31 de maio de 2014

A agenda real da Fundação Bill e Melinda Gates

Jacob Levich

Aspects of Indian's Economy

"Está a tentar encontrar lugares onde o dinheiro terá a máxima alavancagem, como se pode salvar o máximo de vida por dólar, por assim dizer", observou Pelley. "Certo. E transformar as sociedades", respondeu Gates. [1]

Em 2009 o auto-designado "Good Club" – uma reunião das pessoas mais ricas do mundo cujo valor líquido coletivo totalizava então uns US$125 bilhões – encontrou-se a portas fechadas em Nova York para discutir uma resposta coordenada a ameaça apresentada pela crise financeira global. Liderado por Bill Gates, Warren Buffett e David Rockfeller, o grupo resolveu descobrir novos meios de tratar as fontes de descontentamento no mundo em desenvolvimento, em particular a "superpopulação" e as doenças infeccionas. [2] Os bilionários presentes comprometeram-se com despesas maciças em áreas do seu próprio interesse, sem levar em consideração as prioridades de governos nacionais e de organizações de ajuda existentes. [3]

Pormenores da cúpula secreta escaparam para a imprensa e foram saudados como um ponto de virada para a Grande Filantropia. Foi dito que fundações burocráticas tradicionais como a Ford, Rockefeller e Carnegie render-se-iam ao "filantrocapitalismo", uma nova abordagem muscular para a caridade na qual as presumidas qualificações empresariais de bilionários seriam aplicadas diretamente aos mais prementes desafios do mundo.

Os filantrocapitalistas de hoje vêem um mundo cheio de problemas que eles, e talvez apenas eles, podem e devem endireitar. ... A sua filantropia é "estratégica", "consciente do mercado", "orientada pelo impacto", "baseada no conhecimento", muitas vezes de "alto compromisso" e sempre conduzida pelo objetivo de maximizar a "alavancagem" do doador do dinheiro. ... Os filantrocapitalistas tentam cada vez mais encontrar meios de aproveitar a motivação do lucro para alcançar o bem social. [4]
Exercendo "enorme poder que podia remodelar nações de acordo com a sua vontade", [5] os doadores bilionários agora abraçariam abertamente não só a teoria baseada no mercado como também as práticas e normas organizacionais do capitalismo corporativo. Contudo, o impulso geral das suas caridosas intervenções permaneceria coerente com as antigas tradições da Grande Filantropia, como discutido abaixo:

I. A maior fundação privada do mundo
“Uma nova forma de organização multilateral”
The most prominent of the philanthrocapitalists is Bill Gates, co-founder of Microsoft Corp. and as of this writing the richest man in the world. (Despite the carefully cultivated impression that Gates is “giving away” his fortune to charity, his estimated net worth has increased every year since 2009 and now amounts to $72 billion. [6]) Gates owes his fortune not to making technological contributions but to acquiring and enforcing a fabulously lucrative monopoly in computer operating systems:

Microsoft’s greatest strength has always been its monopoly position in the PC chain. Its exclusionary licensing agreement with PC manufacturers mandated a payment for an MS-DOS license whether or not a Microsoft operating system was used. ... By the time the company settled with the Justice Department in 1994 over this illegal arrangement, Microsoft had garnered a dominant market share of all operating systems sold. [7]

Microsoft employs the standard repertoire of business strategies in defense of its monopoly power – preferential pricing, lawsuits, acquisitions of competitors, lobbying for patent protection – but relies ultimately, like other US-based monopolies, on the dominant position of the US worldwide. As former US Secretary of Defense William Cohen observed in 1999, “the prosperity that companies like Microsoft now enjoy could not occur without having the strong military that we have.”8

Gates remains chairman of Microsoft but now devotes the bulk of his time to running The Bill and Melinda Gates Foundation (BMGF), the largest private foundation in the world and easily the most powerful. With an endowment of $38 billion, BMGF dwarfs once-dominant players such as Ford ($10 billion), Rockefeller ($3 billion), and Carnegie ($2.7 billion).9 These elite charitable funds are attractive to the super-rich not only as alternative channels of influencing policy, but also as a legal means of tax avoidance. Under US law, investments in charitable foundations are tax-free; moreover, investors are not required to sell their stock positions and may continue to vote their shares without restriction.10 By sheltering foundations, the US Treasury effectively co-finances the activities of BMGF and its investors, supplying a substantial part of the “leverage” lauded above.

Even in a field dominated by the world’s richest, the Gates Foundation has acquired a reputation for exceptional high-handedness. It is “driven by the interests and passions of the Gates family,” evasive about its financials, and accountable to no one except its founder, who “shapes and approves foundation strategies, advocates for the foundation’s issues, and sets the organization’s overall direction.”11

Gates’ approach to charity is presumably rooted in his attitude toward democracy:

The closer you get to [Government] and see how the sausage is made, the more you go, oh my God! These guys don’t even actually know the budget. … The idea that all these people are going to vote and have an opinion about subjects that are increasingly complex – where what seems, you might think … the easy answer [is] not the real answer. It’s a very interesting problem. Do democracies faced with these current problems do these things well?12

The Gates charitable empire is vast and growing. Within the US, BMGF focuses primarily on “education reform,” providing support for efforts to privatize public schools and subordinate teachers’ unions. Its much larger international divisions target the developing world and are geared toward infectious diseases, agricultural policy, reproductive health, and population control. In 2009 alone, BMGF spent more than $1.8 billion on global health projects.13

The Gates Foundation exercises power not only via its own spending, but more broadly through an elaborate network of “partner organizations” including non-profits, government agencies, and private corporations. As the third largest donor to the UN's World Health Organization (WHO), it is a dominant player in the formation of global health policy.14 It orchestrates vast elaborate public-private partnerships – charitable salmagundis that tend to blur distinctions between states, which are at least theoretically accountable to citizens, and profit-seeking businesses that are accountable only to their shareholders. For example, a 2012 initiative aimed at combatting neglected tropical diseases listed among its affiliates USAID, the World Bank, the governments of Brazil, Bangladesh, UAE et al., and a consortium of 13 drug firms comprising the most notorious powers in Big Pharma, including Merck, GlaxoSmithKline, and Pfizer.15

BMGF is the prime mover behind prominent “multi-stakeholder initiatives” such as the Global Fund to Fight AIDS, Tuberculosis and Malaria, and the GAVI Alliance (a “public-private partnership” between the World Health Organization and the vaccine industry). Such arrangements allow BMGF to leverage its stake in allied enterprises, much as private businesses enhance power and profits through strategic investment schemes. The Foundation also intervenes directly in the agendas and activities of national governments, ranging from its financing of the development of municipal infrastructure in Uganda,16 to its recently announced collaboration with the Indian Ministry of Science to “Reinvent the Toilet.”17 At the same time the Foundation supports NGOs that lobby governments to increase spending on the initiatives it sponsors.18

The Gates operation resembles nothing so much as a massive, vertically integrated multinational corporation (MNC), controlling every step in a supply chain that reaches from its Seattle-based boardroom, through various stages of procurement, production, and distribution, to millions of nameless, impoverished “end-users” in the villages of Africa and South Asia. Emulating his own strategies for cornering the software market, Gates has created a virtual monopoly in the field of public health. In the words of one NGO official, “[y]ou can’t cough, scratch your head or sneeze in health without coming to the Gates Foundation.”19 The Foundation's global influence is now so great that former CEO Jeff Raikes was obliged to declare: “We are not replacing the UN. But some people would say we’re a new form of multilateral organization.”20

II. Fundações e imperialismo
Quando aqueles que têm agressivamente estabelecido e mantido monopólios a fim de acumular vastos capitais viram-se para atividades caridosas, não precisamos assumir que os seus motivos são humanitários. [21] Na verdade, em certas ocasiões estes "filantropos" definem seus objetivos mais diretamente como fazer o mundo mais seguro para a sua espécie. Numa carta publicada no sítio web da sua Fundação, Bill Gates invoca "o auto-interesse esclarecido dos ricos do mundo" e adverte que "se as sociedades não puderem proporcionar saúde básica para as pessoas, se não puderem alimentá-las e educá-las, então suas populações e problemas crescerão e o mundo será um lugar menos estável". [22]

O padrão de tais atividades "filantrópicas" foi estabelecido nos EUA cerca de um século atrás, quando barões industriais tais como Rockefeller e Carnegie estabeleceram as fundações que portam os seus nomes, seguidas em 1936 pela Ford. Como argumentou Joan Roelofs, [23] durante o século passado a filantropia privada em grande escala desempenhou um papel crítico à escala mundial para assegurar a hegemonia de instituições neoliberais enquanto reforçava a ideologia da classe dominante ocidental. Redes entrelaçadas de fundações, ONG patrocinadas por fundações e instituições do governo dos EUA como a National Endowment for Democracy (NED) – notória como um "passador" para fundos da CIA – trabalham de mãos dadas com o imperialismo, subvertendo estados e movimentos sociais amigos do povo através da cooptação de instituições consideradas úteis à estratégia global dos EUA. Em casos extremos mas não pouco frequentes, fundações colaboraram ativamente em operações de mudança de regime administradas pela inteligência dos EUA. [24]

O papel da Grande Filantropia, entretanto, é mais vasto. Mesmo esforços aparentemente benignos de fundações, tais como o combate contra doenças infecciosas, podem ser melhor entendidos quando colocados nos seus contextos históricos e sociais específicos. Recordar que escolas de medicina tropical foram estabelecidas nos EUA no fim do século XIX com o objetivo explícito de aumentar a produtividade de trabalhadores colonizados e ao mesmo tempo garantir a segurança dos seus supervisores brancos. Como escreveu um jornalista em 1907:

A doença ainda dizima populações nativas e remete para casa homens dos trópicos prematuramente velhos e desgastados. Até que o homem branco tenha a chave para o problema, esta mancha deve permanecer. Por grandes porções do globo debaixo do domínio do homem branco tem um toque grandiloquente; mas a menos que tenhamos os meios de melhorar as condições dos habitantes, isto é pouco mais do que uma jactância vazia. [25]

Precisamente este raciocínio fundamentou a formação da Fundação Rockfeller, a qual foi incorporada em 1913 com o objetivo inicial de erradicar a tênia (hookworm), a malária e a febre amarela. [26] No mundo colonizado as medidas de saúde pública encorajadas pela Comissão Internacional de Saúde da Rockfeller proporcionava aumentos na extração do lucro, pois agora podia ser pago menos por unidade de trabalho a cada trabalhador, "mas com força acrescida era capaz de trabalhar mais arduamente e mais tempo e recebia mais dinheiro no seu envelope de pagamento". [27] Além da eficiência aumentada do trabalhador – a qual não era necessariamente um desafio crítico para o capital em regiões onde vastas reservas de trabalhadores sub-empregados estavam disponíveis para exploração – os programas de pesquisa de Rockfeller prometiam maior alcance para futuras aventuras militares dos EUA no Sul Global, onde exércitos de ocupação muitas vezes haviam sido incapacitados por doenças tropicais. [28]

