30 de junho de 2014

Como o capitalismo vai acabar?

Wolfgang Streeck

Tradução / Há um sentimento generalizado hoje de que o capitalismo está em estado crítico, mais do que em qualquer momento desde o fim da Segunda Guerra Mundial. [1] Olhando para trás, o crash de 2008 foi apenas o último de uma longa sequência de distúrbios políticos e econômicos que começou com o fim da prosperidade do pós-guerra, em meados da década de 1970. Crises sucessivas provaram ser cada vez mais graves, espalhando-se mais ampla e rapidamente através de uma economia global cada vez mais interligada. A inflação global em 1970 foi seguida pelo aumento da dívida pública na década de 1980, e a consolidação fiscal na década de 1990 foi acompanhada por um forte aumento do endividamento do setor privado. [2] Durante quatro décadas, o desequilíbrio tem sido mais ou menos a condição normal do mundo industrial "avançado", tanto a nível nacional como a nível global. Na verdade, com o tempo, as crises do capitalismo do pós-guerra na OCDE tornaram-se tão penetrantes que cada vez mais têm sido percebidas como mais do que apenas de natureza econômica, resultando em uma redescoberta da antiga noção de uma sociedade capitalista - do capitalismo como uma ordem social e modo de vida, vitalmente dependente do progresso ininterrupto de acumulação de capital privado.

Sintomas de crise são muitos, mas proeminentes entre eles estão três tendências de longo prazo nas trajetórias dos países ricos, altamente industrializados, ou melhor, países capitalistas cada vez mais desindustrializados. O primeiro é um declínio persistente da taxa de crescimento econômico, recentemente agravada pelos acontecimentos de 2008 (Figura 1, abaixo). O segundo, associado ao primeiro, é um aumento igualmente persistente em endividamento global nos principais estados capitalistas, onde os governos, domicílios particulares e sociedades não financeiras, bem como as instituições financeiras têm, passados mais de quarenta anos, continuado a acumular obrigações financeiras (para os EUA, ver Figura 2, abaixo). Terceiro, desigualdade econômica, tanto de renda e riqueza, continuam subindo há várias décadas (Figura 3, abaixo), juntamente com o aumento da dívida e o crescimento em declínio.


Clique aqui para abrir uma versão maior da imagem em uma nova janela.


O crescimento constante, o som do dinheiro e um mínimo de igualdade social, espalhando alguns dos benefícios do capitalismo para aqueles sem capital, foram por muito tempo considerados pré-requisitos para uma economia política capitalista comandar a legitimidade de que necessita. O que deve ser mais alarmante a partir dessa perspectiva é que as três tendências críticas que mencionei podem reforçar-se mutuamente. Há indícios crescentes de que o aumento da desigualdade pode ser uma das causas do crescimento em declínio, conforme a desigualdade impede melhorias na produtividade e enfraquece a demanda. O baixo crescimento, por sua vez, reforça a desigualdade, intensificando o conflito distributivo, tornando as concessões aos pobres mais caras para os ricos, e fazendo os ricos insistirem mais do que antes na estrita observância do "Princípio de Mateus" que rege os mercados livres: "Porque a todo o que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tem será tirada até o que ele tem." [3] Além disso, o aumento da dívida, deixando de deter o declínio do crescimento econômico, agrava a desigualdade através das mudanças estruturais associadas com a financeirização - que por sua vez teve como objetivo compensar os assalariados e consumidores para a crescente desigualdade de renda causada por salários estagnados e cortes nos serviços públicos.

Pode o que parece ser um círculo vicioso de tendências prejudiciais continuar para sempre? Há forças contrárias que podem quebrá-lo, o que vai acontecer se elas não se materializarem, já que duram por quase quatro décadas? Os historiadores nos informam que as crises não são nada de novo sob o capitalismo, e podem de fato ser necessárias para a sua saúde a longo prazo. Mas o que eles estão falando refere-se aos movimentos cíclicos ou choques aleatórios, após os quais economias capitalistas podem se mover para um novo equilíbrio, pelo menos temporariamente. O que estamos vendo hoje, no entanto, parece em retrospecto ser um processo contínuo de decadência gradual, demorada, mas aparentemente ainda mais inexorável. A recuperação da Reinigungskrise ocasional é uma coisa; interrompendo uma concatenação de tendências de longo prazo, entrelaçadas. Assumindo que o crescimento cada vez menor, desigualdade cada vez mais alta e dívida sempre crescente não são indefinidamente sustentáveis, e podem juntos ser a questão de uma crise que é de natureza sistêmica - e cujo caráter temos dificuldade em imaginar- podemos ver sinais de uma reversão iminente?

Outro paliativo

Aqui a notícia não é boa. Seis anos se passaram desde 2008, o ápice até agora da sequência da crise do pós-guerra. Enquanto a memória do abismo ainda estava fresca, demandas e projetos para "reforma" para proteger o mundo de uma repetição abundavam. Conferências internacionais e reuniões de cúpula de todos os tipos seguiram-se aquecidas em cada um dos saltos, mas metade de uma década mais tarde, quase nada veio a partir delas. Enquanto isso, o setor financeiro, onde o desastre se originou, tem sido palco de uma recuperação completa: lucros, dividendos, salários e bônus estão de volta onde estavam, enquanto a re-regulação ficou atolada em negociações internacionais e de lobby nacional. Os governos, em primeiro lugar, aquele dos Estados Unidos, mantiveram-se firmemente nas garras das indústrias de fazer dinheiro. Estes, por sua vez, estão sendo dados generosamente como dinheiro barato, criado a partir do nada, em seu nome, por seus amigos, nos bancos centrais - proeminente entre eles o ex-corretor do Goldman Sachs, Mario Draghi à frente do BCE - dinheiro que, em seguida, sentam-se sobre ou investem em dívida pública. O crescimento continua anêmico, assim como os mercados de trabalho; a liquidez sem precedentes não foi capaz de alavancar a economia; e a desigualdade está alcançando patamares cada vez mais surpreendentes, conforme o pouco crescimento é apropriado pelo um porcento do topo dos assalariados - aquela pequena fração a parte do leão. [4]

Parece haver pouca razão de fato para ser otimista. Há já algum tempo, o capitalismo da OCDE tem sido mantido por injeções liberais de moeda fiduciária, sob uma política de expansão monetária cujos arquitetos sabem melhor do que ninguém que não se pode manter isso para sempre. Na verdade, várias tentativas foram feitas em 2013 para largar o vício, no Japão, bem como nos EUA, mas, quando os preços das ações despencaram em resposta, "afinando", como veio a ser chamado, a reabilitação foi adiada para o momento. Em meados de junho, o Banco de Compensações Internacionais (BIS), em Basileia, a mãe de todos os bancos centrais, declarou que o 'quantitative easing' deveria chegar a um fim. No seu relatório anual, o Banco ressaltou que os bancos centrais tinham, em reação à crise e à lenta recuperação, expandido seus balanços, "que equivalem agora, coletivamente, cerca de três vezes o seu nível pré-crise - e continuam aumentando". [5] Enquanto isso tivesse sido necessário para "evitar o colapso financeiro", agora o objetivo tinha que ser "voltar economias ainda fracas para um crescimento forte e sustentável". Isto, no entanto, foi além das capacidades dos bancos centrais, que:

não podem aprovar as reformas econômicas e financeiras estruturais necessárias para devolver as economias para os caminhos de crescimento real que as autoridades e seus públicos tanto querem e esperam. O que a acomodação do banco central fez durante a recuperação é emprestar tempo... Mas o tempo não tem sido bem usado, conforme continuaram baixas as taxas de juros e as políticas não convencionais tornaram mais fácil para o setor privado a adiar a desalavancagem, facilitando para o governo financiar os déficits, e fácil para as autoridades adiar as reformas necessárias na economia real e no sistema financeiro. Afinal de contas, o dinheiro barato torna mais fácil emprestar do que economizar, mais fácil gastar do que tributar, mais fácil continuar a ser o mesmo do que mudar.

Aparentemente, essa visão foi compartilhada ainda pelo Federal Reserve (Banco Central dos EUA) sob Bernanke. Até o final do verão de 2013, parecia mais uma vez estar sinalizando que o tempo do dinheiro fácil estava chegando ao fim. Em setembro, no entanto, o retorno esperado para as taxas de juros mais altas foi mais uma vez adiado. A razão dada foi a de que "a economia" parecia menos "forte" do que se esperava. Os preços das ações globais imediatamente subiu. A razão real, é claro, para que um retorno a políticas monetárias mais convencionais seja tão difícil é que uma instituição internacional como BIS está mais livre para explicitar isso que um - por enquanto - banco central nacional politicamente mais exposto. Assim é que, como as coisas estão, a única alternativa para sustentar o capitalismo por meio de uma oferta ilimitada de dinheiro está tentando reanimá-lo através de reforma econômica neoliberal, tão bem encapsulado no segundo subtítulo do Relatório Anual do BIS 2012-13: "aumentar a flexibilidade: a chave para o crescimento." Em outras palavras, um remédio amargo para muitos, combinado com incentivos maiores para poucos. [6]

Um problema com a democracia

É aqui que a discussão sobre a crise e o futuro do capitalismo moderno deve se voltar para a política democrática. Capitalismo e democracia tinham sido considerados adversários, até que a liquidação do pós-guerra parece ter conseguido sua reconciliação. Entrando pelo século XX, donos do capital tinham medo das maiorias democráticas abolindo a propriedade privada, enquanto os trabalhadores e suas organizações esperavam que os capitalistas financiassem um retrocesso autoritário em defesa de seus privilégios. Só no mundo da Guerra Fria que o capitalismo e a democracia parecem tornar-se alinhados um com o outro, conforme o progresso econômico possibilitou que as maiorias da classe trabalhadora aceitassem um regime de livre mercado, de propriedade privada, por sua vez, fazendo parecer que a liberdade democrática era inseparável disso, e de fato dependia disso a liberdade dos mercados com fins lucrativos. Hoje, porém, dúvidas sobre a compatibilidade de uma economia capitalista com uma política democrática têm retornado poderosamente. Entre as pessoas comuns, há agora um sentimento generalizado de que a política não pode mais fazer a diferença em suas vidas, como refletido nas percepções comuns de impasse, incompetência e corrupção entre o que parece uma cada vez mais autossuficiente e autosservida classe política, unidos na alegação de que "não há alternativa" para eles e suas políticas. Um resultado é o declínio do comparecimento eleitoral combinado com alta volatilidade do eleitor, produzindo cada vez maior fragmentação eleitoral, devido à ascensão de partidos "populistas" de protesto, e generalizada instabilidade do governo. [7]

A legitimidade da democracia no pós-guerra foi baseada na premissa de que os estados tinham uma capacidade de intervenção nos mercados e corrigir os seus resultados, no interesse dos cidadãos. Décadas de crescente desigualdade têm jogado dúvidas sobre isso, conforme se mostrou a impotência dos governos, antes, durante e depois da crise de 2008. Em resposta a sua irrelevância crescente numa economia de mercado global, governos e partidos políticos nas democracias da OCDE, mais ou menos felizmente olharam sobre isso como a "luta de classes democrática" se transformando no espetáculo político pós-democrático (politainment = política + entretenimento). [8] Entretanto, a transformação da economia política capitalista keynesiana do pós-guerra ao neoliberalismo hayekiana transcorreu sem dificuldades: a partir de uma fórmula política para o crescimento econômico por meio da redistribuição de cima para baixo, para um crescimento esperando a redistribuição de baixo para cima. A democracia igualitária, considerada sob o keynesianismo como economicamente produtiva, é considerada um empecilho para a eficiência hayekianista contemporânea, onde o crescimento é derivado do isolamento dos mercados - e da vantagem cumulativa que eles acarretam - contra distorções políticas redistributivas.

Um tema central da retórica anti-democrática atual é a crise fiscal do Estado contemporâneo, que se reflete no aumento surpreendente da dívida pública desde a década de 1970 (Figura 4, abaixo). Aumentar o endividamento público é algo derrubado para as maiorias eleitorais que vivem acima das suas possibilidades, explorando o "fundo comum" de suas sociedades, e para os políticos oportunistas que compram o apoio dos eleitores míopes com o dinheiro que não têm. [9] No entanto, que a crise fiscal era pouco provável que tenha sido causada por um excesso de democracia redistributiva pode ser visto a partir do fato de que o acúmulo de dívida pública coincidiu com um declínio na participação eleitoral, especialmente no extremo inferior da escala de renda , e marchou em sintonia com o encolhimento da sindicalização, o desaparecimento de greves, os cortes do bem-estar social e a explosão da desigualdade de renda. O que a deterioração das finanças públicas está relacionada é com a diminuição dos níveis gerais de tributação (Figura 5) e com o caráter cada vez mais regressivo dos sistemas fiscais, como resultado de "reformas" de renda superior e taxas de imposto sobre as sociedades (Figura 6). Além disso, através da substituição de receitas fiscais com a dívida, os governos contribuíram ainda mais para a desigualdade, na medida em que oferecem oportunidades de investimento seguros para aqueles cujo dinheiro seria ou poderia ser confiscado e, ao invés disso, tem que pedir emprestado. Ao contrário de contribuintes, os compradores de títulos do governo continuam a possuir o que eles pagam para o estado, e de fato cobrar juros sobre ele, normalmente pagos pelos impostos cada vez menos progressivos; eles também podem transmiti-los aos seus filhos. Além disso, o aumento da dívida pública pode ser e está sendo utilizado politicamente para defender cortes nos gastos do Estado e para a privatização dos serviços públicos, restringindo ainda mais a intervenção democrática redistributiva na economia capitalista.

