19 de junho de 2014

Estratégia eleitoral para a esquerda

Os desafios políticos independentes são bem-vindos, mas quebrar o sistema bipartidário exigirá esforços que vão além das urnas.

Jennifer Roesch


Tradução / Quase seis anos sob a presidência neoliberal do Obama, há crescentes sinais de descontentamento entre as bases de voto tradicional dos democratas. Apesar de ambas as vitórias eleitorais de Obama poderem ser atribuídas ao surgimento de eleitoras/es jovens, femininos, negros, latinos e das classes trabalhadoras, estes são precisamente os grupos que mais têm sofrido com a crise econômica e com o envolvimento do seu governo com a austeridade. Isto é parte da razão porque, pela primeira vez desde 2000, há um espaço de abertura na política prevalecente à esquerda do partido democrata.

Em Seattle, a campanha do socialista Kshama Sawant para o Conselho Municipal foi capaz de conseguir o apoio de círculos eleitorais, incluindo alguns sindicatos, que normalmente iriam apoiar os democratas. No condado de Lorain, Ohio, sindicalistas irritados com o presidente da Câmara e vereação locais, Democratas, romperam fileiras e candidataram a sua própria lista independente com duas dúzias de candidatos do mundo do trabalho — tendo quase todos ganho. Isto representa mais uma flexão do músculo do Trabalho diante da traição democrata, do que uma ruptura firme, mas aponta para uma base potencial de classes trabalhadoras para uma alternativa política independente.

Estes são exemplos relativamente pequenos e localizados mas que refletem uma real e crescente frustração e impaciência que vai além da esquerda radical e chega às classes trabalhadoras americanas. A vitória de Sawant em Seattle pode ter sido ajudada pelo apoio de um jornal independente em voga e uma base de voluntários de esquerda, mas os seus temas de campanha eram solidamente da classe trabalhadora e os seus votos vieram esmagadoramente de famílias ganhando menos de 40.000 dólares por ano. O presidente da Câmara de Nova York, Bill DiBlasio, mantém-se um democrata solidamente comprometido, mas a sua campanha de "Um conto de duas cidades" reflete também um afastamento economicamente populista do status quo.

Que rumo isto vai tomar está ainda para se ver. Enquanto se está a abrir espaço para desafios políticos independentes, os progressistas que veem possibilidades de criação de uma ala esquerda dentro do partido democrata darão também um passo em frente. O artigo recente de Adolph Reed "Nothing Left" criticando o compromisso dos liberais para com os democratas foi reportagem de capa da Harper e levou a uma entrevista sobre Bill Moyers.

Que o seu argumento possa ter obtido este tipo de atenção é um sinal da abertura que existe. Mas a resposta de Michelle Goldberg acusando Reed de niilismo eleitoral dá para ter uma ideia da oposição que os liberais irão desenvolver à medida que nos aproximamos das eleições de 2016.

O estrangulamento por parte do sistema bipartidário foi, juntamente com o racismo, um grande obstáculo ao desenvolvimento da consciência e da organização da classe trabalhadora nos Estados Unidos. Isso significou que o debate político dominante manteve-se incrivelmente estreito, conduzido em termos em grande parte aceitáveis pela classe capitalista e que criou uma pressão inevitável sobre os movimentos sociais para se adaptarem à "política do possível".

Se os movimentos sociais e laborais hão-de sair deste ciclo, isso terá de significar uma rutura real para a esquerda do Partido Democrata. Enquanto alguns dos desenvolvimentos no mais recente ciclo eleitoral são encorajadores, isto não é de forma alguma tarefa fácil.

A última vez que houve um significativo desafio eleitoral à esquerda do Partido Democrata foi aquando da campanha presidencial de Nader em 2000. Embora Nader não fosse nenhum socialista, desafiou consistentemente e com sucesso o sistema bipartidário a partir de uma plataforma nacional, conquistando perto de 3 milhões de votos. Embora fosse uma pequena parte dos votos captados, ele conseguiu ter impacto no debate nacional e introduziu questões de esquerda numa discussão que de outra forma se manteria estreita. No auge da campanha falou para um público de mais de 20.000 em Madison Square Garden.

