4 de dezembro de 2016

Pensando para além de Fidel

Embora freqüentemente negligenciado, os movimentos da classe trabalhadora desempenharam um papel substancial na formação da Revolução Cubana.

por Michelle Chase

Jacobin


Repintura de um mural revolucionário em Havana. Carsten ten Brink / Flickr

No rescaldo da morte de Fidel Castro, e com as ameaças explosivas do início da administração Trump, é tentador especular sobre o futuro de Cuba. No entanto, este também pode ser um momento importante para repensar as origens da revolução, tão frequentemente vista como a obra de um homem.

Embora a extraordinária influência e o poder de Fidel Castro nunca possam ser ignorados, ainda sabemos muito pouco sobre como ou por que muitos milhares de cubanos comuns participaram da revolução. Isso é particularmente verdadeiro no movimento operário cubano, que muitos observadores descreveram como apático, passivo e desmoralizado por chefes sindicais corruptos e, portanto, não particularmente ativos no movimento revolucionário.

O novo livro de Steve Cushion, Uma História Oculta da Revolução Cubana: Como a Classe Trabalhadora deu Forma à Vitória das Guerrilhas, é um corretivo útil para essas suposições e fornece uma importante mudança de perspectiva histórica à medida que Cuba se move além de sua liderança histórica. Cushion argumenta persuasivamente que a classe operária da ilha fez uma contribuição vital para o movimento revolucionário.

Sem desconsiderar o papel do exército rebelde ou da classe média urbana, ele argumenta que havia também "um terceiro braço para as forças rebeldes, um movimento operário revolucionário". No primeiro estudo histórico profundamente pesquisado sobre esse assunto, Cushion mostra como a organização do trabalho contribuiu direta e indiretamente para a luta revolucionária.

Assim que a Revolução Cubana chegou ao poder em 1959, um debate feroz sobre quem havia feito a revolução começou. Observadores estrangeiros simpatizantes tendiam a enfatizar o papel dos camponeses dispostos pela Sierra Maestra, que acabaram por fazer causa comum com os setores urbanos, muitas vezes de classe média, que formaram o núcleo do exército rebelde. Observadores mais críticos mostraram-se céticos quanto a essa afirmação.

Como o historiador Theodore Draper argumentou em The New Leader em 1961, "A revolução foi feita e sempre controlada por filhos e filhas desclassificados da classe média, primeiro em nome de todo o povo, depois dos camponeses e agora dos trabalhadores e camponeses ". Assim nasceu a influente teoria da" revolução traída": um movimento revolucionário de classe média, democrático, tinha sido sequestrado por Fidel Castro e pelo Partido Comunista.

O que dizem da classe trabalhadora urbana nesses debates? A suposta aquiescência da classe operária tem sido uma questão preocupante, explicada de várias maneiras como uma corrupta união burocrática em conluio com o Estado, a suposição de que o desenvolvimento de Cuba resultou em uma "aristocracia do trabalho destituída de uma consciência de classe revolucionária devido ao fato de que, pelo menos em Havana, os trabalhadores sindicalizados gozavam de salários e benefícios relativamente altos para a região. Embora os historiadores considerem o movimento revolucionário como um movimento inter-classe em que os indivíduos da classe trabalhadora participaram, é geralmente assumido que o movimento trabalhista como tal desempenhou um papel significativo.

Cushion modificou esta sabedoria convencional. Com base num conjunto impressionante de novas fontes de arquivo, desde folhetos privados até histórias orais, Cushion  oferece uma visão perspicaz e matizada do papel do trabalho organizado na Revolução Cubana. Ao reconsiderar importantes episódios do período, desde greves e protestos até a lenta construção de uma seção trabalhista dentro do Movimento 26 de julho de Fidel Castro, Cushion demonstra convincentemente que os trabalhadores - especialmente em certas indústrias e em certas regiões - foram a chave para a vitória revolucionária.