Clique aqui para abrir uma versão maior da imagem em uma nova janela.

Clique aqui para abrir uma versão maior da imagem em uma nova janela.

Clique aqui para abrir uma versão maior da imagem em uma nova janela.

Nas últimas décadas, a economia de mercado foi beneficiada por mais proteções institucionais contra a interferência democrática. Os sindicatos estão em baixa no mundo todo, e em países como os Estados Unidos foram quase erradicados. A política econômica ficou basicamente nas mãos de bancos centrais independentes – desobrigados de prestar contas democraticamente e interessados ​​acima de tudo na saúde e na boa vontade dos mercados financeiros. Nos países europeus, a política econômica, que abrange a fixação dos salários e a elaboração do orçamento, é cada vez mais governada por organismos supranacionais, como a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu, ambos fora do alcance da democracia popular. Isso efetivamente desdemocratiza o capitalismo europeu – sem, é claro, despolitizá-lo.

Ainda assim, as classes que dependem do lucro seguem duvidando que a democracia, mesmo em sua atual versão castrada, permita as “reformas estruturais” neoliberais necessárias para o regime se recuperar. Tal como os cidadãos comuns, embora por razões opostas, as elites estão perdendo a fé no governo democrático e em sua adequação para remodelar as sociedades conforme os imperativos do mercado. A teoria da “escolha pública”, segundo a qual a política democrática corrompe a justiça do mercado ao servir a políticos oportunistas e sua clientela, tornou-se consenso entre pessoas da elite assim como a convicção de que o capitalismo de mercado, expurgado da política democrática, será mais eficiente, virtuoso e responsável. [11] Elogiam-se países como a China, cujo sistema político autoritário é muito mais equipado do que a democracia majoritária, com seu viés igualitário, para lidar com os chamados desafios da “globalização” – uma retórica que começa a emular a celebração que as elites capitalistas faziam do fascismo alemão e italiano (e até mesmo do comunismo stalinista) no período entreguerras, dada a suposta superioridade de sua governança econômica. [12]

Por enquanto, a utopia política da corrente neoliberal convencional é uma “democracia adaptada ao mercado”, sem poderes de correção e favorável a uma redistribuição da base para o topo, “compatível com os incentivos” necessários para estimular o crescimento. [13] Ainda que esse projeto já esteja bem avançado na Europa Ocidental e nos Estados Unidos, seus defensores continuam temendo que em algum momento a maioria popular retome as instituições políticas herdadas do pacto social do pós-guerra, num esforço derradeiro para bloquear o avanço de uma solução neoliberal para a crise. Assim, as pressões da elite para neutralizar a democracia igualitária seguem firmes; na Europa, elas se traduzem na contínua transferência da tomada de decisões para instituições supranacionais como o Banco Central Europeu e as reuniões de cúpula de governantes.

Capitalism on the brink?

Será que os dias do capitalismo ficaram para trás? Nos anos 80, abandonou-se a ideia de que o “capitalismo moderno” poderia ser gerido como uma “economia mista”, administrada tecnocraticamente e controlada democraticamente. Mais tarde, na revolução neoliberal, a ordem econômica e social voltou a ser concebida como algo que surgia, benevolamente, da “livre atuação das forças de mercado”. Com a recessão de 2008, esvaziou-se a promessa de que mercados autorregulados atingiriam o equilíbrio por conta própria, embora não se tenha proposto uma nova fórmula de governança político-econômica. Isso por si só pode ser considerado sintoma de uma crise que afeta o próprio sistema.

Considerando as décadas de declínio do crescimento, o aumento da desigualdade e a escalada da dívida, acredito ter chegado a hora de pensar o capitalismo como fenômeno histórico, que tem início e também um fim. Para tanto, precisamos descartar modelos farisaicos de mudança social e institucional. Enquanto imaginarmos que o capitalismo terá seu fim decretado, ao estilo leninista, por algum governo ou comitê central, persistiremos na crença de que o capitalismo é eterno. (Na verdade, era o comunismo, centralizado em Moscou, que podia ser encerrado por decreto, e assim foi.) A coisa muda de figura se – em vez de imaginar que uma decisão coletiva, amparada numa nova ordem previamente concebida, porá termo ao capitalismo – permitirmos que o sistema desmorone por si só.

I suggest that we learn to think about capitalism coming to an end without assuming responsibility for answering the question of what one proposes to put in its place. É um preconceito marxista – ou melhor, modernista – acreditar que o capitalismo como época histórica só terminará quando uma sociedade melhor estiver à vista, com um sujeito revolucionário pronto para implementá-la em prol do avanço da humanidade. Devemos aprender a pensar a aproximação do fim do capitalismo sem nos comprometermos em responder à pergunta sobre o que colocar em seu lugar. Isso pressupõe um grau de controle político sobre nosso destino comum com o qual sequer podemos sonhar depois do aniquilamento da ação coletiva, e até da esperança nesse tipo de ação, durante a revolução neoliberal globalista. Nem a visão utópica de um futuro alternativo nem um poder sobre-humano de vidência deveriam ser requisitos para validar a afirmação de que o capitalismo está enfrentando seu “crepúsculo dos deuses”. Estou inclinado a endossar essa afirmação, embora ciente das inúmeras vezes que, no passado, o capitalismo foi declarado morto. Na verdade, todos os principais teóricos já previram seu fim iminente desde que o conceito passou a ser usado, em meados do século XIX – não apenas por críticos radicais como Karl Marx ou Karl Polanyi, mas também por teóricos burgueses como Max Weber, Joseph Schumpeter, Werner Sombart e o próprio Keynes. (Se a história provar que estou errado, pelo menos estarei em boa companhia.) [14]

O fato de que algo não aconteceu, apesar de razoáveis previsões ​​ao contrário, não significa que nunca vá acontecer. Creio que desta vez é diferente: nem mesmo os mestres do capitalismo têm alguma ideia de como fazer o sistema voltar a funcionar plenamente. Pensemos, por exemplo, na publicação no início deste ano das atas das deliberações do conselho do Federal Reserve em 2008, [15] ou na busca desesperada dos banqueiros centrais pelo momento certo para acabar com o “relaxamento monetário”. This, however, is only the surface of the problem. Beneath it is the stark fact that capitalist progress has by now more or less destroyed any agency that could stabilize it by limiting it; the point being that the stability of capitalism as a socio-economic system depends on its Eigendynamik being contained by countervailing forces—by collective interests and institutions subjecting capital accumulation to social checks and balances. The implication is that capitalism may undermine itself by being too successful. I will argue this point in more detail below.

A imagem que tenho do fim do capitalismo – um epílogo que acredito já estar sendo escrito – é de um sistema social em desmantelo crônico, por razões que lhe são próprias, independentemente de uma alternativa viável. Embora não se saiba exatamente quando e como o capitalismo vai desaparecer e o que virá em seguida, importa considerar a ausência de alguma força que poderia reverter as três tendências destrutivas – queda de crescimento, igualdade social e estabilidade financeira – e impedi-las de um reforço mútuo. Hoje, diferentemente da década de 30, não há no horizonte nenhuma fórmula político-econômica, à esquerda ou à direita, capaz de fornecer às sociedades capitalistas um novo regime coerente de regulação. Social integration as well as system integration seem irreversibly damaged and set to deteriorate further. [16] O mais provável é que, com o passar do tempo, ocorra um acúmulo de disfunções pequenas e não tão pequenas – nenhuma necessariamente fatal, porém a maioria sem conserto (e, conforme se multiplicarem, será impossível lidar com cada uma delas individualmente). Nesse processo, as partes do todo vão se encaixar cada vez menos; atritos de todo tipo vão se propagar; consequências inesperadas vão se disseminar, por razões cada vez mais difíceis de serem determinadas. Incertezas vão proliferar; crises de todo tipo – de legitimidade, de produtividade ou ambas – vão se suceder, enquanto diminuirão ainda mais a previsibilidade e a governabilidade (como vem acontecendo há décadas). Por fim, a miríade de correções provisórias concebidas para gerir crises no curto prazo vai entrar em colapso sob o peso dos desastres diários produzidos por uma ordem social em profunda instabilidade e anomia.

Conceber o fim do capitalismo como um processo, e não como um evento, levanta a questão de como definir o capitalismo. Sociedades são entidades complexas que não morrem da mesma maneira que os organismos: com a rara exceção da extinção total, a descontinuidade sempre está acompanhada de alguma continuidade. Se dizemos que uma sociedade acabou, queremos dizer que desapareceram certas características de sua organização que consideramos essenciais, embora outras possam muito bem ter sobrevivido. O capitalismo está vivo, moribundo ou morto? Comecemos por defini-lo como uma sociedade moderna [17] que assegura sua reprodução coletiva como um efeito colateral, não intencional, da maximização competitiva do lucro. Uma maximização feita de forma individualmente racional, em busca da acumulação de capital, por meio de um “processo de trabalho” que combina propriedade privada do capital com mercantilização da força de trabalho, cumprindo a promessa de Bernard Mandeville de que os vícios privados se transformam em benefícios públicos. [18] É essa promessa que o capitalismo contemporâneo não pode mais cumprir – e que encerra sua existência histórica como ordem social sustentável, previsível, legítima e que se autorreproduz.

O fim do capitalismo assim definido não deve seguir nenhum plano. À medida que a deterioração avança, é inevitável que provoque gritas e tentativas de intervenção coletiva. Mas por um bom tempo estas provavelmente serão do tipo ludita: locais, dispersas, descoordenadas, “primitivas” – aumentando a desordem sem conseguir criar uma ordem nova; na melhor das hipóteses, colaborando involuntariamente para o surgimento dessa ordem nova. Poderíamos pensar que uma tal crise de longa duração abriria muitas oportunidades para agentes reformistas ou revolucionários. Parece, no entanto, que o capitalismo desorganizado está desorganizando não só a si mesmo como também a sua oposição, privando-a da capacidade de derrotar o sistema, ou então de salvá-lo. Assim, para que chegue ao fim, ele deve providenciar sua própria destruição – é exatamente o que estamos testemunhando hoje.

Uma vitória pírrica

Mas por que o capitalismo, sejam quais forem suas deficiências, haveria de estar em crise, se a ele não existe nenhuma oposição digna desse nome? Quando o comunismo implodiu em 1989, o fato foi amplamente considerado como o triunfo final do capitalismo, como “o fim da história”. Mesmo hoje, depois de 2008, a “velha esquerda” continua à beira da extinção em todos os lugares, enquanto uma nova “nova esquerda” ainda não apareceu. As massas, os pobres e os despossuídos, assim como os que estão relativamente bem, parecem firmemente presos nas garras do consumismo, com posses, ação e organização coletivas completamente fora de moda. Sendo a única opção disponível, por que o capitalismo não haveria de continuar? Por simples falta de alternativa? À primeira vista, há de fato muita coisa que contraria a afirmação de que o capitalismo morreu. As pessoas, por exemplo, podem se acostumar com a desigualdade, sobretudo com a mãozinha do entretenimento e da repressão política. Além disso, abundam exemplos de reeleições de governos que cortaram gastos sociais e privatizaram serviços públicos. Quanto à deterioração ambiental, ela prossegue, lenta em comparação com o tempo de vida humana, de modo que é possível negá-la e ao mesmo tempo aprender a conviver com ela. Os avanços tecnológicos que permitem um ganho de tempo – como o fracking, que viabiliza a extração do gás armazenado em rochas – não devem ser descartados; e, se há limites para os poderes apaziguadores do consumismo, é evidente que não estamos perto deles. Além disso, adaptar-se a regimes de trabalho que consomem mais tempo e mais vida pode ser considerado um desafio competitivo, uma oportunidade para a realização pessoal. Definições culturais de “vida boa” sempre foram elásticas e podem muito bem ser esticadas ainda mais para se adequar ao avanço da mercantilização geral, pelo menos enquanto os desafios radicais ou religiosos à reeducação pró-capitalista puderem ser suprimidos, ridicularizados ou marginalizados. Por fim, a maioria das atuais teorias sobre a estagnação se aplica unicamente ao Ocidente rico, ou apenas aos Estados Unidos, não a China, Rússia, Índia ou Brasil – países para os quais a fronteira do crescimento econômico pode estar prestes a migrar, com vastas terras virgens à espera do avanço capitalista. (Mesmo considerando que as últimas avaliações sobre a performance econômica desses países tenham se mostrado bem menos otimistas do que eram dois ou três anos atrás.) [19]

Penso que não enfrentar oposição nenhuma, mais que uma vantagem, pode ser uma desvantagem para o capitalismo. Os sistemas sociais só têm a ganhar com a heterogeneidade interna, o pluralismo de princípios que os blinda da dedicação a uma única finalidade, criando outras metas que também devem ser cumpridas para que o sistema seja sustentável. O capitalismo, tal como o conhecemos, se beneficiou muito com a ascensão de movimentos opostos ao domínio do lucro e do mercado. O socialismo e o sindicalismo impuseram um freio na transformação de tudo em mercadoria, impedindo o capitalismo de destruir seus alicerces não capitalistas – a confiança, a boa-fé, o altruísmo, a solidariedade no seio das famílias e das comunidades, e assim por diante. Sob o keynesianismo e o fordismo, a oposição mais ou menos leal ao capitalismo garantiu e ajudou a estabilizar a demanda agregada, especialmente nas recessões. Onde as circunstâncias eram favoráveis​​, a organização da classe trabalhadora serviu até mesmo como um “chicote da produtividade”, forçando o capital a embarcar em conceitos mais avançados de produção. É nesse sentido que o economista britânico Geoffrey Hodgson argumentou que o capitalismo só pode sobreviver enquanto não for totalmente capitalista – enquanto ainda não tiver se livrado, ou livrado a sociedade, das “impurezas necessárias”. [20] Vista dessa forma, a derrota que o capitalismo infligiu a sua oposição pode ter sido uma vitória de Pirro, que o alforriou de forças compensatórias que, embora às vezes inconvenientes, na verdade lhe davam apoio. Será que o capitalismo vitorioso se tornou o pior inimigo de si mesmo?