*

Houve dois fatores que moldaram o desenvolvimento e a popularidade dessa campanha. Primeiro, dois mandatos de um neoliberal democrata no poder tinham produzido uma reserva de descontentamento, especialmente entre os jovens. Isto levou a que um grande número de eleitores (ou supostos eleitores) olhasse para a esquerda em busca de novas alternativas.

Mas o que realmente galvanizou o desafio de Nader e lhe deu o sentimento de um movimento foi a luta pela justiça global que tinha primeiro ocorrido nas ruas de Seattle nos protestos contra a Organização Mundial do Comércio, menos de um ano antes. A campanha de Nader representou um movimento, que naquela época estava em ascensão, a encontrar expressão eleitoral — "Seattle vai às urnas," como alguns disseram nesse momento.

Hoje, estamos também no segundo mandato de um neoliberal Democrata que tem frustrado e ficado aquém das expectativas. E estamos há cinco anos numa crise económica em que os dois principais partidos políticos seguiram um programa de austeridade. Neste contexto, campanhas de esquerda — ou mesmo socialistas — podem dirigir-se a esta frustração.

Ao mesmo tempo, muitas das lutas que inspiraram as pessoas nos últimos anos têm-se enfrentado com esses desafios ou foram completamente derrotadas. Portanto, as iniciativas eleitorais são menos um reflexo de um movimento em ofensiva do que uma tentativa da esquerda para encontrar uma via diferente para dar expressão política à radicalização que sabemos que existe.

*

Este contexto explica o entusiasmo generalizado e a discussão à esquerda sobre as possibilidades eleitorais na sequência da vitória de Sawant. Mas ele também exprime alguns dos desafios que enfrentamos. É tentador ver o trabalho eleitoral como um caminho mais fácil de atividade política ou um atalho na transmissão de uma mensagem de esquerda para um público muito mais vasto. As duas coisas podem ser verdade, mas há duas questões que devem ser consideradas ao tentarmos desenvolver a nossa estratégia eleitoral.

Primeiro, temos de reconhecer que as condições favoráveis que existiam durante a campanha de Silva não são facilmente replicáveis. Estas incluem: leis eleitorais altamente favoráveis (eleições apartidárias que admitiam candidatos sem filiação partidária), com possibilidade de concorrer a qualquer lugar aberto ao nível de toda a cidade e voto postal (este último fator tornou-se decisivo nos dias finais da campanha); a falta de um candidato Republicano, que normalmente dá aos Democratas um meio para exigir uma votação de mal menor à sua base; e movimentos e organizações populares fortes que poderiam ser canalizadas para apoio.

De acordo com isto, precisamos de pensar tendo em conta a relação entre potenciais iniciativas eleitorais e lutas dos movimentos sociais. O trabalho eleitoral tem de ser entendido como uma parte de um processo de reconstrução de combatividade, consciência e confiança da classe trabalhadora.

Dadas as forças relativamente pequenas da esquerda, precisamos fazer algumas perguntas difíceis, incluindo se existem opções viáveis para uma campanha: direcionar energias para a uma campanha eleitoral irá ajudar a dar confiança, promover e dar projeção a lutas existentes e à resistência mais ampla, ou irá antes atuar como substituto dessas lutas ou como sorvedouro de recursos limitados?

Na maioria dos casos, é improvável que campanhas independentes realmente ganhem. Portanto, na maioria das situações, os principais objetivos são fazer crescer a necessidade de uma rutura política com os Democratas, ampliar e fortalecer os movimentos existentes e envolver um público mais amplo em ideias de esquerda. Mesmo em casos em que candidatos independentes sejam capazes de ganhar, como em Seattle, o êxito não pode ser medido nas condições habituais da política burguesa, tais como fazer acordos para aprovar legislação ou construir alianças com outros legisladores.

Em vez disso, o desafio será usar a sua plataforma para dar confiança e apoio às lutas e para criar um polo de atração de esquerda dentro da política dominante. Até agora Sawant tem demonstrado capacidade para aproveitar precisamente esse potencial.