Como Rockfeller expandiu seus programas internacionais de saúde em coordenação com agências dos EUA e outras organizações, foram obtidas vantagens adicionais para o núcleo imperial. A medicina moderna publicitava os benefícios do capitalismo para povos "retrógrados", minando sua resistência à dominação por potências imperialistas e criando ao mesmo tempo uma classe profissional nativa cada vez mais receptiva ao neocolonialismo e dependente da generosidade estrangeira. O presidente da Rockfeller observou em 1916: "Para os objetivos de apaziguar povos primitivos e suspeitosos, a medicina têm algumas vantagens sobre metralhadoras". [29]

Após a II Guerra Mundial, a filantropia da saúde pública tornou-se estreitamente alinhada à política externa dos EUA pois o neocolonialismo abraçou a retórica, se não o conteúdo, do "desenvolvimento". Fundações colaboraram com a Agency for International Development (USAID) no apoio a intervenções destinadas a aumentar a produção de matérias-primas ao mesmo tempo que criavam novos mercados para bens manufaturados ocidentais. Uma seção da classe dominante dos EUA, representada mais destacadamente pelo secretário de Estado George Marshall, argumentou que "aumentos na produtividade do trabalho tropical exigiriam investimentos em infraestrutura social e econômica incluindo maiores investimentos em saúde pública". [30]

Enquanto isso, o seminal Relatório Gaither, encomendado em 1949 pela Fundação Ford, encarregou a Grande Filantropia de avançar com o "bem estar humano" a fim de resistir à "maré do comunismo ... na Ásia e na Europa". [31] Em 1956, um relatório do International Development Administration Board para o presidente dos EUA enquadrou abertamente a assistência à saúde pública como uma tática de ajuda à agressão militar ocidental na Indochina:

Áreas que à noite eram inacessíveis devido à atividade do Viet Minh, durante o dia recebiam bem as equipes de pulverização de DDT que combatiam a malária. ... Nas Filipinas, programas semelhantes tornam possível a colonização de muitas áreas anteriormente não habitadas e contribuem grandemente para a conversão de terroristas Huk em pacíficos proprietários de terra. [32]

Durante algum tempo, portanto, a filantropia ocidental atuou para modelar sistemas de saúde pública em países pobres, por vezes condescendendo em ceder o controle da infraestrutura e do pessoal treinado a ministérios da saúde nacionais. [33] Embora o investimento real em cuidados de saúde do Terceiro Mundo fosse escasso em comparação com as promessas extravagantes da retórica da Guerra Fria, alguma resposta a crises de saúde em países pobres foi considerada necessária no contexto da luta do pós-guerra por "corações e mentes".

A queda da União Soviética abriu solenemente a presente fase da filantropia em saúde pública, caracterizada pela exigência ocidental de "governação da saúde pública" – alegadamente como uma resposta à difusão de doenças comunicáveis acelerada pela globalização. A saúde foi redefinida como uma preocupação de segurança; o desenvolvimento do mundo é retratado como uma fervilhante placa de Petri de SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave), AIDS e infecções tropicais, difundindo "doença e morte" por todo o globo [34] e exigindo que potências ocidentais estabeleçam sistemas de saúde centralizados destinados a "ultrapassar os constrangimentos da soberania estatal". [35] Intervenções imperiais no campo da saúde são justificadas nos mesmos termos das recentes intervenções militares "humanitárias": "Interesses nacionais agora obrigam a que países se empenhem internacionalmente na responsabilidade de proteger contra ameaças à saúde importadas ou de ajudar a estabilizar conflitos externos de modo a que não possam perturbar a segurança global ou comércio ". [36]

Proporcionar apoio a operações para cuidados de saúde nacionais já não está na agenda; ao contrário – em conformidade com programas de ajustamento estrutural que exigiram ruinosos desinvestimentos em saúde pública por todo o mundo em desenvolvimento [37] – ministérios da saúde são rotineiramente ultrapassados ou comprometidos através de "parcerias público-privadas" e esquemas semelhantes. Quando sistemas nacionais de saúde são esvaziados, as despesas de saúdo de países doadores e fundações privadas ascenderam dramaticamente. [38] Na verdade, o Council on Foreign Relations, com sede nos EUA, prevê um definhamento do serviços de saúde patrocinados pelo estado, a serem substituídos por um regime supranacional de "novas estruturas legais, parcerias público-privadas, programas nacionais, mecanismos de financiamento inovadores e maior empenhamento por parte de organizações não governamentais, fundações filantrópicas e corporações multinacionais". [39]
O caso exemplar de filantropia na era da governação global da saúde é a Fundação gates. Amplamente dotada, basicamente livre de responsabilidades, não tolhida pelo respeito para com a democracia ou a soberania nacional, a flutuar livremente entre as esferas pública e privada, está posicionada do modo ideal para intervir com ligeireza e decisivamente em prol dos interesses que ela representa. Como observou Bill Gates: "Não vou ser posto fora do governo em eleições". [40] Relacionamentos de trabalho estreitos com a ONU, os EUA e instituições da UE, bem como poderosas corporações multinacionais, dão à BMGF (Bill & Melinda Gates Foundation) uma capacidade extraordinárias para harmonizar complexas agendas que se sobrepõem, assegurando que as ambições de corporações e dos EUA sejam avançadas em simultâneo. Para melhor entendimento de como opera a BMGF e no interesse de quem, vale a pena examinar os programas de vacinas global da Fundação, onde até recentemente o grosso do seu dinheiro e do seu músculo foi exercido.

[...]

Notas

1. "The Gates Foundation: Giving Away a Fortune," CBS 60 Minutes , Sept. 30, 2010, www.cbsnews.com/news/the-gates-foundation-giving-away-a-fortune/3/ .

2. Paul Harris, "They're Called The Good Club – And They Want to Save the World," Guardian , May 30, 2009, /www.theguardian.com/world/2009/may/31/new-york-billionaire-philanthropists .

3. Andrew Clark, "US Billionaires Club Together," Guardian , Aug. 4, 2010, www.theguardian.com/technology/2010/aug/04/us-billionaires-half-fortune-gates .

4. Matthew Bishop and Michael Green, Philanthrocapitalism: How Giving Can Save the World (2008), pp. 3, 6.

5. Harris, op cit.

6. “Bill Gates,” Forbes.com, Sept. 2013, http://www.forbes.com/profile/bill-gates/. (back)

7. Barry Ritholtz, “What's Behind Microsoft’s Fall from Dominance,” Washington Post, Sept. 26, 2013, http://www.washingtonpost.com/business/whats-behind-microsofts-fall-from-dominance/2013/09/05/b0e5e91e-157b-11e3-804b-d3a1a3a18f2c_story_1.html. (back)

8. Quoted in Michael Perelman, “The Political Economy of Intellectual Property,” Monthly Review, vol. 54, no. 8, January, 2003, http://monthlyreview.org/2003/01/01/the-political-economy-of-intellectual-property. (back)

9. The Foundation Center, Top Funders, http://foundationcenter.org/findfunders/topfunders/top100assets.html. (back)

10. Sheldon Drobny, “The Gates and Buffett Foundation Shell Game,” CommonDreams.org, April 26, 2006, http://www.commondreams.org/views06/0823-26.htm. (back)

11. BMGF website, http://www.gatesfoundation.org/Who-We-Are/General-Information/Leadership/Management-Committee. (back)

12. Richard Waters, “An exclusive interview with Bill Gates,” Financial Times, Nov. 1, 2013, http://www.ft.com/intl/cms/s/2/dacd1f84-41bf-11e3-b064-00144feabdc0.html#axzz2q0sgejl. (back)

13. Noel Salazar, “Top 10 philanthropic foundations: A primer,” Devex, Aug. 1, 2011, https://www.devex.com/en/news/top-10-philanthropic-foundations-what-you-need-to/75508. (back)

14. Global Health Watch, Global Health Watch 2: An Alternative World Health Report, 2008, p. 250, http://www.ghwatch.org/sites/www.ghwatch.org/files/ghw2.pdf. In a 2008 memo leaked to the press, Arata Kochi, chief of the malaria program at the World Health Organization, charged that “the growing dominance of malaria research by the Bill and Melinda Gates Foundation risks stifling a diversity of views among scientists and wiping out the health agency’s policy-making function.” Donald G. McNeil Jr., “WHO official complains about Gates Foundation's dominance in malaria fight,” NY Times, Nov. 7, 2008, http://www.nytimes.com/2008/02/17/world/americas/17iht-gates.4.10120087.html. (back)

15. “Private and Public Partners Unite to Combat 10 Neglected Tropical Diseases by 2020,” BMGF press release, Jan. 2012, http://www.gatesfoundation.org/media-center/press-releases/2012/01/private-and-public-partners-unite-to-combat-10-neglected-tropical-diseases-by-2020. (back)

16. Grant to Ministry of Lands, Housing and Urban Development; Government of Uganda, July, 2012, http://www.gatesfoundation.org/How-We-Work/Quick-Links/Grants-Database/Grants/2012/07/OPP1053920 . (back)

17. “The Next Grand Challenge in India: Reinvent the Toilet,” BMGF press release, Oct. 2013, http://www.gatesfoundation.org/Media-Center/Press-Releases/2013/10/The-Next-Grand-Challenge-in-India. The Foundation also feels free to “sit down with the Pakistan government” to demand security measures in support of its operations. See Neil Tweedie, “Bill Gates Interview: I Have No Use for Money. This is God’s Work,” The Telegraph, Jan. 18, 2013, http://www.telegraph.co.uk/technology/bill-gates/9812672/Bill-Gates-interview-I-have-no-use-for-money.-This-is-Gods-work.html. (back)

18. Global Health Watch, op. cit., p. 251. (back)

19. Ibid. (back)

20. Gabrielle Pickard, “Will Gates Foundation Replace the UN?” UN Post, 2010, http://www.unpost.org/will-gates-foundation-replace-the-un/#ixzz2pjv08DJr.

21. As pretensões ocasionais a Fundação gates à caridade desinteressada são desmentidas pelas políticas do seu consórcio (trust), o qual investe fortemente em "companhias que contribuem para o sofrimento em saúde, habitação e bem-estar social que a fundação esta a tentar aliviar". Andy Beckett, "Inside the Bill and Melinda Gates Foundation," Guardian , July 12, 2010, www.theguardian.com/world/2010/jul/12/bill-and-melinda-gates-foundation .

22. Bill Gates, Annual Letter 2011, www.gatesfoundation.org/... .

23. Foundations and Public Policy: The Mask of Pluralism (SUNY Series in Radical Social and Political Theory 2003); ver também "New Study on the Role of US Foundations," Aspects of India's Economy No. 38, Dec., 2004, rupe-india.org/38/foundations.html .

24. Ex.: "Na Indonésia as redes de conhecimento patrocinadas pela Fundação Ford trabalharam para minar o governo neutralista de Sukarno que desafiou a hegemonia dos EUA. Ao mesmo tempo, a Ford treinava economistas (tanto na Universidade da Indonésia como em universidades estado-unidenses) para um futuro regime apoiante do imperialismo capitalista". Roelofs, "Foundations and American Power ," Counterpunch , April 20-22, 2012, www.counterpunch.org/2012/04/20/foundations-and-american-power/ .

25. Citado em E. Richard Brown, "Public Health in Imperialism: Early Rockefeller Programs at Home and Abroad", Am J Public Health , 1976 September; 66(9): 897–903, 897.