Frontiers of commodification

In exploring this possibility, we might wish to turn to Karl Polanyi’s idea of social limits to market expansion, as underlying his concept of the three ‘fictitious commodities’: labour, land (or nature) and money. [21] A fictitious commodity is defined as a resource to which the laws of supply and demand apply only partially and awkwardly if at all; it can therefore only be treated as a commodity in a carefully circumscribed, regulated way, since complete commodification will destroy it or make it unusable. Markets, however, have an inherent tendency to expand beyond their original domain, the trading of material goods, to all other spheres of life, regardless of their suitability for commodification—or, in Marxian terms, for subsumption under the logic of capital accumulation. Unless held back by constraining institutions, market expansion is thus at permanent risk of undermining itself, and with it the viability of the capitalist economic and social system.

In fact, the indications are that market expansion has today reached a critical threshold with respect to all three of Polanyi’s fictitious commodities, as institutional safeguards that served to protect them from full marketization have been eroded on a number of fronts. This is what seems to be behind the search currently under way in all advanced capitalist societies for a new time regime with respect to labour, in particular a new allocation of time between social and economic relations and pursuits; for a sustainable energy regime in relation to nature; and for a stable financial regime for the production and allocation of money. In all three areas, societies are today groping for more effective limitations on the logic of expansion, [22] institutionalized as one of private enrichment, that is fundamental to the capitalist social order. These limitations centre on the increasingly demanding claims made by the employment system on human labour, by capitalist production and consumption systems on finite natural resources, and by the financial and banking system on people’s confidence in ever more complex pyramids of money, credit and debt.

Looking at each of the three Polanyian crisis zones in turn, we may note that it was an excessive commodification of money that brought down the global economy in 2008: the transformation of a limitless supply of cheap credit into ever more sophisticated financial ‘products’ gave rise to a real-estate bubble of a size unimaginable at the time. As of the 1980s, deregulation of USfinancial markets had abolished the restrictions on the private production and marketization of money devised after the Great Depression. ‘Financialization’, as the process came to be known, seemed the last remaining way to restore growth and profitability to the economy of the overextended hegemon of global capitalism. Once let loose, however, the money-making industry invested a good part of its enormous resources in lobbying for a further removal of prudential regulation, not to mention in circumventing whatever rules were left. With hindsight, the enormous risks that came with the move from the old regime of M–C–M´ to a new one of M–M´are easy to see, as is the trend toward ever-increasing inequality associated with the disproportionate growth of the banking sector. [23]

Concerning nature, there is growing unease over the tension, now widely perceived, between the capitalist principle of infinite expansion and the finite supply of natural resources. Neo-Malthusian discourses of various denominations became popular in the 1970s. Whatever one may think of them, and although some are now considered prematurely alarmist, no one seriously denies that the energy consumption patterns of rich capitalist societies cannot be extended to the rest of the world without destroying essential preconditions of human life. What seems to be taking shape is a race between the advancing exhaustion of nature on the one hand and technological innovation on the other—substituting artificial materials for natural ones, preventing or repairing environmental damage, devising shelters against unavoidable degradation of the biosphere. One question that no one seems able to answer is how the enormous collective resources potentially required for this may be mobilized in societies governed by what C. B. MacPherson termed ‘possessive individualism’. [24] What actors and institutions are to secure the collective good of a liveable environment in a world of competitive production and consumption?

Thirdly, the commodification of human labour may have reached a critical point. Deregulation of labour markets under international competition has undone whatever prospects there might once have been for a general limitation of working hours. [25] It has also made employment more precarious for a growing share of the population. [26] With the rising labour-market participation of women, due in part to the disappearance of the ‘family wage’, hours per month sold by families to employers have increased while wages have lagged behind productivity, most dramatically in the capitalist heartland, the US (see Figure 7). At the same time, deregulation and the destruction of trade unions notwithstanding, labour markets typically fail to clear, and residual unemployment on the order of 7 to 8 per cent has become the new normal, even in a country like Sweden. Sweatshops have expanded in many industries including services, but mostly on the global periphery, beyond the reach of the authorities and what remains of trade unions in the capitalist centre, and out of view of consumers. As sweated labour competes with workers in countries with historically strong labour protections, working conditions for the former deteriorate while unemployment becomes endemic for the latter. Meanwhile, complaints multiply about the penetration of work into family life, alongside pressures from labour markets to join an unending race to upgrade one’s ‘human capital’. Moreover, global mobility enables employers to replace unwilling local workers with willing immigrant ones. It also compensates for sub-replacement fertility, itself due in part to a changed balance between unpaid and paid work and between non-market and market consumption. The result is a secular weakening of social counter-movements, caused by a loss of class and social solidarity and accompanied by crippling political conflicts over ethnic diversity, even in traditionally liberal countries such as the Netherlands, Sweden or Norway.

Clique aqui para abrir uma versão maior da imagem em uma nova janela.

The question of how and where capital accumulation must be restrained in order to protect the three fictitious commodities from total commodification has been contested throughout the history of capitalism. But the present worldwide disorder in all three border zones at the same time is something different: it results from a spectacularly successful onslaught of markets, expanding more rapidly than ever, on a wide range of institutions and actors that, whether inherited from the past or built up in long political struggles, had for a time kept capitalism’s advance to some extent socially embedded. Labour, land and money have simultaneously become crisis zones after ‘globalization’ endowed market relations and production chains with an unprecedented capacity to cross the boundaries of national political and legal jurisdictions. The result is a fundamental disorganization of the agencies that have, in the modern era, more or less successfully domesticated capitalist ‘animal spirits’, for the sake of society as a whole as well as of capitalism itself.

It is not only with respect to fictitious commodities that capital accumulation may be hitting its limits. On the surface, consumption of goods and services continues to grow, and the implicit premise of modern economics—that the human desire and capacity to consume are unlimited—would seem to be easily vindicated by a visit to any large shopping mall. Still, fears that markets for consumer goods may at some point become saturated—perhaps in the course of a post-materialist decoupling of human aspirations from the purchase of commodities—are endemic among profit-dependent producers. This in itself reflects the fact that consumption in mature capitalist societies has long become dissociated from material need. [27] The lion’s share of consumption expenditure today—and a rapidly growing one—is spent not on the use value of goods, but on their symbolic value, their aura or halo. This is why industry practitioners find themselves paying more than ever for marketing, including not just advertising but also product design and innovation. Nevertheless, in spite of the growing sophistication of sales promotion, the intangibles of culture make commercial success difficult to predict—certainly more so than in an era when growth could be achieved by gradually supplying all households in a country with a washing machine. [28]
Five disorders

Capitalism without opposition is left to its own devices, which do not include self-restraint. The capitalist pursuit of profit is open-ended, and cannot be otherwise. The idea that less could be more is not a principle a capitalist society could honour; it must be imposed upon it, or else there will be no end to its progress, self-consuming as it may ultimately be. At present, I claim, we are already in a position to observe capitalism passing away as a result of having destroyed its opposition—dying, as it were, from an overdose of itself. For illustration I will point to five systemic disorders of today’s advanced capitalism; all of them result in various ways from the weakening of traditional institutional and political restraints on capitalist advance. I call them stagnation, oligarchic redistribution, the plundering of the public domain, corruption and global anarchy.

Six years after Lehman, predictions of long-lasting economic stagnation are en vogue. A prominent example is a much-discussed paper by Robert Gordon, who argues that the main innovations that have driven productivity and economic growth since the 1800s could happen only once, like the increase in the speed of transportation or the installation of running water in cities. [29] Compared to them, the recent spread of information technology has produced only minor productivity effects, if any. While Gordon’s argument may seem somewhat technologically deterministic, it appears plausible that capitalism can hope to attain the level of growth needed to compensate a non-capitalist working class for helping others accumulate capital only if technology opens up ever new opportunities for increasing productivity. In any case, in what looks like an afterthought Gordon supports his prediction of low or no growth by listing six non-technological factors—he calls them ‘headwinds’—which would make for long-term stagnation ‘even if innovation were to continue... at the rate of the two decades before 2007’. [30]Among these factors he includes two that I argue have for some time been intertwined with low growth: inequality and ‘the overhang of consumer and government debt’. [31]

É espantoso como as atuais teorias sobre a estagnação estão próximas das teorias marxistas do subconsumo dos anos 70 e 80. [32] Recentemente, ninguém menos que Lawrence Summers, ou “Larry” – amigo de Wall Street, arquiteto-chefe da desregulamentação financeira no governo de Bill Clinton, e primeira opção de Barack Obama para a presidência do Federal Reserve, que recuou diante da oposição do Congresso [33] –, se uniu aos teóricos da estagnação. Em novembro de 2013, na conferência anual do Fundo Monetário Internacional, Summers confessou ter perdido a esperança de que as taxas de juros próximas a zero iriam gerar um crescimento econômico significativo no futuro previsível, num mundo que estaria sofrendo de excesso de capital. [34] A previsão de Summers de uma “estagnação secular” como o “novo normal” recebeu uma aprovação surpreendentemente ampla de seus colegas economistas, incluindo o neokeynesiano Paul Krugman. [35] O que Summers mencionou apenas de passagem é que o fracasso evidente da política de juros baixos, ou mesmo negativos, em reviver os investimentos coincidiu com um longo período de aumento da desigualdade social, nos Estados Unidos e em outros países. Como Keynes bem sabia, a concentração de renda reduz a demanda efetiva e leva os donos do capital a procurar oportunidades de lucro especulativo fora da “economia real”. Essa pode ter sido uma das causas da “financeirização” do capitalismo iniciada na década de 80.

Tem-se a impressão de que as poderosas elites do capitalismo global estão se resignando a um crescimento baixo ou mesmo inexistente no futuro previsível. O que não exclui altos lucros no setor financeiro, provenientes basicamente de operações especulativas com dinheiro barato fornecido pelos bancos centrais. Poucos parecem temer que o dinheiro gerado para evitar que a estagnação se transforme em deflação cause inflação, já que não existem mais os sindicatos que poderiam reivindicar uma parcela desse dinheiro. [36] Agora a preocupação é com uma inflação muito pequena, e não muito grande – vem despontando o consenso de que uma economia saudável exige uma inflação anual de pelo menos 2%, se não mais. Mas a única inflação à vista é a das bolhas no preço dos ativos, e Summers teve o cuidado de preparar seu público para muitas delas.

Para os capitalistas e seus associados, o futuro parece turbulento. O baixo crescimento vai lhes negar recursos adicionais com os quais poderiam resolver conflitos distributivos e apaziguar o descontentamento. Há bolhas à espera de uma agulha, prontas para estourar sem aviso, e não é certo se os países vão recuperar a capacidade de cuidar das vítimas a tempo. A economia estagnada que parece se configurar estará longe de ser uma economia estacionária ou estável; à medida que o crescimento declina e o risco aumenta, a luta pela sobrevivência se tornará mais intensa. O restauro dos limites à mercantilização que a globalização tornou obsoletos é substituído pela busca de novos caminhos para extrair os recursos da natureza, aumentar e intensificar a jornada de trabalho, e incentivar o que o jargão chama de “criatividade financeira”, num esforço desesperado para manter a marcha dos lucros e da acumulação de capital. Pode-se imaginar o cenário de “estagnação com chance de bolhas” como uma batalha de todos contra todos, marcada por ocasionais crises de pânico, quando encenar o “fim do jogo” se tornará um passatempo popular.

Plutocrats and plunder

Passemos à segunda doença, a redistribuição oligárquica. Não há nenhuma indicação de que a tendência de longo prazo para uma desigualdade crescente será rompida tão cedo, ou mesmo algum dia. A desigualdade deprime o crescimento, por razões keynesianas e outras. Mas o dinheiro fácil fornecido pelos bancos centrais para promover o crescimento – fácil para o capital, mas não para o trabalho, é claro – aumenta ainda mais a desigualdade, expandindo o setor financeiro e incentivando o investimento especulativo, em vez do produtivo. Assim, a redistribuição para o topo se torna oligárquica: em vez de servir ao interesse coletivo no progresso econômico, como prometido pela teoria econômica neoclássica, ela se transforma na extração de recursos de sociedades cada vez mais empobrecidas. Penso em países como a Rússia e a Ucrânia, mas também a Grécia e a Espanha, e, cada vez mais, os Estados Unidos. Na redistribuição oligárquica, corta-se o vínculo keynesiano entre os lucros dos ricos e os salários dos pobres, apartando o destino das elites econômicas do das massas. [37] Isso foi antecipado nos memorandos de triste fama distribuídos pelo Citibank em 2005 e 2006 a um círculo seleto de clientes mais ricos, para lhes assegurar que sua prosperidade não dependia mais da prosperidade dos assalariados. [38]

A redistribuição oligárquica e a tendência à “plutonomia”, mesmo em países ainda considerados democratas, evocam o pesadelo de elites confiantes em que sobreviverão ao sistema social que as torna ricas. Os capitalistas plutonômicos não precisam mais se preocupar com o crescimento econômico nacional, já que suas fortunas transnacionais crescem independentemente dele. Daí o êxodo dos super-ricos russos ou gregos: eles pegam seu dinheiro – ou o de seus concidadãos – e fogem, de preferência para a Suíça, a Grã-Bretanha ou os Estados Unidos. A possibilidade de salvar a si mesmo e a sua família, proporcionada pelo mercado de capitais globalizado, oferece aos ricos a maior tentação possível, que é passar para o modo “fim do jogo” – vender tudo, pegar o dinheiro, queimar as pontes e deixar para trás apenas terra arrasada.

