridade e trouxe a brutalidade do sistema de bem-estar para um público mais amplo. Em uma marcha recente contra o desemprego na França, havia centenas de cartazes "Moi, Daniel Blake" em exibição.

Laverty previu o efeito galvanizador que a história teria?

"Bem, é apenas um filme. É uma história. Histórias às vezes terminam em becos sem saída e ninguém os vê; às vezes elas ecoam. O que eu estou muito, muito animado é pelo fato de ter tido um eco incrível, este, mais do que qualquer um dos filmes que eu já fiz."

"Nós batemos em algo, não só aqui, mas em outros lugares que temos mostrado. Eu acho que é como a dignidade de cada pessoa humana. Eles não são estatísticas. Eles não são apenas um cliente ou um consumidor ou um número do seguro nacional. Todos têm direito a ela: uma vida digna com segurança."

"Há uma abundância de recursos para fazer isso, mas o que temos de imaginar é uma alternativa. Um filme por si só não muda nada, só a atividade e organização posterior."

Essa atividade começou com seriedade. Antes da nossa entrevista, Laverty estava no Parlamento escocês, onde o Secretário do Trabalho e Pensões do Reino Unido, Damian Green, estava depondo em uma comissão parlamentar. O ministro tem sido franco em sua crítica ao filme, chamando-o de trabalho de ficção "monstruosamente injusto" - embora ele admitisse mais tarde não tê-lo assistido.

Esta declaração levou o político escocês George Adam presentear Green com uma cópia do roteiro do filme durante o comitê. Foi assinado por Laverty com uma nota que dizendo "confirmo cada incidente do filme" como um "reflexo justo do que está acontecendo hoje." Enquanto isso, durante toda a sessão, um ativista sentou-se atrás de Green com uma camisa do filme Eu, Daniel Blake.

Laverty sorri quando menciono isso.

"Sim, é como se Daniel Blake o estivesse seguindo para onde quer que ele fosse! Mas me fez rir quando ele o descreveu como um trabalho de ficção. Eu não estou me metendo nessas botas, mas, você sabe, Dickens é um trabalho de ficção? Zola? Steinbeck? Estes eram todos trabalhos que tentavam capturar o momento."

"Nós somos contadores de histórias, nós somos cineastas. Nós não queremos ser apenas uma peça de agitprop. Isso significa encontrar relacionamentos delicados, frágeis, complicados. Isso é fundamental. Eu acho que é por isso que tocou as pessoas, porque tentamos isso. Se é um agitprop que não é bem pesquisado e não reflete algo maior, não vai ter esse eco."

"O [Ministro] Damian Green e aqueles funcionários, eles falam sobre os consumidores. Não, eles não são clientes. Eles são cidadãos. Quando você escuta as pessoas e ouve a miséria que elas atravessam; eles apenas estão exaustos e contam tudo. Muitos, muitos o fazem."

"Mas eu acho que toda essa cultura de medo é realmente importante. Eles negam e dizem: "Oh, não, nós devemos ter sanções." É a miséria e o medo que faz com que as pessoas aceitem esses trabalhos de zero horas. É este tipo de medo só de estar por aqui o tempo todo. Acho que se adéqua à sua cosmovisão."

O fato de que o filme é baseado em eventos que aconteceram a pessoas reais o torna ainda mais angustiante. Uma cena particular pinta uma imagem escura do desespero sentida por algumas pessoas atingidas pela pobreza e austeridade.

Envolve Katie, que não come há dias, abrindo uma lata de feijão no banco de comida local e tentando comer o conteúdo com as mãos. É um momento devastador que reflete o fato de que os bancos de alimentos estão se tornando uma parte cada vez mais regular da sobrevivência de muitos no Reino Unido.

Antes que a coalizão conservadora-liberal-democrata tomasse o poder em 2009-2010, o Trussell Trust de caridade emitiu 41.000 fontes de alimento da emergência de 56 bancos de alimento. Esse número aumentou dramaticamente ano a ano com a entidade emitindo mais de um milhão de pacotes a 424 bancos de alimentos no ano passado.

Outra cena no filme mostra Daniel ficando cada vez mais frustrado ao ser deixado esperar no telefone por horas ao tentar fazer sua reivindicação de apoio à renda.

"Eu ouvi as histórias mais incríveis", diz Laverty. "Há a legislação que você tem que dar a volta, mas então é o pequeno detalhe que você não conhece até que você escavar em torno de ... como os telefones ... quanto tempo as pessoas têm de esperar nos telefones. Se você não o fez, você não percebe. Então você percebe que as pessoas estão telefonando para esses telefones com tarifas premium e pagando uma fortuna e ouvindo o maldito Vivaldi por uma hora e meia.