26. Desde os seus dias mais primitivos a filantropia de Rockfeller ocultava também uma agenda interna. A Fundação foi forçada a retratar-se do patrocínio de investigação no campo das relações trabalhistas depois de o Relatório da Walsh Commission de 1916 descobriu que estava "a corromer fontes de informação pública" num esforço para encobrir práticas de negócios predatórias e violência industrial. Jeffrey Brison,Rockefeller, Carnegie, and Canada , Montreal: McGill-Queen's University Press, 2005, p. 35.

27. E. Richard Brown, op. cit. , p. 900.

28. David Killingray, "Colonial Warfare in West Africa 1870-1914," reprinted in J. A. de Moor & H.L. Wesseling, eds., Imperialism and War , Leiden : E.J. Brill : Universitaire pers Leiden, 1989, pp. 150-151.

29. E. Richard Brown, op. cit. , p. 900.

30. Randall Packard, "Visions of Postwar Health and Development and Their Impact on Public Health Interventions in the Developing World," reprinted in Frederick Cooper & Randall Packard, International Development and the Social Sciences , Berkeley: Univ. of California Press, 1997, p. 97. Num discurso em 1948 ao Quarto Congresso Internacional de Doenças Tropicais e Malária, Marshal, um dos principais arquitectos da política dos EUA durante os primeiros anos da Guerra Fria, esboçou uma visão grandiosa de cuidados de saúde sob o capitalismo "esclarecido": "É preciso pouca imaginação para visualizar o grande aumento na produção de alimentos e matérias-primas, o estímulo ao comércio mundial e, acima de tudo, a melhoria nas condições de vida, com as consequente vantagens culturais e sociais, que resultaria da conquista das doenças tropicais". Ibid ., p. 97.

31. Report of the Study for the Ford Foundation on Policy and Program , Detroit: Ford Foundation, November, 1949, p. 26, www.fordfoundation.org/pdfs/about/Gaither-Report.pdf .

32. Citado em Packard, op. cit ., p. 99.

33. Wilbur G. Downs, M.D., "The Rockefeller Foundation Virus Program 1951-1971 with Update to 1981", Ann. Rev. Med. 1982 33:1-29, 8.

34. Andrew F. Cooper and John J. Kirton, eds., Innovation in Global Health Governance: Critical Cases , Aldershot: Ashgate Publishing, 2009, ch. 1.

35. Michael A. Stevenson & Andrew F. Cooper, "Overcoming Constraints of State Sovereignty: Global Health Governance in Asia", Third World Quarterly , vol. 30, no. 7, 3009, pp. 1379-1394.

36. Thomas E Novotny et al., "Global health diplomacy– a bridge to innovative collaborative action," Global Forum Update on Research for Health, vol. 5, 2008, p. 41. (Emphasis added.)

37. Ver Ann-Louise Colgan, Hazardous to Health: The World Bank and IMF in Africa , Africa Action position paper, April 18, 2002, h www.africafocus.org/docs02/sap0204b.php .

38. Global Health Watch, pp. 210-11.

39. David P. Fidler, The Challenges of Global Health Governance , CFR Working Paper, May, 2010, http://www.cfr.org/global-governance/challenges-global-health-governance/p22202.

40. Entrevista com Bill Gates, NOW with Bill Moyers , May 9, 2003, transcript of television interview, http://www.pbs.org/now/transcript/transcript_gates.html.

30 de maio de 2014

O capitalismo selvagem está de volta... e não irá se domesticar

Os capitalistas propagam a prosperidade somente quando ameaçados pela rivalidade mundial, pelos movimentos radicais e pelo risco de rebeliões locais.

David Graeber

The Guardian

Tradução / Na década de 1990 eu costumava discutir com amigos russos a respeito do capitalismo. Este período era aquele em que muitos dos jovens intelectuais do Leste europeu se mostravam vívidos para abraçar qualquer coisa associada com este sistema econômico em particular, ainda que as massas proletárias de seus países continuassem profundamente desconfiadas.

Sempre que eu trazia alguns excessos criminosos cometidos pelas oligarquias e por políticos corruptos que estavam privatizando tudo a favor de si próprios, eles simplesmente davam de ombros.

Lembro de um russo, com seus 20 e poucos anos, explicando para mim: “Se olharmos para os Estados Unidos, havia todos os tipos de fraude como os do século XIX das estradas de ferro, e esse e aquele outro. Ainda estamos no estágio selvagem. Sempre leva uma geração ou duas para o capitalismo se civilizar”.

“E você realmente pensa que o capitalismo irá fazer isso por isso só?”, eu perguntava. “Olhe na história! Nos Estados Unidos há os barões usurpadores, depois – 50 anos mais tarde – houve o New Deal. Na Europa, temos o Estado de bem-estar social...”, dizia ele.

“Mas, Sergei”, protestei (na verdade, não lembro o seu nome real), “isso não aconteceu porque os capitalistas apenas decidiram serem bonzinhos. Isso aconteceu porque eles estavam todos com medo de vocês”.

Ele parecia chocado pela minha ingenuidade.

Naquela época havia uma série de pressupostos que todos precisavam aceitar para se estar, até mesmo, permitido a entrar num debate público sério. Estes eram apresentados como uma série de equações evidentes.

“O mercado” era equivalente a capitalismo. Capitalismo significava riqueza exorbitante no topo, mas também progresso tecnológico rápido e crescimento econômico. Crescimento significava prosperidade cada vez maior e a ascensão de uma classe média. Por sua vez, o aumento de uma classe média próspera iria sempre, em última instância, se equivaler à governança democrática estável. Uma geração depois, aprendemos que nenhum desses pressupostos pode ser mais considerado correto.

A importância real do best-seller de Thomas Piketty – “Le Capital au XXIe siècle” – é que ele demonstra, nos mínimos detalhes (e isso continua sendo verdadeiro, apesar de algumas brigas mesquinhas previsíveis), que, no caso ao menos de uma equação de base, os números simplesmente não se somam. O capitalismo não contém uma tendência inerente a se civilizar. Deixado à própria sorte, pode-se esperar que ele crie taxas de retorno sobre o investimento muito maiores do que todas as taxas de crescimento econômico de forma que o único resultado possível seja a transferência – mais e mais – da riqueza para as mãos de uma elite hereditária de investidores, ao lado do empobrecimento dos demais.

Em outras palavras, o que aconteceu na Europa ocidental e na América do Norte entre aproximadamente 1917 e 1975 – quando o capitalismo criou, de fato, um crescimento alto e uma desigualdade menor – foi algo como uma anomalia histórica. Há uma percepção crescente entre os historiadores da economia de que este foi, de fato, o caso. Há muitas teorias que buscam explicar o fenômeno. Adair Turner, ex-presidente da Autoridade de Serviços Financeiros [do Reino Unido], propõe ser a natureza particular da tecnologia industrial de meados do século o fator que permitiu tanto as altas taxas de crescimento quanto um movimento sindical de massas. O próprio Piketty aponta para a destruição do capital durante as guerras bem como às altas taxas de impostos e regulação que a mobilização com vistas à guerra permitiu. Outros têm explicações diferentes.

Sem dúvida, muitos fatores estiveram envolvidos, mas praticamente todos parecem estar ignorando o mais óbvio. O período em que o capitalismo pareceu capaz de garantir uma prosperidade ampla foi também, precisamente, o período no qual os capitalistas se viram como sendo não os únicos atores em jogo: foi quando eles enfrentaram um rival mundial no bloco soviético, os movimentos revolucionários anticapitalistas do Uruguai à China e, pelo menos, a possibilidade de rebeliões por parte dos trabalhadores locais. Noutras palavras, em vez de altas taxas de crescimento que permitissem uma riqueza maior para os capitalistas distribuíssem aos demais, foi o fato de eles sentirem a necessidade de trazer para junto de si pelo menos uma parcela das classes trabalhadoras o que colocou mais dinheiro nas mãos das pessoas comuns, criando demandas cada vez maiores de consumidores – o que foi em si o grande responsável pelas taxas notáveis de crescimento econômico que marcaram a “idade de ouro” do capitalismo.

Desde a década de 1970, na medida em que as ameaças políticas significativas diminuíram, as coisas voltaram ao seu estado normal: ou seja, a desigualdades selvagens, com os míseros 1% presidindo uma ordem social marcada por uma crescente estagnação social, econômica e mesmo tecnológica. Foi precisamente o fato de que as pessoas, tais como o meu amigo russo, acreditaram que o capitalismo iria, inevitavelmente, se civilizar o que lhe garantiu não mais precisar assim fazer.

Em contrapartida, Piketty começa seu livro denunciando a “retórica preguiçosa do anticapitalismo”. Ele não tem nada contra o capitalismo em si – ou mesmo contra a desigualdade, que seja. Ele apenas deseja fornecer uma comprovação a respeito da tendência do capitalismo em criar uma classe inútil de rentistas parasitas. Por conseguinte, argumenta que a esquerda deveria se focar em eleger governos dedicados a criar mecanismos internacionais para taxar e regular as riquezas concentradas. Algumas de suas sugestões – um imposto de renda de 80%! – podem parecer radicais, mas ainda estamos falando de um homem que, tendo demonstrado ser o capitalismo um gigantesco aspirador sugando a riqueza para as mãos de uma minúscula elite, insiste para que não desliguemos simplesmente a máquina, mas que tentemos construir um aspirador sensivelmente menor na direção oposta.

Além disso, ele não parece entender que não importa quantos livros possa vender ou quantas reuniões possa ter com representantes ou membros financeiros da elite política: o simples fato de que um intelectual francês de tendência esquerdista em 2014 pode, seguramente, declarar não querer derrubar o sistema capitalista, mas simplesmente salvá-lo de si próprio, é o motivo pelo qual tais reformas jamais acontecerão. Os que compõem aquele 1% [dos mais ricos] não estão prestes a se expropriar, mesmo se se pedirem a eles com todo o respeito. Ademais, estes têm passado os últimos 30 anos criando um bloqueio na mídia e na política para se assegurarem de que ninguém assim o fará por meios eleitorais.

Dado que ninguém em sã consciência irá desejar receber algo como a União Soviética, também não vamos ver nada parecido com a democracia social de meados do século criado para combatê-la. Se quisermos uma alternativa à estagnação, ao empobrecimento e à devastação ecológica, vamos precisar encontrar uma forma de desligar a máquina e começar de novo.

A ascensão da direita europeia: reação à direita neoliberal

James Petras


Introdução

Nas eleições para o Parlamento Europeu verificou-se um significativo avanço, em toda a região, de partidos de direita. O ascenso da direita percorre os países nórdicos, o Reino Unido, os Países Bálticos e os Países Baixos, a França, a Europa Central e de Leste e o Mediterrâneo.

Muitos, senão todos desses partidos de direita emergentes representam uma clara ruptura com os partidos governantes neoliberais, demo-cristãos e social-democratas que há mais de uma década presidem à crise.

A “nova Direita” não pode ser compreendida pela simples colagem de etiquetas negativas (“fascista”, “racista” e “anti-semita”). A ascensão da direita tem de ser inserida no contexto da decadência de instituições políticas, sociais e econômicas. Sobre todo o edifício político construído pelos partidos neoliberais recai uma profunda responsabilidade relativamente à crise sistêmica e à degradação da vida quotidiana. É principalmente pelo fato de isto ser assim entendido que uma massa crescente de trabalhadores vota pela direita.