Feitas essas considerações, há discussões ativas em vários lugares sobre como tirar proveito dessa audiência para a política independente. Em Nova York, Howie Hawkins, camionista e ativista laboral e ambiental de longa data, concorre a governador com a chancela do Partido dos Verdes. Ele tem emparceirado com Brian Jones, educador e socialista de longa data para fazer uma campanha que coloque as questões da defesa da educação pública, da luta pela justiça racial e das exigências da classe trabalhadora, como a luta por salário mínimo de 15 dólares por hora.

Hawkins está a concorrer contra Rob Astorino, um Republicano de extrema-direita sem nenhuma oportunidade real de ganhar, e o candidato da linha da frente Andrew Cuomo, o atual governador, que é um Democrata de direita com ambições presidenciais. Cuomo passou o primeiro mandato a atacar os sindicatos do setor público, minando o financiamento de hospitais públicos e seguindo uma agenda de “deformação educativa”1 que financiou escolas de parcerias privadas, forçou os exames eliminatórios e minou as escolas públicas.

Isso criou uma enorme reserva de raiva, que se refletiu na sondagem do [Instituto de Investigação] Sienna realizada em abril e que mostrou que 24% dos entrevistados preferiam um candidato não nomeado do Partido das Famílias Trabalhadoras a Cuomo.

O Partido das Famílias Trabalhadoras, embora formalmente independente, tem consistentemente endossado de forma cruzada Democratas (e, às vezes Republicanos) em sua linha de cédula — incluindo Cuomo, quando ele concorreu ao seu primeiro mandato. Este ano, houve uma luta amarga dentro do partido sobre a possibilidade de quebrar fileiras e ter um candidato independente.

Desde que a luta resultou numa decisão de endossar Cuomo num segundo mandato, há um vivo debate entre progressistas e ativistas sindicais sobre se agora é o momento para uma verdadeira alternativa política aos dois partidos. Isto abriu significativamente um espaço político mais amplo à esquerda dos Democratas e é esse espaço que a campanha de Hawkins-Jones pretende preencher.

Há desenvolvimentos interessantes a ocorrer em Chicago que mostram tanto o leque de possibilidades como os desafios na arena eleitoral. Isto não é de surpreender — a greve dos professores de Chicago de 2012 foi uma das mais bem sucedidas na memória recente. O Sindicato dos Professores de Chicago (CUT) foi capaz de construir com sucesso organizações de base nas escolas por toda a cidade, assim como construir alianças com os alunos e seus pais em luta pelas suas escolas.

Isto trouxe-os a um confronto direto com o presidente do município, o Democrata Rahm Emanuel, e com a agenda de reforma educativa promovida pela administração Obama. Quando Emanuel respondeu à greve bem sucedida, pressionando com o fecho de um número recorde de 50 escolas, levantou a questão de uma alternativa política de forma bem mais central.

Que formas eleitorais tomará esta resistência em desenvolvimento, é questão que permanece em aberto. Talvez a expressão mais clara destas dinâmicas seja a campanha de Tim Meegan pela Câmara Municipal no 33º círculo eleitoral de Chicago.

Meegan é um professor de estudos sociais e ativista das bases na CTU. Concorre como independente em três pancartas principais: escolas públicas totalmente financiadas,de qualidade para todos os alunos; justiça económica, incluindo os 15 dólares por hora de salário mínimo; o fim da privatização dos bens e serviços da cidade. A campanha tem-se erguido surgido organicamente a partir das lutas pela educação em Chicago e procura usar uma campanha eleitoral como veículo para a construção de mais movimento.

Ao mesmo tempo, a Campanha Socialista de Chicago — um projeto envolvendo forças principalmente da esquerda organizada — procurou construir a partir da experiência de Sawant, montando uma campanha explicitamente socialista. Ao contrário da campanha de Sawant, foi uma tentativa de aproximar tanto os progressistas sem filiação como os socialistas de diferentes organizações num esforço comum.

Depois de muita discussão, os ativistas organizaram-se para apoiar a campanha de Jorge Mujica para a Câmara Municipal, no bairro de Pilsen de forte componente de trabalhadores e imigrantes. Mujica foi um dos principais organizadores das manifestações massivas de 2006 pelos direitos dos imigrantes em Chicago. A sua campanha está enraizada nas lutas da e redes de ativistas existentes na comunidade e espera ampliar essas lutas através da arena eleitoral. Ao mesmo tempo, está também a criar um desafio mais amplo ao sistema bipartidário e a fazê-lo como campanha abertamente socialista.