Intimamente relacionada a essa doença vem a terceira, a pilhagem do setor público por meio do subfinanciamento e da privatização. Sua origem está na dupla transição, ocorrida desde a década de 70, do Estado dos impostos para o Estado da dívida e, por fim, para o Estado do ajuste ou da austeridade. A causa principal dessa virada foram as novas oportunidades que os mercados de capital mundiais ofereceram desde os anos 80 para a fuga de impostos, a evasão fiscal, a busca de regimes de tributação mais favoráveis e a extorsão de benefícios fiscais dos governos, praticada por empresas e pessoas de renda elevada. As tentativas de acabar com o déficit público se basearam quase exclusivamente em cortes nos gastos governamentais – tanto em previdência social como em investimentos na infraestrutura física e no capital humano. À medida que os ganhos na renda ficavam cada vez mais concentrados no 1% mais rico, o setor público das economias capitalistas encolheu, muitas vezes de forma dramática, privado de sustento em favor da riqueza de uma oligarquia com mobilidade internacional. A privatização – realizada sem levar em conta a contribuição que o investimento público na produtividade e na coesão social poderia ter dado para o crescimento econômico e a equidade social – foi parte desse processo.

Mesmo antes de 2008, era um consenso admitir que a crise fiscal do Estado pós-guerra precisava ser resolvida por meio da redução dos gastos governamentais, e não pelo aumento de impostos, sobretudo impostos sobre os ricos. A consolidação das finanças públicas por meio da austeridade foi imposta às sociedades, e continua sendo, embora provavelmente deprima o crescimento. Essa parece ser mais uma indicação de que a economia dos oligarcas foi apartada da economia das pessoas comuns, já que os ricos não mais esperam ter de pagar pela maximização de sua renda à custa dos não ricos, ou por buscar seus interesses em detrimento da economia como um todo. O que pode estar aflorando aqui é a tensão fundamental descrita por Marx entre, de um lado, a natureza cada vez mais social da produção numa economia e numa sociedade avançada, e, de outro lado, a propriedade privada dos meios de produção. Como o aumento da produtividade requer mais investimento público, ele tende a se tornar incompatível com a acumulação privada dos lucros, obrigando as elites capitalistas a escolher entre as duas coisas. O resultado é o que já estamos vendo hoje: estagnação econômica combinada com redistribuição oligárquica. [39]

Corrosions of the iron cage

Ao lado do declínio do crescimento econômico, do aumento da desigualdade e da transferência do setor público para a propriedade privada, a corrupção é a quarta doença do capitalismo contemporâneo. Em sua tentativa de reabilitar o capitalismo resgatando seus fundamentos éticos, Max Weber traçou uma linha divisória nítida entre capitalismo e ganância, apontando para as origens do capitalismo que, ele acreditava, estavam na tradição religiosa do protestantismo. Segundo Weber, a ganância sempre existiu, em todos os lugares e em todos os momentos (não é uma característica distintiva do capitalismo, podendo até subvertê-lo); o capitalismo não se baseia no desejo de ficar rico, mas sim na autodisciplina, no esforço metódico, na administração responsável, na devoção sóbria a uma vocação e a uma organização racional da vida. Para Weber, os valores culturais do capitalismo iriam se enfraquecer quando o sistema amadurecesse e se transformasse numa “gaiola de ferro” – a regulação burocrática e as restrições impostas pela concorrência tomariam o lugar das ideias culturais que em sua origem serviram para desvincular a acumulação de capital do consumo hedonista e de instintos primitivos de monopolização de recursos. O que ele não poderia prever, porém, foi a revolução neoliberal ocorrida no último terço do século XX e as oportunidades sem precedentes que ela ofereceu para a acumulação de riquezas enormes.

Com o devido respeito a Weber, a fraude e a corrupção sempre foram companheiras do capitalismo. Mas há boas razões para acreditar que, quando o setor financeiro passou a dominar a economia, elas se tornaram tão difundidas que a justificativa ética de Weber para o capitalismo agora parece se aplicar a um mundo inteiramente diverso. Hoje as finanças são uma “indústria”. Nela, é difícil distinguir a inovação da distorção ou da violação das normas; o retorno financeiro para atividades semilegais e ilegais é especialmente elevado; a discrepância de informação e de remuneração entre empresas e autoridades reguladoras é extrema; a porta giratória entre essas duas esferas oferece possibilidades intermináveis​​de corrupção sutil ou não tanto; [40] as maiores empresas não são apenas “grandes demais para falir”, mas também grandes demais para ir para a cadeia, dada sua importância para a política econômica nacional e a receita tributária; e a fronteira entre empresas privadas e Estado é menos nítida do que em qualquer outra área, como mostra o pacote de socorro de 2008, ou o estratosférico número de antigos (e futuros) funcionários de empresas financeiras no governo americano. Após a falência da distribuidora de energia Enron, em 2001, e da gigante das telecomunicações WorldCom, em 2002, parecia que a fraude e a corrupção tinham alcançado níveis históricos na economia dos Estados Unidos. Mas o que veio à tona depois de 2008 superou tudo: agências de classificação de risco de crédito remuneradas pelos próprios emissores de papéis podres para lhes atribuir as melhores notas; um sistema bancário paralelo em paraísos fiscais; lavagem de dinheiro e assessoria para a evasão fiscal em grande escala como atividades corriqueiras dos maiores bancos; a venda, para clientes desavisados, ​​de papéis concebidos para que outros clientes pudessem apostar contra eles; os principais bancos de todo o mundo fixando, de forma fraudulenta, as taxas de juros e o preço do ouro; e por aí afora. Nos últimos anos, vários bancos grandes pagaram bilhões de dólares em multas por atividades desse naipe. Mas as sanções, que à primeira vista podem parecer significativas, são minúsculas se comparadas ao balanço dos bancos – e todas essas multas decorreram de acordos extrajudiciais, de casos que os governos não quiseram ou não se atreveram a levar aos tribunais. [41]

O declínio moral do capitalismo pode estar conectado a seu declínio econômico, à luta pelas oportunidades remanescentes de lucro, mais feia a cada dia e se transformando numa pilhagem de bens em escala gigantesca. Seja como for, para o público, hoje, o capitalismo passa uma imagem profundamente cínica; o sistema é visto por muitos como um cipoal de truques sujos para garantir que os ricos fiquem ainda mais ricos. Ninguém acredita num renascimento moral do capitalismo. A tentativa weberiana de evitar que ele fosse confundido com a ganância fracassou, já que o capitalismo se tornou, mais do que nunca, sinônimo de corrupção.

A world out of joint

Chegamos, finalmente, à quinta doença. O capitalismo global precisa de um centro para garantir sua periferia e fornecer a ela um regime monetário digno de confiança. Até a década de 20, esse papel coube à Grã-Bretanha, e de 1945 até a década de 70, aos Estados Unidos; os anos intermediários, quando faltava um centro e várias potências aspiravam a assumir esse papel, foram uma época de caos econômico e também político. Relações estáveis ​​entre as moedas dos países partícipes da economia capitalista mundial são vitais para o fluxo de mercadorias e capitais, que por sua vez é essencial para a acumulação de capital; essa estabilidade precisa ser garantida por um banqueiro global de última instância. Também é necessário um centro que funcione, para apoiar regimes na periferia dispostos a tolerar a extração a baixo preço de suas matérias-primas. Além disso, é indispensável a colaboração local para conter a oposição tradicionalista à expansão das fronteiras do capitalismo.

O capitalismo contemporâneo sofre cada vez mais de anarquia global, já que os Estados Unidos não estão mais aptos a desempenhar seu papel do pós-guerra, e uma ordem mundial multipolar não se vislumbra no horizonte. Embora não haja (ainda?) confrontos entre grandes potências, a função do dólar como moeda de reserva internacional está sendo contestada – e não poderia ser diferente, dado o desempenho declinante da economia americana, seus níveis crescentes de endividamento público e privado, e a experiência recente de várias crises financeiras avassaladoras. A busca de uma alternativa internacional, talvez sob a forma de uma cesta de moedas, está empacada, uma vez que os Estados Unidos não abrem mão do privilégio de se endividar na própria moeda. Além disso, as medidas de estabilização tomadas por organizações internacionais sob orientação de Washington tendem cada vez mais a ter efeitos desestabilizadores na periferia do sistema, como no caso das bolhas inflacionárias que o “relaxamento monetário” no centro causou em países como Brasil e Turquia.

Militarmente, os Estados Unidos já foram derrotados ou levados a um impasse em três grandes guerras terrestres desde os anos 70 – no Vietnã, no Iraque e no Afeganistão. No futuro, Washington provavelmente vai pensar duas vezes antes de lançar seus soldados em conflitos locais. Novos e sofisticados instrumentos de violência estão sendo implementados para tranquilizar governos aliados e inspirar confiança nos Estados Unidos como um garantidor global dos direitos oligárquicos à propriedade, e como um porto seguro para as famílias oligárquicas e seus tesouros. Tais instrumentos incluem o uso de “forças especiais” altamente secretas para localizar e destruir inimigos potenciais; aeronaves não tripuladas capazes de matar qualquer pessoa em praticamente qualquer canto; confinamento e tortura de um número desconhecido de pessoas num sistema mundial de prisões secretas; e a vigilância abrangente da oposição potencial em todos os lugares, com a ajuda de tecnologia cibernética. Se isso bastará para restaurar a ordem global, sobretudo à luz da ascensão da China como rival econômica – e, em menor medida, militar – dos Estados Unidos, ainda não se sabe.

In summary, capitalism, as a social order held together by a promise of boundless collective progress, is in critical condition. Growth is giving way to secular stagnation; what economic progress remains is less and less shared; and confidence in the capitalist money economy is leveraged on a rising mountain of promises that are ever less likely to be kept. Since the 1970s, the capitalist centre has undergone three successive crises, of inflation, public finances and private debt. Today, in an uneasy phase of transition, its survival depends on central banks providing it with unlimited synthetic liquidity. Step by step, capitalism’s shotgun marriage with democracy since 1945 is breaking up. On the three frontiers of commodification—labour, nature and money—regulatory institutions restraining the advance of capitalism for its own good have collapsed, and after the final victory of capitalism over its enemies no political agency capable of rebuilding them is in sight. The capitalist system is at present stricken with at least five worsening disorders for which no cure is at hand: declining growth, oligarchy, starvation of the public sphere, corruption and international anarchy. What is to be expected, on the basis of capitalism’s recent historical record, is a long and painful period of cumulative decay: of intensifying frictions, of fragility and uncertainty, and of a steady succession of ‘normal accidents’—not necessarily but quite possibly on the scale of the global breakdown of the 1930s.

Notas

[1] Uma versão deste texto foi entregue à Instituto Anglo-Germânico de Leitura na Academia Britânica em 23 de janeiro de 2014.

[2] Tenho explorado esses argumentos mais plenamente em Comprando Tempo: A Crise Atrasada do Capitalismo Democrático, Londres e Nova York, 2014.

[3] Mateus 25:29. Isto foi descrito pela primeira vez como um mecanismo social por Robert Merton em "O Efeito Mateus na Ciência", Ciência, vol. 159, n. 3810, pp 56-63. O termo técnico é vantagem cumulativa.

[4] Ver Emmanuel Saez, "Striking It Richer: The Evolution of Top Incomes in the United Statess", 02 de março de 2012, disponível através da página pessoal de Saez na Universidade de Berkeley; e Facundo Alvaredo, Anthony Atkinson, Thomas Piketty e Emmanuel Saez, "O 1 por cento do topo na Perspectiva Histórica e Internacional", Journal of Economic Perspectives, vol. 27, não. 3, 2013, pp 3-20.

[5] Banco de Compensações Internacionais, 83 Relatório Anual, 01 de abril de 2012-31 março de 2013, Basel 2013, p. 5.

[6] Mesmo que possa ser menos do que promete, em países como os EUA e o Reino Unido, é difícil ver por que "reformas" neoliberais ainda continuam a ser implementadas.

[7] Ver Armin Schäfer e Wolfgang Streeck, eds, Política na Era da Austeridade, Cambridge 2013.

[8] Walter Korpi, A Luta de Classes Democrática, Londres, 1983; e Colin Crouch, Pós-Democracia, Cambridge 2004.

[9] Esta é a Escolha Pública da visão de crise fiscal, como poderosamente apresentada por James Buchanan e sua escola; ver, por exemplo Buchanan e Gordon Tullock, The Calculus of Consent: : Logical Foundations of Constitutional Democracy, Ann Arbor 1962.
[10] One often forgets that most central banks, including the BIS, have long been or still are partly under private ownership. For example, the Bank of England and the Bank of France were nationalized only after 1945. Central bank ‘independence’, as introduced by many countries in the 1990s, may be seen as a form of re-privatization.