A chamada “esquerda radical” - habitualmente definida como englobando os partidos políticos à esquerda dos partidos social-democratas governantes - não conseguiu, com exceção do Syriza na Grécia, capitalizar o declínio dos partidos neoliberais. Existem várias razões que contribuem para a inexistência de uma polarização esquerda-direita. Muito da “esquerda radical” deu, no fim das contas, “apoio crítico” a este ou aquele partido trabalhista ou social-democrata e encurtou a sua “distância” em relação aos desastres político-econômicos consequentes. Em segundo lugar, as posições da “esquerda radical” relativamente a alguns temas foram para muitos trabalhadores irrelevantes ou ofensivas: a saber, o casamento homossexual e as políticas identitárias. Em terceiro lugar, a “esquerda radical” recrutou personalidades proeminentes oriundas de desacreditados partidos trabalhistas ou social-democratas e dessa forma deu azo a suspeitas de que não passaria de uma “nova versão” de decepções anteriores. Em quarto lugar, a “esquerda radical” é forte em manifestações públicas reivindicando “mudanças estruturais” mas falta-lhe a implantação local e clientelística das organizações de direita que proporcionam serviços, como as sopas dos pobres e a assistência em questões do dia-a-dia.

Enquanto a direita pretende colocar-se “no exterior” do sistema neoliberal confrontando-se com os amplos poderes assumidos pela elite de Bruxelas, a esquerda é ambígua: o seu apoio a uma “Europa social” implica um compromisso relativamente à reforma de uma estrutura desacreditada e moribunda. A direita propõe “capitalismo nacional” fora de Bruxelas, a esquerda propõe “socialismo no interior da União Europeia”. Os partidos de esquerda, os partidos comunistas, mais antigos, ou agrupamentos mais recentes como o Syriza na Grécia, obtiveram resultados diversificados. Em geral, os primeiros estagnaram ou perderam apoio apesar da crise sistêmica. Os últimos, como Syriza, conseguiram ganhos importantes mas não conseguiram ultrapassar a barreira dos 30%. Ambos necessitam de aliados eleitorais. Em resultado disto, o desafio ao status quo neoliberal provém, no imediato, dos partidos da nova direita e, à esquerda, dos movimentos sociais extraparlamentares e dos sindicatos. No futuro imediato, a crise da União Europeia joga-se entre o sistema neoliberal estabelecido e a “nova direita”.

A Natureza da Nova Direita

A “nova direita” conquistou apoio fundamentalmente porque denunciou os quatro pilares do sistema da globalização neoliberal: globalização, controlo financeiro externo, gestão executiva imperativa (a troika de Bruxelas) e o fluxo desregulado de força de trabalho barata imigrante.

O nacionalismo, tal como a nova direita o assume, associa-se ao capitalismo nacional: produtores locais, retalhistas e agricultores são contrapostos aos mercados livres, fusões e aquisições pelos banqueiros internacionais e as multinacionais gigantes. A “nova direita” tem o seu público tanto entre a elite dos negócios nas províncias e nas pequenas cidades como entre os trabalhadores devastados pelo encerramento de empresas e pelas deslocalizações.

O nacionalismo da “nova direita” é “proteccionista” – procurando barreiras tarifárias e regulamentações estatais que protejam indústrias e trabalhadores da concorrência “desleal” dos grupos industriais de além-mar e do trabalho imigrante de baixos salários.

O problema é que o proteccionismo limita a importação de bens de consumo baratos vendidos no pequeno comércio retalhista a preços acessíveis aos trabalhadores e à classe média baixa. A direita “sonha” com um modelo corporativista em que trabalhadores a industrias se aliam contra o capitalismo competitivo liberal e contra os sindicatos de classe. À medida que a luta de classes declina, a política “tripartido” da direita neoliberal é reconfigurada pela “nova direita” com a inclusão do capital “nacional” e um “Estado paternalista”.

Em resumo, o nacionalismo da direita evoca um mítico passado de harmonia em que o capital nacional e o trabalho se uniam sob uma identidade comunitária comum contra o grande capital estrangeiro e o trabalho imigrante barato.

Estratégia Política: políticas eleitorais e extraparlamentares

Nesta altura, a “nova direita” está orientada em primeiro lugar para as políticas eleitorais, principalmente quando vem conseguindo apoio de massas. Aumentaram o seu peso eleitoral combinando mobilização de massas e organização comunitária com políticas eleitorais, em particular em zonas deprimidas. Atraíram eleitores de classe média da direita neoliberal e trabalhadores eleitores da velha esquerda. Enquanto sectores da direita, como Aurora Dourada na Grécia, ostentam abertamente símbolos fascistas – bandeiras e uniformes – ao mesmo tempo que provocam distúrbios de rua, outros pressionam a direita neoliberal governante a que adopte algumas das suas reivindicações, em especial as que dizem respeito à imigração e à “deportação de ilegais”. No presente, muita da acção da “nova direita” centra-se em fazer prevalecer a sua agenda e em ganhar apoiantes através de apelos agressivos no âmbito da ordem constitucional e da contenção dos sectores mais violentos. Para além disso, o clima político actual não é favorável a que seja conduzida uma actividade extraparlamentar de “lutas de rua”, nas quais a “nova direita” seria facilmente esmagada. Muitos estrategas de direita crêem que o contexto actual aponta para a acumulação de forças através de meios pacíficos.

Condições que facilitam o crescimento da direita

Existem numerosos factores estruturais que contribuem para o crescimento da “nova direita” na Europa:
Primeiro e mais importante, existe um declínio claro do poder e das instituições democráticas em resultado da centralização de poderes legislativos-executivos nas mãos da autodesignada elite de Bruxelas. A “nova direita” argumenta de forma eficaz que a União Europeia se tornou uma instituição política profundamente autoritária desautorizando os eleitores e impondo duros programas de austeridade sem qualquer mandato popular.

Em segundo lugar, os interesses nacionais foram subordinados ao interesse da elite financeira identificada como responsável pelas duras políticas que degradaram os padrões de vida e devastaram as indústrias locais. A “nova direita” contrapõe “a nação” à “troika” de Bruxelas – o Fundo Monetário Internacional, o Banco Central Europeu e a Comissão Europeia.

Em terceiro lugar, a “liberalização” corroeu as industrias locais e minou comunidades e legislação favorável ao trabalho. A direita denuncia as políticas de imigração liberais, que permitem um influxo de larga escala de força de trabalho barata num período em que o desemprego atinge níveis de depressão. A crise do capitalismo combinada com a larga reserva de força de trabalho imigrante barata forma a base material para os apelos da direita dirigidos aos trabalhadores, em particular aqueles que têm empregos precários ou que estão desempregados.

Direita: contradições e duplo discurso

A direita, ao mesmo tempo que critica o Estado neoliberal pelo desemprego, concentra-se mais nos imigrantes em competição com os nacionais no mercado de trabalho do que nos capitalistas cujas decisões de investimento determinam os níveis do emprego e do desemprego.

A direita ataca a natureza autoritária da União Europeia, mas as suas estruturas, ideologia e história prefiguram um Estado repressivo.
A direita propõe-se, justamente, acabar com o controlo da elite estrangeira sobre a economia, mas a sua própria visão de um “Estado nacional”, especialmente se associado à NATO, às corporações multinacionais e às guerras imperiais, não proporciona qualquer base para a “reconstrução da economia nacional”.

A direita fala das necessidades dos que nada têm e de que é necessário “acabar com a austeridade” mas foge do único mecanismo capaz de superar as desigualdades – a organização de classe e a luta de classe. A sua visão da “colaboração entre capital produtivo e trabalho” é contraditada pela agressiva ofensiva capitalista para cortar salários, serviços sociais, pensões e condições de trabalho. A “nova direita” acusa os imigrantes de serem a causa do desemprego enquanto ignora o papel dos capitalistas que contratam e despedem, investem no estrangeiro, deslocalizam empresas e introduzem tecnologia que substitui trabalhadores.

Concentram a cólera dos trabalhadores “para baixo” contra os imigrantes, em lugar de “para cima” contra os proprietários dos meios de produção, de financiamento e de distribuição que em última análise manipulam o mercado de trabalho.

Entretanto, a desmiolada defesa que a “esquerda radical” faz da imigração sem limites em nome de uma noção abstracta de “solidariedade internacional dos trabalhadores” deixa à vista o seu arrogante preconceito liberal, como se nunca tivessem ouvido a opinião de trabalhadores reais que têm de competir com imigrantes por empregos escassos, sob condições crescentemente desfavoráveis.

A “esquerda radical” tem ignorado, sob a bandeira da “solidariedade internacional”, o facto histórico de que o “internacionalismo” tem de ser construído sobre uma forte base nacional de trabalhadores organizados.

A esquerda permitiu à “nova direita” a exploração e a manipulação de causa nacionalistas poderosamente justas. A “esquerda radical” contrapôs “nacionalismo” a socialismo, em vez de os compreender como interligados, especialmente no contexto actual de uma União Europeia dominada pelo imperialismo.

A luta pela independência nacional, a ruptura da União Europeia, é essencial para a luta pela democracia e o aprofundamento da luta de classe por empregos e segurança social. A luta de classes é mais poderosa e efectiva no familiarizado terreno nacional – mais do que no confronto com os distantes contramestres em Bruxelas.

A noção existente entre muitos dirigentes da “esquerda radical” de “refundar” a UE numa “Europa Social”, a ideia de que a UE poderia ser convertida numa “União Europeia de Estados Socialistas” apenas prolonga o sofrimento dos trabalhadores e a subordinação das nações aos não-eleitos banqueiros que dirigem a UE.

Ninguém acredita seriamente que comprar acções do Deutsche Bank e participar nas suas reuniões anuais de accionistas iria permitir que os trabalhadores o “transformassem” num “banco do povo”. No entanto o “Banco dos Bancos”, a “Troika”, constituída pela Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o FMI, define todas as políticas de fundo para cada estado membro da União Europeia. Não rectificando estratégias e permanecendo cativa da “Euro-metafísica”, a esquerda abdicou do seu papel de fazer avançar a luta de classes através do renascimento da luta nacional contra os oligarcas da UE.

Resultados e perspectivas

A direita está a avançar com rapidez, embora de forma desigual, em toda a Europa. O seu apoio não é efémero mas estável e cumulativo, pelo menos a médio prazo. As causas são estruturais e resultam da capacidade da “nova direita” de explorar a crise socioeconómica dos governos da direita neoliberal e de denunciar as políticas autoritárias e antinacionais da oligarquia não-eleita da UE.
A força da “nova direita” reside na “oposição”. Os seus protestos ressoam enquanto eles permanecerem distantes dos centros de comando da economia e do Estado capitalista.

São capazes de transitar do protesto para o poder? Poder partilhado com os neoliberais irá obviamente diluir e desagregar a sua actual base social.

As contradições irão agudizar-se na medida em que a “nova direita” se deslocar de posições de “oposição” para a partilha do poder com a direita neoliberal. O cerco massivo e a deportação de trabalhadores imigrantes não irá modificar as políticas capitalistas de emprego nem repor serviços sociais ou melhorar padrões de vida. Promover o capital “nacional” através de uma qualquer união corporativista entre capital e trabalho não irá reduzir o conflito de classes. É totalmente irrealista imaginar o capital “nacional” a rejeitar os seus parceiros estrangeiros para favorecer o trabalho.