"Falei com uma jovem fora de Dundee que esteve no telefone por duas horas, até que ela usou todo o seu crédito. Então ela voltou para casa e pediu a seus pais seu crédito. Tudo para mudar seu endereço. Duas semanas depois, todo o seu dinheiro acaba. Ela é sancionada. Ela entra. Ela diz: "Por que estou sendo sancionada?" O empregado do centro de empregos diz, bem, enviamos uma carta para uma consulta. E ela diz: "Mas você nunca me enviou uma carta." E ela vai, sim eles fizeram. E ela volta ao antigo endereço. Lá está ela de novo, todo esse tempo depois. Todo esse dinheiro curto. Toda essa frustração. Toda a sua vida foi confundida. Há uma espécie de ineficiência planejada em tudo."

O regime de sanções do DWP é um elemento do sistema de bem-estar que o filme ajudou a colocar em foco nítido. Laverty me conta a história de um homem em Edimburgo que ele conheceu que foi sancionado depois de perder um compromisso porque sua esposa entrou em trabalho de parto. Duas pessoas telefonaram para dizer ao DWP por que o homem não podia comparecer, mas as súplicas caíram em ouvidos surdos. Ele teve seus benefícios retirados.

A regularidade das sanções não é acidental. E-mails vazados revelaram que a equipe do DWP está sob pressão da administração para sancionar os reclamantes ou então estar sujeita a revisões de desempenho e "planos de melhoria pessoal". As sanções podem envolver a suspensão de pagamentos de bem-estar por um período entre quatro semanas e três anos.

A eficácia das medidas foi posta em causa pelos ativistas e, recentemente, por um relatório do próprio Gabinete Nacional de Auditoria do Reino Unido. Em uma avaliação mordaz descobriu que as sanções empurraram milhares de pessoas em dificuldades e depressão sem qualquer evidência de que elas realmente funcionaram. O estudo também constatou que as sanções custaram muito mais para administrar do que conservam.

Mhairi Black, parlamentar do Partido Nacional Escocês foi um oponente do regime e recentemente apresentou um projeto de lei de um membro particular em Westminster, que procurou introduzir um novo código de conduta para o pessoal do Centro de Emprego em todo o Reino Unido. A medida exigiria que tomassem em consideração as circunstâncias individuais antes de emitir uma sanção. No entanto, os deputados conservadores obstruíram o debate.

A abordagem do governo britânico também encontrou críticos além dos corredores de Westminster. Um inquérito das Nações Unidas julgou que os direitos das pessoas com deficiência tinham sido "sistematicamente violados" por mudanças no bem-estar e assistência social no país. As pessoas com deficiência têm sido desproporcionalmente afetadas pelas mudanças no bem-estar e o relatório ecoou o que os ativistas têm dito há muito tempo, que eles foram vitimados por uma narrativa que os considerava "preguiçosos e colocando um peso sobre os contribuintes".

O filme deve ser lançado nos Estados Unidos durante o Natal, mas já foi exibido no Festival de Nova York em outubro. A experiência de Laverty lá o convenceu de que os temas e as questões com que trata são internacionais.

"Foi mostrado no Lincoln Center e havia cerca de novecentas pessoas lá", ele explica, "eu me perguntava o que todas essas pessoas fariam com esse pequeno filme no nordeste da Inglaterra. Enquanto eu vagueava eu passei por uma igreja bonita que não ficava muito longe do centro. Havia uma sugestão de comida lá fora e eu falei com esse cara chamado James Green. Ele foi recentemente desabrigado porque seu pai tinha morrido, em seguida, ele perdeu a casa razão pela qual ele acabou nas ruas. Mas apenas ouvindo sua história, eu pensei que este [filme] poderia ser "Eu, James Green." Então, eu apresentei o filme com esta história."

"Porque, no final das contas, levanta questões muito maiores sobre como organizamos a nossa economia, mesmo se nos livrarmos do regime de sanções. Como vamos dividir o trabalho? Podemos ter uma sociedade de pessoas tentando cuidar umas das outras? "

"Sim, provavelmente haveria o bastardo preguiçoso ocasional que se senta em seu traseiro para assistir televisão. Mas não é um preço melhor a pagar do que empurrar as pessoas para depressão ou suicídio? Não podemos, em vez disso, elevar o ânimo das pessoas?"

Nenhum comentário:

Postar um comentário