27 de março de 2018

O valor de O Capital

O capital não nos mostra apenas como funciona a produção capitalista. Mostra-nos porque o capitalismo é uma afronta à liberdade.

William Clare Roberts

Jacobin Magazine

Princeton University Press

Tradução / David Harvey fez-me uma grande honra ao revisar meu livro Marx's Inferno: The Political Theory of Capital. A ampla resposta de Harvey destaca uma série de desentendimentos de amplo significado, não apenas para os marxistas acadêmicos, mas também para a esquerda política.

Ele afirma que meu livro será "uma primeira salva no que promete ser uma grande batalha para redefinir o legado intelectual e político de Marx". Eu certamente espero que ele esteja certo.

Atualmente, a esquerda está energizada, mas fraca. Os jovens estão amplamente desencantados com o capitalismo e com a ordem global pós-Guerra Fria, e estão com mente aberta para o socialismo. Ao mesmo tempo, as organizações políticas e econômicas da esquerda estão em frangalhos, e não há centro de gravidade teórico ou tático. Penso que este é precisamente o momento de reler a história da teoria socialista, retornar e refazer os primeiros princípios.

Ninguém é mais importante, a esse respeito, do que Marx. A questão é, qual Marx?

Meu livro defende a dignidade do primeiro volume de O Capital e argumenta que contém um Marx que precisamos recuperar hoje. Harvey discorda, argumentando que “tomar o volume 1 como um tratado independente é profundamente problemático”.

Essa discordância, sua "objeção mais séria" ao meu livro, reflete-se em três diferenças substantivas entre nossas abordagens a Marx. A primeira diz respeito ao tipo de teoria que O Capital apresenta. A segunda diz respeito ao conteúdo do argumento de Marx no Volume 1. E a terceira diz respeito à relação de Marx com o socialismo de seu tempo e o atual.

Quero trazer cada um desses desacordos mais profundos à discussão, pois um amplo debate sobre esses assuntos é da maior importância.

Que tipo de livro é O Capital?

A questão de pesquisa que meu livro coloca e tenta responder é a velha questão do “método de apresentação” de Marx em O Capital. Por que o Volume 1 toma a forma que toma?

Como o próprio Marx aborda essa questão — ainda que elipticamente — no curso de rebater a alegação de que ele está aplicando um método hegeliano ao estudo da economia política, a pesquisa sobre essa questão é dominada por esforços para encontrar um método hegeliano ou quase hegeliano de apresentação no Volume 1. Isto teve resultados mistos.

Todos reconhecem que partes do texto parecem bastante hegelianas. Por outro lado, os principais trechos do livro não parecem hegelianos: grande parte das partes 3, 4 e 8 somam cerca de 40% do livro. Estas são as partes “históricas”.

Os marxistas hegelianos tendem a se envergonhar por essas partes, já que não acrescentam muito ao desenvolvimento dos conceitos. Historiadores sociais como Gareth Stedman Jones pensam que são a única parte valiosa de O Capital. As duas metades nunca são unidas, no entanto.

Minha resposta idiossincrática a esse problema é que Marx estruturou o Volume 1 no modelo do Inferno de Dante. Isso não é tão estranho quanto parece.

Descidas metafóricas no inferno foram difundidas na literatura socialista do século XIX. O bête noir de Marx, Pierre-Joseph Proudhon, fez o máximo com o tropo. Além disso, as categorias morais que estruturam o Inferno de Dante — incontinência, força, fraude e traição — estavam presentes na economia moral do socialismo primitivo, pela simples razão de que a herança cristã-aristotélica permeava a moralidade popular.

Marx, eu argumento, escreveu o Capital como uma queda no inferno social do capitalismo moderno. Ele queria familiarizar seus leitores com o funcionamento interno do modo de produção capitalista, enquanto deslocava as categorias do julgamento moral socialista para "o conjunto das relações sociais".

Como mostra o meu livro, a leitura do Volume 1 permite-nos compreender os seus argumentos de uma forma conectada e holística, e como uma intervenção cuidadosamente construída no movimento socialista da época de Marx, sem extirpar grandes trechos do livro, seja como “Digressões” ou “ilustrações” ou como ônus metafísicos equivocados.

David Harvey objetou, no entanto, que isso "constrói uma versão única e exclusiva que separa outras leituras", e que repousa sobre "a base superficial mas conveniente" de que apenas o Volume 1 foi publicado enquanto Marx estava vivo.