As divisões no interior da “direita nacionalista”, entre os abertamente fascistas e os sectores eleitoral-corporativistas, irão intensificar-se. A concertação com o capital “nacional”, os procedimentos democráticos e as desigualdades sociais irão provavelmente abrir caminho a uma nova vaga de conflitos de classe que desmascarará o falso radicalismo da direita “nacionalista”. Uma esquerda comprometida, implantada no terreno nacional, orgulhosa das suas tradições nacionais e de classe, e capaz de unir os trabalhadores para além das “identidades” étnicas e religiosas pode reconquistar apoiantes e reemergir como a verdadeira alternativa às duas faces da direita – a neoliberal e a “nova direita nacionalista”. A prolongada crise económica, a degradação dos padrões de vida, o desemprego e a insegurança pessoal que impulsionam a ascensão da direita nacionalista podem também conduzir ao emergir de uma esquerda profundamente ligada à realidade nacional, comunitária, e de classe. Os neoliberais não têm soluções para os desastres e problemas que eles próprios criaram, os nacionalistas da “nova direita” têm a resposta errada – a reaccionária. Tem a esquerda a solução? Só com o derrube do despótico domínio imperial de Bruxelas poderá começar a enfrentar as questões nacionais e de classe.

Post-scriptum e observações finais:

Na ausência de uma alternativa de esquerda, os trabalhadores eleitores optaram por duas alternativas: abstenção massiva e greves. Na recente eleição da UE 60% do eleitorado francês absteve-se, com a abstenção a atingir os 80% em bairros operários. Este padrão repetiu-se e foi até ultrapassado em toda a UE, o que está longe de significar apoio tanto para a UE ou para a “nova direita”. Nos dias e semanas que antecederam a votação, os trabalhadores saíram à rua. Houve greves massivas de trabalhadores da função pública e de estaleiros navais, assim como de trabalhadores de outros setores e manifestações de massas de desempregados e de classes populares em luta contra os cortes “austeritários” impostos em serviços sociais, saúde, educação, pensões, encerramento de fábricas e demissões coletivas. A abstenção eleitoral generalizada e manifestações de rua indicam que uma enorme parcela da população rejeita tanto a direita neoliberal da troika como a “nova direita”.

28 de maio de 2014

Os perigos da economia hipster

Quando a deterioração urbana converte-se em um conjunto de peças a serem remodeladas ou idealizadas.

Sarah Kendzior


No dia 16 de maio uma artista, um serviço ferroviário e uma agência governamental gastaram 291.978 dólares para camuflar a pobreza aos olhos do público. 

Intitulado psychylustro, o projeto da artista alemã Katharina Grosse é um trabalho em grande escala desenhado para distrair os passageiros da companhia estadunidense Amtrak das dilapidadas construções e indústrias fechadas ao norte da cidade de Philadelphia (Pennsylvania). A cidade possui um índice de pobreza de 28% - o mais alto entre as principais cidades dos Estados Unidos - com grande parte dele concentrado no norte. Em algumas escolas básicas de North Philadelphia, quase todas as crianças vivem abaixo da linha de pobreza.

Grosse associou-se ao Fundo Nacional de Artes e a Amtrak para mascarar os infortúnios de North Philadelphia com uma deliciosa vista. O jornal estadunidense The Wall Street Journal chama isto de "lutar com arte contra a deterioração urbana". Liz Thomas, o curador do projeto, o definiu como "uma experiência que convida as pessoas a pensar sobre este espaço que elas enfrentam todos os dias".

É óbvio que este projeto não está lutando realmente contra a deterioração urbana, mas apenas contra a capacidade dos passageiros de observá-la.

"Necessito do brilho da cor para aproximar as pessoas, para estimular um sentido de experiência de vida e aumentar a sensação de presença", afirma Grosse.

As pessoas segundo a justificativa de Grosse e Thomas, não seriam aqueles que, de fato, vivem em North Philadelphia e suportam o peso das suas próprias cargas. As pessoas são aquelas que podem permitir-se o luxo de ver a pobreza através da lente da estética, à medida que passam por ela.

Então, a deterioração urbana converte-se em um conjunto de peças a serem remodeladas ou idealizadas. Isto é a economia hipster.

Afluxo de hipsters

Em fevereiro de 2014, o diretor Spike Lee fez uma apaixonada crítica sobre a gentrificação de Nova Iorque - caracterizada com desprezo pelos meios de comunicação estadunidenses como um discurso retórico. Lee argumenta que um fluxo dos "malditos hipsters" fez com que os aluguéis subissem na maioria dos bairros da cidade, e por sua vez, expulsaram as comunidades afro-americanas do lugar que uma vez chamaram de lar. Na sua crítica, Lee apontou como na cidade aqueles serviços - ruins e desativados por um longo tempo - repentinamente reapareceram:

"Por que é necessário um fluxo de novaiorquinos brancos no sul de Bronx, Harlem, Bed Stuy e em Crown Heights para que os serviços melhorem? O lixo não era recolhido todos os dias quando eu vivia no 165, Washigton Park [...]. Então, por que este afluxo de pessoas brancas é necessário para existirem melhores escolas? Por que agora existe mais proteção policial em Bed Stuy e Harlem? Por que o lixo está sendo recolhido mais regularmente? (Sempre) estivemos aqui!

Spike Lee foi julgado por muitos críticos da cultura hipster (hipster-bashing), incluindo o professor afro-americano John McWhorter, que afirmou que "hipster" é uma "maneira disfarçada de dizer 'honkey'" (um modo ofensivo de chamar a população estadunidense branca) e comparou Lee com o personagem televisivo George Jefferson, por sua hostilidade aberta aos brancos.

Estes, que se concentram na gentrificação como uma cultura, ignoram que as declarações de Lee foram uma crítica da localização racista dos recursos. As comunidades afro-americanas, que se queixam das escolas pobres e dos serviços públicos terríveis, percebem que estas queixas são rapidamente ouvidas quando pessoas de renda mais alta se mudam para esses bairros.

Enquanto isso, os residentes mais antigos são tratados como impurezas na paisagem e abordados pela polícia por incomodar os recém chegados.

Os gentrificadores focam na estética, não nas pessoas. Porque as pessoas, para eles, são a estética.

Os defensores da gentrificação atestam suas intenções ao afirmar que "limparam o bairro". Os problemas que existiram no local (pobreza, falta de oportunidades, pessoas que lutam por serviços públicos negados) não desapareceram. Simplesmente foram deslocados para um novo local.

Este novo lugar é geralmente um subúrbio pobre, que carece de glamour para converter-se no objeto de futuras tentativas de renovação urbana. Não existe uma história para atrair os conservacionistas, porque não existe nada nos subúrbios pobres que valha a pena preservar. Isto é degradação sem beleza, ruína sem romantismo: casas de penhores, lojinhas, compra de dólares, moradias modestas e contas vencidas. Nos subúrbios a pobreza parece banal e é esquecida.

Nas cidades, os gentrificadores têm a influência política para relocar recursos e reparar a infraestrutura. O bairro é 'limpo" através da remoção dos seus residentes originais. Os gentrificadores podem desfrutar o sol na "vida urbana": a dilatada história, a nostalgia seletiva, a areia cuidadosamente salpicada. Ao mesmo tempo, evitam a responsabilidade sobre aqueles que foram deslocados.

Os hipsters querem escombros com garantia de renovação. Querem mudar uma memória que outros já construíram.

Subúrbios empobrecidos

Em uma profunda análise de deslocamentos em San Francisco e seus crescentes subúrbios empobrecidos, o jornalista Adam Hudson afirma que "a gentrificação é uma economia de gotejamento aplicada ao desenvolvimento urbano:a medida que um bairro é adequado às pessoas ricas e predominantemente brancas, os benefícios se espalham a todos os demais". Como a economia de gotejamento, esta teoria não é levada a cabo na prática.

As cidades ricas como Nova Iorque e São Francisco converteram-se no que o jornalista Simon Kuper chama de cidades cercadas (gated citadels): "vastas cidades cercadas onde se reproduz um porcento".

As cidades do centro e do noroeste dos Estados Unidos precisam de investimento dos seus conterrâneos costeiros, mas, por sua vez, livraram-se do rápido avanço da economia hipster. Amortecidas por sua eterna pouca inovação vanguardista, estas cidades de mudança lenta têm a possibilidade de tomar melhores decisões. Decisões que valorizem as vidas das pessoas em vez da estética do lugar.

Em um post publicado em abril de 2014, Umar Lee - escritor de St. Louis (Missouri, EUA) e taxista - lamentou o modelo econômico de serviços de baixos custos que tentaram se estabelecer na cidade. Notando que afetam não somente os taxistas, mas também os residentes pobres que não possuem nenhum automóvel nem transporte público e dependem dos táxis que estão dispostos à atender bairros perigosos, ele rejeita aqueles que se fazem passar por inovadores.

"Escutei vários jovens hipsters dizendo que são liberais no social e conservadores no econômico, uma popular tendência na política estadunidense", escreve. "Bem, odeio romper (esta ideia), amigo, mas é a economia e o papel do Estado que definem a política. Se és economicamente conservador, independentemente de quão irônico e sarcástico possas ser ou o quão apertados sejam teus jeans, tu, meu amigo, és conservador..."

Umar Lee me contou que tem seu próprio plano para tentar atenuar os efeitos negativos da gentrificação, o qual denomina de "50-50-20-15": todos os empregadores que iniciem negócios em bairros gentrificados devem ter uma força laboral que está composta, ao menos, de 50% provenientes de minorias étnicas, 50% de residentes do bairro e 20% de ex-presidiários. Os empregadores devem pagar pelo menos 15 dólares por hora.

A gentrificação propaga o mito da incompetência nativa: essa gente precisa ser importada para ser importante; e que um sinal do "êxito" do bairro é a remoção dos seus residentes mais pobres. O êxito real está em oferecer àqueles residentes os serviços e oportunidades que por tanto tempo lhes foram negados.

Quando os bairros experimentam certo desenvolvimento comercial, a prioridade dos trabalhos deve ser dirigida aos residentes locais que lutaram longamente para encontrar empregos próximos que paguem um salário digno.

Nos deixem aprender com os erros de Nova Iorque e San Francisco, e construir cidades que reflitam mais que apenas valores superficiais.

26 de maio de 2014

Eleições europeias: Caos político ou "business as usual"?

Frédéric Lebaron


Terremoto, agitação, maremoto, trovão, tsunami, decomposição da política nacional: metáforas naturais se multiplicam para descrever os resultados das eleições europeias de 25 de maio de 2014.

Estes resultados podem ser resumidos por algumas tendências a nível europeu: a manutenção da abstenção a um nível elevado (57% contra 57% em 2009...) avanço importante das forças que desafiam a construção européia; possível surgimento, no Parlamento Europeu (PE), de um grupo enraizado na extrema-direita nacionalista, articulado em torno da Frente Nacional; sucesso da esquerda radical em alguns países do Sul, como a Grécia, Portugal e Espanha. A crise da União Européia convidou-se às urnas, conforme previam as pesquisas.