Uma das maiores contribuições do livro é restaurar a sensação de turbulência trabalhista em Cuba em meados da década de 1950. Houve tantas greves, protestos e disputas trabalhistas em 1955 que podemos ver o descontentamento dos trabalhadores virtualmente como um levante paralelo. Os historiadores há muito conhecem essas queixas trabalhistas. No entanto, elas têm sido muitas vezes minimizadas como secundárias para a história "real" da ascensão do exército rebelde ou rejeitadas como reveladoras das demandas materiais e, portanto, da mentalidade reformista do trabalhador cubano.

Mas Cushion oferece-nos uma explicação detalhada desta turbulência na metade da década e o distanciamento permite uma análise mais matizada. A economia de Cuba nesse período ainda estava esmagadoramente baseada nas exportações de açúcar, assim os lucros cresciam e diminuíam com o preço do açúcar nos mercados globais. Os preços aumentaram no início dos anos 1950 por causa estocamento estimulado pela Guerra da Coréia.

Quando os preços mundiais do açúcar caíram em 1953, Cushion mostra que os empregadores cubanos aumentaram suas tentativas de impor medidas de eficiência para reduzir o custo do trabalho através da mecanização, da redução dos salários e da eliminação dos benefícios. No confronto com o trabalho que inevitavelmente seguiu, os empregadores - com o apoio de Batista - geralmente ganhavam.

Mas Cushion mostra que, depois de serem derrotados, alguns trabalhadores começaram a procurar uma alternativa mais revolucionária. Ele identifica um padrão: os trabalhadores que obtiveram suas reivindicações nas greves de 1955 tendiam a manter suas filiações políticas e a fé nas estratégias tradicionais da organização do trabalho para defender seus direitos. Mas os que perderam tornaram-se abertos a métodos mais militantes, e finalmente procuraram uma aliança com o Movimento 26 de Julho. Esta tendência ainda foi encorajada com o aumento da violência estatal que começou no início de 1956.

Cushion nos lembra que as forças de segurança do Estado não só alvejaram os insurrectos - eles aproveitaram a oportunidade para matar mobilizadores do trabalho e membros do Partido Comunista também. Ele também nos mostra como os acordos de comércio internacionais desfavoráveis aos trabalhadores cubanos alimentaram um crescente sentimento de nacionalismo militante. Assim, ao contrário de muitos observadores anteriores que retratam o movimento dos trabalhadores como paralisado e estagnado neste período, Cushion traça uma evolução política na política dos trabalhadores, longe da acomodação, para táticas e metas mais militantes.

Outra grande contribuição do estudo de Cushion é ir além de Havana e explorar a dinâmica regional da militância trabalhista no período. Embora seja comum elogiar o fermento revolucionário das montanhas e cidades da província mais oriental de Cuba, Oriente, ainda faltam explicações históricas mais profundas sobre por que as províncias orientais da ilha ficaram tão mais reticentes.

O livro de Cushion vai muito longe para responder a essa pergunta, olhando não só o papel das guerrilhas na Sierra Maestra e Sierra Cristal, mas também o forte movimento operário na cidade de Guantánamo, adjacente à base naval dos EUA. Aqui ele descobre uma história de uma militância baseada em torno dos trabalhadores ferroviários, muitas vezes com raízes no trotskismo, que foi pioneiro em novas ideias sobre formas mais beligerantes de ativismo laboral, incluindo a sabotagem, e gravitaram para o Movimento 26 de Julho. Cushion meticulosamente reconstrói como essas táticas foram se espalhando para o resto da ilha.

Cushion também sugere que o Movimento 26 de Julho desfrutou de relações  muito melhores com o Partido Comunista fora de Havana, e ele vê essas relações como chave para explicar o fermento revolucionário. Ele mostra que a burocracia sindical era muito mais fraca nas províncias, permitindo que mais ativismo de trabalhadores independentes florescesse. Ele também sugere - embora reconhecidamente sem muitos exemplos - que fora de Havana o movimento urbano anti-Batista era menos de classe média, e mais influenciado pelos líderes da classe trabalhadora. Em suma, Cushion sugere que, em muitos aspectos, Havana era a exceção, não a regra..