De acordo com Harvey, “se lermos apenas o Volume 1 do Capital, ... também entenderemos mal o argumento do Volume 1.” Faremos isso porque “a suposição em todo o Volume 1 é que todas as mercadorias são trocadas pelo seu valor”. Isso permite que Marx construa “um modelo de atividade capitalista que reflete 'o inferno' do trabalhador”, mas não permite que ele considere a “alienação” do “trabalhador afluente” protegido por um sindicato, vive em uma casa suburbana, tem um carro na garagem, uma TV na sala de estar, um laptop na cozinha e férias na Espanha ou no Caribe.”

Nem permite que Marx explique como “a acumulação de capital... repousa sobre [o] 'consumo racional'" da classe trabalhadora, que deve ser possibilitado pela classe capitalista. Harvey afirma que essas questões podem vir à tona e receber sua explicação adequada apenas uma vez que Marx abandone a suposição de que os preços são iguais aos valores que ele faz nos Volumes 2 e 3.

Assim, o Volume 1, por si só, nos dá uma imagem parcial e, portanto, falsa, do capitalismo. Meu livro, argumentando que o Volume 1 pode se sustentar por si mesmo, presta a Marx e aos meus leitores um desserviço.

O pressuposto básico da interpretação de Harvey é que, quando Marx escreveu e publicou o Volume 1, ele estava "apresentando suas descobertas" e que, a serviço de apresentá-las de uma maneira "persuasiva" e a um público leitor de “artesãos e trabalhadores autodidatas”, ele "simplificou" essas descobertas, "até ao ponto de falsificação." Assim, somente as obras inéditas de Marx - os Grundrisse, Volumes 2 e 3, os vários rascunhos preparatórios — podem nos dar uma imagem verdadeira de suas "descobertas".

Em resumo, o Marx de Harvey é um explicador. Ele tem uma teoria grandiosa e unificada, mas sabe que é muito difícil se comunicar com “artesãos e trabalhadores autodidatas”, simplificando-a e vestindo-a com “referências literárias e culturais”, para “garantir que o público dele entenderia o que ele estava falando ”.

Meu Marx, pelo contrário, é um argumentador. Ele não tem uma teoria totalmente elaborada no bolso de trás. Em vez disso, ele é orientado por um conjunto de desentendimentos com os economistas políticos clássicos, e com seus colegas socialistas, e está elaborando, no Capital, uma resposta completa a essas divergências como ele pode.

A forma literária de sua intervenção não é uma fantasia em que ele veste sua teoria; é a forma da teoria em si. Sua platéia sabe muito bem do que ele está falando, porque ele não está descendo sobre do topo da montanha, mas respondendo aos argumentos e controvérsias em andamento dentro dos movimentos socialistas e operários.

Acho que minha imagem de Marx e do Capital é mais exata que a de Harvey. Afinal, é estranho dizer que você perdeu o argumento do Volume 1 se o ler sozinho. Afinal, Marx publicou o Volume 1 por conta própria. De fato, ele o fez três vezes — duas em alemão e uma em francês. Ele estava se preparando para publicá-lo novamente — por conta própria — quando ele morreu. E ele aprovou uma tradução russa — por conta própria — em 1872. Qualquer que fosse a aspiração que ele tinha para os Volumes 2 e 3, ele claramente achava que o Volume 1 poderia ser lido e entendido por conta própria.

Infelizmente, parecemos estar mais confortáveis com Marx se o imaginamos como um erudito incapaz de comunicar a complexidade de sua verdade em meras novecentas páginas, em vez de ser um pensador político engajado, elaborando suas ideias no meio do debate.

Essa propensão para Marx, o explicador, sobre Marx, o argumentador, é sintomática de uma tendência antipolítica à esquerda. Confiante de que suas idéias estão corretas, e lamentando a necessidade de simplificar as coisas por causa da persuasão, a esquerda anti-política é poupada do trabalho de reconstituir sua teoria com base no engajamento político.

Qual é a teoria de Marx em  O Capital?

No entanto, você poderia dizer que estou interpretando mal a real preocupação de Harvey. Embora eu argumente que o Volume 1 do Capital pode ser lido e entendido por si só, Harvey não está argumentando que o capitalismo não pode ser entendido com base no Volume 1?