Se olharmos mais de perto, nem a interpretação dos resultados nem — ainda mais importantes — suas conseqüências são simples. A dispersão significativa de votos também deve se expressar numa dispersão paralela das cadeiras do Parlamento Europeu entre os diferentes grupos políticos. [1]. Ela se repete também no interior desses grupos e, é claro, entre os deputados que não estão ligados a nenhum (os “independentes”).

A nomeação do Presidente da Comissão Européia não é uma conseqüência mecânica do voto e, na ausência de um grupo com clara maioria – o mais numeroso, dos liberais de direita ligados ao Partido Popular Europeu (PPE), deve reunir apenas 212, entre 751 parlamentares — as negociações podem durar dias ou semanas. De forma mais ampla, estarão em jogo a futura “governança” do Parlamento e as instituições da UE, num novo contexto.

Correndo o risco de surpresas, no momento dos superlativos, pode-se questionar até que ponto as eleições de 25 de maio de 2014 significam mudança real. Ou, se, ao contrário elas não acentuarão a característica principal do jogo parlamentar atual nas instituições da UE: a aliança pragmática entre a direita liberal (PPE) e a antiga social-democracia (PSE), fortalecida com os deputados eleitos pelo Partido Democrata italiano. Ambos os grupos, juntos, continuam a uma maioria. Ela é ainda mais clara, se somarmos os Liberais e os Verdes, fervorosos partidários da União Europeia. Em um contexto de marginalização estrutural do Parlamento em relação a outras instituições da UE, somam-se as contradições entre as lógicas nacionais e a europeia.

O mais razoável nesta fase é analisar a evolução de cada grande família política, para compreender melhor as dinâmicas europeias e nacionais que as caracterizam, e as consequências para o espaço político europeu.

A abstenção popular

A continuidade da abstenção em níveis muito elevados era, provavelmente, o resultado mais previsível, e constitui sem dúvidas o dado mais estável da paisagem eleitoral europeia.

Pode haver diferenças entre os novos Estados-Membros, onde o número de eleitores é baixo ou muito baixo (cerca de 13% na Eslováquia, 18% na República Checa), e os países em que o voto é obrigatório (Bélgica, Luxemburgo), ou tradicionalmente superior.

Como os países da Europa Central e Oriental, admitidos na União Européia em 2004 e 2007, são também aqueles onde as classes trabalhadoras são mais fortemente representadas, a abstenção maciça é produto de uma pesada tendência pós-soviética de descompromisso cívico. Some-se ainda o efeito das diferenças de estrutura e de mobilização eleitoral desigual dos grupos sociais, importantes neste tipo de eleição. [2]

PPE: uma hegemonia enfraquecida

Bem à frente do Grupo Socialista em 2009 com 274 deputados, a direita neoliberal e pró-europeia agrupada no Partido Popular Europeu (PPE) sofreu agora uma clara erosão de suas posições. Esta queda está ligada ao mau desempenho em vários países: na Itália, onde a direita pós-Berlusconi ainda engatinha e ofereceu apoio passivo ao novo governo do Partido Democrata, e chefiado por Matteo Renzi — o que não lhe permitiu avançar; na Alemanha, onde o PPE perdeu 2 pontos percentuais e 6 membros do Parlamento Europeu; na França, onde o retrocesso é ainda mais claro, com um percentual de votos de 20, 79%, contra 28% no pleito europeu anterior.

No entanto, os bastiões da direita liberal ainda são fortes na Europa, como mostram as vitórias que ela obteve em muitos países: Áustria, Bulgária, Chipre, Finlândia, Hungria, Letônia, Polônia…

No entanto, o PPE, que dirigia até agora as instituições da UE e promoveu as políticas “de austeridade”, é cada vez mais confrontado com conseqüências sociais e políticas multifacetadas desta atitude. Na França, o seu integrante, o UMP, está sujeito a fortes tensões internas, tanto ideológicas quanto organizacionais.

PSE: um retrocesso apenas parcial

Em alguns países, os partidos socialistas ou social democratas viveram um impressionante revés: é o caso especialmente da Grécia, onde o Pasok, que chegou 36,65% dos votos em 2009, não teve mais de 8,1% % agora; também é o caso da França, onde o percentual do Partido Socialista em 2009 já era muito baixa (e caiu agora de 16% para 14%). Mas o mesmo ocorreu na Holanda e a Irlanda … Em outros países, os resultados são decepcionantes em comparação com as pesquisas pré-eleitorais, como na Eslováquia.

Em contrapartida, o SPD na Alemanha ressurge de forma significativa, com uma fatia de 27,40% dos votos, e a corrente social democrata alcança percentuais mais altas, e mais esperadas em alguns países, como Portugal e Romênia. Já o Partido Trabalhista britânico e o Partido Socialista Espanhol beneficiaram-se da rejeição das políticas de austeridade dos governos de direita. A centro-esquerda italiana teve um resultado muito favorável (mais de 41% dos votos), o que confirma a popularidade do governo Renzi — provavelmente, o mais crítico em relação às políticas de austeridade da UE.

No cômputo geral, deverá haver sutil erosão do grupo social democrata no Parlamento Europeu.

A desaceleração da corrente liberal-centrista

Marcada por sua adesão à União Europeia, a corrente liberal-centrista européia está perdendo força: de seus antigos 85 membros, restam apenas 70 no próximo Parlamento. O colapso do Partido Liberal alemão (FDP), o declínio acentuado dos democratas liberais no Reino Unido e Dinamarca irão contribuir significativamente para esse resultado.

Hoje, o domínio das duas grandes forças (PPE, de centro direita e PSE, ex-social-democrata) é atacado pelos extremos de espectro político, não pelo centro. O movimento liberal centrista, que encarna o projeto europeu na sua forma “idealista”, sofre diretamente este fenômeno.

Estabilidade dos Verdes

Depois de seus excelentes percentuais nas eleições de 2009 (especialmente na França e Alemanha), era difícil para o Partido Verde, forte principalmente no Norte e no Ocidente ricos (Alemanha, França, Reino Unido e países nórdicos), manter seus resultados, num contexto em que a participação no governo em alguns países (até muito recentemente na França) expôs as decepções do eleitorado. Na França, o índice de 9% está longe de ser os de 16% alcançado cinco anos antes.

O resultado dos Verdes é comparável ao desastre que atinge as correntes liberais abertamente pró-europeias, muitas vezes em apuros depois de colidir com um dos partidos dominantes. Mesmo assim, o grupo verde vai experimentar uma estabilidade relativa, com 55 membros, aproximadamente o mesmo número de antes (58), graças a bons resultados na Bélgica e na Áustria.

Crescimento de uma crítica conservadora à União Europeia

O Partido Conservador britânica, muito mais crítica em relação à UE que os partidos correspondentes na França e Alemanha, havia constituído, em torno de si mesma, um grupo parlamentar chamado Conservadores e Reformistas Europeus (ECR), nas últimas eleições europeias. Fez isso em aliança com os partidos ultra-conservadores poloneses e tchecos. Um dos desafios para este grupo era manter o resultado nas eleições de 2014, dado o aumento de forças ainda mais conservadoras e críticas da UE, como o Partido pela Independência do Reino Unido (UKIP). O resultado europeu dos conservadores britânicos, no poder, caiu de 27% para 24%, o que resultou em queda de 57 para 44, no nnúmero de eurodeputados da ECR. O UKIP, ao contrário viveu um avanço notável: ao se tornar o partido mais votado em seu país, nas eleições europeias (com 27,50% dos votos), ele passará a pesar muito — tanto no campo político nacional, quanto no debate europeu, num contexto em que a adesão do Reino Unido à UE está agora em questão.

O grupo parlamentar Europa da Liberdade e Democracia (EFD), claramente contrário à UE pela direita (e dentro do qual despontam o UKIP, e o Partido do Povo Dinamarquês — DF –, que venceu o pleito eu seu país, com 26,60 % dos votos), poderá ser reforçado pelo surgimento de novos partidos, também formados em torno de uma rejeição ácida à construção européia. É o caso, por exemplo, da Alternativa para Alemanha (AFD), que recebeu mais de 6% dos votos em seu país.

Na Itália, o Movimento 5 Estrelas (MVE, de Beppe Grillo), difícil de classificar e cortejado por uma variedade de forças (incluindo os Verdes) confirmou seu peso eleitoral significativo (25,5%), mesmo que não tenha alcançado avanço importante após as eleições nacionais.

É a ascensão de forças localizadas ainda mais à direita no espectro político tradicional (embora muitas vezes adotassem um discurso radical anti-austeridade, como na França) que limita o crescimento da corrente conservadora anti-UE mais tradicional, não tão diretamente ligada à extrema-direita histórica.

A extrema-direita começa a se estruturar

Incapazes, em 2009, de constituir um grupo parlamentar, as forças da direita radical (em cujo núcleo estão o Front National (FN) francês, o Vlaams Belang belga, o FPO austríaco, e o Partido da Liberdade holandês) foram um dos grandes vencedores nesta eleição. Na França, a pontuação da FN (25%), muito à frente da direita tradicional (UMP, com 20,79 %) e do Partido Socialista (14%), marcou um grande fenômeno político, gerando impactos potenciais em toda a Europa.

O desafio para o FN, no entanto, será constituir um grupo parlamentar suficientemente homogêneo, o que exige presença de representantes em sete países. Ele pode contar com o forte crescimento da FPO, na Áustria. Por outro lado, alguns de seus aliados estão enfraquecidos, como o Vlaams Belang ou o Partido da Liberdade na Holanda.

A radicalização da direita é expressa, também, pelo sucesso do mais radical de seus partidos ideológicos. Na Grécia, o partido nazista Aurora Dourada confirma seu importante papel, com cerca de 10% dos votos. A entrada de um deputado do NDP, Partido Nazista alemão, no Parlamento Europeu (com uma pontuação de 1%), é um evento altamente simbólico. É, sem dúvida, ajudar a despertar memórias na Alemanha da década de 1930.

Ao todo, a crítica de direita à UE deve agrupar cerca de 140 eurodeputados, o que pesará sobre os debates e os rumos do Parlamento.

Uma esquerda em ascensão

Em alguns países, a esquerda ultrapassou passou a social democracia: é o caso do Sinn Fein na Irlanda (17%, um aumento de 6 pontos), o Partido Socialista (marxista) dos Países Baixos (10%, um aumento de 3 pontos). O aumento mais evidente, é claro, é o Syriza que venceu as eleições na Grécia, com um percentual de votos de mais de 26,50%.

No entanto, os resultados são estáveis e relativamente decepcionantes, em grandes países como a Alemanha e a França, (a esquerda teve 7% no primeiro caso e 6,34% no segundo). A esquerda esteve presente em 18 dos 28 países, e só irá eleger eurodeputados um número limitado deles. No plano geral, seu grupo viverá, contudo, uma forte expansão, passando de 35 a 43 deputados.

Terremoto ou continuidade?

Ao que tudo indica, o “terremoto” representado pelas eleições europeias terá consequências fortes especialmente em espaços políticos e meios de comunicação nacionais. É o caso, em especial, do Reino Unido, Grécia e França. Mas não haverá mudança realmente profunda no funcionamento interno da UE .

As eleições não permitiram que surgissem alternativas à crise europeia, embora tenham revelado um espaço político europeu fragmentado e clivado. Pluralista na aparência, a votação reforça ainda mais a paralisia e a desesperança em que a Europa mergulha, a cada dia um pouco mais.