[11] Of course, as Colin Crouch has pointed out, neoliberalism in its actually existing form is a politically deeply entrenched oligarchy of giant multinational firms; see Crouch, The Strange Non-Death of Neoliberalism, Cambridge 2011.

[12] See Daniel A. Bell, Beyond Liberal Democracy: Political Thinking for an East Asian Context, Princeton 2006; and Nicolas Berggruen and Nathan Gardels, eds, Intelligent Governance for the 21st Century: A Middle Way between West and East, London 2012.

[13] The expression ‘market-conforming’ is from Angela Merkel. The Chancellor’s public rhetoric appears deliberately designed to obfuscate and mystify. Here is her September 2011 statement on the subject in original Merkelspeak: ‘Wir leben ja in einer Demokratie und sind auch froh darüber. Das ist eine parlamentarische Demokratie. Deshalb ist das Budgetrecht ein Kernrecht des Parlaments. Insofern werden wir Wege finden, die parlamentarische Mitbestimmung so zu gestalten, dass sie trotzdem auch marktkonform ist, also dass sich auf den Märkten die entsprechenden Signale ergeben.’ A rough translation might run: ‘We certainly live in a democracy and are also glad about this. This is a parliamentary democracy. Therefore the budget right is a core right of parliament. To this extent we will find ways to shape parliamentary co-decision in such a way that it is nevertheless also market-conforming, so that the respective signals emerge on the market.’

[14] So, if history proves me wrong, I will at least be in good company.

[15] As reported by Gretchen Morgenson, ‘A New Light on Regulators in the Dark’, New York Times, 23 April 2014. The article presents ‘a disturbing picture of a central bank that was in the dark about each looming disaster throughout 2008’.

[16] On these terms, see David Lockwood, ‘Social Integration and System Integration’, in George Zollschan and Walter Hirsch, eds, Explorations in Social Change, London 1964, pp. 244–57.

[17] Or, as Adam Smith has it, a ‘progressive’ society—one aiming at growth of its productivity and prosperity that is in principle boundless, as measured by the size of its money economy.

[18] Other definitions of capitalism emphasize, for example, the peaceful nature of capitalist commercial market exchange: see Albert Hirschman, ‘Rival Interpretations of Market Society: Civilizing, Destructive or Feeble?’, Journal of Economic Literature, vol. 20, no. 4, 1982, pp. 1463–84. This neglects the fact that non-violent ‘free trade’ is typically confined to the centre of the capitalist system, whereas on its historical and spatial periphery violence is rampant. For example, illegal markets (drugs, prostitution, arms etc.) governed by private violence raise huge sums of money for legal investment—a version of primitive accumulation. Moreover, legitimate public and illegal private violence often blend into one another, not only on the capitalist frontier but also in the support provided by the centre to its collaborators on the periphery. One also needs to include public violence in the centre against dissenters and, when they still meaningfully existed, trade unions.

[19] Although recent assessments of their economic performance and prospects are much less enthusiastic than they were two or three years ago. Lately the euphoric ‘BRIC’ discourse has been succeeded by anxious questioning of the economic prospects of the ‘Fragile Five’ (Turkey, Brazil, India, South Africa and Indonesia; New York Times, 28 January 2014). Reports on accumulating problems in Chinese capitalism have also become more frequent, pointing, among other things, to the extensive indebtedness of local and regional governments. Since the Crimean crisis, we have also been hearing about the structural weaknesses of the Russian economy.

[20] ‘Every socio-economic system must rely on at least one structurally dissimilar subsystem to function. There must always be a coexistent plurality of modes of production, so that the social formation as a whole has the requisite structural variety to cope with change’: Hodgson, ‘The Evolution of Capitalism from the Perspective of Institutional and Evolutionary Economics’, in Hodgson et al., eds, Capitalism in Evolution: Global Contentions, East and West, Cheltenham 2001, pp. 71ff. For a less functionalist formulation of the same idea see my concept of ‘beneficial constraint’: ‘Beneficial Constraints: On the Economic Limits of Rational Voluntarism’, in Rogers Hollingsworth and Robert Boyer, eds, Contemporary Capitalism: The Embeddedness of Institutions, Cambridge 1997, pp. 197–219.

[21] Karl Polanyi, The Great Transformation: The Political and Economic Origins of Our Time [1944], Boston 1957, pp. 68–76.

[22] Or even ‘transgression’, if we go by the German: Steigerungslogik.

[23] Donald Tomaskovic-Devey and Ken-Hou Lin, ‘Income Dynamics, Economic Rents and the Financialization of the US Economy’, American Sociological Review, vol. 76, no. 4, 2011, pp. 538–59.

[24] C. B. MacPherson, The Political Theory of Possessive Individualism: Hobbes to Locke, Oxford 1962.

[25] Consider the attack on the last remnants of the 35-hour week in France, under the auspices of a Socialist president and his party.

[26] From the capitalist frontier, it is reported that leading investment banks have begun suggesting to their lowest-level employees that they ‘should try to spend four weekend days away from the office each month, part of a broader effort to improve working conditions’: ‘Wall St Shock: Take a Day Off, Even a Sunday’, New York Times, 10 January 2014.

[27] Think of the gigantic potlatch organized every year before Christmas by the consumer-goods and retail industries, or of the day after Thanksgiving, ominously referred to in the US as ‘Black Friday’ because of the ubiquitous price reductions and the collective shopping hysteria it inaugurates. Imagine the desperation if nobody showed up!

[28] The vital importance of a consumerist culture for the reproduction of contemporary capitalism cannot be underestimated. Consumers are the ultimate allies of capital in its distributional conflict with producers, even though producers and consumers tend to be the same people. By hunting for the best bargain, consumers defeat themselves as producers, driving their own jobs abroad; as they take up consumer credit to replenish their reduced purchasing power, they supplement consumerist incentives with legal obligations to work, entered into as debtors and enforced by lenders. See Lendol Calder, Financing the American Dream: A Cultural History of Consumer Credit, Princeton 1999.

[29] Robert Gordon, ‘Is US Economic Growth Over? Faltering Innovation Confronts the Six Headwinds’, NBER Working Paper no. 18315, August 2012.

[30] According to Gordon, that rate amounted to 1.8 per cent per annum. Under the impact of the six adverse forces, it would, in the future, fall to 0.2 per cent per annum for the bottom 99 per cent of the American population: Gordon, ‘Is US Economic Growth Over?’, pp. 18 ff. (Growth for the top one per cent is of course a different matter.) Note that Gordon believes that, in fact, the basic growth rate will be lower than 1.8 per cent.

[31] Gordon’s exercise in forecasting was and is widely debated. Doubts have been raised in particular with respect to future technological progress in artificial intelligence and robotics. While progress on this front seems likely, however, it is unlikely that its fruits will be equitably shared. Without social protection, technological advances in these areas would be destructive of employment and would give rise to further social polarization. Whatever technological progress would add to growth would probably be cancelled out by what it would add to inequality.

[32] See, among many others, Harry Magdoff and Paul Sweezy, Stagnation and the Financial Explosion, New York 1987. For an interesting assessment of the applicability of underconsumption theory to post-2008 capitalism, see John Bellamy Foster and Fred Magdoff, The Great Financial Crisis: Causes and Consequences, New York 2009.

[33] Presumably also because he would have had to declare the substantial income he received from Wall Street firms after his resignation from the Obama administration at the end of 2010. See ‘The Fed, Lawrence Summers, and Money’, New York Times, 11 August 2013.

[34] The same idea had been put forward in 2005 when Ben Bernanke, soon to follow Alan Greenspan at the Fed, invoked a ‘savings glut’ to account for the failure of the Fed’s ‘flooding the markets with liquidity’ to stimulate investment. Today Summers casually subscribes to the view of Left stagnation theorists that the ‘boom’ of the 1990s and early 2000s was a chimera: ‘Too easy money, too much borrowing, too much wealth. Was there a great boom? Capacity utilization wasn’t under any great pressure, unemployment wasn’t under any remarkably low level. Inflation was entirely quiescent. So somehow even a great bubble wasn’t enough to produce any excess in aggregate demand.’ A video of Summers’ speech is available on the IMF website.

[35] Paul Krugman, ‘A Permanent Slump?’, New York Times, 18 November 2013.

[36] Their absence, of course, was one of the reasons why excess profits could come about and depress demand in the first place.

[37] In the US and elsewhere, the rich mobilize against trade unions and minimum-wage statutes, although low wages weaken aggregate demand. Apparently they can do so because the abundant supply of fresh money replaces mass purchasing power, by enabling those who have access to it to make their profit in the financial sector. Demand from below would make it attractive for the ‘savings’ of the rich to be invested in services and manufacturing. See, in this context, the call late last year by the director-general of the Confederation of British Industry, which represents manufacturing firms, for members to pay their workers better, as too many people are stuck in low-pay employment. See ‘Companies urged to spread benefits widely’, Financial Times, 30 December 2013.

[38] Citigroup Research, ‘Plutonomy: Buying Luxury, Explaining Global Imbalances’, 16 October 2005; ‘Revisiting Plutonomy: The Rich Getting Richer’, 5 March 2006.

[39] Nota bene that capitalism is about profit, not about productivity. While the two may sometimes go together, they are likely to part company when economic growth begins to require a disproportionate expansion of the public domain, as envisaged early on in ‘Wagner’s law’: Adolph Wagner,Grundlegung der politischen Oekonomie, 3rd edn, Leipzig 1892. Capitalist preferences for profit over productivity, and with them the regime of capitalist private property as a whole, may then get in the way of economic and social progress.

[40] Including at the highest level: both Blair and Sarkozy are now working for hedge funds, their time as elected national leaders apparently considered by them and their new employers as a sort of apprenticeship for a much better-paid position in the financial sector.

[41] Reports on banks having to pay fines for wrongdoings of various kinds can be found almost daily in quality newspapers. On 23 March 2014, the Frankfurter Allgemeine Zeitung reported that since the beginning of the financial crisis, American banks alone have been fined around one hundred billion dollars.

21 de junho de 2014

O outro Dia D... e o início da Guerra Fria

Foi a ofensiva de verão do Exército Vermelho na Bielorrússia, em 1944 - um Dia D que o Ocidente esqueceu - que ajudou a acabar com a guerra e redesenhou o mapa da Europa.

David Reynolds

The Guardian

Joseph Stalin e Winston Churchill na Conferência de Yalta, em 1945. Foto: Photoquest/Getty Images

Tradução / Houve dois Dias D em junho de 1944. Os desembarques de Normandia de 6 de junho, a Operação Overlord, tão comovedoramente evocada faz duas semanas, formam parte da memória nacional britânica. O outro dia segue sendo praticamente desconhecido, tanto entre nós como na América. No entanto, foi igualmente importante para concluir a Segunda Guerra Mundial. E também marcou o início da Guerra Fria na Europa.

Na noite de 21-22 de junho de 1944, o Exército Vermelho lançou sua ofensiva de verão na Bielorrússia, aos três anos completos do dia em que Hitler invadiu a União Soviética. Em 1941, os alemães haviam alcançado uma surpresa completa, cercando a milhões de soldados soviéticos e empurrando-os com enorme pressão até Moscou e Leningrado. No entanto, em 1944, o jogo virou. A Operação Bagration, batizada com o nome de um marechal czarista que havia lutado contra Napoleão, atingiu a Wehrmacht sem aviso prévio. Em cinco semanas, o Exército Vermelho avançou 700.000 quilômetros, atravessando Minsk até chegar aos arredores de Varsóvia e rasgando as entranhas do Grupo de Exércitos Centro de Hitler. Qause 20 divisões alemãs foram completamente destruídas e outras 50 seriamente atingidas, um desastre ainda pior que Stalingrado.

Este imponente êxito soviético aconteceu enquanto Overlord continuava estava presa nas sebes e becos da Normandia. Não foi até o final de julho, conforme Bagration ia perdendo gás, quando os exércitos de Eisenhower conseguiram sair e lançarem-se através da França para libertar Paris em 25 de agosto e Bruxelas em 3 de setembro. Em conjunto, Overlord e Bagration atingiram um duplo revés que deixou destruiu o Reich dos Mil Anos. Finalmente, a Alemanha teve de lutar uma guerra em duas frentes no norte da Europa, um pesadelo que Hitler tinha conseguido evitar desde 1939, e o povo alemão já podia ver o que se aproximava. Não é casual que em 20 de julho oficiais dissidentes tentaram de assassinar o Führer em uma tentativa corajosa, mas quixotesca de estabelecer a paz antes que a Alemanha terminasse arruinada.

Bagration ajudou a acabar com a guerra, mas também foi um sinal de coisas futuras. Quando o Exército Vermelho se aproximou de Varsóvia, o Exército do Interior polonês se levantou contra a brutal ocupação nazista. As forças soviéticas estavam exauridas e não podiam se dirigir para uma grande cidade, mas a recusa de Stalin em oferecer apoio uniforme para os poloneses ou permitir que os aviões de abastecimento britânicos e americanos utilizassem aeródromos controlados por soviéticos, enviou uma mensagem arrepiante para os aliados ocidentais.