Eu suspeito que isso esteja certo, e eu concordo com Harvey sobre isso. Os volumes 2 e 3 podem aprofundar nossa compreensão de como, de acordo com Marx, o capitalismo funciona.

No entanto, a resenha de Harvey não diferencia entre compreender O Capital e compreender o capitalismo. Ele simplesmente procede como se a incapacidade de entender o fordismo ou a sociedade de consumo com base no Volume 1 invalidasse minha afirmação de que o Volume 1 pode ser lido e entendido por si mesmo.

Estou confiante de que temos que ler muito mais que Marx nunca escreveu para entender os caprichos e variedades do capitalismo contemporâneo e do século XX. No entanto, também penso que Marx, no Volume 1, faz um trabalho melhor do que aqueles que vieram antes ou depois de chegar ao que está errado com o capitalismo.

Primeiro, ele tem uma compreensão melhor da dinâmica fundamental do mercado, do local de trabalho, do padrão de desenvolvimento capitalista e do papel do estado capitalista do que seus concorrentes. Mas ele também mostra como tudo isso ofende o desejo demasiado humano de se libertar do poder dominante.

A inovação de Marx é que ele se casou com essa preocupação pela liberdade uma dissecação sistemática do capital. O capital mostra como e por que o mercado domina os produtores, o capitalista e a fábrica dominam o trabalhador assalariado, e o capital domina o estado.

O Capital, portanto, não nos mostra apenas como funciona a produção capitalista; mostra-nos porque quereríamos, em nome da liberdade, sair do regime da produção capitalista.

Isso leva Harvey a afirmar que, enquanto chamei a atenção “para o político em Marx”, fui longe demais na direção de “dispensar a economia”. Eu discordo. O que tentei fazer, ao contrário, é mostrar que Marx tinha uma melhor compreensão da economia do que Proudhon, os owenistas ou os saint-simonianos, precisamente porque ele via o que era político na economia, e em discussões sobre o economia.

Tomemos, por exemplo, a afirmação de Harvey de que, no Volume 1, Marx assumiu, ao contrário de sua posição considerada, que as mercadorias trocam seus valores, ou esse preço é igual a valor. Segundo Harvey, Marx o fez “para tornar a teoria do valor mais palatável para seu público”.

Isso mal representa erroneamente a intenção política e as apostas do argumento de Marx. A posição padrão entre os socialistas nos dias de Marx era que o sofrimento e a exploração dos trabalhadores eram atribuíveis ao fato de que seu trabalho e seus bens eram incapazes de impor seu valor justo no mercado.

A insistência de Marx em tratar os preços como se refletissem valor teria tornado sua teoria do valor mais controversa, não mais palatável. Marx estava cortando indo contra a corrente aqui, escolhendo uma briga. Por quê?

O diagnóstico prevalecente, por insistir na divergência entre preço e valor, perdeu tanto a dinâmica do mercado (pela qual os preços convergem em valor) quanto a distinção de capital, que pode se acumular sem extrair rendas, como uma forma de poder econômico.

Longe de suavizar as complexidades de sua teoria, Marx está preocupado em confrontar os pontos fracos da teoria socialista existente.

Para dar outro exemplo, Harvey afirma que, ao assumir que todas as mercadorias trocam seus valores, Marx é capaz de “evitar” o problema da demanda efetiva e, assim, “com base nessas suposições”, construir "um modelo de atividade capitalista que reflete 'o inferno' do trabalhador ".

Mas, como argumento no Inferno de Marx, Marx não “evita” esse problema de todo no Volume 1. Em vez disso, assume a questão e o incorpora em suas reflexões sobre a mercadoria, a troca e o dinheiro.

Que "o curso do amor verdadeiro nunca correu bem" é crucial para o argumento de Marx de que usar o mercado para mediar a divisão social do trabalho produz ansiedade, incerteza e vigilância servil entre aqueles que dependem do mercado para sua subsistência. Se não fosse assim, cada mercadoria poderia ser convertida em dinheiro, e o programa de Proudhon para "republicar" o dinheiro seria realizado.

Para um exemplo final, há a questão da acumulação primitiva, que Harvey vincula à mesma afirmação sobre as suposições simplificadoras de Marx. De acordo com Harvey, há uma "mudança dramática de suposições" no início da Parte 8, e "os números do usurário, do banqueiro, do comerciante, do senhorio, do estado (e de sua dívida) voltam à narrativa, assim como o poder da demanda efetiva no mercado ”.

Concordo que os latifundiários e o Estado são centralmente importantes para o relato de Marx sobre a acumulação primitiva, e digo isso no capítulo 6 do meu livro. Nosso real desacordo diz respeito à importância do capital dos usurários e dos comerciantes.

De acordo com Harvey, é a disseminação autônoma dessas formas “antediluvianas” do capital — “a propagação da mercantilização e monetização” — que impulsiona a acumulação primitiva.

Existem pelo menos dois problemas aqui. Primeiro, Harvey não pode apontar para nenhum lugar da Parte 8 onde Marx realmente enfatiza o papel dos comerciantes ou usurários. Ele cita o Manifesto, Volume 3, os Grundrisse, e reclama que eu "ignoro tudo isso", mas ele falha em mostrar como o argumento de Marx no Volume 1 depende ou reproduz as afirmações de Marx nesses outros lugares.

De fato, existem apenas dois lugares na Parte 8 onde as formas antediluvianas do capital desempenham um papel na apresentação de Marx. Primeiro, no capítulo 26, onde Marx diz que a demanda por lã em Flandres motivou os senhores a limpar suas propriedades e transformá-las em pastos de ovelhas. Este episódio é parte integrante do meu próprio argumento, por isso não consigo ver qual é a queixa de Harvey sobre este assunto.

Em segundo lugar, no capítulo 31, Marx afirma que “O capital monetário formado por meio de usura e comércio foi impedido de se transformar em capital industrial, no campo pela dissolução feudal, nas cidades pela organização de guildas. Esses grilhões desapareceram com a dissolução da sociedade feudal, com a expropriação e o desejo parcial da população do campo”.

Em outras palavras, a acumulação primitiva permite que o capital monetário comece a funcionar como capital industrial. O capital monetário não dissolve, por sua própria ação, a constituição feudal da sociedade. A alegação de Marx aqui é exatamente o oposto de Harvey. Se estamos falando sobre o que Marx diz no Volume 1, não vejo justiça nas críticas de Harvey.

Mais importante, penso que a leitura de Harvey sobre a acumulação primitiva apaga um dos pontos políticos mais importantes da argumentação de Marx: a brusca ruptura histórica entre a constituição feudal e o modo de produção capitalista.

Commodificação e monetização não são, segundo Marx, processos autônomos. Eles não se espalham por contágio. Uma revolução nas relações de produção é necessária.

Sim, Marx afirma que “a circulação de mercadorias é o ponto de partida do capital”. Mas, como argumento, ele também começa cada seção principal do Volume 1 com uma nova história sobre a origem do capital: na circulação de mercadorias, no exploração do trabalho, na produção em larga escala e na acumulação primitiva dos fatores de produção.

A leitura de Harvey, ao enfatizar apenas a primeira origem, corre o risco de transformar o mercado na raiz de todo o mal e Marx em outro moralizador socialista, investindo contra o dinheiro e a mercadoria, comerciantes e usurários, a trapaça e a especulação.

Admito sem problemas que minha leitura dos argumentos econômicos de Marx no Volume 1 não é a leitura padrão. Tampouco é sui generis: concorda com algumas das teses avançadas por teóricos da forma valor, como Michael Heinrich, por exemplo. Meus empréstimos a partir dessa abordagem de Marx o situa como proto-austríaco e não como pós-ricardiano (sim, sei que será uma afirmação controversa!) e transforma a leitura da teoria do valor de Marx e sua explicação da exploração.

Estas são questões econômicas fundamentais. O que meu livro traz à mesa que é novo é a afirmação de que o contexto político e a intenção do argumento de Marx são cruciais para entender o verdadeiro conteúdo da posição de Marx.

Quando você aprecia a oposição de Marx a todos os esquemas de dinheiro-trabalho, e você vê o que estava motivando esses esquemas, você está melhor posicionado para entender os argumentos de Marx na Parte 1. Quando você reconhece o contraste entre a abordagem de Marx da exploração e todas as os relatos de exploração como extorsão inspirados em Saint-Simon, você pode apreciar a força do argumento de Marx na Parte 3. Quando você entende o separatismo antipolítico desenfreado no campo socialista em 1800, o argumento da Parte 8 entra em cena.