As iniciativas descritas até aqui são todas de nível local e estadual. Neste ponto, são ainda conduzidas por progressistas na esperança de tirar partido de algumas das aberturas atuais. São também altamente dependentes, contudo, de condições locais específicas que permitem uma candidatura de um terceiro partido para serem viáveis.

Estas campanhas locais, sejam eles Verdes, independentes ou socialistas, podem desempenhar um papel importante dando expressão política à radicalização existente, reunindo diferentes forças da esquerda e criando confiança. Mas não representam ainda nem qualquer rutura significativa com o Partido Democrata nem a base para um desafio para um terceiro partido nacional.

São sinais de que as condições políticas estão a criar o potencial para este tipo de desenvolvimento, sendo uma proposta muito mais desafiadora do que a mera candidatura em disputas locais com condições favoráveis. O processo de tal rutura não será direto e provavelmente prosseguirá por ajustes e arranques.

A recente resolução do Sindicato dos Professores de Chicago de formar uma organização política independente (IPO) que "permita que uma ampla multiplicidade de organizações diversas estabeleçam um canal direto para desenvolvimento do candidato que identifique e forme as pessoas que fazem parte dos nossos movimentos para que se tornem representantes eleitos" abre uma janela sobre algumas das perspetivas e dos desafios. Esta resolução representa claramente o desenvolvimento político da luta pela educação pública de Chicago e o desejo de representar um desafio para a máquina do Partido Democrata, através do desenvolvimento de candidatos que irão prestar contas ao sindicato e aos movimentos.

Mas a iniciativa enfrenta-se com as questões do sistema bipartidário. No início deste ano, a CTU endossou dois candidatos democratas para a legislatura de Illinois: Will Guzzardi, que ganhou, e Jay Travis, que não ganhou. Ambos os candidatos eram claramente o mais à esquerda que era possível no Partido Democrata, tinham forte apoio nas suas comunidades e têm estado ativos em importantes lutas dos movimentos sociais.

Mas a campanha de Travis e a vitória de Guzzardi enquanto democratas não vai ajudar em nada a desenvolver uma alternativa política independente. Campanhas por candidatos desse tipo de têm sido um mecanismo tradicional pelo qual o Partido Democrata absorve ativistas nas suas fileiras e tenta cooptar as lutas emergentes. Christine Quinn, por exemplo, que perdeu a nomeação para presidente da Câmara de Nova York em favor de Bill de Blasio por causa da sua identificação com Bloomberg, começou a sua carreira como ativista LGBT de base com amplas conexões nas lutas locais.

Uma vez no poder, ativistas de esquerda que tentam continuar a sua luta enquanto representantes do Partido Democrata, acabam no fim por ter de escolher entre fazer acordos e acomodar-se à estrutura de poder existente, ou tornar-se marginalizados e incapazes de realizar os seus objetivos.

Isso não significa que a iniciativa da CTU deva ser descartada pela esquerda. Ela representa as brechas iniciais na base tradicional dos Democratas e é, portanto, um importante desenvolvimento. Mais que não seja, mostra que as tarefas para a esquerda são muito mais desafiadoras do que meramente fazer campanhas bem sucedidas nos nossos próprios termos.

Requer um compromisso de envolvimento com as forças mais amplas que começam a explorar o que poderão ser poder e genuína independência política. Cresce a partir de algumas condições que são as mesmas que deram origem à campanha do Trabalho independente em Lorain, Ohio. À medida que se desenvolvem as lutas sociais, poderemos ver mais lugares onde ativistas que anteriormente estavam ligados ao Partido Democrata comecem a questionar esse compromisso.

Um exemplo disso está em Oakland, Califórnia, onde o advogado de longa data pelos direitos civis Dan Siegel é candidato a presidente da Câmara. Tanto Siegel como o atual presidente de Oakland, Jean Quan, eram socialistas que entraram para o Partido Democrata na sequência da Rainbow Coalition de Jesse Jackson em 1984, na tentativa de puxar o partido para a esquerda.