As conseqüências políticas da crise continuam de qualquer forma, e o futuro é difícil de prever. Os efeitos das políticas de “austeridade”, verdadeira bomba fragmentaria, assumem muitas formas, nos contextos nacionais. Tudo isso alimenta o sentimento, cada vez mais difundido, de uma Europa construída em meio ao caos, sem perspectiva real. Será preciso acompanhar, em especial, os desdobramentos do voto grego.

Os mercados financeiros devem comemorar um risco político em parte “sob controle”. A perspectiva é um Parlamento onde o bloco central, embora enfraquecido, continue a controlar o centro do jogo político-institucional europeu. No entanto, será pressionado por forças até agora periféricas, porém cada vez mais estabelecidas e ameaçadoras.

Frédéric Lebaron é professor de sociologia na Universidade de Versailles-Saint-Quentin-en-Yvelines, membro do Laboratório Ocupações-Instituições-Temporarias, e presidente da associação de Conhecimento/Ação.

Notas

[1] São sete os grupo políticos existentes no Parlamento cuja legislatura termina agora: PPE (direita liberal), S&D (a social-democracia e a centro-esquerda), ALDE (Democratas e Liberais), Greens/EFA (Verdes), ECR (conservadores e reformistas, “eurocriticos”), GUE-NGL (esquerda radical e Ecossocialista), ELD (direita Eurosceptic). Os “independentes” reúnem várias correntes, entre elas a extrema direita francesa.

[2] Uma explosão participativa ocorreu em vários países, incluindo a França, mas é baseada em dinâmicas específicas difíceis de interpretar. Ela foi compensada pelo declínio em outros países.

23 de maio de 2014

A OTAN empurra a UE para uma nova guerra fria

Manlio Dinucci


Houve um silêncio político-midiático sobre o encontro dos ministros da defesa efetuado em Bruxelas em 21-22 de maio, apesar desse não ter sido um encontro de rotina, mas um ponto alto que anunciava a entrada de uma nova estratégia que condiciona o futuro da Europa. Basta que se pense que 23 dos 28 países da UE são ao mesmo tempo membros da OTAN. Isso traz uma consequência para todas as decisões tomadas pela aliança, a qual encontra-se abaixo da incontestável liderança dos Estados Unidos. Inevitavelmente essa situação determina o caminho a ser tomado pela União Européia.

Foi o general Philip Breedlove – o supremo comandante dos aliados na Europa, nomeado como sempre pelos Estados Unidos – que anunciou em Bruxelas o ponto dessa virada: “Estamos frente a decisão crucial de como enfrentar, a longo prazo, um vizinho agressivo”. Ou seja, a Rússia, que está sendo acusada de violar o princípio de respeito às fronteiras nacionais na Europa, desestabilizando a Ucrânia, como um estado soberano, e ameaçando dessa maneira os países da OTAN nessa região. Esse sermão vem do púlpito de uma aliança militar que demoliu a Iugoslávia, através da guerra até conseguir separar o Kosovo da Sérvia; esse sermão vem de uma aliança militar que se expandiu até englobar todos os países do ex-pacto de Varsóvia, dois da Iugoslávia e três da União Soviética; esse sermão está vindo de uma aliança militar que penetrou na Ucrânia, assumiu o controle de posições chaves nas forças armadas e treinou os grupos neo-nazistas usados no golpe de estado em Kiev.

É significativo que na reunião dos chefes do estado-maior dos países da OTAN, em 21 de maio em Bruxelas, tenha também participado o general Mykhallo Kutsyn, o novo chefe do estado-maior ucraniano. O ainda atual secretário geral da OTAN Rasmussen, em visita a Skopie, anunciou que “a porta da aliança continuava aberta a novos membros” como a Macedônia, a Geórgia e naturalmente a Ucrânia. Continua assim então a expansão ao leste, ou seja, ao oriente. A OTAN – advertiu o comandante supremo na Europa – deverá iniciar uma “adaptação estratégica para enfrentar o uso, pela parte da Rússia, de exercícios improvisados, de atividades cibernéticas e de operações encobertas”.

Isso “custará dinheiro, tempo e esforço”. O primeiro passo consistirá no ulterior aumento da despesa militar da OTAN, que hoje é superior a 1000 bilhões de dólares anuais: com esse objetivo o secretário da defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, anunciou uma conferência na qual participarão não só os ministros da defesa, mas também os ministros das finanças, no qual o objetivo será o de levar os aliados europeus a aumentar as suas despesas militares. No cenário da “adaptação estratégica” a OTAN vai bem além da Europa, estendendo-se à região Ásia-Pacífico. Aqui – na sequência dos acordos entre a Rússia e a China, que frustram as sanções ocidentais contra a Rússia, apresentam-se novas possibilidades – aqui apresenta-se a possibilidade de uma união econômica euro-asiática capaz de contrabalançar a união USA-UE, a qual Washington quer reforçar ainda mais com a parceria transatlântica para o comércio e investimentos.

Os acordos assinados em Pequim não se limitam ao fornecimento de energia para a China, mas enquadram também o setor da alta tecnologia. Está em fase de estudo, por exemplo, o projeto de uma grande linha aérea que, com uma co-produção russo-chinesa, poderá fazer concorrência à Boeing dos Estados Unidos, e à Airbus da Europa. Um outro projeto de porte planeja a construção de um super helicóptero com capacidade de transportar uma carga de cerca de 15 toneladas.

A questão que é substancialmente ignorada nas campanhas eleitorais europeias, é a de se a União Européia deveria seguir os passos dos Estados Unidos quanto a “adaptação estratégica” da OTAN, a qual leva a um a um novo confronto Ocidente-Oriente – não menos perigosa e cara do que o da guerra fria – ou se a União Européia deveria se desvincular para empreender um caminho próprio e construtivo, desfazendo-se da ideia de colocar a espada no prato da balança, aumentando as despesas militares para poder conservar uma vantagem, que para o ocidente está a diminuir, cada vez mais.

O único sinal que vem da União Européia é um insulto a inteligência: A Comissão Européia decidiu que, em 2014, nos cálculos do PIB, as despesas dos sistemas de armamentos deverão ser considerados não como uma despesa, mas como um investimento para a segurança dos países. Para aumentar o PIB da Itália passaremos então a investir no F–35.

Onde está a outra metade deste filme? Um olhar crítico sobre as críticas do filme “Água Prateada: Autorretrato da Síria”

Lilly Martin

OpEdNews

Tradução / Um filme sobre a guerra na Síria foi transmitido no Festival de Cannes. A mulher que filmou o documentário em Homs e o diretor que desenvolveu o filme em Paris foram ovacionados de pé. Ossama Mohammed e Wiam Simav Bedirxan uniram-se para produzir um documentário sobre a guerra na Síria, filmado em Homs por Wiam. Ossama tinha deixado a Síria e foi viver em Paris, quando Wiam o contatou de Homs, a partir de então o projeto começou após uma discussão sobre os vídeos feitos por ela de Homs.

Ossama Mohammed disse acreditar que o regime sírio queria destruir a história de cada indivíduo que se opunham a ele e que o seu filme poderia dar-lhes uma voz. Ossama Mohammed é um conhecido crítico do presidente sírio, Bashar al Assad. Ele usou sua expertise em cinema para apresentar o seu próprio ataque pessoal contra o regime sírio. Seu trabalho não é arte, mas é pura propaganda política.

O cinema tem sido utilizado como propaganda de guerra por diversas vezes. Johnny Rico escreveu sobre esse assunto dos filmes de guerra como propaganda em seu livro Top War Films Used as Political Propaganda.

“Às vezes é para dar presença visual de uma história desconhecida de guerra, ou para simplesmente entreter visceralmente. Mas outras vezes, é para empurrar uma agenda política e balançar perspectivas. Empurrar propaganda é uma das violações cardeais de minhas regras para filmes de guerra. Em suma, este filme inunda o espectador com todas essas narrativas incômodas e descrições horríveis na esperanças de alcançar um cordão emocional forte, sem qualquer explicação de acompanhamento ou nuance”.

Eu moro na Síria. Eu nunca deixei a Síria. Eu tenho enterrado os meus amigos e vizinhos desde 2011 até 2014. Minha própria casa em Latakia tem sido atacada; minha casa de veraneio foi ocupada e destruída em Kassab. Meus vizinhos em Ballouta e Kassab foram massacrados e outros estão desabrigados. Meus vizinhos foram sequestrados e ainda estão detidos e sendo torturados. Eu estou apoiando uma família de refugiados de Aleppo.

Você não vai ver nenhuma das minha experiência pessoais na Síria traduzidas neste filme. Você não verá nenhuma das experiências dos meus vizinhos na Síria neste filme. No filmeÁgua Prateada: Autorretrato da Síria está faltando a outra metade, para ser uma imagem completa e inteira sobre a guerra da Síria. Este filme mostra apenas um lado. Mostra um regime brutal, com um militar brutal que tortura, estupra, mutila e mata civis inocentes.

Onde estão os números equivalente de civis torturados, violados, mutilados e mortos pelos rebeldes, e seus afiliados da Al Qaeda? Há dois lados mortais que lutam na Síria, duas máquinas de matar na Síria. Mas, este filme mostra uma guerra de dois lados por um só lado. Para cada crime de guerra e atrocidade cometida pelo governo sírio e os militares, posso mostrar e documentar um número igual de crimes de guerra e atrocidades cometidas pelos rebeldes e seus associados, os terroristas radicais islâmicos.

O público inocente de cinema serão movidos, balançados e emocionalmente afetados. Eles virão de longe o filme com um sentimento de ódio e desgosto pelo tal regime ou militar que podiam tratar seres humanos na Síria com tanta crueldade. No entanto, os telespectadores inocentes não entendem a imagem completa. Para eles, foram entregues metade de um filme e um discurso para fazer as suas mentes.

Quando veremos a outra metade deste filme? Quando todo o sofrimento do povo sírio será visto da mesma forma? Por que o sofrimento de alguns sírios são mais importantes para ser assistido do que outros? O diretor Ossama Mohammed encontrou a sua parceira perfeito na câmera de Wiam Simav Bedirxan. Ambos os parceiros tinham uma visão política e seus esforços combinados produziram um filme de guerra-propaganda unilateral sobre a Síria, filmado em Homs.

Se alguém quiser reconstruir a outra metade do filme, tudo que tem que fazer é ir aowww.YouTube.com. e ver as centenas de decapitações, terroristas comendo carne humana crua e outros crimes de guerra cometidos, filmados e enviados pelo Exército da Síria Livre e suas afiliadas islâmicas radicais. Existem inúmeros sites que documentam os crimes de guerra do Exército da Síria Livre, e qualquer um pode passar por esses documentos usando www.google.com. Você pode procurar novos artigos de notícias e vídeos sobreJibhat al Nusra, Frente Islâmica, Al Qaeda e o Estado Islâmico do Iraque e da Síria. Todos estes são grupos de combate dos rebeldes na Síria que estão lutando contra o regime sírio. Os crimes de guerra e atrocidades foram documentados, filmados e postados na internet.