Essa é a minha aposta, ao menos: a oposição de Marx a outras posições socialistas, tanto teóricas quanto políticas, anima seus argumentos econômicos no Volume 1.

Socialismos, antes e agora

Essa ênfase no esclarecimento da “relação de Marx com Proudhon, Fourier, Saint-Simon e Robert Owen” é o que Harvey mais aprecia sobre meu livro.

Em particular, ele está convencido pelo meu argumento contra GA Cohen, que (junto com muitos outros) enfatizou a continuidade com essa tradição socialista, e sua ênfase na “igualdade e justiça social”. Insisto, pelo contrário, que Marx foi decisivamente contra grande parte dessa tradição, que ele considerava moralista e equivocada, sobre a dinâmica social da economia capitalista.

Embora Harvey elogie esse aspecto do meu argumento, estou um pouco intrigado com sua resposta a ele, por três razões.

Primeiro, Harvey parece pular pelo principal do meu argumento. Em suas palavras, argumento que Marx “voltou a uma antiga tradição aristocrática de governança republicana como não-dominação”, que “transformada pela experiência do industrialismo capitalista produziu uma visão política marxista única”. Harvey pergunta: “Se a desigualdade e a justiça social é insuficiente para a tarefa de definir uma alternativa socialista, então, o que poderia substituí-la? ”

Ele então continua falando sobre a administração industrial de Owen e Saint-Simon, sem sequer hesitar em considerar a resposta que meu livro propõe (e que eu acho que Marx propôs): liberdade.

A “antiga tradição aristocrática de um governo republicano” não era unicamente antiga e nem somente aristocrática. A preocupação republicana com a liberdade da servidão e da dominação perpassou grande parte da política radical, popular e plebeia do século XIX.

Ela corria ao lado da preocupação rousseauniana com a soberania popular e a preocupação utilitarista com a administração racional, mesmo quando se chocava com elas. Pregou resistência a concentrações de poder e associação cooperativa e deliberativa. Meu livro argumenta que todo o argumento de Marx no Capital é orientado por esse desejo republicano de se libertar da dominação.

E então eu acho desconcertante que Harvey só mencione liberdade uma vez em toda a sua resenha, e só então pergunte por que eu não falo mais sobre a tradição jacobina do republicanismo.

Eu voltarei aos jacobinos. Por enquanto, deixe-me apenas indicar que minha reconstrução do republicanismo de Marx ressoa com algumas análises sobre a esquerda contemporânea. Alex Gourevitch argumentou tanto pelas credenciais históricas quanto pela relevância contemporânea de “uma visão de uma sociedade de igual liberdade”. Keeanga-Yamahtta Taylor fez uma poderosa defesa para reviver o movimento pela libertação dos negros. Corey Robin, há vários anos, apelou à esquerda americana para reapropriar-se da política de liberdade da direita. Em minha leitura, Marx concordaria com esse apelos.

Como essa é a orientação do meu livro, também estou intrigado com a tentativa de Harvey de reabilitar os saint-simonianos.

Harvey afirma corretamente que "Marx estava relutante em deixar de lado as melhorias óbvias na produtividade do trabalho alcançadas pelo capitalismo industrial". Ele também observa corretamente que essa relutância era parte da base da apreciação de Robert Owen por Marx. No entanto, ele usa uma das notas de rodapé de Engels no volume 3 para trazer Saint-Simon como um prenúncio da sociedade anônima, que tem o potencial - "quando democratizado para incluir os também os ouvriers" - para fornecer “modos de governança e administração coletiva” para o futuro socialista.

Eu sou extremamente cético de que há algo de valor para a esquerda no pensamento de Saint-Simon. E, apesar da nota de rodapé de Engels, não há evidência confiável de que Marx tenha pensado muito nos planos de Saint-Simon também. Engels sempre teve um fraco por Saint-Simon, como indico em meu livro, mas Marx não deixou registro de compartilhar a alta estimativa de seu amigo. Que Engels nos assegure, após a morte de Marx, que seu amigo havia chegado a compartilhar sua própria opinião não é evidência muito credível de que Marx fosse "atraído" pelo "modo de pensar" de Saint-Simon.

Por um lado, Saint-Simon era um racionalista autoritário que sonhava apenas com uma hierarquia benevolente e uma melhoria ordenada. Portanto, ele era absolutamente alérgico a qualquer coisa tão desordenada quanto os movimentos políticos populares ou a democracia majoritária ou o governo de baixo.

