21 de junho de 2014

O outro Dia D... e o início da Guerra Fria

Foi a ofensiva de verão do Exército Vermelho na Bielorrússia, em 1944 - um Dia D que o Ocidente esqueceu - que ajudou a acabar com a guerra e redesenhou o mapa da Europa.

David Reynolds

The Guardian

Joseph Stalin e Winston Churchill na Conferência de Yalta, em 1945. Foto: Photoquest/Getty Images

Tradução / Houve dois Dias D em junho de 1944. Os desembarques de Normandia de 6 de junho, a Operação Overlord, tão comovedoramente evocada faz duas semanas, formam parte da memória nacional britânica. O outro dia segue sendo praticamente desconhecido, tanto entre nós como na América. No entanto, foi igualmente importante para concluir a Segunda Guerra Mundial. E também marcou o início da Guerra Fria na Europa.

Na noite de 21-22 de junho de 1944, o Exército Vermelho lançou sua ofensiva de verão na Bielorrússia, aos três anos completos do dia em que Hitler invadiu a União Soviética. Em 1941, os alemães haviam alcançado uma surpresa completa, cercando a milhões de soldados soviéticos e empurrando-os com enorme pressão até Moscou e Leningrado. No entanto, em 1944, o jogo virou. A Operação Bagration, batizada com o nome de um marechal czarista que havia lutado contra Napoleão, atingiu a Wehrmacht sem aviso prévio. Em cinco semanas, o Exército Vermelho avançou 700.000 quilômetros, atravessando Minsk até chegar aos arredores de Varsóvia e rasgando as entranhas do Grupo de Exércitos Centro de Hitler. Qause 20 divisões alemãs foram completamente destruídas e outras 50 seriamente atingidas, um desastre ainda pior que Stalingrado.

Este imponente êxito soviético aconteceu enquanto Overlord continuava estava presa nas sebes e becos da Normandia. Não foi até o final de julho, conforme Bagration ia perdendo gás, quando os exércitos de Eisenhower conseguiram sair e lançarem-se através da França para libertar Paris em 25 de agosto e Bruxelas em 3 de setembro. Em conjunto, Overlord e Bagration atingiram um duplo revés que deixou destruiu o Reich dos Mil Anos. Finalmente, a Alemanha teve de lutar uma guerra em duas frentes no norte da Europa, um pesadelo que Hitler tinha conseguido evitar desde 1939, e o povo alemão já podia ver o que se aproximava. Não é casual que em 20 de julho oficiais dissidentes tentaram de assassinar o Führer em uma tentativa corajosa, mas quixotesca de estabelecer a paz antes que a Alemanha terminasse arruinada.

Bagration ajudou a acabar com a guerra, mas também foi um sinal de coisas futuras. Quando o Exército Vermelho se aproximou de Varsóvia, o Exército do Interior polonês se levantou contra a brutal ocupação nazista. As forças soviéticas estavam exauridas e não podiam se dirigir para uma grande cidade, mas a recusa de Stalin em oferecer apoio uniforme para os poloneses ou permitir que os aviões de abastecimento britânicos e americanos utilizassem aeródromos controlados por soviéticos, enviou uma mensagem arrepiante para os aliados ocidentais.

Grande parte da Polônia havia sido subsumida no antigo império tsarista. Em 1920, os bolcheviques e os poloneses travaram uma guerra brutal pelas fronteiras da Polônia recentemente independente, que viu as tropas polonesas capturar brevemente Kiev antes de serem levadas de volta a Varsóvia. Duas décadas depois, Stalin estava determinado a resolver a questão. Em 1940, ele secretamente massacrou grande parte do corpo de policiais da Polônia em Katyn; quatro anos depois, ele observou alegremente os alemães esmagar a insurgência de Varsóvia - descrevendo seus líderes anti-soviéticos como um "punhado de criminosos que procuram o poder" - antes de invadir o país a seu bel-prazer.

No início de setembro de 1944, com as tropas de Eisenhower entrando nos Países Baixos, parecia que a segunda guerra mundial acabaria no Natal. Mas então os Aliados não conseguiram atravessar o Reno e a frente ocidental ficou atolada. Na memória britânica, o outono de 1944 centra-se na famosa "ponte longe demais" em Arnhem, enquanto que, na frente leste, Stalin fez avanços ainda mais dramáticos, quando o Exército Vermelho esmagou a Romênia e a Bulgária através da Iugoslávia e a Hungria. O líder que, pouco mais de um ano antes, tinha controlado apenas dois terços do seu país agora dominava boa parte do leste europeu.

Durante a Guerra Fria, a conferência de Yalta de fevereiro de 1945 foi muitas vezes estigmatizada no Ocidente, como o momento em que Roosevelt e Churchill "entregaram" a metade da Europa a Stalin. Na realidade, não houve transferência em 1945, mas uma conquista de terra em 1944, um subproduto da derrota alemã. Na época de Yalta, os soviéticos controlavam a Polônia e boa parte dos Balcãs: como admitiu Roosevelt em particular, tudo o que ele e Churchill podiam esperar era "melhorar" essa situação.