O uso que Quan fez da repressão policial contra Occupy Oakland ocupam no Outono de 2011 demonstrado apropriadamente que foi o partido que mudou Quan e não Quan que mudou o partido. Isto levou Siegel a romper publicamente com ela e a participar na manifestação pela defesa das vítimas das inúmeras agressões policiais.

Siegel demitiu-se do Partido Democrata e decidiu concorrer como independente. A sua campanha tem destacado as questões essenciais enfrentadas pelas pessoas das classes trabalhadoras e de cor em Oakland e tem inspirado e organizado ativistas de movimentos que vão desde o Occupy até à luta contra a violência policial.

No entanto, ele ainda não tornou a necessidade de rutura política com os Democratas central na sua propaganda de campanha. O ponto até ao qual esta campanha pode dar um passo para organizar a vibrante comunidade ativista do Oakland numa formação independente dos Democratas dependerá precisamente de encarar esta questão.

*

Enquanto isso em Richmond, Califórnia, o veterano trabalhista radical Mike Parker é candidato a presidente da Câmara, dado que Gayle McGlaughlin, presidente do Partido dos Verdes há dois mandatos, está a chegar ao termo. Como ambas são candidaturas não-partidárias, o que exatamente constitui a independência em relação aos Democratas é questão espinhosa que terá de ser exercitada na prática.

Estes desenvolvimentos estão ainda em forma embrionária e é difícil prever se vão crescer num futuro próximo. Devemos incentivá-los e, em casos de candidaturas verdadeiramente independentes, considerar apoiar tais campanhas. E devemos continuar a participar e iniciar discussões no seio dos movimentos trabalhistas e outros movimentos sociais sobre a necessidade de uma alternativa política independente.

Mas também precisamos compreender que uma alternativa credível, de um terceiro partido nacional não surgirá neste país simplesmente a partir da acumulação de uma série de campanhas locais bem sucedidas. Nem será o resultado da crescente unidade à esquerda e de um acordo entre um diversificado leque de forças progressistas para apoiar um desafio nacional (embora isso fosse certamente uma coisa boa).

Se nosso objetivo é uma rutura política do sistema bipartidário, isto exigirá que forças substanciais que votariam normalmente nos democratas decidam quebrar fileiras.

O desenvolvimento das condições que tornem isso possível exigirá esforços que vão além das urnas. A base política para tal provavelmente desenvolver-se-á através de lutas que confrontem o Partido Democrata no poder. A CTU é um exemplo, e a luta pela educação pública está geralmente em contestação direta com a agenda de reformas da administração Obama.

Mas esta não é a única arena. Ativistas ambientais têm combatido a administração de Obama para que pare o oleoduto Keystone XL. Até agora, eles têm conseguido ganhar adiamentos na decisão, mas cada assalto desta luta suscitou questões sobre Obama e o Partido Democrata como um todo.

Os ativistas pelos direitos dos imigrantes estão cada vez mais a centrar o ataque nas deportações dado que Obama deportou um número recorde de imigrantes nos últimos cinco anos. Essas e outras lutas como elas, têm potencial para levar participantes em direção a alternativas de terceiros partidos enquanto também aumentam a confiança e a militância.

A vitória de Sawant em Seattle mostrou o potencial das campanhas eleitorais para dar expressão política e fazer avançar dessas lutas. Traçou uma marcação e criou expectativas à esquerda e para além. Mas seria um erro concluir que o próximo passo é simplesmente um maior envolvimento em campanhas eleitorais.

No momento, as perspetivas de tais campanhas permanecem localizadas, e seu potencial deve ser avaliado individualmente. Mas os nossos olhares devem também manter-se focados no desenvolvimento de lutas que possam reconstruir a confiança e a organização das classes trabalhadoras.

Dentro dessas lutas, deveríamos procurar todas as oportunidades, incluindo oportunidades eleitorais, para construir uma Esquerda mais forte, mais coerente e politicamente independente. Ao fazer este trabalho, agora, podemos começar a expandir os nossos horizontes — e o debate político prevalecente — para além dos limites estreitos definidos pelo sistema bipartidário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário