4 de abril de 2017

O retorno da Esquerda

A campanha eleitoral de Mélenchon eletrizou a esquerda fazendo o que Hamon não podia fazer – uma ruptura com o centro político.

por Cédric Durand e Razmig Keucheyan

Jacobin

Jean-Luc Mélenchon em 2011. Thomas Bartherote / Flickr

Tradução / A campanha do candidato socialista Benoît Hamon está agora em um impasse, porque ele não podia ver que a raposa neoliberal se recusaria a acomodar a galinha socialista. Essa é a estratégia oposta à de Jean-Luc Mélenchon, que assumiu a liderança da esquerda.

As eleições do passado foram longas e bastante chatas. Levado adiante por um vento liberal, havia uma troca contínua do escritório entre a direita segura de si e a esquerda leve – estes convertidos de todo coração à modernização do mercado – no eterno presente do capitalismo. O capitalismo fora dominado por um espaço globalizado e por um tempo financiado. O desemprego endêmico, a exultação consumista e o horror terrorista ou criminoso compunham os três extremos dramáticos de um pequeno jogo que se movimentava, apimentado apenas pelas palhaçadas dos candidatos ou pelas cenas feitas por amigos traídos.

2017 não é daquela safra. Sob o lento fluxo de reviravoltas da competição eleitoral, um mapa político está tomando forma, com linhas divisórias claras. Na França, a história está de volta. Aqui como em outros lugares, a tectônica social da grande crise econômica de 2008 está fazendo seu trabalho. Os demarcações presidenciais rotineiras estão se recompondo à grande velocidade. Eles estão realinhando as forças políticas em torno das três opções aninhadas dentro do infra-mundo de nossa modernidade política. Estes são três colossos irredutíveis, destinados ao confronto.
Os monstros

Para o primeiro dos três, a palavra de ordem é a competição livre e irrestrita, estabilidade financeira, a fraternidade do cálculo egoísta. Ele já é hegemônico na maioria dos locais de poder e pretende permanecer assim com a ajuda de uma cobertura de mídia escandalosamente favorável e a frenética mobilização das últimas tecnologias de marketing eleitoral. Seu sentido é a auto-evidência do discurso dominante; sua força é sua repetição; E sua fraqueza é o seu fracasso.

As elites internacionais e financeiras baseiam sua legitimidade numa prosperidade econômica que derruba migalhas suficientes para acalmar a dureza de uma existência subordinada. Infelizmente, com a estagnação que agora está enraizando, as desigualdades indecentes estão se tornando cada vez mais insuportáveis. O cansaço se desenvolve, o rancor se acumula e, pouco a pouco, vai matando o extremo-centro – o herói político do nosso tempo neoliberal – sufocado.

O segundo dos três é um monstro que se alimenta do desespero e isolamento causados pelo primeiro. Este é o partido da ordem e da pequena propriedade, o partido do ressentimento e perda do status de classe. Este é o campo dos perdedores do neoliberalismo, que sonham com uma mesquinha vingança contra aqueles mais fracos que eles mesmos. Nacionalista, autoritário, xenófobo, sua ancoragem popular torna-se mais forte a cada centímetro concedido quando se oferece os arranjos necessários aos poderosos. Divisão, opressão e confinamento são costurados em seu manto cinzento, abominado por todos os amigos da democracia.

O terceiro é chamado de Esquerda, a esquerda real. Audaz e forte das batalhas que luta, seu olhar é de longo alcance e abrange tanto o sofrimento imediato quanto o destino da raça humana. Nas últimas décadas, restrito a importunar o eleitorado e recuar sobre as lutas sociais e ambientais, hoje é novamente um candidato ao poder. Do sul da Europa aos países anglófonos, está forçando o recuo – internamente, ou de fora – dos antigos aparelhos social-democratas que passaram às mãos inimigas, enquanto retoma a bandeira da emancipação.

Amigo ou inimigo

A vitória de Enoît Hamon na Primária Socialista e a deserção do ex-primeiro-ministro socialista Manuel Valls acelerou esta ampla recomposição política. Certamente, a deslealdade do ex-primeiro-ministro é extremamente descortês. Mas fundamentalmente, Manuel Valls tem razão ao colocar as idéias antes do processo: a esquerda não pode ser reconciliada com aqueles que têm a responsabilidade pelos calamitosos últimos cinco anos, que pensam que seu pecado foi uma falta de neoliberalismo e não seu excesso.

Como Maquiavel escreveu, é sempre preferível declarar-se abertamente um amigo ou inimigo. Jean-Luc Mélenchon assumiu a liderança da esquerda porque reconheceu a necessidade dessa estratégia. Por outro lado, a campanha de Benoît Hamon está em um impasse precisamente porque não conseguiu ver que a raposa neoliberal se recusaria a acomodar a galinha socialista.

Ninguém pode subestimar a importância, nestes tempos difíceis, da chegada ao poder – em um grande país como a França – de uma esquerda que não gira mais em torno do neoliberalismo. É exatamente isso que está em jogo na possibilidade de Benoît Hamon se unir à campanha de Jean-Luc Mélenchon. Existem diferenças entre seus programas, mas não são intransponíveis.

Em particular, na questão europeia, a articulação de Mélenchon de um Plano A e Plano B deixa uma grande margem de manobra para encontrar o justo equilíbrio entre a tentativa de refundar a Europa e a determinação de levar a cabo políticas de justiça social e ecológica. A aproximação entre os dois parece inevitável: a única questão é saber se acontecerá antes ou depois da eleição presidencial.

No extremo-centro, a aliança de Macron, François Bayrou e Manuel Valls ocupa seu lugar em continuidade com o mandato de François Hollande e a ortodoxia europeia; mais forte do que nunca, a extrema direita está hoje em ordem de batalha. Carregada pelo vento doente que sopra através de nossos tempos, tem razão de acreditar que tem uma chance. Neste momento crítico, a esquerda só tem uma candidatura capaz de trazer o futuro para nós: a votação por Mélenchon. Se esta votação se torna um ponto de encontro, então a vitória está ao alcance.

Nenhum comentário:

Postar um comentário