Grande parte da Polônia havia sido subsumida no antigo império tsarista. Em 1920, os bolcheviques e os poloneses travaram uma guerra brutal pelas fronteiras da Polônia recentemente independente, que viu as tropas polonesas capturar brevemente Kiev antes de serem levadas de volta a Varsóvia. Duas décadas depois, Stalin estava determinado a resolver a questão. Em 1940, ele secretamente massacrou grande parte do corpo de policiais da Polônia em Katyn; quatro anos depois, ele observou alegremente os alemães esmagar a insurgência de Varsóvia - descrevendo seus líderes anti-soviéticos como um "punhado de criminosos que procuram o poder" - antes de invadir o país a seu bel-prazer.

No início de setembro de 1944, com as tropas de Eisenhower entrando nos Países Baixos, parecia que a segunda guerra mundial acabaria no Natal. Mas então os Aliados não conseguiram atravessar o Reno e a frente ocidental ficou atolada. Na memória britânica, o outono de 1944 centra-se na famosa "ponte longe demais" em Arnhem, enquanto que, na frente leste, Stalin fez avanços ainda mais dramáticos, quando o Exército Vermelho esmagou a Romênia e a Bulgária através da Iugoslávia e a Hungria. O líder que, pouco mais de um ano antes, tinha controlado apenas dois terços do seu país agora dominava boa parte do leste europeu.

Durante a Guerra Fria, a conferência de Yalta de fevereiro de 1945 foi muitas vezes estigmatizada no Ocidente, como o momento em que Roosevelt e Churchill "entregaram" a metade da Europa a Stalin. Na realidade, não houve transferência em 1945, mas uma conquista de terra em 1944, um subproduto da derrota alemã. Na época de Yalta, os soviéticos controlavam a Polônia e boa parte dos Balcãs: como admitiu Roosevelt em particular, tudo o que ele e Churchill podiam esperar era "melhorar" essa situação.

Tan importante como Yalta fue el encuentro de Churchill con Stalin cuatro meses antes. Aunque se trataba de un ardiente enemigo de lo que antaño había llamado "la fétida ridiculez del bolchevismo", Churchill albergaba una paradójica fe en la decencia esencial de Stalin, nacida de dos intensos encuentros bien regados con alcohol en 1942 y 1943. El dirigente soviético, aunque duro al hablar, resultó ser un tipo sin pretensiones, serio en sus tratos, con un sarcástico sentido del humor. "Sólo con cenar con Stalin una vez a la semana", le dijo Churchill a un periodista británico, "se acabarían los problemas. Nos llevamos a las mil maravillas".

Tão importante quanto Yalta foi a reunião de Churchill com Stalin quatro meses antes. Apesar de ser um ardente inimigo do que ele chamou de "o babuíno imundo do bolchevismo", Churchill mantinha uma fé paradoxal na decência essencial de Stalin, nascida de duas reuniões de cúpula intensas e abafadas em 1942 e 1943. O líder soviético, apesar de duro ao falar, era muito despretensioso e comercial, com um senso de humor sarcástico. "Se eu pudesse jantar com Stalin uma vez por semana", disse Churchill a um jornalista britânico, "não haveria nenhum problema. Tudo correu às mil maravilhas".

Con ese espíritu voló Churchill a Moscú en octubre de 1944, tratándose de llegar a un acuerdo sobre la forma que adoptarían los Balcanes en la postguerra antes de que se cerrara la tenaza del Ejército Rojo. El resultado fue el tristemente célebre acuerdo sobre "porcentajes" cerrado con Stalin a altas horas de una noche en el Kremlin. El objetivo de Churchill estribaba en preservar la influencia británica en Grecia y con suerte, en Yugoslavia. Se aseguró de lo primero, y afirmó posteriormente a menudo que Stalin "nunca rompió su palabra en lo tocante a Grecia". Pero eso se consiguió consintiendo de facto el predominio soviético a lo largo y ancho de casi todos los Balcanes.

Nesse espírito, Churchill voou para Moscou em outubro de 1944, buscando chegar a um acordo sobre a forma dos balcãs do pós-guerra antes que o Exército Vermelho garantisse seu controle. O resultado foi o agora notório acordo de "percentuais" concluído com Stalin tarde da noite no Kremlin. O objetivo de Churchill era preservar a influência britânica na Grécia e, esperava, na Iugoslávia. Ele assegurou o primeiro, muitas vezes dizendo que Stalin "nunca disse uma palavra sobre a Grécia". Mas isso foi obtido concedendo o efetivo predomínio soviético sobre os Balcãs.

Para cuando se llegó al acuerdo sobre porcentajes, y no digamos a Yalta, poca diferencia podía suponer la diplomacia. El nuevo mapa de Europa se había decidido, no en la mesa de la conferencia sino en el campo de batalla. Y en esa historia sangrienta, no debería olvidarse el otro día D de junio de 1944. "Esta guerra no es como las del pasado", le dijo Stalin a un comunista yugoslavo: "quien ocupa un territorio impone también su propio sistema social. No puede ser de otra manera". La paranoia soviética sobre su seguridad resultaba comprensible tras la pérdida de 28 millones de ciudadanos. Pero su obsesión con una zona de parachoques en Europa Oriental definiría la Guerra Fría, con un ingente coste humano.

No momento do acordo de porcentagens, e muito menos em Yalta, a diplomacia poderia, de fato, fazer pouca diferença. O novo mapa da Europa não havia sido decidido na mesa da conferência, mas no campo de batalha. E naquela história sangrenta, o outro dia D de junho de 1944 não deve ser esquecido. "Esta guerra não é do passado", disse Stalin a um comunista iugoslavo: "quem quer que ocupe um território também lhe impõe seu próprio sistema social... tanto quanto seu exército possa alcançar. Não pode ser de outra forma ". A paranoia soviética sobre segurança era compreensível após a perda de 28 milhões de cidadãos. Mas a obsessão com uma zona de amortecimento no leste europeu definirá a Guerra Fria, com um enorme custo humano. E a perda dessa proteção de segurança ainda assombra a Rússia de Putin.

Sobre o autor

David Reynolds preside o Departamento de História da Universidade de Cambridge, em cujo Christ's College leciona, tendo se especializado nas duas guerras mundiais e na Guerra Fria. Escreveu e apresentou vários documentários históricos para a BBC, é membro desde 2004 da Academia Britânica e em 2008 recebeu o prestigiado prêmio de história Wolfson. Seu libro mais recente é A longa sombra: A grande guerra e o século XX.

20 de junho de 2014

O espectador mais importante do mundo

David Bromwich

London Review of Books


Tradução / O primeiro ano e meio do segundo mandato de Barack Obama tem sido espetacularmente azarado. Os sucessivos percalços de seu plano de assistência à saúde (Obamacare); os muitos erros da coordenação feita por computador que obrigou pessoas doentes e famílias a esperar dias ou semanas à frente de telas pretas consumiram a nova fé no governo que o tal plano visara a afirmar. E quando, pelo final de abril de 2014, a coisa parecia meio resolvida, com milhões finalmente cobertos por seguro-saúde e inúmeras carências afinal superadas, começaram as histórias dos falsos relatórios de tratamentos e dos meses de espera por um internamento nos Hospitais dos Veteranos. Foi mais um fracasso do gerenciamento, em mais um ramo do governo com o qual Obama manifestara o mais caloroso interesse-envolvimento. E nem uma pequena coisa que de longe que fosse, se assemelhasse a um sucesso na política exterior, para compensar os embaraços em casa. Os EUA, que sempre precisam estar fazendo coisas e tomando providências, nada conseguiram fazer sobre a reintegração da Crimeia à Federação Russa, nem sobre o conflito na Ucrânia.

O traço comum em todos esses eventos foi que Obama, em pessoa, parecia sempre bem longe da cena. Obama estava trabalhando, nos induziram a crer, preocupado e atentamente compreensivo. Mas em questões como essas, sente-se facilmente que é indispensável um sinal bem claro de que o presidente está ali, “com a mão na massa”. O que se viu, contudo, foi que Obama foi surpreendido pela rejeição de seu plano de assistência à saúde – que ficou chocado e consternado, como todos os norte-americanos. Mas Obama não teria de saber mais, sobretudo, que a maioria de nós, norte-americanos comuns? Mais uma vez, o escândalo dos Hospitais dos Veteranos foi assunto (e escândalo) do qual Obama só soube pelos jornais... Mas por que só soube daquilo tudo quando ligou a TV ou abriu os jornais? O show de caras de confiança traída e surpresa que Obama ofereceu foi recebido com mais simpatia e solidariedade do que em outro evento, ainda mergulhado em obscuridades, em que quatro norte-americanos foram assassinados em Benghazi em 11 de novembro de 2012. Dessa vez, o presidente fora informado, mas estava em plena campanha eleitoral e deixou a crise para o Departamento de Estado. Ausente e absolvido. A questão é que sempre, em todos os casos, há algo de aéreo, zonzo, alheado e enervante em todas essas ausências do presidente Obama. Obama ordenou o bombardeio da Líbia, em março de 2011, depois de ter sinalizado que não bombardearia ninguém. E ordenou o bombardeio da Líbia num discurso inesperado, repentino, sem qualquer planejamento, enquanto fazia visita oficial ao Brasil.

O segundo mandato começou de forma diferente, com uma iniciativa espontânea que surgiu da presença voluntária de Obama numa cena da qual, se não quisesse, não precisaria ter participado. Depois de um assassinato em massa numa escola de crianças em Newtown, Connecticut, em dezembro de 2012, Obama falou com alarde de conseguir a aprovação para nova lei que apertaria o controle sobre posse e uso de armas. Quem o tenha visto, com certeza testemunhou o momento da mais profundamente engajada emoção de toda a presidência de Obama, e o presidente, assumindo o maior risco de todo o seu governo. O momento para divulgar as determinações da nova lei era durante aqueles dias de dezembro de 2012, quando o sofrimento das famílias comovia o país inteiro. A solução de Obama foi típica: anunciou que Joe Biden examinaria as possibilidades legislativas e tinha um mês para apresentar seu relatório. Foram-se as semanas, várias leis que proíbem posse e porte de armas foram veementemente criticadas em público... e a National Rifle Association teve todo o tempo de que precisava para se organizar. O momento passou, e a lei não apareceu. Isso foi mais ou menos o que aconteceu também com a promessa, em janeiro de 2009, de fechar Guantánamo. Obama saiu da sala e deixou ordens para que o chamassem quando o caso estivesse resolvido. A pausa da prudência foi alongada e logo se converteu em sinal tão claro de que o assunto não preocupava Obama, que a questão perdeu qualquer traço de urgência que algum dia tivesse tido.

Obama é adepto de transmitir sentimentos de benevolência que seus ouvintes querem, sentimentos que poderiam levar a ações benevolentes. Parecia estar em seu elemento em todos os discursos de luto & pêsames depois de assassinatos em massa nos EUA, não só em Newtown, mas em Aurora, em Fort Hood, em Tucson, em Boston depois das bombas da Maratona; e em seu encontro com desolados proprietários de casas destruídas em furacões recentes e respectivos prefeitos das áreas devastadas. É presidente para distribuir compaixão com cara de bom, e de uma altura decorosa e reduzida. Esse parece ser o papel que Obama prefere representar também no planeta. Seria a postura da qual teria gostado de falar sobre a Primavera Árabe, e, também, sobre a guerra na Síria. Bastaria que Assad tivesse obedecido às ordens de Obama, quando Obama disse que “Assad tem de sair”. Obama tem o desejo de ajudar o próximo mais puro do que qualquer dos seus predecessores na Casa Branca desde Jimmy Carter; e por alguma espécie de precaução que muito se aproxima da timidez, Obama jamais conversou com Carter, sequer uma vez, nos últimos cinco anos. Obama discursa pela boa causa, mas quase sempre acaba por aprovar o mal aceitável que os políticos ou os ricos dos EUA já tenham aceitado. Obama assiste ao mundo como o seu mais importante espectador.

Mas evita a companhia de outros políticos – traço já bem conhecido de muitos e sempre espantoso. Um importante Democrata do Senado, perguntado sobre quantas vezes conversara com Obama no ano passado, respondeu que só acontecera uma vez. O mesmo senador pediu que seu nome não fosse citado, porque tal grau de intimidade com o presidente despertaria ciúmes entre seus pares. A falta de interesse de Obama no dia a dia da política – ter de negociar e viver imerso também em interesses de outros, o tantas vezes apenas formal, mas necessário intercâmbio de ideias – muito fez para embotar a sensibilidade do presidente quanto a mudanças no sentimento da população. Avesso a conflitos como é, Obama jamais vê que alguma luta se aproxima, senão quando já está sobre a sua cabeça e quase totalmente fora de controle. O Tea Party começou na primavera de 2009, com um surto na Bolsa de Mercadorias de Chicago, do ex-administrador de hedge fund Rick Santelli, que perguntou por que os bons norte-americanos teriam de pagar pelos perdedores que o colapso financeiro afogara num mar de hipotecas impagáveis. Santelli prometeu criar um novo grupo insurgente nas semanas seguintes, feito à imagem do Tea Party de Boston. Foi um discurso espertalhão, mas moralmente feio, e poderia ter sido contido. Obama só tomou conhecimento do Tea Party mais de um ano depois. Quando já estava muito bem organizado e em posição de aplicar a Obama a fragorosa derrota que sofreu nas eleições de meio de mandato de 2010 e derrota da qual seu governo, na verdade, jamais se recuperou.