Vou apenas citar dois exemplos do que os rebeldes têm feito para meus próprios vizinhos. Na noite de 13 de agosto de 2013, na aldeia de Ballouta, eles entraram nas casas de civis enquanto dormiam. Não havia ninguém do regime sírio ou a presença de qualquer agente do exército da Síria na aldeia. Era puramente uma localização rural civil, perto da fronteira com a Turquia, e perto de Latakia. Os terroristas foram de casa em casa matando famílias inteiras. Homens, mulheres e crianças foram mortos. Não havia bombas, nenhum fogo cruzado, nenhuma batalha. Os rebeldes, que se opõem ao regime do presidente Assad, cortaram o barriga de uma mulher grávida e penduraram o feto na árvore pelo cordão umbilical. Houve sobreviventes, que correram e se esconderam nas florestas e foram levados para um abrigo em uma escola em Latakia, onde suas histórias começaram a ser contada como testemunhas oculares de um crime de massacre e de guerra. Alguns sobreviveram ao massacre, mas foram sequestrados. Essas pessoas sequestradas somavam cerca 100, compostas por algumas mulheres adultas, alguns adolescentes e crianças muito pequenas. Recentemente, em Latakia, cerca da metade dos sequestrados foram libertados em um acordo realizado que também incluiu alguns rebeldes em Homs. As vítimas de sequestro que foram libertadas relataram que foram mantidas nove meses em Selma, sob a terra, sem luz. Narraram sobre as torturas e o sofrimento, incluindo algumas histórias como a os olhos de uma criança pequena que foram arrancados pelos rebeldes e a de um menino pequeno que levou um tiro na cabeça por nenhuma razão, exceto pelo prazer de matar. Ainda existem cerca de 50 vítimas de sequestro detidas por estes mesmos grupos de rebeldes que afirmam que estão lutando contra o regime de Bashar al Assad. Como o ato de sequestrar, assassinar e torturar crianças pequenas se encaixam na imagem de combatente heroico pela liberdade?

Outra parte do filme você nunca vai ver em Água Prateada: Autorretrato da Síria, quando durante o auge do inverno em Aleppo, com neve pesada no chão, os rebeldes atacaram e entraram em um hospital psiquiátrico particular em Aleppo. O hospital Ibn Khaldoun foi atacado em janeiro de 2013. Eles mataram e abusaram de alguns dos funcionários e pacientes. Eles sequestraram um doente mental que era um conhecido pessoal. Os sequestradores chamaram seu pai e exigiram um resgate para libertá-lo. O valor do resgate foi acordado. Em seguida os telefonemas pararam. A família temia o pior. Finalmente, um dia um homem ligou e disse que tinha resgatado o paciente e levado para outro hospital em Aleppo. Ele tinha seus pés parcialmente congelados porque os rebeldes o tinham jogado na neve, o que exigiu a amputação parcial do seu pé. Seu crime: estar doente mentalmente e em um hospital privado sem conexão com o regime ou qualquer tipo de governo.

Eu sou uma ativista dos direitos humanos. Eu me importo com as pessoas que sofrem dentro da Síria, independentemente das suas opiniões políticas. Eu odeio os abusos e as torturas de qualquer pessoa na Síria, independentemente de quem é o agressor. Eu também odeio a representação unilateral da guerra na Síria. Ao mostrar apenas um lado você está ajudando o conflito a permanecer sem resolução. Mostrando um lado está alimentando as chamas da guerra, tortura e morte. Cinema: como uma ferramenta de tortura e uma arma de guerra. Todos nós vivíamos na Síria em paz e com respeito aos direitos dos nossos vizinhos antes e isso pode ser realizado novamente. O povo sírio são totalmente capazes de resolver as diferenças políticas entre si sem intervenção ou interferência internacional. O filme de propaganda da guerra, Água Prateada: Autorretrato da Síria é um ataque contra o povo sírio por parte daqueles que sofrem da Costa Sul da França.

22 de maio de 2014

Golpes e terror são frutos da guerra da OTAN na Líbia

As terríveis consequências da intervenção do Ocidente estão sendo sentidas hoje em Trípoli e em toda a África, do Mali à Nigéria

Seumas Milne

The Guardian

O Iraque pode ter sido desastre encharcado de sangue e o Afeganistão, fracasso militar e político acachapante. Mas a Líbia deveria ter sido diferente.. A guerra da OTAN para derrubar o coronel Gaddafi em 2011 foi saudada como intervenção liberal que teria funcionado.

As potências ocidentais podem ter distorcido o significado da resolução da ONU sobre proteger civis, a cidade de Sirte pode ter sido reduzida a ruínas, houve limpeza étnica em grande escala e milhares de civis foram assassinados. Mas sempre se disse que a causa teria sido nobre e alcançada sem mortos nos quadros da OTAN.

Afinal, não eram Bush e Blair, mas Obama, Cameron e Sarkozy. As pessoas foram “libertadas”; o ditador, morto; massacre ainda pior teria sido evitado – e tudo isso sem qualquer coturno visível em solo. Até o ano passado, o Primeiro-Ministro ainda dizia que teria valido a pena, e prometia defender os líbios “em cada passo do caminho”.

Mas, três anos depois de a Otan declarar vitória, a Líbia afunda-se outra vez em um guerra civil. Nos últimos dias, o general Hiftar, ligado à CIA, lançou sua segunda tentativa de golpe em três meses. Supostamente, para salvar o país de “terroristas” e islamistas. No domingo, suas forças golpistas atacaram o Parlamento nacional em Trípoli, depois que 80 pessoas foram assassinadas em lutas em Benghazi, dois dias antes.

Agora, o chefe do governo líbio chamou milícias islamistas para defender o governo, antes de novas eleições. Dado que o país está tomado por milícias muitas vezes mais poderosas que o exército oficial, que está dividido em mil grupos e facções, e que é presa de interferência externa que nunca termina, as chances de evitar-se guerra total são mínimas e diminuem rapidamente.

Mas esses são só os confrontos e atrocidades mais recentes que assolam a Líbia desde a “libertação” pela OTAN: bombardeios, assassinatos, sequestro do Primeiro-Ministro, invasão e ocupação de terminais de petróleo por bandos de mercenários a serviços de senhores-da-guerra, expulsão de 40 mil líbios (quase todos negros) de seus lares e assassinato de 46 manifestantes nas ruas de Trípoli num incidente – e tudo ignorado pelos estados que foram à guerra para proteger os civis.

De fato, o ocidente aproveitou a oportunidade para intervir na Líbia e assumir algum “comando” dos levantes árabes. O poder aéreo da OTAN em apoio à rebelião líbia fez multiplicar por 10 o número de mortos, mas teve papel decisivo na guerra – o que implica reconhecer que nenhuma força política ou militar havia lá que pudesse ocupar o vácuo político. Três anos depois, há milhares de presos sem julgamento, há cada dia mais divisões e o dissenso mais furioso, e as instituições que não entraram em colapso estão à beira do colapso.

Pois os EUA e a Grã-Bretanha continuam a treinar soldados líbios, para que assumam o controle! Antes de Gaddafi ser derrubado, Hiftar comandava a ala militar da Frente de Salvação Nacional apoiada pela CIA. Antes de sua mais recente tentativa de golpe, EUA simpáticos enviaram uma força de marines à Sicília para intervir; e John Kerry prometeu ajudar a Líbia com “segurança e extremismo”.

Ambos, os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita, estão apoiando abertamente o golpe de Hiftar, como também Sisi, o general golpista do Egito. Depois de prender, encarcerar e abater a tiros número impressionante dos próprios islamistas egípcios, Sisi e seus apoiadores do Golfo estão decididos, agora, a impedir que eles se consolidem no poder da Líbia, rica em petróleo. Há sinais de que Sisi – que reclama que o ocidente teria abandonado a Líbia depois de derrubar Gaddafi – quer usar a crise líbia, para mobilizar suas próprias forças.

Mas não é só a Líbia que tem de conviver com o fracasso da intervenção da OTAN. O “revide” da guerra líbia já se disseminou por toda a África, desestabilizando a região do Sahel e para além dela. Depois da derrubada de Gaddafi, o povo tuaregue que lutara por Gaddafi voltou para suas terras no Mali, levando consigo suas muitas armas. Em poucos meses, todo o norte do Mali estava envolvido em total rebelião armada, tomado por combatentes islamistas.

O resultado foi a intervenção militar francesa do ano passado, apoiada por EUA e Grã-Bretanha.  Mas o impacto da Líbia vai muito além disso. Um dos grupos cuja campanha armada foi estimulada e inflada pelo armamento pesado obtido dos arsenais de Gaddafi é o Boko Haram.

O apoio popular à seita de terroristas nigerianos fundamentalistas – que sequestraram 200 meninas de uma escola mês passado e foram responsáveis por mais de 1.500 mortes desde o início do ano – foi cevado pela miséria, pela fome, pela seca e pela repressão brutal contra o norte muçulmano.

Mas, como em todos os demais pontos na África e no Oriente Médio, cada intervenção externa só faz ampliar o ciclo da guerra do terror. Assim, a conclamação à ação, depois do sequestro das meninas pelo Boko Haram, levou as forças dos EUA, da Grã-Bretanha e da França à Nigéria, rica em petróleo, assim como a crise no Mali, ano passado, levou uma base de drones militares norte-americanos para dentro do vizinho Niger.

Forças armadas dos EUA estão agora envolvidas em 49 dos 54 estados africanos, além das ex-potências coloniais de França e Grã-Bretanha, no que já é uma nova onda de saque contra o continente: uma caça aos recursos e uma caça a influência maior ante o crescimento incessante do papel econômico da China, acionadas por presença militar em escalada frenética que espalha o terror por onde passa e onde chega. Tudo isso gerará seu específico revide, como aconteceu na guerra da Líbia.

Os defendores da guerra da OTAN na Líbia argumentam que não houve intervenção militar ocidental na Síria, mas o país, mesmo assim, está tomado pelo caos e pela violência e já morreram mais de 150 mil naquela guerra horrenda. Mas é claro que, sim, há intervenção clandestina gigante, sim, em apoio aos terroristas na Síria: os estados da OTAN e os estados do Golfo, sim, estão lutando, na Síria, ao lado dos terroristas.

Um dos aspectos mais repugnantes da política ocidental para a Síria é o mecanismo de “liga/desliga” do apoio que o “ocidente” dá a grupos armados envolvidos naquele confronto, para manter os seus grupos favoritos sempre ativos no jogo – e sem dar a nenhum deles qualquer vantagem decisiva. De fato, o apoio de EUA, Grã-Bretanha e Golfo cresce sempre, nos últimos tempos, por causas dos resultados positivos que o exército de al-Assad está obtendo em campo.

Mas desafia a lógica imaginar que o número de mortos teria de alguma forma sido menor na Síria, ou o conflito sectário menos brutal , se os EUA e seus aliados tivessem lançado um ataque militar em grande escala , em qualquer fase do conflito. A experiência do Iraque – onde se estima que a guerra tenha feito 500.000 mortos – mostra isso, bem claramente.

Mas há essa expectativa de fazer mais e mais guerras, guerras de rotina, entre partes da elite ocidental que já estão impacientes para conseguir alguma nova intervenção. “Por qual causa os EUA lutarão?” perguntava, patética, a revista The Economist, no início desse mês, repetindo as queixas dos Republicanos nos EUA, de que a Casa Branca de Obama é fraca. Para o resto do mundo, a realidade da Líbia e suas consequências desastrosas deveriam ser resposta suficiente.