Uma grande contribuição final deste trabalho é a de iluminar as relações entre o Movimento 26 de Julho e o Partido Comunista. Costuma-se argumentar que o Partido Comunista se juntou ao movimento revolucionário no último minuto, depois que a maré se transformou em favor do exército rebelde na Serra.

Cushion dá-nos a imagem mais clara ainda de como o então Partido Socialista do Povo respondeu lentamente à ascensão de armas. Ele descobre algumas dinâmicas internas do partido, incluindo a crescente demanda dos trabalhadores por proteção armada diante da violência do Estado e uma ala juvenil que cada vez mais apoiou o Movimento 26 de Julho. Ele capta a nuance e a evolução das relações entre os dois grupos, culminando numa tentativa de aliança que cada partido entendia de forma diferente - e que se desintegraria parcialmente em 1959 e 1960.

O período pós-revolucionário levantou imediatamente questões preocupantes sobre o papel que o trabalho organizado teria na nova Cuba. Ao longo de 1959, os trabalhadores reivindicaram por salários atrasados, reinstituições e controle democrático de seus sindicatos. Beneficiaram-se de decretos iniciais para salários mais elevados e pleno emprego.

Mas à medida que a revolução atingia a turbulência econômica, Fidel começou a desencorajar as greves e a enfatizar os sacrifícios iminentes do trabalho. E à medida que o novo Estado revolucionário se consolida, Cushion admite que "não existem instituições democráticas de trabalhadores independentes capazes de responsabilizar o governo".

Doravante, o trabalho ficaria sob o controle do Estado e os sindicatos funcionariam mais para canalizar diretivas para os trabalhadores do que para protegê-los. Em 1960, alguns dos líderes trabalhistas que haviam participado da revolução juntaram-se à contra-revolução.

De certa forma, trata-se de uma antiga história do trabalho. Ele se concentra principalmente em trabalhadores industriais, sua luta por salários vitais e sindicatos mais democráticos, e como a frustração da luta acabou por levá-los a adotar estratégias e objetivos mais radicais.

Não se trata de um estudo sobre o grande número de trabalhadores pobres, informais, posseiros ou desempregados crônicos. Cushion aborda brevemente o papel das mulheres, especialmente as trabalhadoras de escritório femininas que lutaram em solidariedade com seus colegas de trabalho masculinos e as mulheres militantes membros da família de homens em greve. Ele não aborda a questão da raça - uma questão importante para a classe trabalhadora multiracial de Cuba, como bem entendido pelo Partido Comunista nesse período.

Ainda assim, o livro nos dá uma visão extremamente necessária sobre o papel do trabalho neste período e modifica categoricamente nossa percepção de como a revolução foi conquistada. Uma anedota aqui será suficiente.

Em dezembro de 1958, as tropas do Che desviaram um trem blindado trazendo setecentos soldados para Las Villas. Isso se tornou um momento icônico na história revolucionária, muitas vezes visto como indispensável para garantir a vitória rebelde. Mas aqui Cushion nos apresenta uma rica história por trás desse incidente, começando nas oficinas ferroviárias de Ciénaga fora de Havana:

Os trabalhadores do estaleiro tinham considerado recusar-se a trabalhar no comboio, mas após uma reunião com um organizador regional anônimo do 26 de Julho, decidiram continuar a trabalhar ... mantendo os rebeldes informados sobre o progresso e a natureza do seu trabalho, enviando esboços detalhados de seu trabalho diretamente a Che Guevara.

Enquanto isso, os trabalhadores envolviam-se em proselitismo político entre os soldados já alojados no trem, tentando assim com que um número significativo de soldados desertassem antes do trem sair, enquanto muitos outros desertassem ao longo do caminho. No momento em que o trem foi descarrilado para Santa Clara para a batalha final naquela cidade, as tropas do Che já haviam se beneficiado das forças esgotadas do trem, do moral fraco dos soldados, e do conhecimento íntimo dos reforços do trem.

Que melhor exemplo da forma como os trabalhadores militantes prepararam as bases para a vitória dos rebeldes?

Nenhum comentário:

Postar um comentário