Por que tantos e tantos choques e surpresas? Obama chegou à presidência sem antes ter comandado coisa alguma. Indicou servidores com ares de muito bem qualificados, mas (como depois se viu) completamente ineptos, com nenhuma das habilidades indispensáveis para administrar. Steven Chu, secretário de Energia no primeiro mandato de Obama é dono de um Prêmio Nobel em Física, mas promulgou sem reagir a “acima exposta” política energética, que incluía, com ecumênica indiferença, energia nuclear, perfuração em águas profundas, perfuração no Ártico e extração xisto (fracking). Kathleen Sebelius, secretária da Saúde e Serviços Humanos, fora governadora do Kansas e leal apoiadora de Obama, mas sem qualquer experiência de administração em larga escala, antes de ver chegar ao seu gabinete o gigantesco aparelho da [lei] “Affordable Care Act”. O mesmo se pode dizer de Eric Shinseki, general famoso por dizer a verdade sobre o número de soldados necessários para tornar seguro o Iraque. Shinseki foi mal posto como administrador dos Assuntos dos Veteranos, e demitido apenas poucas semanas depois de Sebelius.

“Desengajamento” passou a ser a palavra polida para designar a relação de Obama com suas próprias políticas. Ausente, não cobrado e absolvido foi como se viu Obama na crise da Ucrânia que cresceu ao longo dos meses de janeiro e fevereiro. O golpe para derrubar Yanukovich e a tomada do poder por um governo provisório em Kiev foram antecipados e de fato encorajados pela comissão de Europa e Eurásia do Departamento de Estado. A secretária-assistente encarregada era Victoria Nuland, neoconservadora muito bem-sucedida no processo de transição, em 2009, da equipe de Dick Cheney, para a equipe de Hillary Clinton. Nuland é casada com o cofundador do “Projeto para o Novo Século Norte-americano” [orig. Project for the New American Century], Robert Kagan, um dos principais promotores da Guerra no Iraque. É provável que o mundo jamais venha a saber o que Obama supunha que Nuland planejava fazer quando ela voou para a Praça Maidan e lá reapareceu, distribuindo comida aos manifestantes contra a Rússia e a um passo das fronteiras russas. Mas a mensagem já circula amplamente: Obama é um homem que não se empenha muito para saber muito das coisas. Sobre a Ucrânia, parecia longe e distanciado da ação, possivelmente sem nada saber das implicações do investimento do seu Departamento de Estado na sociedade civil e na promoção da democracia para a Ucrânia: e foram mais de US$ 5 bilhões desde 1991 – como Nuland revelou em sessão do National Press Club, em 13 de dezembro de 2013 – soma gigantesca, pelos padrões da Agência USAID. Obama delegou ao seu secretário de Estado, John Kerry, o controle sobre a posição pública dos EUA no mundo. Resultado disso com a Ucrânia em 2014, como com a Síria em 2013, foi tornar a situação ainda mais confusa, cada dia mais carregada de oportunidades para hostilidades entre EUA e Rússia. Até que, no final de março, Obama pronunciou um discurso ante a União Europeia em Bruxelas, no qual expôs a débâcle, mas travestida como se fosse política.

A despreocupação, o descaso com que Obama vê Cheney semear nos canteiros de sua própria política é característico e revelador. Como Barton Gellman revelou em Angler, ainda o melhor livro sobre Cheney, o vice-presidente em 2001 recebeu carta-branca para encher todos os departamentos e agências do governo com trabalhadores de primeiro e segundo escalão que fossem fanaticamente leais a ele-Cheney. Muitos daqueles ainda permanecem por lá; Obama não fez esforço algum para preservar o próprio governo contra a influência deles. O desgosto contra Bush e Cheney, mesmo no Partido Republicano, era generalizado no início de 2009 e dava real poder de alavancagem a qualquer novo presidente. Mas a ideia de que o país tinha de voltar a ser estado de direito não prosperou sob Obama; até a expressão “estado de direito” deixou de ser ouvida. Não se viu sequer um criminoso de Wall Street que tenha sido processado; não se viu sequer uma ação judicial contra advogado que tenha defendido a tortura; ou contra funcionário público que tenha ordenado a tortura nos EUA ou em qualquer lugar do mundo em nome dos EUA; ou contra agente do governo dos EUA que torturou. Onde Cheney e Bush são vistos e ressentidos como instigadores desses crimes, Obama é tido como coadjuvante, cúmplice ou corresponsável.

O modo descontraído e relaxado com que lida com a Constituição, finalmente pôs o presidente Obama do lado oposto ao de seus mais fiéis aliados, mesmo entre os Democratas centristas. A Casa Branca está agora envolvida em luta-livre com a presidente da Comissão de Inteligência do Senado, Dianne Feinstein, tida como defensora rotineira dos interesses da polícia e dos serviços de inteligência, contra cidadãos e suspeitos. A recusa da CIA, mesmo com meses de atraso, a aprovar a entrega a uma comissão do Senado do relatório de suas ações desde 2001, levou Feinstein, afinal, a questionar o papel da Casa Branca, na ocultação do relatório. Feinstein interpretou o elaborado show de imparcialidade de Obama como uma extensão a mais do privilégio executivo, contra o braço do governo responsável pela fiscalização.

A ação executiva foi mais uma vez a opção de Obama, quando acertou o retorno, dia 31 de maio de 2014, de Bowe Bergdahl, prisioneiro norte-americano no Afeganistão, trocado por cinco Talibã que permaneciam presos em Guantánamo. E dia 2 de junho de 2014, a Agência de Proteção Ambiental, com apoio explícito de Obama, anunciou novos limites de carbono calculados para encurtar a vida de usinas movidas a carvão. Essas duas ações, uma doméstica, outra com efeitos fora do país, foram os movimentos mais firmes de Obama, em cinco anos. Mas ambos foram apresentados como decisões do Executivo, nada devendo a político algum, nenhum dos quais foi consultado. Democratas preocupados com eleições e que não foram consultados, teriam relutado a defender a troca de prisioneiros; e democratas dos estados de minas de carvão, como West Virginia e Kentucky já está denunciando ativamente os novos limites de carvão. E essa determinação de Obama, que insiste em fazer as coisas enquanto pode nos seus últimos anos de governo, e em agir sozinho quando não pode agir com o Congresso agora o prendeu e comprometeu-o de tal modo, que Obama está absolutamente sem saída. Aquelas são decisões que, pela própria natureza, não podem ser canceladas. Se o Partido Republicano já não tivesse desperdiçado um pedido de impeachment há pouco tempo demais contra Bill Clinton ele, com certeza, teria respondido à fúria que subia das suas fileiras, e teria castigado Barack Obama, com um impeachment.

*

O Tea Party tem fama de ser o lar dos liberais-libertaristas norte-americanos: defensores da separação dos poderes e da Bill of Rights, especialmente da 1ª, 2ª, 4ª e 5ª emendas – que protegem, respectivamente: a liberdade de expressão, de prática religiosa e de reunião pacífica; o direito de portar armas; o direito dos cidadãos de serem protegidos contra investigações, espionagem e prisão arbitrárias; e o direito de não ser acusado de crime capital, ou condenado ou punido sem o devido processo legal. Mas o Tea Party abriga crentes-defensores de mais dois tipos, além dos libertaristas de “direitos”: os defensores fanáticos da propriedade e dos lucros privados (não importa o meio pelo qual tenham sido adquiridos); e os odiadores da ação do estado e também do próprio estado, exceto para efeito de prender criminosos e fazer guerra aos inimigos do estado... Até aqui, só um candidato viável que não é membro inscrito do Tea Party parece preparado a candidatar-se à presidência em 2016. Trata-se de Jeb Bush, ex-governador da Florida, irmão caçula de George W. e, segundo o pai deles, o mais sensível dos irmãos.

Enquanto isso, os aspirantes do Tea Party são gente bem estranha, que refletem as características ainda não plenamente definidas do Partido. Marco Rubio, o simpático jovem senador pela Florida, de fala fácil, simpática e rasa, que pode ser equipado para recapturar o voto dos hispânicos de que os Republicanos precisam, se querem sobreviver. Rubio foi apanhado numa mentira há alguns meses: mudou a data da saída de seus pais de Cuba, para mostrá-los como fugitivos de Castro e do comunismo. Mas foi logo perdoado: nos estados do sul em geral, a doença anti-Castro já nada tem a ver, hoje, nem com Castro nem com algum comunismo, nada significa coisa alguma e... Rubio foi absolvido. Ted Cruz, jovem senador do Texas, formado em Princeton e na Faculdade de Direito de Harvard, apresenta-se também como norte-americano por adoção, grato filho de família EUA-cubana (embora tenha nascido no Canadá). É estranhamente parecido, no físico, com Joe McCarthy – um McCarthy bem barbeado, que não bebe, nem deixa beber, sem a pele flácida e as pálpebras avermelhadas pelas noitadas. Cruz fala bem, em tom suave e artisticamente mole, sempre em tom de acusação: um modo de falar que se suporia já morto e enterrado com McCarthy, mas o ódio e o ressentimento nacionalistas deixam sotaque que persiste e persiste.

“O líder incontestável do partido” no Texas (segundo o Dallas Morning News), o senador Cruz prometeu levar para a política nacional a plataforma de 2014 dos Republicanos do Texas. Elementos da plataforma são, dentre outros: selar a fronteira com o México e proibir anistia para imigrantes ilegais; permitir que proprietários de empresas neguem emprego a pessoas que considerem moral ou ofensivas, por motivos religiosos; abolição de todos os impostos sobre a propriedade; extinção da Agência de Proteção Ambiental; fim do salário mínimo; fim de qualquer “ação afirmativa”; apoio à “terapia de reparação” para converter homossexuais às práticas heterossexuais; e fim da loteria estadual. Qualquer esperança de que o establishment Republicano venha a suavizar os rigores desse programa diminuiu consideravelmente quando, dia 10 de junho de 2014, um insurgente do Tea Party derrotou Eric Cantor, líder da maioria no Senado, nas eleições primárias Republicanas no distrito de Cantor na Virginia. Cantor é considerado o representante de Bibi Netanyahu nos EUA e supunha-se que tivesse demarcado o limite máximo de intransigência Republicana durante o debate do teto da dívida em 2011. O homem que derrotou Cantor, com orçamento ínfimo, Dave Brat, é professor de Economia, denunciador do capitalismo-de-comadres e alarmista anti-imigrantes. “O cara” – escreveu o blogueiro que se assina Pangloss, em tom de absoluta surpresa – “achou espaço para se meter à direita de Cantor”.

Rand Paul, filho do libertarista Ron Paul, permanece, como Cruz, candidato ao apoio do Tea Party em 2016. Está entre os mais interessantes políticos contemporâneos, mas, também, entre os mais difíceis de seguir, por sua inconsistência. O discurso de Paul, contra a nomeação de John Brennan para dirigir a CIA, e que se tornou ação de 13 horas de presença ininterrupta na tribuna, para bloquear a ordem de Obama que autorizaria ataques com drones, foi evento que fez história em 2013, mas que, como depois se viu, não passou de prelúdio sem sequelas. Outros atos mais prudentes de Paul como candidato, como um adiamento errado de votação sobre mudança climática, a viagem que fez a Israel (com todo o ritual usual de servilismo), a solução oportunista que ofereceu para a questão da Ucrânia (entregue tudo aos russos, corte relações com todos eles e deixe que a Ucrânia quebre os russos), nada sugerem além das ideias-fixas obsessivas do pai. Mesmo assim será interessante ver quanto do liberal-libertarismo de Ron Paul, que não é partilhado por nenhum outro político de expressão nacional, pode vir a ser representado, seja como for, por Rand.

Em 21 de maio de 2014, Ron Paul fez um extraordinário discurso contra a nomeação de David Barron para a Corte Federal de Apelações; argumentou que Barron, autor do memorando secreto em que expôs argumentos a favor de o presidente assassinar cidadãos norte-americanos mediante o uso de drones, evidentemente era homem que acalentava ideias sobre o poder executivo que, elas próprias, o desqualificavam para o cargo de juiz. Paul instruiu-se nos escritos de jornalistas que não são, de modo algum, considerados da direita nos EUA, como Glenn Greenwald e Conor Friedersdorf; e apoiou toda a sua crítica na importância de o acusado ser julgado por júri qualificado, e na exigência de prova além de qualquer dúvida razoável:

Naqueles memorandos [que Barron redigiu para o presidente] há um padrão diferente (...) O padrão é que um assassinato seria justificado quando “um funcionário informado, de alto nível, do governo dos EUA tenha determinado que o indivíduo-alvo impõe ameaça iminente de ataque violento contra os EUA”. Assim sendo, já não se está usando a dúvida razoável como parâmetro. Esse padrão foi deixado de lado. Agora, já estamos falando de funcionár4io de alto nível, bem informado, que decide, em segredo, que algum ataque estaria para acontecer. 
Interessante sobre “ataque iminente” é que já não nos pautamos pelo que se entende por “iminente” (...) É nova definição do sentido de “iminência” que já não inclui a palavra “imediatamente” (...) O presidente crê, no que tenha a ver com a privacidade, na 4ª emenda, e no que tenha a ver com matar cidadãos norte-americanos, na 5ª emenda, que, se houver meia dúzia de advogados para reler o processo, pronto, já será o devido processo legal. É apavorante, porque isso nada tem a ver com “devido processo legal” (...) Não há devido processo legal se há segredos, processos internos reservados só ao Executivo (...) Da próxima vez, para assassinar um cidadão norte-americano, farão tudo em segredo, só o Executivo saberá do que o Executivo faz, porque essa é a nova norma. 
Vocês estão votando no homem que tornou possível esse precedente histórico pelo qual nós agora podemos assassinar norte-americanos em outros países do mundo. Em segredo – um braço do governo é o assassino – sem representação legal, sem processo legal, tudo baseado numa acusação e em nenhum a defesa. Deixamos para trás o critério da culpa provada além de qualquer dúvida razoável, e abraçamos o critério de que basta uma acusação, para a execução. Estou horrorizado, mas estamos exatamente nesse ponto (...) Temos de nos perguntar nós mesmos: quanto vale o conceito da inocência presumida?

No segundo período de Obama na presidência, coube a um Republicano enunciar essas palavras sobre liberdades civis – embora tenha sido o único no partido dele. Ao contrário, o professor da Faculdade de Direito de Harvard que escreveu aqueles memorandos para justificar o assassinato de cidadãos norte-americanos pelo estado norte-americano e sem o devido processo legal foi visto com máxima consideração pelo establishment liberal, porque tem posição “boa” sobre o casamento gay. Os Democratas têm maioria no Senado, e a nomeação de Barron para a Corte de Apelação já foi aprovada.

A anomalia do discurso de Paul no campo da oposição, e o voto Democrata a favor do advogado dos drones apontam para enigma muito mais profundo. Um perigoso e não dito acordo na política norte-americana cresceu e cresceu quando ninguém estava olhando, e hoje une a esquerda liberal e a direita autoritária. A esquerda liberal e a direita autoritária concordam no apoio não questionado a um governo sem controles e contrapesos; e coube à presidência de Obama cimentar o acordo. O aparelho de Estado que apoia guerras e a indústria de armas para os Republicanos gera bem-estar e direitos expandidos para os Democratas. Os Democratas pouco se incomodam com as guerras, mas tendem a aceitá-las e prescrevê-las pelo que obtêm em troca. Os Republicanos odeiam tudo que se pareça com gastos públicos a favor de qualquer “bem-estar”, mas não conseguem escapar de serem acusados de hipócritas quando votam a favor de gastos públicos sempre crescentes para os militares.

No final de maio, Obama acrescentou mais dois anos e meio ao prazo final que ele mesmo demarcara para retirar os soldados norte-americanos do Afeganistão. A data final para a retirada, agora, será em dezembro de 2016. Dois dias depois, recebeu na Casa Branca um “Concussion Summit” [ap. Cúpula das Cabeças Quebradas (NTs)], que discutiu efeitos de ferimentos na cabeça em crianças pequenas – exatamente o tipo de coisa que os Republicanos adoram usar como tema de zombaria, porque lhes parece atividade descabida para a dignidade do presidente. Entre o anúncio do prazo final da retirada do Afeganistão e o evento das “Cabeças Quebradas”, Obama fez um discurso em West Point, na formatura dos cadetes, que foi anunciado pelos assessores como a principal formulação da doutrina de política externa de Obama. O discurso é manifestação completa e consumada da tendência “nem isso, nem não isso, antes o contrário”, do presidente, embora ratifique a barganha contra o poder do estado, que é a força dominante na política dos EUA. Disse que os EUA vão se engajar em mais atividades militares do que jamais antes, mas como menos norte-americanos mortos. Vamos cuidar do bem-estar dos norte-americanos em primeiro lugar, sem esquecer que temos de defender coisa mais ampla e mais difícil de limitar: nossos “interesses básicos” e nosso “modo de vida” [orig. our “core interests” and our “way of life”].

A epígrafe invisível do discurso de Obama deve ter vindo de Madeleine Albright, secretária de Estado no segundo governo de Bill Clinton. “Se temos de usar a forçar”, disse Albright, “é porque somos os EUA; somos a nação indispensável. Estamos acima e vemos mais longe que outros países na direção do futuro”. Exatamente nesse espírito, Obama disse aos cadetes formandos de West Point que os EUA têm de liderar o mundo, embora não possam policiar o mundo. Por isso é indispensável um consenso internacional para aplicar “normas internacionais”. Essa expressão final tornou-se peça básica do mobiliário intelectual de Obama: normas internacionais existem para ampliar a diferença que separa a lei internacional (que os EUA reservam-se o direito de violar) e a nova “ordem mundial”, da qual os EUA são O Criador e devem permanecer como O Guardião.

“Nos retiramos do Iraque”, disse Obama; e estamos “encerrando nossa guerra no Afeganistão”; a liderança da al-Qaeda foi dizimada nas regiões de fronteira entre Paquistão e Afeganistão e Osama bin Laden já não existe”. Assim sendo, “a questão que enfrentamos (...) a questão que cada um de vocês enfrentará não é se os EUA liderarão, mas como os EUA liderarão”. Mas por que os EUA teriam de só liderar e fazer e acontecer? Porque “se não fizermos, ninguém mais fará”. Como se vê, a deferência ao chiliquismo nacionalista de Albright foi mantida, e deixou aberta uma porta para a doutrina da guerra humanitária inventada por Samantha Power – sucessora de Albright como embaixadora dos EUA à ONU, onde se converteu na mais consultada consultora de Obama para questões de sabedoria sobre engajamentos estrangeiros. Power ajudou Obama a reescrever seu segundo livro e bem pode ter ajudado a redigir o próprio discurso de West Point. Em homenagem àquele modo de pensar, que mistura persuasão, força e bote salva-vidas em resgate de emergência, “a ação militar dos EUA” – Obama prosseguiu – “não pode ser o único, sequer pode ser componente primário de nossa liderança em todos os casos”. O modo preferencial para tratar de problemas internacionais que “agridem a consciência” será multilateral. Mas os EUA, porém, usarão unilateralmente a força “quando nossos interesses básicos assim o exigirem; quando nosso povo estiver ameaçado; quando nossa vida estiver em risco; quando a segurança de nossos aliados estiver em perigo”.

Cada uma e todas as palavras dessa última passagem é, são, ambíguas. A frase inteira é como um convite aos que caçam ambiguidades como oportunidade para usar armas e fazer guerras. Mas... quem é “nosso povo”? Inclui os espiões e os que ouvem nossas conversas telefônicas? As forças especiais que operam na ilegalidade? Mas a palavra mais escorregadia de todas, aí, é a de sempre, eterna desculpa para “ação” e mais “ação”: segurança. Na sequência, então, vinha uma frase que é puro Obama: “A opinião internacional interessa, mas os EUA não precisamos pedir permissão para proteger nosso povo, nossa pátria ou nosso way of life”. Em resumo: até que nos esforçamos para respeitar a opinião internacional, tentando obrigar todos a concordarem conosco; mas, de fato, fazemos o que bem entendemos: impor “normas internacionais” pela violência não é crime que se compare a guerra de agressão, não importa o que diga a “opinião internacional”. O presidente Obama e o secretário de Estado pediram US$ 5 bilhões ao Congresso para apoiar “um novo fundo de parceira para o contraterrorismo” que “amparará países parceiros nas linhas de frente”. Cinco bilhões é eco do dinheiro de que Nuland falou no caso da Ucrânia (vídeo no fim do parágrafo, em inglês), e traz à mente o curioso fato de ajuda externa, seja violenta, seja não violenta, tem vindo muito mais frequentemente do Departamento de Estado, que do Departamento de Defesa. A Síria será o primeiro cenário de ação para esses fundos; parceiros devem ser o Líbano, a Turquia, o Iraque e a Jordânia. “Creio no excepcionalismo norte-americano” – disse Obama na conclusão – “com cada fibra do meu ser”. Essa formulação tem-se convertido em fórmula-juramento de fidelidade, com a mão sobre o coração, que se espera de todos os presidentes norte-americanos; e Obama pronunciou as sílabas com as necessárias reverência e unção. Mas imediatamente acrescentou que “os EUA desejam trabalhar com a OTAN, a ONU, o Banco Mundial e o FMI” (todas as organizações internacionais e financeiras juntas, sem qualquer distinção nem pausa).

*

Qual pode ser a razão de Obama para decidir “parceirizar” o treinamento contraterrorista e o suprimento de armas para prolongar a guerra na Síria? Não parece ser via que o interesse, se quer acordo com o Irã para usar como “chave de ouro” de sua política exterior. Mas Obama tem uma propensão, que não há via racional que justifique, para prometer coisas que parecem fortes, imediatamente depois cancelar tudo e depois fazer qualquer coisa, seja lá como for. A Síria no verão e outono de 2013 foi o pior momento possível para Obama fazer as coisas desse modo e à vista de todos. Da ameaça à hesitação, à declaração de guerra, a abortar o ataque, porque apareceu solução vinda de fora e que não exigia uso de força: a sucessão tonta de posturas “de guerra” ostentadas e abandonadas ano passado continuará agora, numa guerra por procuração, mais uma, afinal de contas.

O pior erro norte-americano da década passada foi falar de uma guerra ao terror, em vez de uma operação de política internacional cooperativa. Obama não gosta de pronunciar a expressão “guerra ao terror”, mas vive a falar em termos de prontidão bélica e capacidade bélica e leva os norte-americanos a assumirmos, como coisa garantida, que teremos de nos meter em mais de uma guerra de cada vez, e por mais de uma geração. É instrutivo que Dick Cheney, em 2002 e 2003, tenha dito, repetidamente, com essas palavras, que uma hipotética política de defesa poderia vir a ser descrita como “criminosa” ou “política”; e que falasse dessas descrições sempre em tom de desprezo. Ele sabia que, se algum dia o senso comum conseguisse imperar, o pânico, sem o qual sua própria política não sobreviveria, ficaria sem combustível. Fato é que, desde 2002, com exceção dos primeiros meses no Afeganistão e no Iraque, os EUA só fazem lutar contra insurgências. Os inimigos são rebeldes que fazem oposição a governo que os EUA queremos-porque-queremos que lá permaneçam, no Afeganistão, no Iêmen, na Somália e agora também na Líbia. Adeptos da guerra humanitária – Hillary Clinton e Samantha Power sobretudo – em sua loucura para fazer acontecer a guerra na Líbia, amassaram o alvo e confundiram o objetivo, convertendo os EUA em oponentes também de um governo soberano e reclamando para eles a prerrogativa de pôr-se contra governos e divulgar seus crimes, ao mesmo tempo em que encobrem, ignoram e fazem ignorar os crimes de (alguns) rebeldes. Na sequência, aplicaram o mesmo “princípio” à Síria. Os detalhes talvez desagradem Cheney, mas o resultado segue as “linhas” de Cheney. A nova “parceiragem” de Obama no contraterrorismo significará que não há problema algum em meter o país em uma dúzia de diferentes pequenas guerras simultâneas por aí, pelo mundo inteiro.

A próxima eleição já está sendo prejudicada pela imprensa. Já se sabe – já praticamente todos aceitamos – que a candidata dos Democratas será Hillary Clinton. Foi prestimosa secretária de Estado de Obama. Nunca disse bobagens descuidadas e altamente repetíveis que pudessem embaraçar o presidente, como vive a fazer seu sucessor, John Kerry, vezes sem fim. Mas, ao mesmo tempo, Clinton fez do Afeganistão provação muito mais difícil e mais longa, para Obama, quando ela se pôs ao lado dos generais; e cavou trincheira personalizada, para Obama e para os EUA, quando pressionou obsessivamente pela derrubada de Gaddafi. Mrs. Clinton anda ocupadíssima, agora, posicionando-se à direita de Obama. Faz sentido para ela e sua concepção de consenso dominante, como já fez também em 2008. Em semanas recentes, ela tem confessado uma queda já antiga por armar forças rebeldes na Síria; comparou Putin a Hitler; e até sugeriu que sua ideia sobre o Irã é menos positiva que a de Obama: ninguém deve esperar barganha decente das negociações sobre o processamento de urânio. É abordagem sórdida, acanalhada; afinal, pode, sim, acontecer como ela “prevê”. Iraque – guerra a favor da qual ambos, Hillary Clinton e John Kerry, votaram – foi uma catástrofe que bem deveria nos tornar mais atentos; mas desde que as tropas norte-americanas partiram, nos dedicamos a nos convencer de que nada temos a ver com a violência que destruiu o Iraque. Pois mesmo assim, Obama respondeu à rebelião de junho/2014 no Triângulo Sunita, com o envio de 275 marines para ajudar da defesa da embaixada dos EUA em Bagdá. Como se na sequência tivesse “pensado melhor”, pressionado, meteu logo na mesma lista mais 300 “conselheiros” militares; e já avisou que pode ordenar ataques aéreos e massacres por drones. Os neoconservadores estão em marcha outra vez, para as páginas das colunas assinadas nos jornais da imprensa-empresa. O Partido Republicano e alguns Democratas dizem que os EUA devem fazer mais (embora não saibam exatamente o quê). A julgar pelo caos na região (Oriente Médio e Ásia Central) e pela confusão que reina na classe política nos EUA, cujos mais ambiciosos membros continuam a superar-se sempre uns aos outros em matéria de pensamento e postura delirantes, ainda terá de haver ecos e ecos dos desastres do Iraque, Líbia e Afeganistão, antes que os EUA sejam obrigados a recomeçar a pensar.

Postagem em destaque

Entregadores de aplicativos precisam ter contrato de trabalho? SIM

Flexibilidade de horários não é incompatível com o direito do trabalho Renan Kalil Folha de S.Paulo Procurador do trabalho, doutor ...