Quando Harvey pareceu identificar a questão sobre a alternativa socialista com a questão de como "conceber uma forma de governo que seja consistente com o objetivo do princípio de associação [e] com a necessidade de organizar a macro-economia de forma produtiva e construtiva", ele aborda a questão de uma forma muito favorável à perspectiva de Saint-Simon. Não vejo, no entanto, como isso é compatível com um projeto de construção de um movimento político para a emancipação universal.

Finalmente, há a questão dos jacobinos. Harvey observa que meu livro "ignora o elemento jacobino" no socialismo da época de Marx. Isso é basicamente certo, com a ressalva de que o jacobinismo britânico de Bronterre O'Brien aparece na minha história.

É certamente correto que Auguste Blanqui e seus seguidores não desempenham nenhum papel em minha conta do argumento do Capital. Por um lado, a relação de Marx com o blanquismo foi exaustiva e autoritariamente tratada em As idéias políticas de Marx e Engels, de Richard N. Hunt (um clássico subvalorizado e difícil de encontrar, infelizmente); não vi nenhum valor em recauchutar esse terreno.

Em segundo lugar, Blanqui não produziu quase nada por meio de uma teoria distinta, e o blanquismo não era uma força a ser considerada na Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT). Marx estava preocupado em desmantelar o proudhonismo e o saint-simonismo, porque esses eram dois corpos teóricos substanciais e influentes. O jacobinismo conspiratório de Blanqui era relativamente inconsequente e desinteressante.

Mais importante, no entanto, a tradição republicana francesa, da qual Blanqui é uma ramificação, é, como Harvey percebe, "muito diferente" da tradição republicana que eu acho que influenciou Marx. Rousseau teve uma influência maciça na tradição francesa, mas quase nenhuma em Marx (como David Leopold mostrou). Eu simplesmente não vejo sinais de influência jacobina ou blanquista no Capital, e Harvey também não aponta para nenhum deles. Na ausência de tal indicação, fico um pouco perplexo com a sugestão de que não posso buscar a evidência que está no texto “sem antes abrir a questão do republicanismo jacobino”.

Com isso, parece que temos um círculo completo. A objeção esmagadora de Harvey ao meu livro é que ele é uma leitura do Volume 1. Ele não acha que eu possa estabelecer minha interpretação do Volume 1 com base no Volume 1. E ele argumenta contra a minha interpretação, mas não, na maior parte de suas críticas, com base no volume 1. Este resultado sugere-me que estou no caminho certo. Como escrevo na introdução de Marx’ Inferno,

Marx, sem dúvida, pensou em O Capital como sua obra-prima. Ao longo do século XX, ela foi relativamente negligenciada, pois supostamente era o assento de Marx que já conhecíamos das proclamações dos partidos marxistas. Por isso, as pessoas atraídas por Marx, mas repelidas pelos partidos, procuravam um “Marx desconhecido” ou outro, à medida que novos manuscritos se tornavam disponíveis. Esse processo certamente enriqueceu nosso conhecimento do pensamento de Marx, mas também produziu a situação bastante perversa em que Marx é mais conhecido por suas anotações inéditas do que por sua grande intervenção pública. Ironicamente, nunca conhecemos muito bem o Marx do Capital. É um livro longo e difícil, sem a clareza programática e a generalidade dos últimos trabalhos de Engels. ... O Volume Um do Capital - o único trabalho de teoria totalmente elaborado e publicado de Marx - acabou sendo amplamente negligenciado. E, portanto, acho importante voltar a lê-lo cuidadosamente do começo ao fim, e fazê-lo sem presumir que sabemos o que vamos encontrar.

Minha esperança é que meu livro possa provocar exatamente esse tipo de leitura. Se isso acontecer, então tenho certeza de que as pessoas encontrarão coisas coisas que vão contra a minha interpretação, que sugiram outras interpretações, que abram o caminho para outros interlocutores. Até lá, agradeço ao professor Harvey por ler e responder ao meu livro, mas continuo indiferente a suas objeções.

Sobre o autor

William Clare Roberts é professor assistente de ciência política na Universidade McGill e autor de Marx's Inferno: The Political Theory of Capital.

Nenhum comentário:

Postar um comentário