Tan importante como Yalta fue el encuentro de Churchill con Stalin cuatro meses antes. Aunque se trataba de un ardiente enemigo de lo que antaño había llamado "la fétida ridiculez del bolchevismo", Churchill albergaba una paradójica fe en la decencia esencial de Stalin, nacida de dos intensos encuentros bien regados con alcohol en 1942 y 1943. El dirigente soviético, aunque duro al hablar, resultó ser un tipo sin pretensiones, serio en sus tratos, con un sarcástico sentido del humor. "Sólo con cenar con Stalin una vez a la semana", le dijo Churchill a un periodista británico, "se acabarían los problemas. Nos llevamos a las mil maravillas".

Tão importante quanto Yalta foi a reunião de Churchill com Stalin quatro meses antes. Apesar de ser um ardente inimigo do que ele chamou de "o babuíno imundo do bolchevismo", Churchill mantinha uma fé paradoxal na decência essencial de Stalin, nascida de duas reuniões de cúpula intensas e abafadas em 1942 e 1943. O líder soviético, apesar de duro ao falar, era muito despretensioso e comercial, com um senso de humor sarcástico. "Se eu pudesse jantar com Stalin uma vez por semana", disse Churchill a um jornalista britânico, "não haveria nenhum problema. Tudo correu às mil maravilhas".

Con ese espíritu voló Churchill a Moscú en octubre de 1944, tratándose de llegar a un acuerdo sobre la forma que adoptarían los Balcanes en la postguerra antes de que se cerrara la tenaza del Ejército Rojo. El resultado fue el tristemente célebre acuerdo sobre "porcentajes" cerrado con Stalin a altas horas de una noche en el Kremlin. El objetivo de Churchill estribaba en preservar la influencia británica en Grecia y con suerte, en Yugoslavia. Se aseguró de lo primero, y afirmó posteriormente a menudo que Stalin "nunca rompió su palabra en lo tocante a Grecia". Pero eso se consiguió consintiendo de facto el predominio soviético a lo largo y ancho de casi todos los Balcanes.

Nesse espírito, Churchill voou para Moscou em outubro de 1944, buscando chegar a um acordo sobre a forma dos balcãs do pós-guerra antes que o Exército Vermelho garantisse seu controle. O resultado foi o agora notório acordo de "percentuais" concluído com Stalin tarde da noite no Kremlin. O objetivo de Churchill era preservar a influência britânica na Grécia e, esperava, na Iugoslávia. Ele assegurou o primeiro, muitas vezes dizendo que Stalin "nunca disse uma palavra sobre a Grécia". Mas isso foi obtido concedendo o efetivo predomínio soviético sobre os Balcãs.

Para cuando se llegó al acuerdo sobre porcentajes, y no digamos a Yalta, poca diferencia podía suponer la diplomacia. El nuevo mapa de Europa se había decidido, no en la mesa de la conferencia sino en el campo de batalla. Y en esa historia sangrienta, no debería olvidarse el otro día D de junio de 1944. "Esta guerra no es como las del pasado", le dijo Stalin a un comunista yugoslavo: "quien ocupa un territorio impone también su propio sistema social. No puede ser de otra manera". La paranoia soviética sobre su seguridad resultaba comprensible tras la pérdida de 28 millones de ciudadanos. Pero su obsesión con una zona de parachoques en Europa Oriental definiría la Guerra Fría, con un ingente coste humano.

No momento do acordo de porcentagens, e muito menos em Yalta, a diplomacia poderia, de fato, fazer pouca diferença. O novo mapa da Europa não havia sido decidido na mesa da conferência, mas no campo de batalha. E naquela história sangrenta, o outro dia D de junho de 1944 não deve ser esquecido. "Esta guerra não é do passado", disse Stalin a um comunista iugoslavo: "quem quer que ocupe um território também lhe impõe seu próprio sistema social... tanto quanto seu exército possa alcançar. Não pode ser de outra forma ". A paranoia soviética sobre segurança era compreensível após a perda de 28 milhões de cidadãos. Mas a obsessão com uma zona de amortecimento no leste europeu definirá a Guerra Fria, com um enorme custo humano. E a perda dessa proteção de segurança ainda assombra a Rússia de Putin.

Sobre o autor

David Reynolds preside o Departamento de História da Universidade de Cambridge, em cujo Christ's College leciona, tendo se especializado nas duas guerras mundiais e na Guerra Fria. Escreveu e apresentou vários documentários históricos para a BBC, é membro desde 2004 da Academia Britânica e em 2008 recebeu o prestigiado prêmio de história Wolfson. Seu libro mais recente é A longa sombra: A grande guerra e o século XX.

Nenhum comentário:

Postar um comentário